Pular para o conteúdo principal

Referências

Referências teóricas sobre revisão de textos.

Uma lista eternamente crescente de trabalhos que temos consultado e usado em nossos estudos e produção científica.
Lista de obras sobre revisão de textos a que temos recorrido.
Temos prazer em informar e partilhar nossas fontes de pesquisa.

Aguiar, Vera Teixeira de. O verbal e o não verbal. São Paulo: UNESP, 2004.

Alexandria, Newton. “A Importância da Revisão na Comunicação On-line.” Mídia Boom - Blog de Marketing, 2010.

Ali, Manuel Said. Gramática Histórica da Língua Portuguesa. São Paulo / Brasília: Melhoramentos / Universidade de Brasília - UnB, 2001.

Almeida, José Felipe, José Maria Filardo Bassalo, e Carlos Leonidas da S. S. Sobrinho. Como (não) Escrever um Artigo Técnico-Científico. 2010. https://goo.gl/8vUAyb (acesso em 24 de março de 2017).

Alves, Betania Viana, e Claudine Figueiredo Andrada. Revisão de textos técnicos de Engenharia. Edição: PUC Minas. s.d. https://goo.gl/ROUiKy (acesso em 24 de março de 2017).

Alves, Vitorino de Sousa. “O conceito de verdade na Lógica Formal.” Revista Portuguesa de Filosofia, Jul.- Sep., 1992 1992: 411-422.

Amador, Fernanda Spanier, Gislei Domingas Romanzini Lazzarotto, e Nair Iracema Silveira dos Santos. “Editorial.” Polis e Psique (Instituto de Psicologia - Universidade Federal do Rio Grande do Sul) 5, nº 2 (2015): 1-5.

American Sociological Association (ASA). Quick Style Guide for Students Writing Sociology Papers. Edição: American Sociological Association. 2005. https://goo.gl/PXozDH (acesso em 27 de abril de 2005).

Arsic, Olja. Tesi specialistica con glossario di medicina. 2011.

Arthern, Peter J. “Four Eyes are Better than Two.” Em Translating and the Computer 8: A profession on the move, por Catriona Picken, 14-26. London: Aslib, The Association for Information Management, 1987.

Assis, Andre William Alves de, e Raquel Tiemi Masuda Mareco. “As frases sem texto.” Acta Scientiarum. Language and Culture 37, nº 2 (Apr.-June. 2015): 207-210.

Association canadienne des réviseurs. Principes directeurs en révision professionnelle. Quebec: ACR, 2014.

Athayde, Públio, Felipe Henrique da Silva Magalhães, Michel Jorge Gannam, e Ricardo José Alves. Revisão de textos: interferência e intercessão. Belo Horizonte/ São Paulo/ Campinas: UFMG/ USP/ Unicamp, No prelo.

Background Check Solutions. Background Check Solutions. 27 de set. de 2014. http://www.backgroundchecksolutions.com/how-to-screen-volunteers/ (acesso em 7 de junho de 2016).

Bakhtin, Mikhail Mikhailovich, e V. N. Voloshínov. Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec, 2006.

Bakthin, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: 1997, 1997.

Ballabriga, Michel. “Traduction(s), interprétation.” Em Traduire… interpréter, por Pierre Marillaud e Robert Gauthier, 17-24. Toulouse: CALS - Colloques D'albi Langages et Signification, 2011.

Ballard, Michel. De Cicéron à Benjamin. Traducteurs, traductions, réflexions. Villeneuve d’Asq: Presses Universitaires du Septentrion, 2007.

Baracho, Francisco Ricardo Abrantes Couy. Inseparabilidade e coordenação entre seis funções de proteção e quatro limitadores dos controles do gerador síncrono. (Tese de doutoramento) Belo Horizonte: Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica da Escola de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerais, 2017.

Barbosa, Vanessa Fonseca, e Adail Sobral. “A atividade de revisão linguística em Educação a Distância: uma análise dialógica.” Revista Moara (Universidade Federal do Pará), nº 38 (jul.dez. 2012).

Bardin, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

Bar-Hillel, Jehoshua. Aspects of Language. Jerusalem and Amsterdam: The Magnes Press, Hebrew Univ and North-Holland, 1970.

Barreto, Aldo de Albuquerque. “Palavras, palavras deslocadas para um significado.” 3, nº 1 (jan./dez. 2010): 11-26.

Barthes, Roland, e Stephen Heath. Image, music, text. London: Fontana, 1977.

Baumgartel, Stephan Arnulf. “Mimesis performativa: imediatez em ação ou a ação da mediação?” Conceição | Concept 7, nº 2 (jul./dez. 2018): 110-148.

Beaudet, Céline, Anne Condamines, Christophe Leblay, e Aurélie Picton. “Rédactologie et didactique de l’écriture professionnelle : un chantier terminologique à mettre en place.” Pratiques (Université de Genève), 2016.

Belozerova, Natalia. “Linéarité, hypertextualité, intertextualité, métaphorisation et fractalité : leurs rapports réciproques dans le discours.” Em Langages et signification, por Pierre Marillaud e Robert Gauthier, 63-72. Toulouse: CALS - Colloques D'albi Langages et Signification, 2004.

Belt, Pekka, Matti Mottonen, e Janne Harkonen. Tips for writing scientific journal articles. mai. de 2011. https://goo.gl/Aw70Cu (acesso em 24 de março de 2017).

Benedetto, Raquel. 89 Zr-Imuno-PET/ 111 In-Imuno-SPECT: desenvolvimento radiofarmacêutico de agentes de imagem molecular para receptores EGF. (Tese de doutoramento) Sâo Paulo: Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares / Universidade de São Paulo, 2017.

Bereiter, C., e M. Scardamalia. “Psicologia della composizione scritta.” 285-290. Firenze: La Nuova Italia, 1995.

Bernardino, Cibele Gadelha. O metadiscurso interpessoal em artigos acadêmicos: espaço de negociações e construção de posicionamentos. (Tese: doutorado em Linguística Aplicada). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2007.

Bez, Alessandra da Silveira. O papel do linguístico para a construção de sentido: a tradução do discurso científico. (Dissertação de mestrado). Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2009.

Biedermann, Anne. “La médiation linguistique dans un contexte d’enseignement des langues étrangères.” Synergies - Revue du Gerflint (Universidad de Concepción), nº 10 (2014): 83-91.

Bisaillon, Jocelyne. “Et si on enseignait la révision de textes!” Québec français, nº 75 (automne 1989): 40–42.

Bisaillon, Jocelyne. “Professional Editing: Emphasis on the quality of a text and its communicative effectiveness.” Em Studies in Writing: Written Docwnents in the Workplace, por Patrice Terrier Denis Alamargot e Jean-Marie Cellier, 78-93. New York: Kluwer Elsevier, 2007.

Bonin, Eduardo Aimoré. Avaliação de novo dispositivo magnético para a realização de gastrostomia percutânea – estudo experimental em modelo animal. (Tese de doutoramento) Porto Alegre: Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2017.

Borba, Vicentina Maria Ramires. Gêneros textuais e produção de universitários: o resumo acadêmico. (Tese de doutorado). Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2004.

Borges, Luciane Chedid Melo. Processo de Revisão de Textos Técnico-Científicos na Embrapa Amazônia Oriental: proposta de melhoria. Belém: Embrapa Amazônia Oriental, 2007.

Bravo, Álvaro A. Sánchez, e Jorge Luís Mialhe. Refugiados e Migrações no Século XXI - Direitos fundamentais e relações internacionais. Belo Horizonte: Arraes Editora, 2017.

Brito, Maria dos Remédios de. “Notas sobre a ideia de intercessores como um conceito na filosofia de Gilles Deleuze: por um teatro filosófico.” Alegrar, junho 2013.

Brown, Caset. Saiba seu valor e cobre por ele. 8 de abril de 2017. https://goo.gl/QzWvJ5 (acesso em 8 de abril de 2017).

Bryant, John. The Fluid Text: A Theory of Revision and Editing for Book and Screen. Ann Arbor: The University of Michigan Press, 2002.

Buriti, Carlos Roberto. O direito à privacidade e à proteção de dados pessoais em face do Estado. (Dissertação de mestrado) São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2020.

Caimi, Cláudia. “Literatura e história: a mimese como mediação.” Itinerários, nº 22 (2004): 59-68.

Calvet, Louis-Jean. La mondialisation au filtre des traductions. Paris: Hermès, CNRS, 2007.

Camillini, Gianluca, e Jonathan Pierini. “Il cliente immaginato.” Progetto Grafico - Rivista internazionale di grafica 29, nº Anno 14 (Primavera 2016).

Campos, Ana Maria Varela Cascardo. Análise discursiva da ideologia na letra de Brasil com P: Rap de Gog. (Monografia). Brasília: Centro Universitário de Brasília (UniCEUB/ICPD), 2011.

Campos, Camila Brasil Gonçalves. O curso de Administração e seus estudantes na Região Metropolitana de Campinas. (Tese de doutoramento) Campinas: Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, 2017.

Campos, Jorge, e Fábio José Rauen. Tópicos em teoria da relevância. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008.

Cândido, Glaucia Vieira, Joana D’arc Bardella Castro, Aracelly Rodrigues Loures Rangel, e Regina Martins Borges. “Mercado de trabalho para o revisor de texto: um estudo no polo educacional do ensino superior de Anápolis.” Revista Plurais - Virtual (Universidade Estadual de Goiás) 1, nº 1 (2011): 106-123.

Carioca, Cláudia Ramos. “A caracterização do discurso acadêmico baseada na convergência da linguística textual com a análise do discurso.” 4º Simpósio Internacional de Estudos de Gêneros Textuais. Tubarão: Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem - Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul), 2007. 825-836.

Carollo, Alberto. Scrittura creativa – La revisione. 7 de Oct. de 2014. https://goo.gl/WLB1dc (acesso em 24 de março de 2017).

Carreto, Carlos F. Clamote. “Da mimesis ao amor. O poder da mediação textual em Jean Renart.” Cadernos do Ceil (Centro de Estudos sobre o Imaginário Literário, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa), 2011: 53-64.

Carroll, Jude, e Carl-Mikael Zetterling. Guiding students away fromplagiarism. Stockholm: KTH Learning Lab, 2009.

Castedo, Mirta Luisa. Revisión de textos en situación didáctica de intercambio entre pares. (Tesis de doctorado). Buenos Aires: Universidad Nacional de La Plata. Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educacion. (Tesis de doctorado), 2003.

Castro, Cláudio de Moura. Estrutura e apresentação de publicações científicas. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1976.

Cayser, Elisane Regina. “A reflexão sobre a língua através da reescritura de textos.” Anais do SIELP (EDUFU) 2, nº 1 (2012).

Ceia, Carlos. E-Dicionário de Termos Literários. s.d. http://www.edtl.com.pt (acesso em 30 de abril de 2017).

Charolles, Michel. “Introdução aos problemas da coerência dos textos.” Em O texto: leitura e escrita, por Charlotte Galves e P. E. Orlandi. Campinas: Pontes, 1997.

Charters, Elizabeth. “The use of think-aloud methods in qualitative research an introduction to think-aloud methods.” Brock Education - A Journal of Educational Research and Practice 12, nº 2 (2003).

Chartrand, Suzanne-G. “Enseigner la révision-correction de texte du primaire au collégial.” Correspondence 18, nº 2 (2013).

Ciccolone, Simone. “Incoerenze testuali e problemi di combinazione lessicale nella produzione scritta di studenti universitari: primi rilievi e proposte esplicative.” Atti dell'XI Congresso Internazionale di Studi dell'Associazione Italiana di Linguistica Applicata. Bergamo: Università degli Studi “G. d’Annunzio”, 2011.

Clares, Letícia Moreira. Ritos genéticos editoriais do impresso ao audiolivro: o revisor de textos e as manobras de intervenção. São Carlos: (TCC) Universidade Federal de São Carlos, 2013.

Clochard, Olivier. “Les réfugiés dans le monde entre protection et illégalité.” EchoGéo 2 (2007).

Coelho Neto, Aristides. Além da revisão: critérios para revisão textual. Brasília: Editora Senac, 2007.

Coelho, Sueli Maria, e Leandra Batista Antunes. “Revisão textual: para além da revisão linguística.” Scripta (PUC Minas) 14, nº 26 (2010).

Coen, Pierre-François. “Révision de texte et ordinateur.” Résonances, nº 5 (2001): 12-13.

Colasante, Monica. La formazione dei prezzi nei servizi di traduzione. L’asimmetria informativa come causa distorsiva. Roma: Libera Università degli Studi “S. Pio V”, 2006.

Cordier-Gauthier, Corinne, e Chantal Dion. “La correction et la révision de l’écrit en français langue seconde: médiation humaine, médiation informatique.” Alsic - Apprentissage des Langues et Systèmes d'Information et de Communication (Adalsic) 6, nº 1 (Spécial Pluralité des langues) (2003): 29-43.

Cornelsen, Elcio Loureiro. O estilo em Alfred Döblin. 2010. https://goo.gl/L6NEiq (acesso em 10 de maio de 2017).

Corpus Tycho Brahe. Fundamentos, Diretrizes e Procedimentos. set. de 2007. https://goo.gl/DwKdrv (acesso em 25 de março de 2017).

Costa, Alessandra Castilho da. A interferência positiva diz respeito à presença de elementos de uma língua. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2010.

Costa, Cristiano Bedin da, e Marcele Pereira da Rosa. “Escrita sobre nada.” Seminário Nacional de Filosofia e Educação: Connfluências. Santa Maria: FACOS-UFSM, 2006.

Costa, Lorena Martins, e Maria Alzira de Almeida Pimenta. Um estudo sobre a prática da fraude acadêmica em quatro continentes. junho de 2015. https://goo.gl/h3Dx1L (acesso em 12 de maio de 2017).

Costa, Márcia Maria Arco e Flexa Ferreira da. “The Jetsons”, uma sociedade ficcional: o sentido das tecnologias no cotidiano de três gerações . (Anteprojeto de pesquisa) Sâo paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2017.

Costa, Roger Vinícius da Silva, Daniella Lopes Dias Ignácio Rodrigues, e Daniela Paula Alves Pena. “Dificuldades no trabalho do revisor de textos: possíveis contribuições da Linguística.” Revista Philologus, set.-dez. de 2011: 53.

Cottrell, Allin. “Word Processors: Stupid and Inefficient.” s.d. http://ricardo.ecn.wfu.edu/~cottrell/wp.html (acesso em 31 de março de 2020).

Council of Europe. Common European Framework of Reference for Languages: Learning, Teaching, Assessment (CEFR). 2001. http://www.coe.int/lang-CEFR (acesso em 21 de abriL de 2020).

d’Andrea, Carlos F. B., e Ana Elisa Ribeiro. Retextualizar e reescrever, editar e revisar: Reflexões sobre a produção de textos e as redes de produção editorial. Juiz de Fora: PPG LINGUÍSTICA/UFJF, 2010.

Davies, Mark. O corpus do português. Brigham Young University. 2018. http://www.corpusdoportugues.org/ (acesso em 9 de março de 2018).

Dedeyan, Alexandra, Pierre Largy, e Isabelle Negro. “Mémoire de travail et détection d’erreurs d’accord verbal : étude chez le novice et l’expert.” Edição: Armand Colin. Langages 4, nº 164 (2006): 57-70.

Dejavite, Fábia Angélica, e Paula Cristina Martins. “O revisor de texto no jornal impresso diário e seu papel na sociedade da informação.” Comunicação & Inovação (Universidade Anhembi–Morumbi), jul.-dez. 2006: 22-29.

Delcò, Corinn. Il bambino e la revisione del testo scritto: l'utilizzo di facilitatori per migliorare il processo di revisione testuale. Edição: SUPSI. Vol. Bachelor thesis. Manno: Scuola universitaria professionale della Svizzera italiana, 2011.

Deleuze, Giles. “Michel Tournier e o mundo sem outrem.” Em Lógica do, por Giles Deleuze, 311-330. São Paulo: Perspectiva, 1998.

Deleuze, Gilles. “Os intercessores.” Em Conversações, por Gilles Deleuze, 155-172. São Paulo: Ed. 34, 2010.

Deutsch Bank. “Política Global de Conflitos de Interesses.” Deutsch Bank. 28 de setembro de 2007. http://www.deutsche-bank.pt/db_pt/downloads/Conflito_de_Interesses__20070928__-_Portugues.pdf (acesso em 6 de junho de 2016).

DICIO. Dicionário Online de Português. 7Graus. 2017. https://www.dicio.com.br (acesso em 30 de abril de 2017).

Do, Thi Bich Thuy. Les impacts de la révision collaborative étayée : une recherche-action en didactique de la production écrite en français langue étrangère. Marseille: Universit´e de Provence, 2011.

Dourado, Herculano Francisco. A transposição do texto falado para o texto escrito os limites do revisor no discurso parlamentar. 2008. https://goo.gl/0737MQ (acesso em 25 de março de 2017).

Duailibi, Roberto. Duailibi das Citações. São Paulo: Arx, 2000.

Duarte, Vânia Maria do Nascimento. Coesão e Coerência. s.d. https://goo.gl/ZdIl7h (acesso em 20 de maio de 2017).

—. Revisão de texto. 25 de março de 2017. https://goo.gl/kFne4H.

Dubitatius, Claudius. Retorica minimalista: l’editing dei libri. s.d. https://goo.gl/Cfk70X (acesso em 25 de março de 2017).

Durastanti, Sylvie. Éloge de la trahison. Notes du traducteur. Paris: Le Passage, 2002.

Durieux, Christine. “L’enseignement de la traduction : enjeux et démarches.” Meta - Journal des traducteurs 50, nº 1 (March 2005).

Durieux, Christine, e Florence Durieux. Apprendre à traduire: Prérequis et tests. Paris: La Maison du Dictionnaire, 2017.

Eco, Umberto. Dire presque la même chose. Expériences de traduction. Paris: Grasset, 2003.

Elias, Carime Rossi. “O leitor e a tecitura da trama dos sentidos: um estudo de caso.” (Dissertação de mestrado). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1998.

Estrada, Andrea. “De errores y erratas. Cómo corregir y normalizar un texto académico.” Normas - Revista de estudios lingüísticos hispánicos (Universitat de València), nº 2 (2012).

Eszenyi, Réka. “The modern translator trainer’s profile - lifelong learning guaranteed.” Em The modern translator and interpreter, por Ildikó Horváth, 195-206. Budapest: Eötvös University Press, 2016.

Faria, Bruno Menchio. Integração rocha-perfil para otimização de estimativas de permeabilidade em reservatórios carbonáticos da Bacia de Campos. (Dissertação de mestrado) Niterói: Programa de Pós-graduação em Dinâmica dos Oceanos e da Terra da Universidade Federal Fluminense, 2020.

Fedorova, Irina. “Le rôle de l'écriture dans la traduction des œuvres cinématographiques : approche culturelle 231.” Em Ecritures évolutives : entre transgression etinnovation, por Pierre Marillaud e Robert Gauthier, 231-244. Toulouse, 2010.

Feltrim, Valeria Delisandra. Um levantamento bibliográfico sobre a estruturação de textos acadêmicos. Universidade Estadual de Maringá. agosto de 207. https://goo.gl/8YpMUj (acesso em 25 de março de 2017).

Ferreira, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário Aurélio. 2010. https://goo.gl/THJkau (acesso em 1 de maio de 2017).

Ferreira, Nali Rosa Silva. As concepções de Transversalidade, Interdisciplinaridade e Transdisciplinaridade como base do processo de formação de formadores da Educação Básica; um estudo de caso no Centro Universitário de Belo Horizonte (Uni-BH). (Dissertação de mestrado). Belo Horizonte, Minas Gerais: Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais – CEFET-MG, 2001.

Fiad, Raquel Salek, e Maria da Graça Costa Val. “Produção de textos.” Glossário CEALE. Edição: Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP / Instituto de Estudos da Linguagem-IEL. Leitura e Escrita (CEALE) Centro de Alfabetização. s.d. http://ceale.fae.ufmg.br/app/webroot/glossarioceale/verbetes/producao-de-textos (acesso em 24 de ago de 2019).

Fidalgo, Marta Filipa Gomes Marques. Guia para Revisores de Texto - Uma proposta para o exercício de uma profissão pouco (re)conhecida. (Dissertação de Mestrado). Lisboa: Universidade Nova de Lisboa, 2014.

Finatto, Maria José Bocorny. Complexidade textual em artigos científicos: contribuições para o estudo do texto científico em português. Edição: NILC-ICMC-USP. NúcleoInterinstitucional de Lingüística Computacional do Instituto de Ciências Matemáticas e Computacionais da Universidade de São Paulo,. fev.-jul. de 2011. https://goo.gl/ftM5MC (acesso em 2 de março de 2017).

Fiorin, José Luiz. Elementos de Análise do Discurso. São Paulo: Contexto, 2004.

Fischbach, Henry. “he Mutual Challenge of Technical and Literary Translation: Some Highlights.” Sci-Tech Newsletter, January 1992: 3-5.

Fish, Stanley. Is there a text in this class? The authority of interpretive communities. Cambridge & London: Harvard University Press, 1980.

Fisher, C., e M.-C. Dufour-Beaudin. Pour écrire un texte sans fautes. Edição: L'UQAC. Université du Québec à Chicotimi. 2008. https://goo.gl/1dPmPW (acesso em 24 de março de 2017).

Fitzgerald, Jill. “Research on Revision in Writing.” Review of Educational Research (American Educational Research Association) 57, nº 4 (1987): 481-506.

Flesch, Rudolf. “Let's Start With the Formula.” Em How to Write Plain English, por Rudolf Flesch. London: University of Canterbury, 2016.

Flower, Linda S., Karen A. Scriver, James F. Stratman, Linda Carey, e John R. Hayes. “Cognitive Process in Revision.” Em Advances in Applied Psycholinguistics, por Linda S. Flower, Karen A. Scriver, James F. Stratman, Linda Carey e John R. Hayes, 176-240. New York: Cambridge, 1987.

Flower, Linda, e John R. Hayes. “A Cognitive Process Theory of Writing.” College Composition and Communication (National Council of Teachers of English) 32, nº 4 (Dec. 1981): 365-387.

Flower, Linda, e John R. Hayes. “The Cognition of Discovery: Defining a Rhetorical Problem.” College Composition and Communication (National Council of Teachers of English) 31, nº 1 (Feb. 1980): 21-32.

Flower, Linda, John R. Hayes, Linda Carey, Karen Schriver, e James Stratman. “Detection, Diagnosis, and the Strategies of Revision.” College Composition and Communication (National Council of Teachers of English) 37 (1986): 16-55.

Földes, Annamária. “Project Management.” Em The modern translator and interpreter, por Ildikó Horváth, 45-56. Budapest: Eötvös University Press, 2016.

Fontes, Marilia Dancini de Oliveira. Utilizando o Desemprego de Curto Prazo na Curva de Phillips Brasileira. (Dissertação de mestrado) São Paulo: Instituto de Ensino e Pesquisa, 2017.

Fornara, Simone. “Il testo scritto finisce dal dottore. Come rendere divertente la revisione del testo per i bambini di scuola elementare.” Scuola Ticinese, nº 294 (2009): 20-23.

Foucault, Michel. “Qu'est - ce qu'un auteur ?” Bulletin de la Société française de philosophie. Dits Ecrits, 1969. 73-104.

Franchetti, Paulo. A tradução do ponto de vista do editor. 6 de junho de 2013. https://goo.gl/B3niD7 (acesso em 9 de março de 2018).

Freire, Angélica. “Ler e compreender: criação e cooperação.” Linha Mestra (ALB) 2 (2007).

Freitas, Luana Augusta de. A importância da revisão de texto nos trabalhos acadêmicos. 2 de fevereiro de 2011. https://goo.gl/a5B0Xi (acesso em 24 de março de 2017).

Gabler, Hans Walter. “Les livres, les textes et la critique.” Théorie : état des lieux, 2010: 41-41.

Gaffuri, Pricila, e Renilson José Menegassi. A leitura e a produção textual no ensino fundamental. Edição: Universidade Estadual de Maringá. 2007. https://goo.gl/3Aoyxg (acesso em 1º de abril de 2017).

—. “Responsividade na revisão e reescrita: a quebra dos elos no diálogo escrito.” Anais do 4º Congresso de Estudos Linguísticos e Literários. Maringá: Universidade Estadual de Maringá, 2010.

Galvão, Vânia Cristina Casseb. A teoria de valência aplicada ao trabalho de revisão de textos. Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - USP. s.d. https://goo.gl/Z9eOCt (acesso em 25 de março de 2017).

Ganier, Franck. “La révision de textes procéduraux.” Edição: Armand Colin. Langages 4, nº 164 (2006): 7185.

Garcia, Othon Moacyr. Comunicação em prosa moderna. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1988.

Gehrke, Nara Augustin. “Na leitura, a gênese da reconstrução de um texto.” Letras de Hoje, 1993: 115-154.

Genette, Gérard. Palimpsestes. La littérature au second degré. Paris: Seuil, 1982.

—. Palimpsestos: a literatura de segunda mão. Belo Horizonte: Viva Voz, 2010.

—. Paratextos Editoriais. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009.

—. Seuils. Paris: Seuil, 1987.

Genoves-Junior, Luiz Carlos. Avaliação automática da qualidade de escrita de resumos científicos em inglês. (Dissertação de mestrado). São Carlos: Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação ICMCUSP, 2007.

Gentes, Annie. “De la traduction comme médiation et création interlinguistique des interactions humaines.” Revue des Interactions Humaines Médiatisées 10, nº 1 (2009).

Gissi, Luciano de. Mitigação das emissões de óxido nitroso pelo uso de fertilizantes nitrogenados revestidos. (Dissertação de mestrado) São Paulo: Escola de Economia de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas, 2017.

Gonzáles, Gladys. “Les aspects théoriques et pratiques de la traduction juridique.” Em L'équivalence en traduction juridique: Analyse des traductions au sein de l'Accord de libre-échange Nord-Américain (ALENA), por Gladys Gonzáles Mattheus. (Doctorat en linguistique) Département de langues, linguistique et traduction - Université Laval, 2003.

Görög, Mihály. Projektvezetés. Budapest: Aula Kiadó, 2008.

Gouadec, Daniel. Profession : traducteur. Paris: La maison du dictionnaire, 2002.

Gournay, Lucie. “La traduction comme travail de (r)écriture.” Em Traductologie et enseignement de traduction à l’université, por Michel Ballard, 127-144. Arras: Artois Presses Université, 2009.

Gouveia-Matos, João Augusto, e Waldmir Araujo-Neto. “Mediação semiótica, linguagem E sociedade: confluências entre os estudos de Ruqaya Hasan e os processos de câmbio representativo no ensino.” IX Congreso Internacional sobre Investigación En Didáctica De Las Ciencias. Girona, 9-12 de septiembre de 2013, 2013.

Grahan, John D. “Checking, revision and editing.” Em The translator's handbook, por Catriona Picken, 59-70. London: Aslib, 1989.

Grice, Paul. “Logic and Conversation.” Em Studies in the Way of Words, por Paul Grice, 22-40. Cambridge: Harvard University Press, 1975.

Grupo Dicactext. Revisión y Reescritura. Edição: Universidad Complutense de Madrid. 2001. https://goo.gl/ywmmVk (acesso em 24 de março de 2017).

Grupo Promon. “Código de Conduta Promon.” Promon. s.d. http://www.promon.com.br/codigodeconduta/pdf/codigo-conduta-pt.pdf (acesso em 8 de junho de 2016).

Gutierres, Luna Neide Macedo. O conceito de big data: novos desafios, novas oportunidades. (Dissertação de mestrado) São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2017.

Haa, Catherine. “Definitions and Distinctions.” Em Revision: History, Theory, and Practice, por Alice Horning e Anne Becker, 10-24. Anderson: Parlor Press, 2006.

Haar, Ewout ter. Como Contribuir. 18 de maio de 2008. https://goo.gl/ogLXI6 (acesso em 25 de março de 2017).

Hallet, Wolfgang. “Zwischen Sprachen und Kulturen vermitteln.” Der Fremdsprachliche Unterricht Englisch 93 (2008): 2-7.

Harvey, David. A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1992.

Hayes, John R. “A New framework for understanding cognition and affect in writing.” Em The science of writing. Theories, methods, individual differences and apphcation, por C. Michael Levy e Sarah E. Ransdell, 1-27. Mahwah, NJ: Lau rence Erlbaum, 1996.

Hayes, John R., e Linda Flower. “Identifying the organization of writing processes.” Em Cognitive processes in writing, por W. Gregg e E. R. Steinberg, 3-30. Hillsdale (NJ): Lawrence Erlbaum, 1980.

Hayes, John R., Linda Flower, Karen A. Schrjver, James F. Stratman, e Linda. Carey. “Cognitive processes in revision.” Em Ad vances in applied psycholinguistics Vol 2. Reading, writing , and lang uage processing., por Sheldon Rosenberg, 176-240. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

Henriques, Claudio Cezar. Atas da Academia Brasileira de Letras: Presidência Machado de Assis (1896-1908). Rio de janeiro: Academia Brasileira de Letras, 2001.

Heurley, Laurent. “A revisão de texto: abordagem da psicologia cognitiva.” Scripta, 1º sem. 2010: 121-138.

Hiep, Pham Hoa. Good Proofreader/Bad Proofreader. Translation Journal. October de 2011. https://goo.gl/b4XHur (acesso em 24 de março de 2017).

Hopker, Luisa Moreira. Efeito da bupivacaína na musculatura ocular extrínseca: achados histológicos em coelhos. (Tese de doutoramento). São Paulo: Programa de Pós-graduação em Oftalmologia e Ciências Visuais da Universidade Federal de São Paulo, 2017.

Horguelin, Paul A, e Louise Brunette. Pratique de la révision,. 3e éd revue et augmentée. Brossard (Québec): Linguatech, 1998.

Horguelin, Paul A., e Michelle Pharand. Pratique de la révision. Montréal (Québec): Linguatech Éditeur, 2009.

Horning, Alice, e Anne Becker. Revision: History, Theory and Practice. West Lafayette: Parlor Press LCC, 2006.

Horváth, Ildikó. A szakfordítások lektorálása - Elmélet és gyakorlat. Budapest: Tinta Könyvkiadó, 2011.

—. The modern translator and interpreter. Edição: Ildikó Horváth. Budapest: Eötvös University Press, 2016.

Horváth, Péter Iván. A lektori kompetencia. (Doktori Disszertáció) Budapest: Eötvös Loránd Tudományegyetem - Bölcsészettudományi Kar, 2009.

—. A szakfordítások lektorálása - elmélet és gyakorlat. Budapest: Tinta Könyvkiadó, 2011.

Houaiss, Antonio. “Preparação de originais.” Em A preparação de originais, por Sônia Queiroz, 7-22. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2015.

ILTEC. Dicionário de Termos Linguísticos. Instituto de Linguística Teórica e Computacional. 1992. https://goo.gl/Hc6Lha (acesso em 30 de abril de 2017).

Imagine Easy Solutions LLC. Gerador de referência Harvard, APA, MLA. s.d. http://www.citethisforme.com/pt (acesso em 1º de abril de 2017).

Infopédia. Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa com Acordo Ortográfico. 2017. https://www.infopedia.pt/ (acesso em 1 de maio de 2017).

Instituto Antônio Houaiss. Grande Dicionário Houaiss. 2018. https://houaiss.uol.com.br/ (acesso em 13 de janeiro de 2018).

Itaú Corretora. “Política de Controle à Potenciais Conflitos de Interesses - Research.” Itaú Corretora. 16 de janeiro de 2012. https://www.itaucorretora.com.br/Content/Files/Views/Home/ConflitosInteresse.pdf (acesso em 6 de junho de 2016).

James, Kate. “Cultural Implications for Translation.” Translation Journal 6, nº 4 (October 2002).

Jeanneret, Yves, e Emmanuel Souchier. “Pour une poétique de « l’écrit d’écran ».” Xoanna 6 (1999): 97-107.

Kanadani, Tereza Cristina Moreira. Análise da microestrutura macular pela tomografia de coerência óptica de pacientes portadores de degeneração macular relacionada à idade tratados com antiangiogênicos. (Tese de doutoramento) Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2018.

Kanoua, Saida. “Effets de l’enseignement des stratégies de révision sur l’amélioration de la production écrite.” Synergies Algérie 20 (2013): 135-150.

Keimelion - revisão de textos. Keimelion - revisão de textos. dezembro de 2017. http://www.keimelion.pro.br/ (acesso em 23 de fevereiro de 2018).

—. Keimelion - revisão de textos. 2014-2017. http://www.keimelion.com/ (acesso em 23 de fevereiro de 2018).

—. Keimelion - revisão de textos. 2010-2017. http://www.keimelion.com.br/ (acesso em 23 de fevereiro de 2018).

—. “Nossas tipologias da revisão de textos.” Keimelion - revisão de textos. Edição: Públio Athayde. Keimelion - revisão de textos. 12 de dezembro de 2017. https://www.keimelion.com.br/2017/07/nossas-tipologias-revisao.html (acesso em 24 de agosto de 2019).

—. “O acompanhamento da revisão pelo autor.” Keimelion - revisão de textos. Edição: Públio Athayde. Keimelion - revisão de textos. 14 de agosto de 2016. https://www.keimelion.com.br/2016/08/o-acompanhamento-da-revisao-pelo-autor.html (acesso em 24 de agosto de 2019).

—. “Produção e revisão de textos acadêmicos com ferramentas colaborativas.” Keimelion - revisão de textos. Edição: Públio Athayde. Keimelion - revisão de textos. 21 de dezembro de 2014. https://www.keimelion.com.br/2014/12/producao-e-revisao-de-textos-academicos.html (acesso em 24 de agosto de 2019).

—. “Repensando a natureza e funções da revisão do texto.” Keimelion - revisão de textos. Edição: Públio Athayde. Keimelion - revisão de textos. 14 de outubro de 2014. https://www.keimelion.com.br/2014/10/natureza-funcoes-revisao.html (acesso em 24 de agosto de 2019).

—. “Revisão do texto técnico: a retórica da acessibilidade.” Keimelion - revisão de textos. Edição: Públio Athayde. Keimelion - revisão de textos. 26 de outubro de 2017. https://www.keimelion.com.br/2017/10/revisao-do-texto-tecnico-retorica-da.html (acesso em 24 de agosto de 2019).

—. “Textos para multimídia – criação e revisão.” Keimelion - revisão de textos. Edição: Públio Athayde. Keimelion - revisão de textos. 3 de abril de 2015. https://www.keimelion.com.br/2015/05/textos-multimidia-criacao-revisao.html (acesso em 24 de agosto de 2019).

Kenneth, A., K. A. McKethan Jr, e G. White. “Project management for the freelance translator.” Multilingual 19(5) (July 2008): 31-36.

Kervyn, Bernadette, e Jérôme Faux. “Avant-texte, planification, révision, brouillon, réécriture : quel espace didactique notionnel pour l’entrée en écriture ?” Pratiques, juin 2014: 161-162.

Kincaid, J. Peter, Robert P. Fishburn-Jr., Richard L. Rogers, e Brad L. Chissom. “Derivation of new readability formulas (Automated Readability Index, Fog Count and Flesch Reading Ease Formula) for Navy enlisted personnel.” Research Branch Report (Naval Technical Training / U. S. Naval Air Station), 1975: 8-75.

Krenzler-Behm, Dinah. Authentische Aufträge in der Übersetzerausbildung – Ein Leitfaden für die Translationsdidaktik. Berlin: Frank & Timme, 2013.

Kretschmann, Ângela. “Desafios do direito autoral: combate ao plágio e pirataria ou acesso à cultura?” a Mostra Científica do Cesuca. Cachoeirinha: Cesuca - Complexo de Ensino Superior de Cachoeirinha, 2011.

Kristeva, Julia. Introdução à semanálise. São Paulo: Perspectiva, 2005.

Kruger, Haidee. “Training Editors in Universities: Considerations, Challenges and Strategies.” Em Translator and Interpreter Training. Issues, Methods and Debates, por J Kearns. London: Continuum, 2008.

Kunsch, Waldemar Luiz. “O Editor Científico.” Revista Acadêmica do Grupo Comunicacional de São Bernardo Ano 1, nº N. 1 (jan/jun 2004).

Laflamme, Caroline. Les modifications lexicales apportées par les réviseurs professionnels dans leur tâche de révision: du problème à la solution. Thèse (PhD) Quebec: Université Laval, 2009.

Lagarde, Laurent. Le traducteur professionnel face aux textes techniques t à la recherche documentaire. Edição: Université de la Sorbonne nouvelle - Paris III. 2009. https://goo.gl/kJAAT2 (acesso em 5 de março de 2013).

Lamson, Cody. Proofreading market viability for Native English Solutions. (Bachelor’s Thesis) Helsinki: Haaga-Helia University of Applied Sciences, 2012.

LanguageTool. LanguageTool. 18 de abril de 2020. https://languagetool.org/pt/.

Lara, Marilda Lopes Ginez de. “Conceitos lingüísticos fundamentais para a organização e disseminação de informações.” V Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Belo Horizonte: UFMG, 2015.

Lea, Mary R., e Brian V. Street. “Student writing in higher education: An academic literacies approach.” Studies in Higher Education 23, nº 2 (Aug. 1998).

Leab, Daniel J. “Toward Unionization: The American Newspaper Guild and the Newark Ledger Strike of 1934-35.” Labor History (Tamiment Institute) 11 (1970): 3-22.

Leal, Telma Ferraz, e Ana Carolina Perrusi Brandão. Produção de textos na escola : reflexões e práticas no Ensino Fundamental. Belo Horizonte, NG: Autêntica, 2007.

Lederer, Marianne. “L'enseignement de la compréhension dans le cadre de l'enseignement de la traduction.” Cáp. 4 em Enseignement de la traduction et traduction dans l'enseignement, por Jean Delisle e Hannelore Lee-Jahnke, 59-68. Ottawa: Les Presses de l'Universite d'Ottawa, 1997.

Lee, Hyang. “Révision : Définitions et paramètres (Théories et pratiques de la traduction et de l’interprétation en Corée).” Meta (Les Presses de l'Université de Montréal), juin 2006: 410–419.

Leffa, Vilson J. “O processo de autorrevisão na produção do texto em língua estrangeira.” XI Encontro Nacional da ANPOLL. João Pessoa: ANPOLL, 1996.

Leijten, Mariëlle, e Luuk Van Waes. “Keystroke Logging in Writing Research - Using Inputlog to Analyze and Visualize Writing Processes.” Written Communication 30, nº 3 (junho 2013): 358 - 392.

Leite, Délia Ribeiro. O olhar do profissional: estudo do movimento ocular na leitura realizada por revisores de texto. (Tese de doutoramento). Belo Horizonte: Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, 2016.

—. “O olhar do profissional: estudo do movimento ocular na leitura realizada por revisores de texto.” Belo Horizonte: Tese (doutoramento) - Faculdade de Letras da UFMG, 2014.

Leite, Ricardo Lopes. Metaforização textual: a construção discursiva do sentido metafórico no texto. (Tese de doutorado). Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2007.

Lemos, Mayara Espíndola. “A regulamentação da profissão de revisor de textos: uma medida social necessária.” Cenários, nº 9 (2014): 139-151.

Libersan, Lucie. “Cinq pistes pour favoriser le développement des compétences à l’écrit.” Correspondence 18, nº 1 (2012).

Lima, Luís Filipe Silvério. ““Ver sem abrir os olhos”, “sonhar com os olhos abertos”: sonhos, visões e profecias no Portugal seiscentista.” História e Perspectivas, nº 34 (jan.-jun 2006): 139-188.

Lima, Patrícia C. Fonemas da criação – uma doce investigação semiótica dos começos. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2004.

Lima, Vânia Mara Alves. “A função da terminologia na representação documentária.” V Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Belo Horizonte: UFMG, 2015.

Longinotti, Daniela. “Problemi specifici della traduzione giuridica: traduzione di sentenze dal tedesco e dall’inglese.” Quaderni di Palazzo Serra, 2009, 17 ed.

Luey, Beth. Modernity and Print III: The United States 1890-1970 A Companion to the History of the Book. Oxford: Wiley-Blackwell, 2009.

Lupton, Ellen. Pensar com tipos: guia para designers, escritores, editores e estudantes. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

Macedo, Denise Silva. As contribuições da análise de discurso crítica e da multimodalidade à revisão textual. (Dissertação de mestrado). Brasília: Universidade de Brasília (UnB), 2013.

Machado, Tonia Russomano. Condições facilitadoras do ativismo judicial na justiça do trabalho. (Dissertação de mestrado) São Paulo: Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, 2017.

Machin, David, Carmen Rosa Caldas-Coulthard, e Tommaso M. Milani. “Doing critical multimodality in research on gender, language and discourse.” Gender and Language (Equinox Publishing) 10.3 (2016): 301–308.

Madeira, Adriana Beatriz, Marcos Lopes, Viviana Giampaoli, e José A. G. da Silveira. “Análise proposicional quantitativa aplicada àpesquisa em administração.” Revista de Administração de Empresas 51, nº 4 (jul/ago 2011): 396-410.

Magalhães, Felipe. “O escritor labiríntico.” Medium. 6 de janeiro de 2020. encurtador.com.br/boNV5 (acesso em 15 de abril de 2020).

Magrini, Giulia Illica. Il processo di revisione della manualistica tecnica fra risorse informatiche e aspetti linguistici. Analisi e discussione di un caso. Bologna: Università di Bologna, 2014/2015.

Magris, Marella. “Il processo della revisione e la qualità del testo finale: alcune riflessioni basate su un manuale di infermieristica.” Rivista internazionale di tecnica della traduzione / International Journal of Translation (EUT - Edizioni Università di Trieste) 2 (1999): 133-156.

Magris, Marella. “La traduzione del linguaggio medico: analisi contrastiva di testi in lingua italiana, inglese e tedesca.” Traduzione, società e cultura (EUT Edizioni Università di Trieste) 2 (1992): 1-82.

Malufe, Annita Costa. “Aquém ou além das metáforas: a escrita poética na filosofia de Deleuze.” Revista de Letras 52, nº 2 (jul.dec. 2012): 185-204.

Marcuschi, Luiz Antônio. “O papel da linguística no ensino de línguas.” Diadorim 18, nº 2 (2016).

Mareco, Raquel Tiemi Masuda, e Maria Célia Cortez Passetti. “Destextualização: Processo de Construção de Aforizações.” Gláuks online - Revista de Letras (Universidade federal de Viçosa), jan./jun. 2014: 16.

Marin, Brigitte, e Denis Legros. “Révision et co-révision de texte à distance. Vers de nouvelles perspectives pour la recherche et la didactique de la production de texte en contexte plurilingue.” Edição: Armand Colin. Langages, nº 164 (décembre 2006).

Marques, Hélio de Moraes e. “Alteridade - implicações na formação do aluno.” Seminário Nacional de Filosofia e Educação: Confluências. Santa Maria: FACOS-UFSM, 2006.

Martim, Tim. “Managing risks and resources: a down-to-earth view of revision.” Journal of Specialised Translation 8 (2007): 57-63.

Martins Filho, Plínio. Manual de Editoração e Estilo. Campinas/ São Paulo/ Belo Horizonte: Editora da Unicamp/ Editora da Universidade de São Paulo/ Editora da UFMG, 2016.

Martins, Alberto. “Da alma de um revisor de textos.” Em Em Trânsito, por Alberto Martins. São Paulo: Cia da Letras, 2010.

Martins, Cínthya da Silva, e Nukácia Meyre Silva Araújo. “A Prática de Revisão Orientada de Dissertações de Mestrado: as Sugestões do Revisor-Leitor, as Estratégias do Revisor-Autor.” dez. de 2012: 257-287.

Maruschi, Luiz Antônio. Produção Textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

Mastroberti, Paula. “Adaptação, versão ou recriação? Mediações da leitura literária para jovens e crianças.” Semioses (UNISUAM | Centro Universitário Augusto Motta), fevereiro 2011: 104-111.

Melfra, Roberto. Cotexto e contexto. 1º de fevereiro de 2011. https://goo.gl/Ps13vf (acesso em 7 de junho de 2017).

Mendonça, Márcia. “Texto.” Glossário CEALE. Edição: Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP / Instituto de Estudos da Linguagem-IEL. Leitura e Escrita (CEALE) Centro de Alfabetização. s.d. http://ceale.fae.ufmg.br/app/webroot/glossarioceale/verbetes/texto (acesso em 24 de ago de 2019).

Mettrau, Francisco de Assis Caire. A influência do feedback estruturado sobre a curvas de aprendizado de habilidades em ultrassonografia aplicada à anestesia regional. (Dissertação de mestrado) Florianópolis: Programa de Pós-graduação em Ciências Médicas da Universidade Federal de Santa Catarina, 2017.

Michaelis. Michaelis Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. 2017. http://michaelis.uol.com.br/ (acesso em 1 de maio de 2017).

Ministério da Educação e Cultura. Língua Portuguesa, na educação de jovens e adultos. Edição: MEC. s.n.t. https://goo.gl/bggQaM (acesso em 24 de março de 2017).

Modern Language Association of America. MLA Style Manual and Guide to Scholarly Publishing. summer de 2016. https://goo.gl/yW0vPy (acesso em 1º de abril de 2017).

Monteiro, Manuel Matos. “O que é isso de ser revisor?” Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, 15 de setembro de 2009.

Mora, Carlos de Miguel. “Os limites de uma comparação: ut pictura poesis.” Ágora. Estudos Clássicos em Debate, 2004: 7-26.

Moraes, Maria José Ferreira de. O uso de estratégias cognitivas na produção textual de alunos do ensino médio. (Dissertação de mestrado). Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2002.

Moreira, Maria Ednilza Oliveira. O processo de revisão da escrita: o que o docente privilegia no trabalho com o texto. (Tese de doutorado). Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2009.

Morin-Hernandez, Katell. La révision comme clé de la gestion de la qualité des traductions en contexte professionne. Rennes: Université Rennes-II, 2009.

Morissawa, Mitsue. “O preparador de originais.” Em Editoração: arte e técnica, por Sônia Queiroz, 19-22. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2015.

Mossop, Brian. Revising and Editing for Translators. Oxon & New York: Routledge, 2014.

Moterani, Natalia Gonçalves. “Leitura e revisão de textos por professores em formação inicial.” Escrita (PUCRio), nº 13 (2011).

Moterani, Natalia Gonçalves, e Renilson José Menegassi. “Aspectos linguístico-discursivos na revisão textual-interativa.” Trabalhos em Linguística Aplicada 52, nº 2 (jul.-dec. 2013).

Moura, Ercília de, e Amarildo Luiz Trevisan. “Alteridade da linguagem docente: um referencial às ações teleológicas e comunicativas.” Seminário Nacional de Filosofia e Educação: Cnnfluências. Santa Maria: FACOS-UFSM, 2006.

Moura, Heronides Maurílio de Melo. “Semântica e argumentação: diálogo com Oswald Ducrot.” Delta 14, nº 1 (fev. 1998).

Mourão, Eliane. “A hipercorreção na escrita formal: dilemas do revisor de textos.” Revista Scripta, 2010, 26 ed.

Muniz Júnior, José de Souza. “A intervenção textual como atividade discursiva: considerações sobre o laço social da linguagem no trabalho de edição, preparação e revisão de textos.” XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Curitiba: Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, 2009.

—. O trabalho com o texto na produção de livros: os conflitos da atividade na perspectiva ergodialógica. (Dissertação de mestrado). São Paulo, São Paulo: ECA/ USP, 2010.

—. “Uma perspectiva ergodialógica sobre a atividade de editores, preparadores e revisores na produção de livros.” Anais do SITED Seminário Internacional de Texto, Enunciação e Discurso. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2010.

Museu da imigração do Estado de São Paulo. “Migrante, Imigrante, Emigrante, Refugiado, Estrangeiro: qual palavra devo usar?” Museu da imigração do Estado de São Paulo. 27 de maio de 2019. http://museudaimigracao.org.br/migrante-imigrante-emigrante-refugiado-estrangeiro-qual-palavra-devo-usar/ (acesso em 24 de outubro de 2019).

Nascimento, Enzo Fabricio Ribeiro. Avaliação da expressão tecidual dos genes MUTYH E OGG1 em pacientes portadores de câncer colorretal esporádico. (dissertação de mestrado) Campinas: Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas, 2017.

Newmark, Peter. A Textbook of Translation. New York: Prentice Hall, 1988.

Nicolaiewsky, Clarissa de Arruda, e Jane Correa. “Escrita ortográfica e revisão de texto em braile: Uma história de reconstrução de paradigmas sobre o aprender.” Cadernos Cedes (UNICAMP), maio.-ago. 2008: 229-244.

Nicolescu, Basarab. O Manifesto da Transdisciplinaridade. São Paulo: Triom, 1999.

Noble, Debbie Mello. “No caçar dos erros, a língua que escapa.” Cadernos de Estudos Linguísticos 60, nº 3 (set./dez. 2018): 18.

Notaristefano, Maristella. “La revisione di una traduzione specializzata: interventi e profilo del revisore.” Rivista internazionale di tecnica della traduzione (EUT Edizioni Università di Trieste), 2010: 215-226.

Núcleo de Revisão de Textos. A linguagem do artigo acadêmico-científico. 21 de setembro de 2011. https://goo.gl/CtAQ2Y (acesso em 31 de março de 2017).

Núcleo Interinstitucional de Linguística Computacional. An Interinstitutional Center for Research and Development in Computational Linguistics. Vers. 2004. 1991-2004. https://goo.gl/G1jgy9 (acesso em 2 de março de 2018).

—. SciPo. Edição: Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação ICMC-USP. 2017. http://www.nilc.icmc.usp.br/scipo/ (acesso em 5 de abril de 2017).

Olive, Thierry, e Annie Piolat. “Activation des processus rédactionnels et qualité des textes.” Le Langage et l'Homme XXXVIII, nº 2 (décembre 2003).

Oliveira, Alfredo Gontijo. “Propriedades emergentes nas ciências exatas: transposições de conceitos, modelos e metodologias.” Em Conhecimento e transdisciplinaridade II: aspectos metodológicos, por Ivan Domingues. Belo Horizonte: UFMG, 2005.

Oliveira, André Silva, e Nadja Paulino Pessoa Prata. “As formas de expressão da modalidade volitiva nos discursos do papa Francisco em viagem apostólica.” Revista do GELNE 20, nº 2 (2018).

Oliveira, Diego da Silva. Os países andinos e seu projeto de integração: A redefinição do Pacto Andino. (Dissertação) Montevideo: Mestrado em Direito das Relações Internacionais e da Integração na América Latina, 2017.

Oliveira, Luciano Eduardo de, e Carlos Rocha. "Creação" e criação. 25 de setembro de 2012. https://goo.gl/XeGbxN (acesso em 17 de maio de 2017).

Oliveira, Pedro Solfa Campos. Baixas doses de midazolam para ansiólise de gestantes submetidas ao parto cesariano: um estudo randomizado. (Artigo) Belo Horizonte: no prelo, 2020.

Oliveira, Risoleide Rosa Freire de. Um olhar dialógico sobre a atividade de revisão de textos escritos: entrelaçando dizeres e fazeres. (Tese de doutorado em Letras). Natal, Rio Grande do Norte: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2007.

Oliveira, Risoleide Rosa Freire de, e Helton Rubiano de Macedo. O revisor de textos e as novas tecnologias. s.d. https://goo.gl/Tis8WK (acesso em 24 de março de 2017).

Osipian, Ararat L. “Economics of corruption in doctoral education: The dissertations market.” Economics of Education Review (Elsevier Ltd), nº 31 (2012): 76-83.

Ottoni, Maria Aparecida Resende. Os gêneros do humor no ensino de Língua Portuguesa: uma abordagem discursiva crítica. (Tese de doutoramento). Brasília, DF: Universidade de Brasília, 2007.

PACTE. “Investigating Translation Competence: Conceptual and methodological issues.” Meta 50, nº 2 (2003): 611–618.

Paes Junior, Ademar José de Oliveira. “Editoração científica.” Arquivos Catarinenses de Medicina 44, nº 4 (out.-dez. 2015): 1-2.

Paradis, Hélène. “«J’ai fini. – Ah oui?»: les obstacles à la révision.” Correspondence (Centre collégial de développement de matériel didactique) 19, nº 2 (2014).

Parr, Judith Margaret. Revision in writing: cognitive and linguistic aspects. Canberra: Australian National University, 1989.

Pasquier, Auguste, e Joaquim Dolz. “Un decalogo para enseñar a escribir.” Cultura y Educación 8, nº 2 (1996): 31-41.

Patarra, Neide Lopes. “Migrações internacionais de e para o Brasil contemporâneo: volumes, fluxos, significados e políticas.” São Paulo em Perspectiva, julho/setembro 2005.

Pedretti, Sarah. Revisione individuale e revisione a coppie un confronto. Bachelor thesis: Scuola universitaria professionale della Svizzera italiana, 2011.

Pedrosa, Mario. “Ciência e Arte: vasos comunicantes.” Em Crítica de Arte no Brasil: Temáticas contemporâneas, por Glória Ferreira, 49-54. Rio de Janeiro: FUNARTE, 2006.

Pereira, Ana Dilma de Almeida. “O tratamento do “erro” nas produçõestextuais: a revisão e a reescritura comoparte do processo de avaliação formativa.” Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa (Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo), 2008.

Pereira, Rodrigo. “A configuração da coerência textual em produções argumentativas de alunos do ensino médio: uma análise de texto.” Versalete 2, nº 3 (jul.dez. 2014): 69-84.

Pereira, Vera Wannmacher. “Leitura: teorias da Linguística.” Em Leitura e cognição: teoria e prática nos anos finais do ensino fundamental, por Vera Wannmacher Pereira. Programa de Pós-Graduação em Letras - Centro de Referência para o Desenvolvimento da Linguagem - EDIPUCRS, 2009.

Perez, Luana Castro Alves. Textualidade. UOL. s.d. https://goo.gl/WZ6hXU (acesso em 20 de maio de 2017).

Périco, Franco Gatelli, e Roberto Birch Gonçalves. “Intercâmbio acadêmico: as dificuldades de adaptação e de readaptação.” Educação e Pesquisa 44 (2018).

Perpétua, Elzira Divina, e Raquel Beatriz Junqueira Guimarães. “A revisão do texto literário: um trabalho de memória.” Scripta (PUC-MG) 14, nº 26 (2010).

Pesce, Lucila. Dialogia digital: buscando novos caminhos à formação de educadores em ambientes telemáticos. (Tese de doutoramento). São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2003.

Pétillon, Sabine, e Franck Ganier. “L’étude de la révision de texte : De la mono- à la pluri-disciplinarité.” Edição: Armand Colin. Langages, decémbre 2006: 130.

Pieniz, Luciana Paim. Concentração produtiva e custos de produção em explorações leiteiras no RS. (Tese de doutoramento) Porto Alegre: Programa de Pós-Graduação em Agronegócios da Universida-de Federal do Rio Grande do Sul, 2016.

Pierce, Charles Sanders. Ecrits sur le signe. Paris: Seuil, 1978.

Pinto, Pedro Ivo Duarte. Análise dos componentes principais do bid-ask spread de opções sobre ações no mercado brasileiro. (Dissertação) São Paulo: Programa de Mestrado Profissional em Economia do Instituto de Ensino e Pesquisa, 2017.

Piolat, Annie. “Approche cognitive de l’activité rédactionnelle et de son acquisition : le rôle de la mémoire de travail.” Linx, nº 51 (2004): 55-74.

Piolat, Annie. “Parler, rédiger : présentation d'un outil d'analyse syntaxique et de quelques résultats.” Travaux 13 (1995): 93-105.

Piolat, Annie, e Aline Pélissier. “Etude de la rédaction de textes: contraintes théoriques et méthodes de recherches.” Em La rédaction de textes: approche cognitive, por Annie Piolat e Aline Pélissier, 225-269. Lausanne: Delachaux & Niestlé, 1998.

Piolat, Annie, Jean-Yves Roussey, e 0. Thunin. “Effects of screen presentation on text reading and editing.” International Journal of human computer Studies 47 (1997): 565-589.

Plagiarisma Ltd. Corretor ortográfico. 18 de abril de 2020. http://plagiarisma.net/pt/spellcheck.php.

Platão, Francisco, e José Luiz Fiorin. Lições de texto: leitura e redação. São Paulo: Ática, 1996.

PMI. A Guide to the Project Management Body of Knowledge. 5ª. PMBOK® Guide, 2013.

Portela, Manuel. Fluidez Textual. s.d. https://goo.gl/eNxDLu (acesso em 27 de março de 2017).

Presidência da República. Manual de redação da Presidência da República. Brasília, DF: Presidência da República, 2002.

Priberam. Corrector ortográfico e sintáctico. 18 de abril de 2020. https://www.flip.pt/FLiP-On-line/Corrector-ortografico-e-sintactico.

Quenette, Angèle. “La pratique de la révision dans différents services de traduction francophones de la Confédération suisse.” (Univ. Genève) 2012.

Rangel, Hayana Marques do Aragão. Avaliação de bolha fistulante antiglaucomatosa em olhos de coelhos após administração de Bevacizumabe, Acetato de Triancinolona e Mitomicina-C. (Tese de doutoramento) Belo Horizonte: Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais, 2017.

Rega, Lorenza. “Alcune considerazioni sul problema della revisione nell'ambito della traduzione.” Rivista internazionale di tecnica della traduzione (Università di Trieste), nº 4 (1999).

Rey, Joelle. “La traduction : entre fidélité et trahison.” Em Traduire… Interpréter, por Pierre Marillaud e Robert Gauthier, 554. Toulouse: Centre Pluridisciplinaire de Sémiolinguístique Textualle, 2011.

Rhongo, Domingos Luís, Ana de Almeida, e Nuno David. E-government em moçambique: revisão da literatura e novos desafios. Pemba-Moçambique / Lisboa: Universidade Católica de Moçambique / Instituto Universitário de Lisboa, DCTI, 2017.

Ribeiro, Ana Elisa. “Em busca do texto perfeito: (in)distinções entre as atividades do editor de texto e do revisor de provas na produção de livros.” XII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste. Juiz de Fora, 2007. 14.

Ribeiro, Ana Elisa. “Trocar ponto por pinto pode ser um desastre.” Digestivo cultural, agosto 2008.

Ribeiro, Leila Maria Amaral, e Ligia Maria Costa Leite. Violência doméstica, infância e rede de apoio: um programa de atendimento no Brasil. Rio de Janeiro: IPUB/UFRJ, 2017.

Ricœr, Poul. Temps et récit I. Paris: Seuil, 1983.

Robert, Isabelle S. “La relecture unilingue : une procédure de révision de traduction rapide, fonctionnelle, mais déloyale.” TTR : traduction, terminologie, rédaction 271 (2014): 95–122.

—. La révision en traduction : les procédures de révision et leur impact sur le produit et le processus de révision. (Graad van doctor in de vertaalwetenschap). Antwerpen: Universiteit Antwerpen, 2012.

Rocha Junior, Gustavo Paula Leite. A conciliação e a mediação nas serventias notariais. (Dessertação de mestrado) São Paulo: Escola Paulista de Direito, 2017.

Rocha, Harrison da. Um novo paradigma de revisão de texto: discurso, gênero e multimodalidade. (Tese de doutorado em Linguística). Brasília: Universidade de Brasília, 2012.

Rocha, Harrison da, e Carina Melo da Silva. “Da revisão de texto à revisão de texto crítica: uma nova perspectiva profissional.” Universitas Humanas (UniCEUB), jan./dez. 2010: 191-213.

Rochard, Michel. “Une approche traductologique de la terminologie et de la révision.” Cahier du CIEL (Ecole Supèrieure d’Interprëtes et de traducteurs de l’Université de Paris III – Sorbonne), 1994-1995: 230-252.

Rodrigues, Naiara do Nascimento, Rosângela Cristina Trindade Santos, e Vilma de Fátima Brandão. A influência da afetividade no processo de aprendizagem de crianças na educação infantil: Percepções de pedagogos de uma Unidade Municipal de Educação Infantil de Belo Horizonte. (TCC) Belo Horizonte: Curso de Pedagogia da Universidade do Estado de Minas Gerais, 2017.

Rohden, Huberto. “Criar e crear.” Pensador. s.d. https://www.pensador.com/frase/MjE3MTYxMA/ (acesso em 2 de maio de 2020).

Ronca, Barbara. “Un aiuto alla traduzione è un aiuto alle idee.” Strade Magazine (Sindicato Traduttori Editoriali), giugno 2012.

Rosa, Rute Isabel Alves. A noção de padrão discursivo: textos e géneros em análise. (Tese de doutorado). Lisboa: Universidade Nova de Lisboa, 2020.

—. Proposta Interacionista para a Prática de Revisão de Texto - o padrão discursivo dos textos académicos. (Dissertação de mestrado). Lisboa: Universidade Nova de Lisboa, 2015.

Rother, Edna Terezinha. “Revisão sistemática X revisão narrativa.” Acta Paulista de Enfermagem, abril-junho de 2007: v-vi.

Roussey, Jean-Yves, e Annie Piolat. “La révision du texte : une activité de contrôle et de réflexion.” Edição: Publié par Elsevier SAS. Psychologie française (Société française de psychologie), nº 50 (2005): 351–372.

Sant’Ana, Rivânia Maria Trotta, e José Luiz Vila Real Gonçalves. “Reflexões acerca das práticas de tradução e revisão de textos e de parâmetros para a formação de tradutores e revisores.” Scripta (PUC Minas) 14, nº 26 (1º sem. 2010): 225-235.

Saussure, Ferdinand de. Curso de Linguística Geral. São Paulo: Cultrix, 2006.

Scocchera, Giovanna. “Computer-based collaborative revision as a virtual lab of translation genetics.” Linguistica Antverpiensia, New Series – Themes in Translation Studies 14 (2015): 168–199.

Scocchera, Giovanna. “Indagine su un mestiere malnoto - La revisione della traduzione editoriale in Italia.” Rivista Tradurre, 2015.

—. La revisione nella traduzione editoriale dall’inglese all’italiano tra ricerca accademica, professione e formazione: stato dell’arte e prospettive future. (Dottorato di Rcherca). Bolonha: Università di Bologna, 2015.

Seresi, Márta. “New Paths in Interpreter Training: Virtual Classes.” Em The modern translator and interpreter, por Ildikó Horváth, edição: Ildikó Horváth, 219-233. Budapest, Eötvös Loránd University: Eötvös University Press, 2016.

Sidney, Lumet. “Il traduttore nella società.” Logos, 2014.

—. Traduzione e teoria dei modelli. 2014. https://goo.gl/V5DhIz (acesso em 25 de março de 2017).

—. Traduzione intersemiotica. 2014. https://goo.gl/0JMTHQ (acesso em 25 de março de 2017).

Silva, André Leandro. Plano-piloto da futura cidade lúdica: a utopia museal em A Nova Crítica de Frederico Morais. (Dissertação de mestrado) São Paulo: Programa Pós-graduação Interunidades em Estética e História da Arte da Universidade de São Paulo, 2020.

Silva, Cíntia Vieira da, e Kátia Maria Kasper. “Diferença como abertura de mundos possíveis: aprendizagem e alteridade.” Educação e Filosofia Uberlândia (Universidade Federal de Uberlândia) 28, nº 56 (jul./dez. 2014): 711-728.

Silva, José Pereira da. “Crítica textual e edição de textos.” Edição: CiFEFiL. VII Semana Nacional de Estudos Filológicos e Linguísticos curso de verão do CIFEFIL. Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: Revista Philologus, 2004.

Silva, Marina Cabral da. “O Texto Escrito.” Brasil Escola, s.d.

Silva, Sérgio Antônio, et al. Projeto Kappa. s.d. https://goo.gl/8a12D0 (acesso em 29 de abril de 2017).

—. Projeto Titivillus. s.d. https://goo.gl/JbXGro (acesso em 29 de abril de 2017).

Silva, Vânia da, e Luciane Braz Perez Mincoff. “Ressignificando as competências teórico-práticas: contribuições do Disque Gramática para a formação de revisores de textos.” Anais do CIELLI – Colóquio Internacional Internacional de Estudos Linguísticos e Literários. Maringá: CIELLI, 2010.

Simone, R. “QRZ. La macchina da scrivere e lo sviluppo del linguaggio.” Riforma della Scuola XXX (1984): 40-46.

Sindicato Traduttori Editoriali. “Un aiuto alla traduzione è un aiuto alle idee.” Strade Magazine. Sindicato Traduttori Editoriali. 20 de janeiro de 2013. encurtador.com.br/fhOX1 (acesso em 26 de março de 2020).

Sirgado, Angel Pino. “O conceito de mediação em Vygotsky e seu papel na explicação do psiquismo.” Cadernos Cedes, nº 24 (2000): 32-50.

Soares, Daniele Oliveira. Especificidades da qualidade de vida no teletrabalho. (Artigo, pós lato senso) São Paulo: Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado, 2017.

Society for editors and proofreaders. FAQs: What is proofreading? s.d. https://goo.gl/nd06hu (acesso em 2 de abril de 2017).

Sommers, Nancy. Revision strategies of student writers and experienced adult writers. 4. Vol. 31. Washington: National Institute of Education, 1980.

Spikerog SAS. Correcao.pt. Spikerog SAS. 18 de abril de 2020. https://www.correcao.pt/.

St-Pierre, Carine D. Confidences d’une nouvelle traductrice professionnelle. Université d’Ottawa. Ottawa: École de traduction et d’interprétation, 2012.

Šunková, Jana. Revising Translations: Corpus Investigation of Revision and Self-revision. Master’s Diploma Thesis. Brno: Masaryk University - Faculty of Arts, 2011.

Tavares Lourenço, Ricardo. “Estrategias y Soluciones en la Corrección de Textos: Dos Estudios de Caso.” Gramma (Universidad del Salvador) 22, nº 48 (2011).

Tavares Lourenço, Ricardo. “Estrategias y Soluciones en la Corrección de Textos: Dos Estudios de Caso.” Gramma (Universidad del Salvador) 22, nº 48 (2011).

Tavares, Ricardo. “La corrección de textos: disciplina de la lingüística aplicada.” Segundo Congreso Internacional de Textos en Español. Guadalajara: PEAC, FIL Guadalajara, 2012.

The Guardian. Academic ghostwriting: to what extent is it haunting higher education? 3 de April de 2014. https://goo.gl/BqSzax (acesso em 11 de maio de 2017).

The Open University. “Eye tracking in research and evaluation.” OpenLearn, 2013.

The University of Chicago. The Chicago Manual of Style Online. 2017. https://goo.gl/JCoaVb (acesso em 1º de abril de 2017).

Thiollent, Michel. O problema do plágio nas teses e dissertações. UFRJ. s.d. https://goo.gl/0Iixf1 (acesso em 12 de maio de 2017).

Thurman, Gary. “Making Ethical Decisions.” Boy Scouts of America. 6 de apr. de 2016. http://www.scouting.org/filestore/nylt2016/day_four/03-making_ethical.doc (acesso em 6 de junho de 2016).

Tijus, Charles, Leslie Ganet, e Patrick Brézillon. “Neuf motifs de révision des textes procéduraux : l'apport de la catégorisation.” Langages - La révision de texte. Méthodes, outils et processus 164 (2006): 86-97.

Tools 4 noobs. Tools 4 noobs - tools you didn't even know you needed. 2017. https://www.tools4noobs.com/ (acesso em 5 de abril de 2017).

Tôrres, José Júlio Martins, e Cezar Wagner de Lima Góis. “Organização fractal: um modelo e sugestões para gestão.” Revista de Ciências Administrativas 17, nº 3 (set./dez 2011): 593-620.

Tribunal de Contas da União. Técnicas de apresentação de dados. TCU - Secretaria-Adjunta deFiscalização. 2001. https://goo.gl/q7ZYNP (acesso em 25 de março de 2017).

Trupe, Alice L. “Academic Literacy in a Wired World: Redefining Genres for College Writing Courses (Technology, Popular Culture, and the Art of Teaching: A Special Issue).” Edição: Cheryl Reed and James A. Inman. Kairos - A Journal of Rhetoric, Technology, and Pedagogy (Kairos), 2002.

Turibian, Kate L. Turabian Quick Guide. Chicago: The University of Chicago Press, 2010.

Uebel, Roberto Rodolfo Georg, e Aldomar Arnaldo Rückert. “Aspectos gerais da dinâmica imigratória no Brasil no século XXI.” Confins: revista franco-brasileira de Geografia, nº 31 (2017).

UN High Commissioner for Refugees. “Global Trends: Forced Displacement in 2016.” 2017.

—. “Statistical Online Database.” UNHCR. 2018. http://www.unhcr.org (acesso em 24 de outubro de 2019).

União dos Escoteiros do Brasil. Plano Estratégico - 2016/2021. Plano Estratégico, Curitiba: UEB, 2016.

Union Brasilian pro Interlingua. “O que é Interlíngua?” União Brasileira pró Interlíngua. 19 de abril de 2020. http://www.interlingua.org.br/oquee.html.

Valério, Ana Margarida da Silva Mendonça Neves. O género textual glossário: problemas para o Consultor e Revisor Linguístico. (Dissertação de mestrado). Lisboa: Universidade Nova de Lisboa, 2014.

Varga, Katalin. “Technical Preparation of Documents before and after Translation.” Em The modern translator and interpreter, por Ildikó Horváth, 97-112. Budapest: Eötvös University Press, 2016.

Vasconcellos, Jorge. “A filosofia e seus intercessores: Deleuze e a não-filosofia.” Edição: Unicamp. set./dez. 2005.

Venuti, Lawrence. The Translator’s Invisibility: A History of Translation. London & New York: Routledge, 1995.

Vichessi, Beatriz. “Autor de bons textos em formação / Ensinar planejamento, textualização, revisão e edição é fundamental para garantir o desenvolvimento de bons escritores.” Nova Escola, março 2010.

Vidal, Mario Cesar. “Auditorias acadêmicas como instrumento de desenvolvimento de grupos integrados de pesquisa.” XVI ENEGEP. Piracicaba: Universidade Metodista de Piracicaba, 1996.

Vigneau, François, Louis Diguer, Michel Loranger, e Rodolphe Arsenault. “La révision de texte : une comparaison entre réviseurs débutants et expérimentés.” Revue des sciences de l'éducation 23, nº 2 (1997): 271-288.

Vilhena, Altamiro, Felipe de Paulo, e Luiz Cesar Horn. Bullying – o que todos devem saber no grupo escoteiro. Curitiba: UEB, 2012.

Wainstein, Verónica Lara. A relação mãe filha nos distúrbios alimentares. (Minuta de tese para qualificação) Sâo Pulo: Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, 2017.

Walle, Pierre Van de. “Les approches pédagogiques de la révision de textes.” Équivalences 2004 -31/1-2 34, nº 1/2 (2004): 135-148.

Yamazaki, Cristina. Edição de texto na produção editorial: distinções e definições. (Dissertação de mestrado). São Paulo: Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, 2009. 

(As referências estão dispostas segundo a norma APA, 6ª ed., processamento de fontes pelo Microsof® Word® 2017.)

Postagens mais visitadas deste blog

Como escrever o resumo de sua tese ou dissertação

Melhore o resumo de sua tese ou dissertação.O resumo é parte necessária da apresentação final de uma tese, dissertação ou mesmo de um artigo.A versão final do resumo terá de ser escrita depois que você terminar de ler a sua tese para enviar ao revisor do texto.Um resumo prévio, escrito nas diferentes fases do seu trabalho vai ajudar você a ter uma versão curta de sua tese a cabeça. Isso vai conduzir seu pensamento sobre o que é que você está realmente sendo feito, vai ajudá-lo a ver a relevância do que você está trabalhando no momento dentro do quadro maior, e ajudar a manter os vínculos que acabarão por conferir unidade à tese (dissertação, TCC, artigo). O que é um resumo?O resumo é um componente importante da tese. Apresentado no início da tese, é provável que seja a primeira descrição substantiva do trabalho a ser lida por um examinador ou qualquer outro leitor externo. Você deve vê-lo como oportunidade de definir as expectativas precisas do leitor a que seu texto atenderá. O resumo …

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na KeimelionOs estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos, apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências. Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a quase totalidade dos autores brasileiros não faz uso de nenhum desses programas e nem sequer sabe que…

Quinze dicas para a hora de defender a tese

Defesa de tese ou dissertação: hora H!Depois de ter concluído a tese, é essencial que o aluno se prepare para a apresentação oral do trabalho.  Um excelente texto não garante que a exposição na etapa final seja boa e, se o aluno não apresentar a tese de forma satisfatória, os examinadores podem subestimá-la ou até mesmo duvidar da preparação científica do candidato.Geralmente a apresentação oral da tese é geralmente é feita por meio de slides em Powerpoint ® (ou software similar) contendo texto, figuras, tabelas, desenhos e fotografias. Bons slides não são tudo. O aluno deve estar preparado e conhecer ponta a ponta o conteúdo, coordenando bem a apresentação conforme explica os slides e se comportando de forma adequada durante essa etapa do trabalho. Abaixo apresentamos algumas dicas, tanto referentes à formatação e estilo da apresentação de slides, como à discussão da tese – aplicáveis a muitos contextos, como um concurso, entrevista de emprego ou uma apresentação de negócios. É necessá…

A tese: material e métodos, resultados e conclusão, estilo e referências

Tese e dissertação são textos logos do gênero acadêmicoAs partes das teses e dissertações pode constituir subgêneros específicosA escrita da tese segue parâmetros distintos nas seções específicas do texto, guardando unidade de estilo e coerência entre todos os segmentos do trabalho. Assim, a introdução pode ter, por exemplo, uma passagem mais pessoal, que relate a ligação do autor com a temática, e partes que analisem discursos de sujeitos entrevistados podem requerer transcrições literais - segmentos repletos de oralidade, o que não é admitido em outros trechos no gênero acadêmico. Já os resumos, são outro tópico, e merecem uma postagem só para eles. Material e métodos: descrever equipamentos e procedimentos Nesta seção o autor deve explicar claramente como o experimento foi realizado, e como foi realizada a análise estatística dos dados, podendo também utilizar as sugestões indicadas para escrever a introdução e buscando garantir que: Os leitores possam compreender e avaliar o experim…

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância?Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações?Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português?Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem, mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno, da UnB, John Robert Schmitz, da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco, da UFPR.  (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimologia e da ignorância…