Referências

Aguiar, V. T. (2004). O verbal e o não verbal. São Paulo: UNESP. Acesso em 1 de maio de 2017, disponível em http://books.scielo.org
Alexandria, N. (2010). A Importância da Revisão na Comunicação On-line. Mídia Boom - Blog de Marketing. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/pgxIO6
Almeida, J. F., Bassalo, J. M., & Sobrinho, C. L. (2010). Como (não) Escrever um Artigo Técnico-Científico. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em Scribd: https://goo.gl/8vUAyb
Alves, B. V., & Andrada, C. F. (s.d.). Revisão de textos técnicos de Engenharia. (P. Minas, Ed.) Belo Horizonte. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/ROUiKy
Alves, V. d. (Jul.- Sep., 1992 de 1992). O conceito de verdade na Lógica Formal. Revista Portuguesa de Filosofia, 411-422. Acesso em 5 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/1sBmRF
Amador, F. S., Lazzarotto, G. D., & Santos, N. I. (2015). Editorial. Polis e Psique, 5(2), 1-5. Acesso em 14 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/cEx6i1
American Sociological Association (ASA). (2005). Quick Style Guide for Students Writing Sociology Papers. (A. S. Association, Ed.) Washington. Acesso em 27 de abril de 2005, disponível em American Sociological Association: https://goo.gl/PXozDH
Arsic, O. (13 de Dec. de 2011). Tesi specialistica con glossario di medicina. Acesso em 25 de Março de 2017, disponível em https://goo.gl/NMfmLX
Assis, A. W., & Mareco, R. T. (Apr.-June. de 2015). As frases sem texto. Acta Scientiarum. Language and Culture, 37(2), 207-210. Acesso em 4 de maio de 2017, disponível em https://goo.gl/Z7Phbb
Association canadienne des réviseurs. (2014). Principes directeurs en révision professionnelle. Quebec: ACR. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/VsThQc
Bakhtin, M. M., & Voloshínov, V. N. (2006). Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec.
Bakthin, M. (1997). Estética da criação verbal. São Paulo: 1997.
Ballabriga, M. (2011). Traduction(s), interprétation. Em P. Marillaud, & R. Gauthier, Traduire… interpréter (pp. 17-24). Toulouse: CALS - Colloques D'albi Langages et Signification. Acesso em 16 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/bLNNhy
Barbosa, V. F., & Sobral, A. (jul.dez. de 2012). A atividade de revisão linguística em Educação a Distância: uma análise dialógica. Revista Moara(38). Acesso em 24 de março de 2017
Barreto, A. d. (jan./dez. de 2010). Palavras, palavras deslocadas para um significado. 3(1), 11-26. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/apPLvK
Beaudet, C., Condamines, A., Leblay, C., & Picton, A. (2016). Rédactologie et didactique de l’écriture professionnelle : un chantier terminologique à mettre en place. Pratiques. doi:10.4000/pratiques.3193
Belozerova, N. (2004). Linéarité, hypertextualité, intertextualité, métaphorisation et fractalité : leurs rapports réciproques dans le discours. Em P. Marillaud, & R. Gauthier, Langages et signification (pp. 63-72). Toulouse: CALS - Colloques D'albi Langages et Signification. Acesso em 16 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/AtLe1I
Belt, P., Mottonen, M., & Harkonen, J. (mai. de 2011). Tips for writing scientific journal articles. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em Industrial Engineering and Management Working Papers: https://goo.gl/Aw70Cu
Bernardino, C. G. (2007). O metadiscurso interpessoal em artigos acadêmicos: espaço de negociações e construção de posicionamentos (Tese (Doutorado em Lingüística Aplicada) ed.). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/BsVkix
Bez, A. d. (2009). O papel do linguístico para a construção de sentido: a tradução do discurso científico. Porto Alegre: (Dissertação de mestrado) Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Acesso em 25 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/fnUpLd
Borba, V. M. (janeiro de 2004). Gêneros textuais e produção de universitários: o resumo acadêmico. Recife: (Tese - doutorado) Universidade Federal de Pernambuco. Acesso em 2 de MAIO de 2017, disponível em https://goo.gl/64dS1H
Borges, L. C. (2007). Processo de Revisão de Textos Técnico-Científicos na Embrapa Amazônia Oriental: proposta de melhoria. Belém: Embrapa Amazônia Oriental. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/jQmIGa
Brito, M. d. (junho de 2013). Notas sobre a ideia de intercessores como um conceito na filosofia de Gilles Deleuze: por um teatro filosófico. Alegrar. Acesso em 14 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/FKtPtF
Brown, C. (8 de abril de 2017). Saiba seu valor e cobre por ele. Acesso em 8 de abril de 2017, disponível em Brasil Acadêmico: https://goo.gl/QzWvJ5
Bryant, J. (2002). The Fluid Text: A Theory of Revision and Editing for Book and Screen. Ann Arbor: The University of Michigan Press.
Campos, A. M. (2011). Análise discursiva da ideologia na letra de Brasil com P: Rap de Gog. Brasília: Centro Universitário de Brasília (UniCEUB/ICPD) (Monografia). Acesso em 25 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/S811Bf
Campos, J., & Rauen, F. J. (2008). Tópicos em teoria da relevância. 201. Porto Alegre: EDIPUCRS. Acesso em 8 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/fV2S7g
Cândido, G. V., Castro, J. D., Rangel, A. R., & Borges, R. M. (2011). Mercado de trabalho para o revisor de texto: um estudo no polo educacional do ensino superior de Anápolis. Revista Plurais - Virtual, 1(1), 106-123. Acesso em 2 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/jekwXx
Carioca, C. R. (2007). A caracterização do discurso acadêmico baseada na convergência da linguística textual com a análise do discurso. 4º Simpósio Internacional de Estudos de Gêneros Textuais (pp. 825-836). Tubarão: Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem - Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul). Acesso em 25 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/yLeIUL
Carollo, A. (7 de Oct. de 2014). Scrittura creativa – La revisione. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em Sul Romanzo: https://goo.gl/WLB1dc
Castedo, M. L. (2003). Revisión de textos en situación didáctica de intercambio entre pares. Buenos Aires: Universidad Nacional de La Plata. Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educacion. (Tesis de doctorado). Acesso em 25 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/nlJscd
Castro, C. d. (1976). Estrutura e apresentação de publicações científicas. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil.
Cayser, E. R. (2012). A reflexão sobre a língua através da reescritura de textos. Anais do SIELP, 2(1). Acesso em 9 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/lpt9hW
Charters, E. (2003). The use of think-aloud methods in qualitative research an introduction to think-aloud methods. Brock Education - A Journal of Educational Research and Practice, 12(2). Acesso em 2 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/h0azOS
Chartrand, S.-G. (2013). Enseigner la révision-correction de texte du primaire au collégial. Correspondence, 18(2). Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/JztIRg
Ciccolone, S. (2011). Incoerenze testuali e problemi di combinazione lessicale nella produzione scritta di studenti universitari: primi rilievi e proposte esplicative. Atti dell'XI Congresso Internazionale di Studi dell'Associazione Italiana di Linguistica Applicata. Bergamo: Università degli Studi “G. d’Annunzio”. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/pXHjdT
Citethisforme. (s.d.). Gerador de referência Harvard, APA, MLA. Acesso em 1º de abril de 2017, disponível em http://www.citethisforme.com/pt
Clares, L. M. (2013). Ritos genéticos editoriais do impresso ao audiolivro: o revisor de textos e as manobras de intervenção. São Carlos: (TCC) Universidade Federal de São Carlos. Acesso em 30 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/ePMDMQ
Coelho, S. M., & Antunes, L. B. (2010). Revisão textual: para além da revisão linguística. Scripta, 14(26). Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/zS5xWH
Coen, P.-F. (2001). Révision de texte et ordinateur. Résonances(5), 12-13. Acesso em 25 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/H27JN3
Colasante, M. (2006). La formazione dei prezzi nei servizi di traduzione. L’asimmetria informativa come causa distorsiva. Roma: Libera Università degli Studi “S. Pio V”. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/x376RM
Cornelsen, E. L. (2010). O estilo em Alfred Döblin. Pandaemonium Germanicum. São Paulo: USP. Acesso em 10 de maio de 2017, disponível em https://goo.gl/L6NEiq
Corpus Tycho Brahe. (set. de 2007). Fundamentos, Diretrizes e Procedimentos. Acesso em 25 de março de 2017, disponível em Sistema de Edições Eletrônicas Corpus Tycho Brahe: https://goo.gl/DwKdrv
Costa, C. B., & Rosa, M. P. (2006). Escrita sobre nada. Seminário Nacional de Filosofia e Educação: Connfluências. Santa Maria: FACOS-UFSM. Acesso em 8 de maio de 2017, disponível em https://goo.gl/qZS7Do
Costa, L. M., & Pimenta, M. A. (junho de 2015). Um estudo sobre a prática da fraude acadêmica em quatro continentes. ResearchGate. Piracicaba. Acesso em 12 de maio de 2017, disponível em https://goo.gl/h3Dx1L
Costa, M. C. (2010). O papel da revisão textual em textos reescritos por crianças. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/ofblHU
Costa, R. V., Rodrigues, D. L., & Pena, D. P. (st.dez. de 2011). Dificuldades no trabalho do revisor de textos: possíveis contribuições da Linguística. Revista Philologus, p. 53. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/ofblHU
d’Andrea, C. F., & Ribeiro, A. E. (jan. de 2010). Retextualizar e reescrever, editar e revisar: Reflexões sobre a produção de textos e as redes de produção editorial. Veredas Online - Atemática, 64-74. Juiz de Fora: PPG LINGUÍSTICA/UFJF. Acesso em 2 de maio de 2017, disponível em https://goo.gl/pzlijo
Dejavite, F. A., & Martins, P. C. (jul.-dez. de 2006). O revisor de texto no jornal impresso diário e seu papel na sociedade da informação. Comunicação & Inovação, 22-29. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/D7ys0E
Delcò, C. (2011). Il bambino e la revisione del testo scritto: l'utilizzo di facilitatori per migliorare il processo di revisione testuale (Vol. Bachelor thesis). (SUPSI, Ed.) Manno: Scuola universitaria professionale della Svizzera italiana. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em http://tesi.supsi.ch/760/
Deleuze, G. (1998). Michel Tournier e o mundo sem outrem. Em G. Deleuze, Lógica do (pp. 311-330). São Paulo: Perspectiva.
Deleuze, G. (2010). Os intercessores. Em G. Deleuze, Conversações (pp. 155-172). São Paulo: Ed. 34.
DICIO. (2017). Dicionário Online de Português. Acesso em 30 de abril de 2017, disponível em https://www.dicio.com.br
Dourado, H. F. (2008). A transposição do texto falado para o texto escrito os limites do revisor no discurso parlamentar. Acesso em 25 de março de 2017, disponível em Biblioteca Digital da Câmara dos Deputados: https://goo.gl/0737MQ
Duarte, V. M. (25 de março de 2017). Revisão de texto. Fonte: Brasil Escola: https://goo.gl/kFne4H
Duarte, V. M. (s.d.). Coesão e Coerência. Acesso em 20 de maio de 2017, disponível em Mundo Educação: https://goo.gl/ZdIl7h
Dubitatius, C. (s.d.). Retorica minimalista: l’editing dei libri. Acesso em 25 de março de 2017, disponível em Comminus Emius: https://goo.gl/Cfk70X
EDTL. (30 de abril de 2017). E-Dicionário de Termos Literários. (Carlos Ceia). Fonte:
Elias, C. R. (1998). O leitor e a tecitura da trama dos sentidos: um estudo de caso. (Dissertação - Mestrado) Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Estrada, A. (2012). De errores y erratas. Cómo corregir y normalizar un texto académico. Normas - Revista de estudios lingüísticos hispánicos(2). Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/af1muW
Fedorova, I. (2010). Le rôle de l'écriture dans la traduction des œuvres cinématographiques : approche culturelle 231. Em P. Marillaud, & R. Gauthier, Ecritures évolutives : entre transgression etinnovation (pp. 231-244). Toulouse. Acesso em 18 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/CZT5Rk
Feltrim, V. D. (agosto de 207). Um levantamento bibliográfico sobre a estruturação de textos acadêmicos. Acesso em 25 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/8YpMUj
Ferreira, A. B. (2010). Dicionário Aurélio. Curitiba: Editora Positivo. Acesso em 1 de maio de 2017, disponível em https://goo.gl/THJkau
Ferreira, N. R. (2001). As concepções de Transversalidade, Interdisciplinaridade e Transdisciplinaridade como base do processo de formação de formadores da Educação Básica; um estudo de caso no Centro Universitário de Belo Horizonte (Uni-BH). 166. (Dissertação de mestrado). Belo Horizonte, Minas Gerais: Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais – CEFET-MG.
Finatto, M. J. (fev.-jul. de 2011). Complexidade textual em artigos científicos: contribuições para o estudo do texto científico em português. (NILC-ICMC-USP, Ed.) Acesso em 2 de março de 2017, disponível em Scribd: https://goo.gl/ftM5MC
Fiorin, J. L. (2004). Elementos de Análise do Discurso. São Paulo: Contexto.
Fish, S. (1980). Is there a text in this class? The authority of interpretive communities. Cambridge & London: Harvard University Press.
Fisher, C., & Dufour-Beaudin, M.-C. (2008). Pour écrire un texte sans fautes. (L'UQAC, Editor, & Université du Québec à Chicotimi) Acesso em 24 de março de 2017, disponível em Module d'éducation au préscolaire et d'enseignement au primaire: https://goo.gl/1dPmPW
Flesch, R. (2016). Let's Start With the Formula. Em R. Flesch, How to Write Plain English. London: University of Canterbury. Acesso em 2 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/k4j30x
Flower, L. S., Scriver, K. A., Stratman, J. F., Carey, L., & Hayes, J. R. (1987). Cognitive Process in Revision. Em L. S. Flower, K. A. Scriver, J. F. Stratman, L. Carey, & J. R. Hayes, Advances in Applied Psycholinguistics (pp. 176-240). New York: Cambridge. Acesso em 19 de maio de 2017, disponível em https://goo.gl/EHy2CQ
Freire, A. (2007). Ler e compreender: criação e cooperação. Linha Mestra, 2. Acesso em 2 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/XCQqdb
Freitas, L. A. (2 de fevereiro de 2011). A importância da revisão de texto nos trabalhos acadêmicos. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em Webartigos: https://goo.gl/a5B0Xi
Gaffuri, P., & Menegassi, R. J. (2007). A leitura e a produção textual no ensino fundamental. (U. E. Maringá, Ed.) Acesso em 1º de abril de 2017, disponível em Relatório final de pesquisa desenvolvido no Programa de Iniciação Científica da Universidade Estadual de Maringá: https://goo.gl/3Aoyxg
Galvão, V. C. (s.d.). A teoria de valência aplicada ao trabalho de revisão de textos. São Paulo. Acesso em 25 de março de 2017, disponível em Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas: https://goo.gl/Z9eOCt
Ganier, F. (2006). La révision de textes procéduraux. (A. Colin, Ed.) Langages, 4(164), 7185. doi:10.3917/lang.164.0071
Garcia, O. M. (1988). Comunicação em prosa moderna. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.
Gehrke, N. A. (1993). Na leitura, a gênese da reconstrução de um texto. Letras de Hoje, 8(4), pp. 115-154. Acesso em 1 de maio de 2017, disponível em https://goo.gl/mIptLX
Genette, G. (1982). Palimpsestes. La littérature au second degré. Paris: Seuil.
Genette, G. (1987). Seuils. Paris: Seuil.
Genette, G. (2009). Paratextos Editoriais. São Paulo: Ateliê Editorial.
Genette, G. (2010). Palimpsestos: a literatura de segunda mão. Belo Horizonte: Viva Voz.
Genoves-Junior, L. C. (abril de 2007). Avaliação automática da qualidade de escrita de resumos científicos em inglês. São Carlos: Dissertação (mestrado) apresentada ao Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação ICMCUSP. Acesso em 5 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/suSPcN
Gonzáles, G. (2003). Les aspects théoriques et pratiques de la traduction juridique. Em G. Gonzáles Mattheus, L'équivalence en traduction juridique: Analyse des traductions au sein de l'Accord de libre-échange Nord-Américain (ALENA). (Doctorat en linguistique) Département de langues, linguistique et traduction - Université Laval. Acesso em 25 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/M8BkS4
Grupo Dicactext. (2001). Revisión y Reescritura. (U. C. Madrid, Ed.) Acesso em 24 de março de 2017, disponível em Redac Text, guía on line para aydar a redactar: https://goo.gl/ywmmVk
Haa, C. (2006). Definitions and Distinctions. Em A. Horning, & A. Becker, Revision: History, Theory, and Practice (pp. 10-24). Anderson: Parlor Press. Acesso em 9 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/ZSnXqY
Haar, E. t. (18 de maio de 2008). Como Contribuir. Acesso em 25 de março de 2017, disponível em Espaço de Ewout ter Haar: https://goo.gl/ogLXI6
Henriques, C. C. (2001). Atas da Academia Brasileira de Letras: Presidência Machado de Assis (1896-1908). Riode janeiro: Academia Brasileira de Letras.
Heurley, L. (1º sem. de 2010). A revisão de texto: abordagem da psicologia cognitiva. Scripta, 121-138. Acesso em 1º de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/sWeolc
Hiep, P. H. (October de 2011). Good Proofreader/Bad Proofreader. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em Academia: https://goo.gl/b4XHur
ILTEC. (1992). Dicionário de Termos Linguísticos. Lisboa: Edições Cosmos. Acesso em 30 de abril de 2017, disponível em Portal da Língua Portuguesa: https://goo.gl/Hc6Lha
Infopédia. (2017). Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa com Acordo Ortográfico. Porto: Porto Editora. Acesso em 1 de maio de 2017, disponível em https://www.infopedia.pt/
Keimelion - revisão de textos. (2 de outubro de 2008). Keimelion - revisão de textos. Acesso em 31 de março de 2012, disponível em http://www.keimelion.com.br
Kincaid, J. P., Fishburn-Jr., R. P., Rogers, R. L., & Chissom, B. L. (1975). Derivation of new readability formulas (Automated Readability Index, Fog Count and Flesch Reading Ease Formula) for Navy enlisted personnel. Research Branch Report, 8-75. Acesso em 2 de ABRIL de 2017, disponível em https://goo.gl/viY72s
Kretschmann, Â. (2011). Desafios do direito autoral: combate ao plágio e pirataria ou acesso à cultura? a Mostra Científica do Cesuca. Cachoeirinha: Cesuca - Complexo de Ensino Superior de Cachoeirinha. Acesso em 12 de maio de 2017, disponível em https://goo.gl/DFhQU9
Kristeva, J. (2005). Introdução à semanálise. São Paulo: Perspectiva.
Kunsch, W. L. (jan/jun de 2004). O Editor Científico. Revista Acadêmica do Grupo Comunicacional de São Bernardo, Ano 1(N. 1). Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/NI1HiN
Laflamme, C. (2009). Les modifications lexicales apportées par les réviseurs professionnels dans leur tâche de révision: du problème à la solution. Thèse (PhD) Quebec: Université Laval. Acesso em 21 de maio de 2017, disponível em https://goo.gl/h6iXy6
Lagarde, L. (2009). Le traducteur professionnel face aux textes techniques t à la recherche documentaire. HAL Archives Ouvertes. Paris: Université de la Sorbonne nouvelle - Paris III. Acesso em 5 de março de 2013, disponível em https://goo.gl/kJAAT2
Lamson, C. (12 de March de 2012). Proofreading market viability for Native English Solutions. 74. (Bachelor’s Thesis) Helsinki: Haaga-Helia University of Applied Sciences. Acesso em 11 de maio de 2017, disponível em https://goo.gl/0vur9H
Lara, M. L. (2015). Conceitos lingüísticos fundamentais para a organização e disseminação de informações. V Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Belo Horizonte: UFMG. Acesso em 18 de maio de 2017, disponível em https://goo.gl/V69mJp
Lea, M. R., & Street, B. V. (5 de Aug. de 1998). Student writing in higher education: An academic literacies approach. Studies in Higher Education, 23(2). Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/e1X1ZD
Leal, T. F., & Brandão, A. C. (2007). Produção de textos na escola : reflexões e práticas no EnsinoFundamental. Belo Horizonte, NG: Autêntica. Acesso em 9 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/7LpvSk
Lee, H. (juin de 2006). Révision : Définitions et paramètres (Théories et pratiques de la traduction et de l’interprétation en Corée). Meta, 410–419. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/EU9MSu
Leffa, V. J. (1996). O processo de autorrevisão na produção do texto em língua es-trangeira. XI Encontro Nacional da ANPOLL. João Pessoa: ANPOLL.
Leijten, M., & Waes, L. V. (29 de junho de 2013). Keystroke Logging in Writing Research - Using Inputlog to Analyze and Visualize Writing Processes. Written Communication, 30(3), 358 - 392. Acesso em 2 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/2wtcVn
Leite, R. L. (2007). Metaforização textual: a construção discursiva do sentido metafórico no texto. Fortaleza: (Tese - doutorado) Universidade Federal do Ceará. Acesso em 16 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/mfPuvq
Lemos, M. E. (2014). A regulamentação da profissão de revisor de textos: uma medida social necessária. Cenários(9), 139-151. Acesso em 11 de maio de 2017, disponível em https://goo.gl/tI0OXX
Libersan, L. (2012). Cinq pistes pour favoriser le développement des compétences à l’écrit. Correspondence, 18(1). Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/W7tL2G
Lima, V. M. (2015). A função da terminologia na representação documentária. V Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Belo Horizonte: UFMG. Acesso em 18 de maio de 2017, disponível em https://goo.gl/xoETS8
Longinotti, D. (2009). Problemi specifici della traduzione giuridica: traduzione di sentenze dal tedesco e dall’inglese. Quaderni di Palazzo Serra. Acesso em 16 de maio de 2017, disponível em https://goo.gl/dGFUXE
Macedo, D. S. (2013). As contribuições da análise de discurso crítica e da multimodalidade à revisão textual. Brasília: (Dissertação de mestrado) Universidade de Brasília (UnB).
Magris, M. (1992). La traduzione del linguaggio medico: analisi contrastiva di testi in lingua italiana, inglese e tedesca. Traduzione, società e cultura, 2, 1-82. Acesso em 25 de março de 2017, disponível em Open Starts - L'Archivio Istituzionale d'Ateneo: https://goo.gl/T6CBNI
Magris, M. (1999). Il processo della revisione e la qualità del testo finale: alcune riflessioni basate su un manuale di infermieristica. Rivista internazionale di tecnica della traduzione / International Journal of Translation, 2, 133-156. Acesso em 2 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/oD1Xok
Malufe, A. C. (jul.dec. de 2012). Aquém ou além das metáforas: a escrita poética na filosofia de Deleuze. Revista de Letras, 52(2), 185-204. Acesso em 14 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/ZbKQHV
Mareco, R. T., & Passetti, M. C. (jan./jun. de 2014). Destextualização: Processo de Construção de Aforizações. Gláuks online - Revista de Letras, 16. Acesso em 4 de maio de 2017, disponível em https://goo.gl/yCDo0A
Marin, B., & Legros, D. (décembre de 2006). Révision et co-révision de texte à distance. Vers de nouvelles perspectives pour la recherche et la didactique de la production de texte en contexte plurilingue. (A. Colin, Ed.) Langages(164). Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/oWZPWV
Marques, H. d. (2006). Alteridade - implicações na formação do aluno. Seminário Nacional de Filosofia e Educação: Confluências. Santa Maria: FACOS-UFSM. Acesso em 8 de MAIO de 2017, disponível em https://goo.gl/7eW9uE
Martins Filho, P. (2016). Manual de Editoração e Estilo. Campinas/ São Paulo/ Belo Horizonte: Editora da Unicamp/ Editora da Universidade de São Paulo/ Editora da UFMG.
Martins, A. (2010). Da alma de um revisor de textos. Em A. Martins, Em Trânsito. São Paulo: Cia da Letras.
Martins, C. d., & Araújo, N. M. (dez. de 2012). A Prática de Revisão Orientada de Dissertações de Mestrado: as Sugestões do Revisor-Leitor, as Estratégias do Revisor-Autor. 15(2), pp. 257-287. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em ISSUU: https://goo.gl/NrxxAd
Michaelis. (2017). Michaelis Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. Sâo Paulo: Melhoramentos Ltda. Acesso em 1 de maio de 2017, disponível em http://michaelis.uol.com.br/
Ministério da Educação e Cultura. (s.n.t.). Língua Portuguesa, na educação de jovens e adultos. (MEC, Ed.) Acesso em 24 de março de 2017, disponível em Portal MEC: https://goo.gl/bggQaM
Modern Language Association of America. (summer de 2016). MLA Style Manual and Guide to Scholarly Publishing. New York: MLA. Acesso em 1º de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/yW0vPy
Monteiro, M. M. (15 de setembro de 2009). O que é isso de ser revisor? Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/n88p8L
Moraes, M. J. (2002). O uso de estratégias cognitivas na produção textual de alunos do ensino médio. 165. Recife: (Dissertação - mestrado) Universidade Federal de Pernambuco. Acesso em 31 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/iLODkv
Moreira, M. E. (2009). O processo de revisão da escrita: o que o docente privilegia no trabalho com o texto. Fortaleza: (Tese de Doutorado) Universidade Federal do Ceará. Acesso em 2 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/V3eGhi
Moterani, N. G. (2011). Leitura e revisão de textos por professores em formação inicial. Escrita(13). Acesso em 5 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/deUqh8
Moterani, N. G., & Menegassi, R. J. (jul.-dec. de 2013). Aspectos linguístico-discursivos na revisão textual-interativa. Trabalhos em Linguística Aplicada, 52(2). Acesso em 28 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/TmyrjS
Moura, E. d., & Trevisan, A. L. (2006). Alteridade da linguagem docente: um referencial às ações teleológicas e comunicativas. Seminário Nacional de Filosofia e Educação: Cnnfluências. Santa Maria: FACOS-UFSM. Acesso em 8 de maio de 2017, disponível em https://goo.gl/Z5Zy6Y
Moura, H. M. (fev. de 1998). Semântica e argumentação: diálogo com Oswald Ducrot. Delta, 14(1). Acesso em 5 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/24uIni
Mourão, E. (2010). A hipercorreção na escrita formal: dilemas do revisor de textos. Revista Scripta, V. 14. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/X2NpTx
Muniz Júnior, J. d. (2009). A intervenção textual como atividade discursiva: considerações sobre o laço social da linguagem no trabalho de edição, preparação e revisão de textos. XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Curitiba: Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação.
Muniz Júnior, J. d. (2010). O trabalho com o texto na produção de livros: os conflitos da atividade na perspectiva ergodialógica. São Paulo, São Paulo: (Dissertação - mestrado) ECA/ USP. Acesso em 29 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/cVb3Iz
Muniz Júnior, J. d. (2010). Uma perspectiva ergodialógica sobre a atividade de editores, preparadores e revisores na produção de livros. Anais do SITED Seminário Internacional de Texto, Enunciação e Discurso. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.
Nicolaiewsky, C. d., & Correa, J. (maio.-ago. de 2008). Escrita ortográfica e revisão de texto em braile: Uma história de reconstrução de paradigmas sobre o aprender. Cadernos Cedes, 229-244. Acesso em 25 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/CZHc9o
Notaristefano, M. (2010). La revisione di una traduzione specializzata: interventi e profilo del revisore. Rivista internazionale di tecnica della traduzione, 215-226. Acesso em 25 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/jBy2sj
Núcleo de Revisão de Textos. (21 de setembro de 2011). A linguagem do artigo acadêmico-científico. Acesso em 31 de março de 2017, disponível em NRT - UNISINOS: https://goo.gl/CtAQ2Y
Núcleo Interinstitucional de Lingüística Computacional. (2017). SciPo. (I. d. ICMC-USP, Editor) Acesso em 5 de abril de 2017, disponível em http://www.nilc.icmc.usp.br/scipo/
Oliveira, A. G. (2005). Propriedades emergentes nas ciências exatas: transposições de conceitos, modelos e metodologias. Em I. Domingues, Conhecimento e transdisciplinaridade II: aspectos metodológicos. Belo Horizonte: UFMG.
Oliveira, L. E., & Rocha, C. (25 de setembro de 2012). "Creação" e criação. Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Lisboa. Acesso em 17 de maio de 2017, disponível em https://goo.gl/XeGbxN
Oliveira, R. R. (2007). Um olhar dialógico sobre a atividade de revisão de textos escritos: entrelaçando dizeres e fazeres. Tese (Doutorado em Letras). Natal, Rio Grande do Norte: Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Acesso em 19 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/3UNfZh
Oliveira, R. R., & Macedo, H. R. (s.d.). O revisor de textos e as novas tecnologias. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em Scribd: https://goo.gl/Tis8WK
Osipian, A. L. (2012). Economics of corruption in doctoral education: The dissertations market. Economics of Education Review(31), 76-83. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/hGcGUA
Pereira, R. (jul.dez. de 2014). A configuração da coerência textual em produções argumentativas de alunos do ensino médio: uma análise de texto. Versalete, 2(3), 69-84. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/u4KBQh
Pereira, V. W. (2009). Leitura: teorias da Linguística. Em V. W. Pereira, Leitura e cognição: teoria e prática nos anos finais do ensino fundamental. Programa de Pós-Graduação em Letras - Centro de Referência para o Desenvolvimento da Linguagem - EDIPUCRS. Acesso em 25 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/78R7gO
Perez, L. C. (s.d.). Textualidade. Acesso em 20 de maio de 2017, disponível em Mundo Educação: https://goo.gl/WZ6hXU
Perpétua, E. D., & Guimarães, R. B. (2010). A revisão do texto literário: um trabalho de memória. Scripta, 14(26). Acesso em 26 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/lNdBPH
Petillon, S., & Ganier, F. (decémbre de 2006). L’étude de la révision de texte : De la mono- à la pluri-disciplinarité. (A. Colin, Ed.) Langages, 130. doi:10.3917/lang.164.0003
Platão, F., & Fiorin, J. L. (1996). Lições de texto: leitura e redação. São Paulo: Ática.
Portela, M. (s.d.). Fluidez Textual. Os Livros Ardem Mal. Acesso em 27 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/eNxDLu
Presidência da República. (2002). Manual de redação da Presidência da República. Brasília, DF: Presidência da República. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/8Hnr4T
Ribeiro, A. E. (2007). Em busca do texto perfeito: (in)distinções entre as atividades do editor de texto edo revisor de provas na produção de livros. XII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste, (p. 14). Juiz de Fora. Acesso em 25 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/19rekS
Ribeiro, A. E. (2 de agosto de 2008). Trocar ponto por pinto pode ser um desastre. Digestivo cultural. Acesso em 26 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/WQCd5U
Robert, I. S. (2012). Vertalingen reviseren: revisieprocedures en hun impact op het revisieproduct en -proces. (Graad van doctor in de vertaalwetenschap) Antwerpen: Universiteit Antwerpen. doi:D/2012/12.293/16
Rocha, H. d. (2012). Um novo paradigma de revisão de texto: discurso, gênero e multimodalidade. Brasília: Tese (Doutorado em Linguística) - Universidade de Brasília. Acesso em 1º de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/Q8Trmb
Rocha, H. d., & Silva, C. M. (jan./dez. de 2010). Da revisão de texto à revisão de texto crítica: uma nova perspectiva profissional. Universitas Humanas, 191-213. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/JFZvt6
Rochard, M. (1994-1995). Une approche traductologique de la terminologie et de la révision. Cahier du CIEL, 230-252. Acesso em 19 de maio de 2017, disponível em https://goo.gl/YNUXlz
Roussey, J.-Y., & Piolat, A. (2005). La révision du texte : une activité de contrôle et de réflexion. (P. p. SAS, Ed.) Psychologie française(50), 351–372. doi:10.1016/j.psfr.2005.05.001
Saussure, F. d. (2006). Curso de Linguística Geral. São Paulo: Cultrix.
Scocchera, G. (2015). Indagine su un mestiere malnoto - La revisione della traduzione editoriale in Italia. Rivista Tradurre. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/NC3Abw
Scocchera, G. (2015). La revisione nella traduzione editoriale dall’inglese all’italiano tra ricerca accademica, professione e formazione: stato dell’arte e prospettive future. (Dottorato di Rcherca) Bolonha: Università di Bologna. Acesso em 23 de maio de 2017, disponível em https://goo.gl/uHG0XS
Sidney, L. (2014). Il traduttore nella società. Logos. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/IUCBnT
Sidney, L. (2014). Traduzione e teoria dei modelli. Acesso em 25 de março de 2017, disponível em Logos: https://goo.gl/V5DhIz
Sidney, L. (2014). Traduzione intersemiotica. Acesso em 25 de março de 2017, disponível em Logos: https://goo.gl/0JMTHQ
Silva, C. V., & Kasper, K. M. (jul./dez. de 2014). Diferença como abertura de mundos possíveis: aprendizagem e alteridade. Educação e Filosofia Uberlândia, 28(56), 711-728. Acesso em 8 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/VL7NvG
Silva, J. P. (2004). Crítica textual e edição de textos. Em CiFEFiL (Ed.), VII Semana Nacional de Estudos Filológicos e Linguísticos curso de verão do CIFEFIL. Rio de Janeiro: Revista Philologus. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/8uj8wc
Silva, M. C. (s.d.). O Texto Escrito. Brasil Escola. Acesso em 2 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/kieTsv
Silva, S. A., Santos, C., Eller, E. N., Guizan, L., Morici, L., Silva, P. C., . . . Silva, S. L. (s.d.). Projeto Kappa. Acesso em 29 de abril de 2017, disponível em Grafia: https://goo.gl/8a12D0
Silva, S. A., Santos, C., Eller, E. N., Guizan, L., Morici, L., Silva, P. C., . . . Silva, S. L. (s.d.). Projeto Titivillus. Acesso em 29 de abril de 2017, disponível em Grafia: https://goo.gl/JbXGro
Silva, V. d., & Mincoff, L. B. (2010). Ressignificando as competências teórico-práticas: contribuições do Disque Gramática para a formação de revisores de textos. Anais do CIELLI – Colóquio Internacional Internacional de Estudos Linguísticos e Literários. Maringá: CIELLI.
Society for editors and proofreaders. (s.d.). FAQs: What is proofreading? London. Acesso em 2 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/nd06hu
Sommers, N. (dec. de 1980). Revision strategies of student writers and experienced adult writers. College Composition and Communication, 31, 4, 378-388. Washington: National Institute of Education. doi:10.2307/356588
Šunková, J. (2011). Revising Translations: Corpus Investigation of Revision and Self-revision. Master’s Diploma Thesis. Brno: Masaryk University - Faculty of Arts. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/b8uu6I
Tavares, R. (Nov. de 2012). La corrección de textos: disciplina de la lingüística aplicada. Segundo Congreso Internacional de Textos en Español. Guadalajara: PEAC, FIL Guadalajara. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/4yaDiV
The Guardian. (3 de April de 2014). Academic ghostwriting: to what extent is it haunting higher education? Acesso em 11 de maio de 2017, disponível em Higher Education Network: https://goo.gl/BqSzax
The Ohio State University Libraries. (2010). The Chicago Manual of Style Online. 16ª. Acesso em 1º de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/YjbLXV
The Open University. (2013). Eye tracking in research and evaluation. OpenLearn. Acesso em 2 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/zXpJgW
Thiollent, M. (s.d.). O problema do plágio nas teses e dissertações. Acesso em 12 de maio de 2017, disponível em Programa de Engenharia Biomédica da COPPE: https://goo.gl/0Iixf1
Tools 4 noobs. (2017). Tools 4 noobs - tools you didn't even know you needed. Acesso em 5 de abril de 2017, disponível em Tools 4 noobs: https://www.tools4noobs.com/
Tôrres, J. J., & Góis, C. W. (set./dez de 2011). Organização fractal: um modelo e sugestões para gestão. Revista de Ciências Administrativas, 17(3), 593-620. Acesso em 15 de maio de 2017, disponível em https://goo.gl/Rm8XaK
Tribunal de Contas da União. (2001). Técnicas de apresentação de dados. Acesso em 25 de março de 2017, disponível em Tribunal de Contas da União: https://goo.gl/q7ZYNP
Trupe, A. L. (2002). Academic Literacy in a Wired World: Redefining Genres for College Writing Courses (Technology, Popular Culture, and the Art of Teaching: A Special Issue). (C. R. Inman, Ed.) Kairos - A Journal of Rhetoric, Technology, and Pedagogy. Acesso em 24 de março de 2017, disponível em https://goo.gl/IBlB4X
Turibian, K. L. (2010). Turabian Quick Guide. Turabian's Manual for Writers of Research Papers, Theses, and Dissertations. Chicago: The University of Chicago Press. Acesso em 1º de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/93nflj
Valério, A. M. (setembro de 2014). O género textual glossário: problemas para o Consultor e Revisor Linguístico. Lisboa: (Dissertação) Universidade Nova de Lisboa. Acesso em 30 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/Gmx43X
Vasconcellos, J. (set./dez. de 2005). A filosofia e seus intercessores: Deleuze e a não-filosofia. (Unicamp, Ed.) Acesso em 14 de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/ABJ9zm
Vichessi, B. (março de 2010). Autor de bons textos em formação / Ensinar planejamento, textualização, revisão e edição é fundamental para garantir o desenvolvimento de bons escritores. Nova Escola. Acesso em 1º de abril de 2017, disponível em https://goo.gl/bZTD90
Vidal, M. C. (1996). Auditorias acadêmicas como instrumento de desenvolvimento de grupos integrados de pesquisa. XVI ENEGEP. Piracicaba: Universidade Metodista de Piracicaba.
Yamazaki, C. (2009). Edição de texto na produção editorial: distinções e definições. São Paulo: (Dissertação - mestrado) Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Acesso em 2 de maio de 2017, disponível em https://goo.gl/tdFr5C
(As referências estão dispostas segundo a norma APA, 6ª ed., processamento de fontes pelo Microsof® Word® 2017.)