Pular para o conteúdo principal

Pré-texto do trabalho acadêmico: da capa ao sumário

Capa, dedicatória, sumário: não perca tempo.

Você certamente tem muito mais coisas importantes a fazer que ficar se preocupando com os detalhes formais das partes introdutórias da tese ou dissertação.

Deixe tudo isso para o formatador, ele fará mais rápido e melhor.

Sempre nos impressionam a dificuldade e os questionamentos que os estudantes encontram no que se refere às capas de seus trabalhos acadêmicos. Não se trata de uma questão de fundo, de questão complicada ou questionamento estético - mas de mero cumprimento a um procedimento lógico e absolutamente corriqueiro, entretanto, dentre as centenas de postagens deste blog, é o tópico que mais aporta visitantes a nosso texto. Aqui eu vou tecer comentários quanto a visitação e quanto ao significado que ele pode ter.
Revisão linguística é fundamental em qualquer tese ou dissertação.
Teremos enorme satisfação em cuidar de todos os detalhas da formatação de sua tese.

Capa e elementos pré-textuais são a parte mais simples da tese.

Faça toda a formatação da tese ou dissertação na Keimelion e não se preocupe com esses detalhes.

Só para se ter ideia de quanto o tema das capas desperta interesse, aqui vão alguns números: atualmente este blog está com pouco mais de 1.400.000 visitas, os dois títulos acima representam mais de 300.000 visitas. Muito obrigado a todos os visitantes: espero que tenhamos podido esclarecer suas dúvidas e contribuir, a nosso modo, com todos vocês. Mas há aqui mais de 300 postagens, a maioria bem mais relevante que as referentes às capas!
Ainda demonstrando a importância do tema para os estudantes, observamos que os argumentos de pesquisa nos sites de busca que mais frequentemente trouxeram visitantes ao nosso blog foram: "capa abnt", "introdução", "capa de trabalho acadêmico"... São oito termos referentes às capas dentre os dez mais buscados.
Eis a ordem em que os elementos de uma tese ou dissertação se apresentam.
A ordem dos elementos pré-textuais é quase sempre essa. Não precisa inventar nada.

Capa não pode ser um tópico.

Esperamos sinceramente que essas não sejam as questões mais uteis que temos postado aqui, assim como ficaremos felizes se essas não forem as mais importantes exigências dos professores para com seus alunos.
É claro que sabemos que existe certa formalidade a ser aplicada ao trabalho acadêmico, mas nosso receio é que esteja havendo um desvio da formalidade para o formalismo, maior atenção à norma que ao conteúdo, mesmo mais preocupação com a capa que com a qualidade do texto. E não é só pelo coeficiente de buscas pelos termos referentes à capa que temos tido essa opinião; muitos outros indícios vão nesse sentido, mas aqui vamos nos limitar ao dado numérico.
Fiquei imaginando e sugiro a todos os estudantes que pensem em quanto tempo alguém como Marx, por exemplo, deve ter despendido pensando na capa de qualquer de seus trabalhos.
Gente, convenhamos, preocupação com capas denota nunca ter tido atenção aos trabalhos acadêmicos alheios, nunca ter pego uma tese, nunca ter folheado a monografia de alguém, pois é tudo tão simples e intuitivo que basta ter visto uma para fazer outra. Agora, se alguma instituição ou professor tiver maior preocupação com esse tipo de assunto que o mínimo necessário, o caso parece ser bem mais grave que os dados apontam.

Capa de trabalho acadêmico

Este elemento deve constar entre as páginas introdutórias somente quando a cobertura do conteúdo for transparente, deve ser impressa na cobertura quando ela for opaca, externamente; muitas vezes a capa interna é solicitada mesmo quando a cobertura é opaca, mas em minha opinião essa exigência não faz nenhum sentido. Capa é, necessariamente, o elemento externo, para identificação do trabalho; contém:
  • nome do autor (na margem superior);
  • título do trabalho (mais ou menos centralizado na folha) (ver recomendação na página nº 46);
  • instituição onde o trabalho foi executado (na margem inferior);
  • cidade e ano de conclusão do trabalho (na margem inferior).

Título da tese, dissertação, monografia

O que vale para o o título das teses, dissertações e monografias vale também para os artigos científicos, TCCs e qualquer outro trabalho acadêmico. A primeira recomendação é concisão, pois é neste fator o problema mais notado. Coerência e exatidão não requeridas, mas normalmente há.
  • Recomenda-se adotar título objetivo, direto; usar substantivos, estando atento às preposições exatas e ao mínimo de artigos. O título do trabalho não é seu resumo.
  • Devem-se evitar títulos longos, buscando-se objetividade e contendo apenas as palavras essenciais, sem prejuízo da clareza e entendimento da natureza do trabalho.
  • Não se usam metáforas, ironias ou outros recursos literários em títulos acadêmicos, exceto com absolutas consciência e intencionalidade no procedimento.
Observe-se o exemplo do título do Manual Keimelion 2010 para redação acadêmica: a preposição foi escolhida visando determinar a aplicação que o trabalho terá. Outros manuais, principalmente os jornalísticos, são intitulados: “Manual de redação…” – redação aqui é onde eles são usados, na redação do periódico. Em ambos casos houve propriedade na escolha dos títulos
Segundo a ABNT, na NBR 14724:2002, o título é elemento obrigatório e deve constara na capa, folha de rosto, lombada (quando houver esta), na folha de aprovação e em outros lugares especificados. É bem frequente atualmente que o título do trabalho conste em todas as páginas do texto, no rodapé ou cabeçalho - apesar de todas que já vimos serem omissas quanto a isso - em virtude da grande ocorrência da reprodução de partes do texto por fia eletrônica o mecânica. A referida NBR14724, sobre título e subtítulo, registra: (4.1.3.1) o "(b) título principal do trabalho, deve ser claro e preciso, identificando o seu conteúdo e possibilitando a indexação e recuperação da informação"; o "(c) subtítulo: se houver, deve ser evidenciada a sua subordinação ao título principal, precedido de dois pontos". A NBR 12225:2004 faculta a abreviação do título na lombada, quando necessário; recomendamos essa mesma abreviação para rodapé ou cabeçalho, conforme o projeto gráfico adotado.
Mais duas sugestões: tente fazer uma tempestade de ideias quanto ao título, faça uma lista das possibilidades e vá cortando palavras em cada item, tentando manter o sentido, o mais curto será o melhor; procure no Google se já existe trabalho com o mesmo título ou bem semelhante e evite essa escolha, se possível.  Existem motivos técnicos para a capa manter essa estrutura.
Revisão e formatação exigem muito trabalho, contrate um profissional.
Sempre existe uma infinidade de detalhes que vaira de uma instituição para outra. Cabe conferir.

Folha de rosto seguindo ABNT

A folha de rosto deve conter:

  • as mesmas informações contidas na capa;
  • as informações essenciais da origem do trabalho.

Ficha catalográfica

Localizada no verso da página de rosto e na parte inferior dela mesma. Deverá ser elaborada por profissional bibliotecário, para padronização das entradas de autor, orientador e definição dos cabeçalhos de assunto a partir de índices de assuntos reconhecidos internacionalmente.

Folha de aprovação

Deve conter data de aprovação, nome completo e local para assinatura dos membros da banca examinadora. Outros dados como notas, pareceres, podem ser incluídos nesta página a critério da instituição.

Nominata

É a lista de cargos e nomes das principais autoridades da administração da instituição de vínculo do pesquisador – universidade e instituto, por exemplo.

Dedicatória

Tem a finalidade de oferecer o trabalho a alguém como homenagem de gratidão especial. Este item é dispensável, mas usual. São preferíveis as mais formais.

Agradecimento

É a manifestação de gratidão àqueles que contribuíram na elaboração do trabalho. É outro item dispensável e usual, a formalidade aqui é também recomendada.

Sumário

Enumeração das principais divisões, seções e outras partes de um documento, na mesma ordem em que a matéria nele se sucede (NBR 6027).
  • O título de cada seção deve ser digitado com a mesma fonte em que aparece no texto, mas se podem fazer as adequações à diagramação, mantidas as proporções.
  • A indicação das páginas localiza-se à direita de cada seção.

Epígrafe

Item opcional, citação de um pensamento que, de certa forma, embasou ou inspirou o trabalho. Pode ocorrer, também, no início de cada capítulo ou partes principais.
O texto acadêmico, quase sempre, usa o formato A4

A folha A4

A folha mais utilizada para trabalhos acadêmicos é a tamanho A4 (210 mm de largura e 297 mm de altura), sendo mesmo a mais comum no mercado. Todavia, há raras instituições que preferem outros tamanhos, o Ofício (Legal) e o Carta (Letter) são os que se seguem, em uso.
Há diferenças de tamanhos de margem e de impressão e face única ou frente e verso, segundo a norma específica de cada a instituição; as do exemplo que se segue são apenas sugestões, pois essa necessidade varia inclusive em função do número de páginas do trabalho: por exemplo, um trabalho de mais de 400 páginas requer margem esquerda maior que um de 100 ou menos.
A4 é o tamanho de papel mais utilizado em casas e escritórios em todo o mundo (exceção nos EUA, no Canadá e em alguns países sul-americanos, em que são mais comuns outras normas de tamanho de papel). 
Como curiosidade, pode referir-se que numa resolução de digitalização ou de impressão de 300 pontos por polegada, uma página de papel de tamanho A4 corresponde a 2480 pontos de largura e 3508 pontos de altura. A grande vantagem do formato A é que o material impresso em um tamanho pode ser convertido em outro sem mudar a proporção das imagens e textos.

Postagens mais visitadas deste blog

A escrita acadêmica como requisito principal para a boa formação

O texto acadêmico é um gênero muito específico. O suporte para formação acadêmica é, boa parte, o texto. São textos em que as informações são assimiladas e textos produzidos para demonstrar o conhecimento apreendido ou produzido. Quando se fala em produção científica , os primeiros critérios que vêm à cabeça são a quantidade e a qualidade de artigos produzidos. O conceito de qualidade, no entanto, geralmente leva em consideração apenas o fator de impacto dos trabalhos, a quantidade de vezes que são citados por outros cientistas. Mas outro tipo de qualidade vem sendo buscada pelos pesquisadores, inclusive para conquistar o fator de impacto: a qualidade textual, que depende do bom preparo e bagagem do aluno universitário, que permite a ele produzir trabalhos universitários com excelência, qualidade pode ser obtida mais facilmente ao se apoiar em uma minuciosa revisão do texto feita por um revisor profissional . A produção de textos é processo contínuo de realimentação e do qual a revis

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância? Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações ? Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português? Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem , mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno , da UnB , John Robert Schmitz , da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco , da UFPR .   (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimol

Como escrever títulos atraentes em poucos passos: do artigo à tese

Como aumentar o número de leituras de seu artigo? Você gostaria que sua tese ou dissertação fosse muito lida e citada ao invés de ignorada? Claro, qualquer autor deseja isso! Acontece que, atualmente o número textos acadêmicos que encontramos em qualquer pesquisa é muito grande, enorme. A concorrência entre todos os autores, na busca pelo leitor, não tem tamanho. Claro que o mais importante sempre vai ser a qualidade do trabalho, e clareza das ideias e um texto bem limpo, mas o título tem que ser um ponto de destaque também! E existem técnicas para títulos atrativos , que fujam do enfadonho jargão acadêmico e que transmitam a mesma ideia com uma linguagem mais moderna e atraente; veja um exemplo de título à antiga – que eu jamais adotaria – para esta postagem: Questões de legibilidade, ergonomia visual e empatia em títulos de teses, dissertações e artigos acadêmicos: uma discussão propositiva de aplicação da técnica AIDA. Convenhamos, dá até preguiça de ler até o fim, mas você certame