Pular para o conteúdo principal

Intercessores na revisão de textos

Intercessor é o que ou aquele que intercede – medianeiro (mediador), no sentido literal estrito, o conceito de revisor é perfeitamente assimilável e compatível. O ponto de vista etimológico (latim: intercéssor, óris “o que faz oposição” – o antagonista), é completamente contrário ao conceito que temos de revisor – completo es-vaziamento semântico, paradoxal inversão de sentidos. Curiosamente, no sentido do catecismo católico, intercessores são os que intermedeiam favores; afastada a ideia de favorecimento gratuito, tal noção de intermediação também nos interessa.
Nenhuma obra tem um autor só. Incontáveis Intercessores influenciaram a criação.
Sob diversas óticas, os revisores
de textos podem ser vistos
como Intercessores.
O conceito de Intercessores, do qual haurimos as ideias que apresentaremos, é uma construção de Deleuze[1]  que, com alguma liberdade, aplicamos a nosso objeto. Como ele mesmo argumenta, os conceitos são movimentos que são constituí-dos a partir de encontros e problemas e são eles que forçam o pensamento a pensar. Ainda segundo Deleuze, filosofar é como passear com um saco e, ao encontrar alguma coisa que sirva, pegar: encontramos esse conceito, com muita utilidade nele para nossas reflexões, e estamos nos apropriando dele como nos convém. Os Intercessores de Deleuze, são os mobilizadores do pensamento – e aqui quem nos mobilizou foi ele mesmo – e a partir deles é que se criam problemas e, certamente as soluções ou novos problemas. Sem os Intercessores, segundo essa lógica, o pensamento não age, não inventa, não cria.

O essencial são os intercessores. A criação são os intercessores. Sem eles não há obra. Podem ser pessoas – para um filósofo, artistas ou cientistas; para um cientista, filósofos ou artista – mas também coisas, plantas, até animais, como em Castañeda. Fictícios ou reais, animados ou inanimados, é preciso fabricar seus próprios intercessores. É uma série. Se não formamos uma série, mesmo que completamente imaginária, estamos perdidos. Eu preciso dos meus intercessores para me exprimir, e eles jamais se exprimem sem mim: sempre se trabalha em vários, mesmo quando isso não se vê.[2] 
Nos vemos os revisores como intercessores, em mais de um sentido, inclusive o sentido de Deleuze, nas palavras acima, parafraseando, os revisores somos essenciais, não há obra sem revisores; não há artista, cientista ou filósofo sem revi-sores. Os autores precisam encontrar revisores reais, alternos, sem os quais correm o risco de não se exprimirem adequadamente.
Deleuze usa o conceito de Intercessores no plural, já que tal conceito se manifestar por componentes, por variações, heterogeneidade, multiplicidade e intensidade, como requer a operação conceitual. Os Intercessores configuram a orientação filosófica e metodológica da revisão de textos. Se o pensamento e a produção literária hoje em dia (em todos os gêneros) anda mal é porque, sob o nome de modernismo, há um retorno às abstrações, com muitos abandonos das formas.
O que demarca o envolvimento da revisão com outras áreas de conhecimento não é efetivamente suas interpretações criativas e ousadas, já que não função do revisor inovar, mas, como essas obras, que vão da literatura à biologia, por exemplo, podem liberar melhor novos conceitos e como esses conceitos podem se articular e serem apresentados. O que importa são as linhas que passam entre uma coisa e outra e, num devir, que as leve para outros modos expressivos e interpretativos.[3]
Nesse sentido, o plano de imanência deleuziano dialoga com diferentes pensamentos e em diferentes áreas (cinema, pintura, teatro, literatura, biologia, antropologia, matemática, geologia, linguística), e o que está em jogo é pensar o seu conceito de diferença, de adaptação, de transformação. Revisar, assim como pensar, é criar no próprio pensamento por vias de outras conexões, interações – ou re-estabelecer as conexões e interações que se perderam por lapsos, omissões, in-consistências. Assim, a leitura do revisor é sempre orientada, mas para isso ele pre-cisa metodologicamente de seus Intercessores – e, pela via da reciprocidade, os autores precisam das intercessões dos revisores.  Os revisores, por essa via, se tornam um conceito de ordem fundamental com que se pode pensar a diferença segundo Deleuze, ou a alteridade, segundo nossas postulações, e ainda a dialogia, se formos para Bakhtin; aliás, o próprio conceito de Intercessores já é a diferença que trabalha, porque cada encontro, cada intercessor faz cruzamento, prova aberturas, rasgos – cada revisor sinaliza nos cruzamentos, supre aberturas, preenche la-cunas e emenda rasgos – o que é a mesma direção, com sentido contrário. A heterogeneidade e as transmutações, por meio de encontros, configuradas pelos revisores como Intercessores, formam sínteses disjuntivas. Arriscamo-nos crer que é sempre a heterogeneidade do conceito de revisão que se estabelece como uma experiência radical no plano de imanência.[4]  Muito disso se inspira-se postulações de Bakhtin, que o linguista russo desenvolve não somente ao definir Dostoievski como o criador da “novela polifônica” – uma obra constituída por múltiplos sujeitos de enunciação que convivem mantendo suas disparidades e mesmo expondo-as na pluralidade de consciências autônomas de mundos correspondentes e ao buscar descrever o funcionamento dos enunciados de modo geral. Todo enunciado inserido na rede maior de enunciados, da qual cada enunciado é apenas um elo e sem a rede nenhum enunciado seria possível. Todo enunciado é, em diferentes graus e modos, contaminado por palavras, estruturas, orações, tons, discursos, registros, alteridades. Há sempre a presença diversos sujeitos no discurso daquele que seria o sujeito do enunciado, inclusive, em qualquer texto, o discurso do revisor.[5] 
Podemos tencionar a expressão texto-intervenção, inerente à revisão, na direção do que coincide com pesquisa-intercessão. Não se trata da proposição de uma nova nomenclatura, mas de adaptações e reinterpretações axiológicas, no sentido de explorarmos a concepção da revisão que intercede, que interfere no texto, discutindo o estatuto dos critérios de intercessão e interferência.
O problema está em localizarmo-nos no que se passa entre a produção e a revisão. Com isso, interessa pensar o processo deflagrado desde pontos originários da pesquisa e produção de textos, o que pode nos levar à crença de que cabe ao revisor promover transformações em seu objeto de trabalho. Nada mais presunçoso seria que partir da posição na qual um eu-revisor se afirma encharcado de poder, pretensioso de, pela posse de um saber linguístico, ser capaz de, ele mesmo, e a partir dele, fazer andar ou parar o mundo alheio.
O mundo anda por meios próprios. Move-se com e a despeito do autor e do revisor. Então, cabe, ao revisor, em exercício de profundo respeito, instalar-se em suas funções procurando, insistente e permanentemente, estabelecer nelas uma relação de não dominação. Tentar dominar o movimento do mundo ou a expressão autoral seria fatal, cessariam os processos, interromperia os fluxos da produção au-toral que vertem em incessante anseio de se afirmar.
Revisar-interceder consiste, então, em colocar-se entre. Mas não entre dois corpos individuados, senão entre corpos em individuação, em movimento de geração heterogenética. Implica em forjar um revisor-intercessor em lugar de reflexivo. Essa é a direção. Um revisor que cria e subsuma conceitos que, por sua vez, geram pensamento, engendram modos de compreensão do outro, resistem à captura ou à submissão.
Assim, revisar-interceder consiste em acionar uma máquina afeita à abertura de linhas fugidias, típicas de uma ciência nômade, em eterna reconstrução. Esse tipo de revisão consiste em embrenhar-se por entre os movimentos do campo textual e cognitivo, em recusa ao acesso das verdades e na busca pelo que as falseia.[6] 
O procedimento deleuziano de reivindicar literatos, escritores, poetas, músicos e artistas em geral, como intercessores de seu pensamento, nos libera, até onde podemos, para nos apropriarmos de seu conceito de intercessores a nosso modo.[7] 
Pesquisar-interceder, revisar-intervir converte-se, assim, em exercício de deslocamento de qualquer eventual resquício autoritário que pode acompanhar a expressão intervenção, pois o que as forças repressivas costumam fazer é, justamente, fazer falar e viver em determinada direção. Trata-se, em lugar disso, de acessar um terreno de impossibilidades, lugar em que nasce a criação e a interpretação.
A revisão-intercessão religa, assim, os pontos entre filosofia, ciência e arte. Imiscui criação de conceitos, de funções e de blocos de sensibilidade, sempre em trânsito e em processo de abertura de sentidos. Aí se dá a intervenção. Uma intervenção cujo caráter é muito mais intensivo que extensivo, é proativo e prolativo, relativo à produção de sentidos capazes de transgredir pelos caminhos de uma ciência da ordem na direção de uma ciência mais abrangente e menos abrasiva.
O processo de formulação da escrita-intervenção afirma o debate sobre as bases teórico-metodológicas da revisão participativa, bem como a análise da interferência coletiva na produção de micropolíticas de transformação social – se você achar que revisão pode mudar o mundo, ou a forma de ver o mundo.
[1] (Deleuze, 2010). [2] (Deleuze, 2010, p. 160). [3] Adaptado de (Brito, 2013). [4] (Vasconcellos, 2005). [5] (Brito, 2013). [6] (Malufe, 2012). [7] (Amador, Lazzarotto, & Santos, 2015)(Vasconcellos, 2005).

Postagens mais visitadas deste blog

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva

Como escrever títulos atraentes em poucos passos: do artigo à tese

Como aumentar o número de leituras de seu artigo? Você gostaria que sua tese ou dissertação fosse muito lida e citada ao invés de ignorada? Claro, qualquer autor deseja isso! Acontece que, atualmente o número textos acadêmicos que encontramos em qualquer pesquisa é muito grande, enorme. A concorrência entre todos os autores, na busca pelo leitor, não tem tamanho. Claro que o mais importante sempre vai ser a qualidade do trabalho, e clareza das ideias e um texto bem limpo, mas o título tem que ser um ponto de destaque também! E existem técnicas para títulos atrativos , que fujam do enfadonho jargão acadêmico e que transmitam a mesma ideia com uma linguagem mais moderna e atraente; veja um exemplo de título à antiga – que eu jamais adotaria – para esta postagem: Questões de legibilidade, ergonomia visual e empatia em títulos de teses, dissertações e artigos acadêmicos: uma discussão propositiva de aplicação da técnica AIDA. Convenhamos, dá até preguiça de ler até o fim, mas você certame

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância? Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações ? Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português? Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem , mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno , da UnB , John Robert Schmitz , da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco , da UFPR .   (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimol

Texto como construção complexa

Quanto mais longo o texto, mais complexo ele é; por isso, as teses e dissertações requerem a contribuição do revisor de textos no aperfeiçoamento de sua forma e legibilidade. Do ponto de vista cognitivo, escrever é atividade humana de grande complexidade, mais que jogar xadrez. Revisar o texto também é atividade composta por uma série de procedimentos terrivelmente complexos, bem mais que dar palpite na partida de xadrez dos outros! Pesquisadores de diferentes áreas – principalmente psicolinguística – estão interessados nos subprocessos da textualização (produção escrita com textualidade). Antes de mostrar o que propicia a textualização e a possibilidade de contribuição do revisor na construção de textos longos (as teses e dissertações estão dentre os textos mais complexos), vamos apresentar os níveis de organização do texto, depois expor a teoria de recursos, teoria para entender certas dificuldades com a escrita, inclusive as presentes em estudantes de pós-graduação. O papel