Pular para o conteúdo principal

O acompanhamento da revisão pelo autor

Autor e revisor dialogam durante os trabalhos.

A revisão de texto é produto da interação entre autores e revisores, uns não podem relegar os outros.

O revisor vai interferir em meu texto e eu não vou acompanhar? Minha tese tem discussões e termos complexos, e se o revisor se enganar na interpretação? Eu saberei o que o revisor alterou?
Antigamente, era sempre assim: o autor terminava de escrever e enviava o texto para a impressão, depois o texto impresso era encaminhado ao revisor que fazia nele um monte de rabiscos e devolvia ao autor ou encaminhava direto para o editor, dependendo da situação. Quando se tratava de uma tese, o autor recebia o texto do revisor e providenciava todas as emendas sugeridas, muitas vezes contando com os serviços de datilografia de alguém que interpretaria todas as anotações do revisor.
O revisor deve possibilitar ao autor acompanhar a revisão.
A revisão interativa soma esforços para aperfeiçoamento do texto com economia de tempo e otimização do trabalho para alcançar a excelência no produto.

Nada mais é assim, hoje qualquer revisor que se preze trabalha diretamente no texto, sugerindo as modificações, com controle das alterações feitas, e o texto pode voltar diretamente a seu autor para discussão das alterações sugeridas e para decisão final sobre as propostas do revisor. Sim, propostas, pois o dono do texto é que vai decidir sobre o que cabe ser aceito ou recusado daquilo que o revisor sugere. Só que, para isso, é preciso que haja tempo para o revisor trabalhar, tempo e disposição da parte do autor para acompanhar e discutir o trabalho de revisão que está em curso.
Em nossa metodologia de trabalho, enviamos diariamente ao autor um "estado da arte" - o estágio do trabalho ao fim daquela jornada. A maior parte dos revisores prefere revisar todo o trabalho e, depois de tudo visto e revisto, lido e relido, encaminhar o serviço "pronto" ao autor. Imagine-se quem tem uma tese de 400 páginas, esperar pela revisão dela por dez dias e, então, receber tudo aquilo anotado, com as marcas da revisão, para ter que considerar todas elas e discutir as pendências com o revisor. É quase inviável, pelo tempo e pela sobrecarga imposta ao autor. Com nosso sistema, o autor acompanha, dia a dia a evolução da revisão. Ele pode aferir os critérios dos revisores à medida que a revisão se processa; o autor pode direcionar os critérios de homogenização, de ordenação, de programação visual, da formatação, a cada dia, em curto espaço de tempo, determinando como deverão ficar os aspectos formais segundo seu agrado. Isso economiza tempo do autor e evita retrabalho por parte do revisor.
Para que esse método tenha o melhor resultado, entretanto, é necessário que o autor não abandone o trabalho nas mãos do revisor e do formatador para o retomar somente quando a revisão estiver concluída. O que chamamos revisão interativa é o acompanhamento processual das diversas etapas da revisão e da formatação de um texto. Se o autor não se dispuser a acompanhar o processo, ele só interferirá ao cabo da revisão, havendo sensível perda qualitativa e, certamente, algum retrabalho.
Sempre sugerimos a nossos clientes reservar algum tempo, ao fim da cada dia, para passar os olhos no "estado da arte" que lhe enviarmos e comentar, propor retificações e se manifestar sobre suas preferências e pelo direcionamento que será dado aos casos que surgirem.


Até onde temos acompanhado, a Keimelion tem a exclusividade desse procedimento, um diferencial no serviço prestado que amplia a confiança do cliente em nosso trabalho e resulta em maior satisfação quanto ao resultado, pois não haverá surpresas ao fim da revisão. Os clientes a quem prestamos serviços continuados vão refinando os critérios de redação e nós apurando os de revisão ao gosto daquele cliente e cria-se assim a parceria entre autor e revisor que tem os melhores resultados no texto.
Dialogismo revisando dissertações e teses
Entendemos que o trabalho desenvolvido por nossa equipe de revisão acadêmica não pode se desenvolver de modo isolado, solitário, individual e, tampouco, lida apenas com a materialidade textual. Agir diferentemente seria desconsiderar o aspecto discursivo das teses e revisamos, o contexto de sua inserção, o leitor a quem se destina e as relações que devem ser estabelecidas com os autores das produções revisadas.
O entendimento da linguagem de modo dialógico-discursivo nos permite olhar para as situações enunciativas, para os textos analisados e para a rede de interlocução envolvida de modo amplo, visando ir além da constatação quantitativa dos elementos gramaticais ou estritamente linguísticos que perpassam as informações e análises contidas no texto acadêmico. Examinamos, assim, a rede de interlocução envolvida no processo, as diferenças de valoração, os conflitos e acordos voltados para um objetivo unificador comum: apresentar às bancas um texto polido, linguisticamente correto e comunicativamente eficiente.
A construção de um trabalho colaborativo é um dos pontos defendidos e praticados por nós, o que diverge da prática do mercado na definição de sua atividade como “a revisão linguística” a partir de um viés discursivo da linguagem. Admitir esta postura nos possibilita, inclusive, a alteração de um dado trecho do texto, ou seja, fazer “contribuições semânticas" (ou textuais) quando, na opinião do revisor, tal mudança tiver por finalidade auxiliar na clareza da interpretação textual.
Por outro lado, nossa equipe de revisores não deixa de salientar explicitamente seu posicionamento sobre as alterações feitas, uma vez que o procedimento requer e inclui o destaque das intervenções feitas no texto e que tiveram sempre por intuito deixar a produção textual mais clara para o leitor. Para nós, o que justifica a pertinência da proposta de reescrita de trechos é ter como objetivo de trabalho facilitação para o destinatário final do produto textual e consequente ampliação da compreensão do material.
Nossa filiação teórica nos permite também buscar melhor compreender o estatuto do autor do trabalho a partir das situações em ele está inserido, bem como tentar entender a natureza das relações dialógicas estabelecidas e dar voz ao revisor para que ele exponha como visualiza a si mesmo no processo do qual faz parte ativa. O trabalho de revisão de textos é um movimento de dupla antecipação entre um saber conceitual e outro saber adquirido na situação concreta de desenvolvimento da redação da tese (ou dissertação), cabendo ao revisor considerar cada uma dessas antecipações como constitutivas do ofício e a perceber que o não concretizado faz parte da atividade tanto quanto o faz o efetivamente realizado: as proposições que foram recusadas levaram o autor à reflexão e ao próprio questionamento da estrutura argumentativa ou expositiva.
Os atos enunciativos dos autores e a reflexão dos revisores sobre sua própria atividade comprovam que o fazer colaborativo é constitutivo da atividade da equipe de revisão, evidenciando-se aí a construção, por vezes tensa e conflituosa, de diálogos, bem como a presença e o contato entre diferentes posicionamentos dos atores do trabalho e dos demais envolvidos com a atividade, voltados para o fim comum da produção de um texto adequado aos destinatários finais. Em vista justamente da existência desses diálogos é que as negociações necessárias para o resultado final permitem a caracterização do trabalho de revisão como um agir conjunto, cooperativo e colaborativo, sem que isso apague, insistimos, as tensões, constitutivas ou casuais, que aparecem no decorrer da atividade.
Uma contribuição adicional da revisão é o uso de procedimentos teórica e praticamente válidos do ponto de vista do objeto examinado e não a imposição das teorias ou de metodologias ao objeto. Trata-se a revisão de textos de ofício que parte de categorias prévias, mas também de princípios teóricos da teoria dialógica, de estudos ergológicos e ergonômicos e das propostas dialógico-interativas, princípios esses que, em diálogo permanente entre si e com vista à finalidade do objeto, levam a categorias e processos de análise, do ponto de vista da demanda dos clientes em seus vários aspectos: o texto e suas nuanças são equacionados sob múltiplos olhares analíticos.
Destacamos ainda que optamos por trabalhar com as vozes dos autores do trabalho envolvidos diretamente com a revisão, no intuito de demonstrar o modo que compreendemos a atividade exercida e os papéis que ocupamos nessa perspectiva laboral, o que o que é vital para complementar a análise textual e respectiva revisão. Dar voz aos autores cria um espaço de discussão no qual autores e revisores são, igualmente, sujeitos em diálogo no aperfeiçoamento da comunicabilidade textual, permitindo assim o entendimento da rede de interlocução que constitui o texto e o contexto e nossa forma específica de estruturação da atividade revisional, constituindo assim o lócus em que nossa atividade adquire pleno sentido.

Postagens mais visitadas deste blog

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

A escrita acadêmica como requisito principal para a boa formação

O texto acadêmico é um gênero muito específico. O suporte para formação acadêmica é, boa parte, o texto. São textos em que as informações são assimiladas e textos produzidos para demonstrar o conhecimento apreendido ou produzido. Quando se fala em produção científica , os primeiros critérios que vêm à cabeça são a quantidade e a qualidade de artigos produzidos. O conceito de qualidade, no entanto, geralmente leva em consideração apenas o fator de impacto dos trabalhos, a quantidade de vezes que são citados por outros cientistas. Mas outro tipo de qualidade vem sendo buscada pelos pesquisadores, inclusive para conquistar o fator de impacto: a qualidade textual, que depende do bom preparo e bagagem do aluno universitário, que permite a ele produzir trabalhos universitários com excelência, qualidade pode ser obtida mais facilmente ao se apoiar em uma minuciosa revisão do texto feita por um revisor profissional . A produção de textos é processo contínuo de realimentação e do qual a revis

Como escrever títulos atraentes em poucos passos: do artigo à tese

Como aumentar o número de leituras de seu artigo? Você gostaria que sua tese ou dissertação fosse muito lida e citada ao invés de ignorada? Claro, qualquer autor deseja isso! Acontece que, atualmente o número textos acadêmicos que encontramos em qualquer pesquisa é muito grande, enorme. A concorrência entre todos os autores, na busca pelo leitor, não tem tamanho. Claro que o mais importante sempre vai ser a qualidade do trabalho, e clareza das ideias e um texto bem limpo, mas o título tem que ser um ponto de destaque também! E existem técnicas para títulos atrativos , que fujam do enfadonho jargão acadêmico e que transmitam a mesma ideia com uma linguagem mais moderna e atraente; veja um exemplo de título à antiga – que eu jamais adotaria – para esta postagem: Questões de legibilidade, ergonomia visual e empatia em títulos de teses, dissertações e artigos acadêmicos: uma discussão propositiva de aplicação da técnica AIDA. Convenhamos, dá até preguiça de ler até o fim, mas você certame

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância? Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações ? Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português? Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem , mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno , da UnB , John Robert Schmitz , da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco , da UFPR .   (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimol