Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2016

Três questões linguísticas bem distintas

As inquietações dos linguistas são bem variadas, passam pelo emprego das locuções, pela concordância na voz passiva e pelos valores culturais da língua! Aqui estão três pequenos textos de Ricardo Alves, nosso colaborador, quando ainda era estagiário conosco. Excelentes contribuições que voltamos a publicar, agora em conjunto. São três motes sempre presentes na atividade de revisão de textos. O uso problemático de “na medida em que” Nas revisões de textos, principalmente de teses e de dissertações, notamos com frequência o uso de “na medida em que” como locução conjuntiva, seja no sentido proporcional, no causal ou no condicional. A partir do uso dessa expressão, encontramos dois equívocos que são condenados pela norma culta, a de maior prestígio social: o primeiro diz respeito à forma dessa expressão e o segundo a seu uso com valor causal ou condicional. Ao pesquisarmos algumas gramáticas, tanto tradicionais, como Cunha (1983), e descritivas, como Bechara (2009), na verdade, encontra…

Texto como construção complexa

Quanto mais longo o texto, mais complexo ele é; por isso, as teses e dissertações requerem a contribuição do revisor de textos no aperfeiçoamento de sua forma e legibilidade. Do ponto de vista cognitivo, escrever é atividade humana de grande complexidade, mais que jogar xadrez. Revisar o texto também é atividade composta por uma série de procedimentos terrivelmente complexos, bem mais que dar palpite na partida de xadrez dos outros! Pesquisadores de diferentes áreas – principalmente psicolinguística – estão interessados nos subprocessos da textualização (produção escrita com textualidade). Antes de mostrar o que propicia a textualização e a possibilidade de contribuição do revisor na construção de textos longos (as teses e dissertações estão dentre os textos mais complexos), vamos apresentar os níveis de organização do texto, depois expor a teoria de recursos, teoria para entender certas dificuldades com a escrita, inclusive as presentes em estudantes de pós-graduação.
Textualizar é …

O acompanhamento da revisão pelo autor

Autor e revisor dialogam durante os trabalhos.A revisão de texto é produto da interação entre autores e revisores, uns não podem relegar os outros.O revisor vai interferir em meu texto e eu não vou acompanhar? Minha tese tem discussões e termos complexos, e se o revisor se enganar na interpretação? Eu saberei o que o revisor alterou? Antigamente, era sempre assim: o autor terminava de escrever e enviava o texto para a impressão, depois o texto impresso era encaminhado ao revisor que fazia nele um monte de rabiscos e devolvia ao autor ou encaminhava direto para o editor, dependendo da situação. Quando se tratava de uma tese, o autor recebia o texto do revisor e providenciava todas as emendas sugeridas, muitas vezes contando com os serviços de datilografia de alguém que interpretaria todas as anotações do revisor.
Nada mais é assim, hoje qualquer revisor que se preze trabalha diretamente no texto, sugerindo as modificações, com controle das alterações feitas, e o texto pode voltar diretam…

Reescrever o original da dissertação de mestrado

Reescrever é com o autor, o revisor vai revisar.Ninguém pode revisar aquilo que escreveu, é tecnicamente impossível. Por isso chamamos a autorrevisão de reescrita.Autores e orientadores constroem e reconstroem sentidos a partir de diferentes exercícios de escrita que se realizam em gêneros específicos do domínio discursivo compreendido por monografias, dissertações, teses, artigos, resenhas, resumos. A cada fase da evolução do texto da dissertação o autor o submete ao orientador, a algum colega ou leitor crítico, ou o próprio autor relê sua produção e se estabelecem os objetivos, critérios e restrições para a tarefa de reescrita; o autor passa à avaliação de seu texto-rascunho. Revisão é procedimento posterior e envolve outro interventor no processo de produção do texto. O subprocesso de avaliação da produção é o momento da reescrita em que o autor ou seu orientador lê seu texto com três objetivos: compreender, avaliar e definir problemas. Essa leitura é atenta, crítica e avaliativa. A …

Como escrever o resumo de sua tese ou dissertação

Melhore o resumo de sua tese ou dissertação.O resumo é parte necessária da apresentação final de uma tese, dissertação ou mesmo de um artigo.A versão final do resumo terá de ser escrita depois que você terminar de ler a sua tese para enviar ao revisor do texto.Um resumo prévio, escrito nas diferentes fases do seu trabalho vai ajudar você a ter uma versão curta de sua tese a cabeça. Isso vai conduzir seu pensamento sobre o que é que você está realmente sendo feito, vai ajudá-lo a ver a relevância do que você está trabalhando no momento dentro do quadro maior, e ajudar a manter os vínculos que acabarão por conferir unidade à tese (dissertação, TCC, artigo). O que é um resumo?O resumo é um componente importante da tese. Apresentado no início da tese, é provável que seja a primeira descrição substantiva do trabalho a ser lida por um examinador ou qualquer outro leitor externo. Você deve vê-lo como oportunidade de definir as expectativas precisas do leitor a que seu texto atenderá. O resumo …

Revisão de textos se cobra por lauda

Como se calcula o preço da revisão de textos?Afinal, o que é uma lauda para revisão? Quantas laudas tem minha tese? Lauda é o mesmo que página? A revisão de texto faz crítica?Todos os revisores de textos costumam formar o preço cobrado pelos seus serviços pela lauda, uma quantidade de texto mais ou menos equivalente àquela que preenche a mancha (espaço impresso) da página em formato A4. Mas acontece que essa quantidade de texto varia muito, de acordo com uma série de fatores: fonte adotada - tamanho e família, margens, espaços entre linhas e espaços entre parágrafos, para mencionar alguns, já que a quantidade de texto em uma página também depende de ilustrações e notas de rodapé, que representam importantes variáveis. Ocorre então que os profissionais adotam um padrão para sua lauda, o que não é uniforme entre os diversos profissionais. Cada um determina a quantidade de caracteres que ele considera sua lauda. Já vimos referências a laudas de 800, 1200, 1250, 1500, 1800, 2200 caracteres…

Escrita e revisão de texto para a universidade

O sujeito completamente alfabetizado e o revisor.Estratégias para análise, reconfiguração e revisão de escritos acadêmicos: procedimentos aplicáveis à produção e revisão de textos em teses e dissertações.A escrita do estudante universitárioOs diferentes autores coincidem em notar que, quando os estudantes ingressam na universidade, a compreensão de textos e produção de trabalhos escritos apresentam grandes déficits. Os calouros são fracos na compreensão de textos do acadêmico, em decorrência, o conteúdo conceitual e composição de ensaios e artigos de natureza argumentativa que eles produzem é sofrível; do mesmo modo, na pós-graduação, a dificuldade para construir textos inferenciais ou conclusivos parecem persistir. Inclusive alunos de mestrado e doutorado têm sérias dificuldades para compreender um texto científico (e a cientificidade do texto) com problemas reais para a organização de informações por escrito; dentre os problemas está a dificuldade para identificar as ideias principa…