Pular para o conteúdo principal

Revisor de textos: curiosidades e cortes

Uma coletânea de definições de revisor de textos.

Coisa antiga, mas sempre divertida. O Ciclo de Vida dos Revisores. Ao fim e ao cabo, quase que se pode dizer que revisar um texto seja fazer cortes!

  • Revisor é como o goleiro de futebol: pode acertar quase todas, mas é execrado quando falha.
  • O prazer do revisor é comparado ao do oleiro, modela o texto até ficar perfeito. Bonito de se ver e/ou de se ler.
  • Resposta à Stalone Cobra: “é um serviço sujo, mas alguém tem que fazê-lo. tenho culpa se gosto do cheiro de sangue?”
Uma serie de curiosidades e ditos comuns sobre o revisor de textos.
Todo autor precisa proteger seu texto contratando um bom revisor para colaborar.
  • O revisor retira o excesso de palavras dos textos: menos é mais também na redação.
  • Cada dissertação que revisamos recebe atenção total.
  • Um mago. Quem sabe, um gurú [sic] das palavras, ou mesmo gurú [sic] ortografico [sic]?
  • Um chato, um neurótico compulsivo.
  • O revisor é um cara pago pra ser chato.
  • O revisor é aquele que vem para fazer a limpeza geral e nem sempre é notado. Porém, quando notado, é para ouvir a pergunta:”Quem Mexeu no Meu Texto”?
  • Revisor é uma pessoa que deve achar erro de todo mundo, mas não pode encontrar um cochilo seu só lá na terceira prova. Terá que ouvir o inevitável Pô, agora que você vê isso? do operador, que não agradece quando você pega o mesmo erro dele em todas as provas e ele não faz direito.
  • O revisor “de carteirinha” também é aquele ser esquisito que revisa a portaria da Sunab enquanto espera o cafezinho chegar no balcão.
  • O revisor é o lapidário da palavra escrita.
  • É como o gravurista da palavra impressa. [Tudo isso com um toque angelical de mágica.]
  • O revisor é como um afinador do piano da palavra escrita.
  • Revisor é como gari, só tá lá pra limpar.
  • Raiou a aurora e já trabalha o revisor. / Entre pilhas de papéis, feliz a rabiscar, / Vê o botão da página desabrochar em flor. / Incansável contador de caracteres, / Sua féria calcula com muita atenção. / Oh revisor, quão miserável ‘eres’! / Ri de tua desgraça fazendo revisão!
  • Revisor é alguém que ri quando trabalha e chora quando recebe o que recebe.
  • O revisor é, antes de tudo, um forte.
  • O revisor é o primeiro a rodar na hora dos cortes financeiros.
  • O revisor é substituível até que a m. apareça no título em letras garrafais, aí pergunta-se: quem mandou demiti-lo?
  • O revisor é muito gente, tá?
  • Revisor é o chatão que ganha de todo mundo no jogo dos sete erros.
  • O revisor [o bom], no fim das contas, é um pândego. / o revisor [o outro], um angustiado.

A revisão do texto vai cortar: um, uns, uma, umas

Um, uns, uma, umas – entenda porque o revisor de textos vai "podar" muitas dessas palavras em sua tese, artigo científico ou dissertação. Se ele não o fizer, cobre.
Artigo, numeral, pronome indefinido – podem ser essas as funções das palavras um, uns, uma, umas – mas as pessoas não dão muita atenção a elas, agem como se fossem enfeite para o texto, algo a ser distribuído mais ou menos aleatoriamente, e com que não precisamos nos preocupar. Nem mesmo aquela professorinha implicante nunca falou nada sobre o uso dessas palavras. Pois bem, vamos falar.
O que mais notamos em nossa profissão de revisores de textos é que essas palavrinhas sobram. As pessoas as usam em excesso. No texto, como na vida, tudo que há em excesso, sobra. Não há nada de errado com um e suas variantes, afinal a palavra é essa e as outras são suas variantes em gênero e número: masculino (um, uns) e feminino (uma, umas), singular (um, uma) e plural (uns, umas). Até mesmo nessas variações muito simples há quem erre, quando ocorre o banalíssimo um alface ou uma guaraná, ou até no erudito equívoco de um arché, casos em que simplesmente a pessoa está equivocada quando ao gênero (excluído o erro de digitação). Não havendo nada de errado com essas palavras, o erro sobra para o autor e aí entra o revisor, com aquela tesoura de poda virtual chama “delete”.
O caso é que tais palavras, quer como pronome, numeral ou artigo, cabem antes de quase todo nome – no caso os substantivos e artigos da frase. Na linguagem falada, parece que temos usado muito, é um recuso pobre, mas se presta a alongar as frases ditas e dão mais tampo ao falante para pensar o que dizer, ou parecer que está dizendo mais que o faz efetivamente. Na linguagem escrita, em excesso, se tornam vício de repetição, defeito de estilo.

Vejamos um exemplo.

"Para uma formatação é desejável termos em mãos um trabalho completo. Se seu trabalho ainda não está concluído, mas já há parte significativa, pode enviar-nos para um orçamento prévio. Você pode enviar uma versão que já tenha "quase tudo", ou algo bem próximo disso, para fazermos o um orçamento e, chegando a um acordo, enviamos-lhe por e-mail um contrato a ser assinado e remetido a nós pelos correios. Uma forma de pagamento usual é depósito bancário. Se necessário, podemos oferecer um parcelamento, ou um desconto à vista."

E aqui o texto original:

"Para a formatação é desejável termos em mãos o trabalho completo. Se seu trabalho ainda não está concluído, mas já há parte significativa, pode enviar-nos para orçamento prévio. Você pode enviar uma versão que já tenha "quase tudo", ou algo bem próximo disso, para fazermos o orçamento e, chegando a um acordo, enviamos-lhe por e-mail um contrato a ser assinado e remetido a nós pelos correios. A forma de pagamento usual é depósito bancário. Se necessário, podemos oferecer parcelamento, ou desconto à vista."
Sete palavras a menos! Com maior clareza, fluência e exatidão, já que artigos e pronomes indefinidos, por sua natureza e significado, transmitem ideias imprecisas, vagas, inexatas. Como proceder? É simples, exclua – se a frase mantiver o sentido sem a palavra ela está sobrando; provavelmente estará melhor sem ela. Ou deixe para o revisor do texto fazer a poda.
A formação do revisor é um ciclo que leva toda a vida para se completar.
Ciclo de vida, de ação e de padecimento do revisor de textos.
Encontramos na Web este slide, sem referências, mas ele parece descrever - com algum humor - algumas das etapas pelas quais um revisor costuma passar. Fica aqui colocado, sem precisar muita explicação, mas com a ressalva de que, se alguém apontar a autoria, nós informaremos.

Aquele que trabalha com as mãos é um ARTESÃO.
Aquele que trabalha com a mente é um SÁBIO
Aquele que trabalha com a inspiração é um ARTISTA.
Aquele que trabalha com a técnica é um PROFISSIONAL.
Aquele que trabalha com a intuição é um MÍSTICO.
Aquele que trabalha com o coração é um ESPIRITUALISTA.
Aquele que trabalha com as mãos, mente, inspiração, técnica, intuição, coração, gramáticas, dicionários, computador, internet, erudição, mais todos os recursos possíveis e prazos impossíveis é um
REVISOR DE TEXTOS.

Postagens mais visitadas deste blog

O gênero de discurso acadêmico-científico

O cientista deve conhecer o discurso acadêmico O gênero acadêmico-científico tem características próprias, baseadas na semântica linguística finalística, e se constrói na descrição de um sentido linguístico de objetivos restritos. Todas as esferas da atividade humana estão sempre relacionadas à língua. O uso da língua se dá em forma de enunciados (orais e escritos), concretos e únicos, emanados integrantes da atividade humana. O enunciado mostra as condições específicas e as finalidades de cada uma dessas esferas: conteúdo temático, estilo verbal e construção composicional. Esses três elementos convergem para o todo do enunciado e todos eles são marcados pela especificidade de uma esfera de comunicação . Vê-se, então, que qualquer enunciado considerado isoladamente, é individual, mas cada esfera de utilização da língua elabora seus tipos relativamente estáveis de enunciados, que são os gêneros do discurso. Cada esfera dessa atividade se diferencia e se amplia à medida que a própria e

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

A escrita acadêmica como requisito principal para a boa formação

O texto acadêmico é um gênero muito específico. O suporte para formação acadêmica é, boa parte, o texto. São textos em que as informações são assimiladas e textos produzidos para demonstrar o conhecimento apreendido ou produzido. Quando se fala em produção científica , os primeiros critérios que vêm à cabeça são a quantidade e a qualidade de artigos produzidos. O conceito de qualidade, no entanto, geralmente leva em consideração apenas o fator de impacto dos trabalhos, a quantidade de vezes que são citados por outros cientistas. Mas outro tipo de qualidade vem sendo buscada pelos pesquisadores, inclusive para conquistar o fator de impacto: a qualidade textual, que depende do bom preparo e bagagem do aluno universitário, que permite a ele produzir trabalhos universitários com excelência, qualidade pode ser obtida mais facilmente ao se apoiar em uma minuciosa revisão do texto feita por um revisor profissional . A produção de textos é processo contínuo de realimentação e do qual a revis

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância? Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações ? Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português? Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem , mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno , da UnB , John Robert Schmitz , da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco , da UFPR .   (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimol

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva