Pular para o conteúdo principal

Revisão de textos profissional

Texto bom requer a melhor revisão profissional

Revisão de português, revisão gramatical, revisão linguística... Não importa como você a chama; chame sempre um revisor profissional.

Tudo que a maioria dos autores deseja é se assegurar de que seu texto esteja formalmente correto e seja claro, compreensível, agradável, coerente – tendo como pressuposto que o conteúdo seja questão superada. Mas assim que os "erros de português" sejam eliminados das frases e palavras, quase todo escritor iniciante se dá por satisfeito. Da mesma forma, autores maduros julgam frequentemente que seu texto seja bom e dispensam a revisão.
O melhor revisor de texto trabalha em interação com o autor.
Encontrar um revisor de textos para um trabalho importante não pode ficar para a última hora.
A gramática não pode ser deixada de lado – ou pode já estar totalmente aplicada, mas é preciso considerar vários outros aspectos que contribuem para a qualidade de um texto, como objetividade, emprego de expressões adequadas ou riqueza de vocabulário, coerência em diversos níveis, coesão... Sem falar em aspetos contextuais, mídias, público-alvo. São tantos os fatores a serem considerados que quase se pode dizer que a escolha de cada palavra e a escolha do lugar de cada uma delas têm que ser pensados. Mas se o autor for pensar em tudo isso, ele não escreve! Não escreve mesmo: a linguagem requer fluência, dinâmica, continuidade, assim como o pensamento – um encadeamento natural que, se for rompido, costuma travar o processo comunicacional.
Nesse contexto de virtual paradoxo, surge a figura do revisor: é ele que vai cuidar de repensar as palavras e o lugar delas. Claro o autor já pensou no assunto e não pretende mudar muito, claro que, inevitavelmente, ele terá relido o que escreveu e modificado, modificado, modificado até que todas as alternativas já o confundam, ou que já não esteja mais percebendo os problemas comunicacionais do texto – pois ele conhece seu trabalho tão bem que o entende perfeitamente!
Revisar o próprio texto é quimera. O autor faz releituras, reescreve. Não se pode pensar em revisão de textos sem a considerar como serviço profissional, um trabalho cheio de técnicas e repleto de muito conhecimento e constante acréscimo de erudição. Qualquer pessoa pode reler, melhorar, corrigir um texto com problemas – mas a questão se complica quando o texto já está bem escrito: somente o profissional experiente encontrará os problemas sutis e o aperfeiçoamento fino que aquele texto requer e merece.
Um bom texto não dispensa a melhor revisão, ele a reclama e a merece - assim como o melhor autor faz jus ao serviço de um excelente revisor. Claro que todo autor, por menos experiente que seja, também merece serviço de revisão de primeira, mas a excelência do texto será resultado do trabalho proveniente do autor, cabe a ele a criação – o revisor dá o lustro, o acabamento.

Aspectos semânticos da revisão de textos

O significado do texto como todo só pode ser estabelecido por meio de relações de natureza semântica a serem criadas a partir de elementos que coexistam no próprio texto, vale dizer que a rede lexical do texto forma seu universo semântico e relações de significado entre itens que só podem ser identificadas como tal a partir desse universo. Os desvios dessa rede de significâncias constituem, eventualmente, impropriedade semântica interna. Da mesma forma, existem desvios semânticos externos, aqueles decorrentes da atribuição equivocada de sentido a determinados elementos léxicos.

Está vendo com o assunto da revisão do texto é sério e requer conhecimentos que não são do domínio geral das pessoas? Por questões como essa é que se faz necessária a revisão profissional, feita por quem entende desses assuntos! E digo mais:

Destaco que muitas impropriedades semânticas são encontradas na maioria dos autores, portanto, o fragmento do texto em que as incorreções se situam e a intervenção efetuada (palavra, frase, parágrafo ou texto) precisam ser indicados ao autor. Esse destaque se faz necessário, sobremaneira, pois é um tipo de intervenção que versa sobre o conteúdo, sobre matéria textual subjetiva, contrariamente ao que ocorre quando a intervenção é de natureza ortográfica ou sintática, pontos mais passivos das alterações da revisão.

Vou apontar como ocorrem, no processo de revisão, as intervenções que versam sobre os aspectos semânticos do texto.

Uma das principais possibilidades da revisão moderna é o controle de alterações nos editores de texto. Estou considerando o mais comum da atualidade, o Word, e apontando como os revisores revisam de forma mista, isso é, no texto aparecem correções ortográficas, lexicais, sintáticas, porém, a predominância da intervenção é com relação às ideias, aos conteúdos do texto. Aponto ainda um aspecto que deve ser abordado com atenção quando se fala em produção textual: a concepção de que a revisão é processo interativo e necessário que permeia o trabalho do autor em sua prática efetiva de produtor de texto.
Existe considerável preocupação com os aspectos que se voltam, não apenas para a forma de “informar” ao autor, mas para o próprio “dizer”, isto é, para os conteúdos do texto, aqueles que são mais afetados pelas questões semânticas diretamente. As marcas de revisão modernas aparecem em forma de pequenos balões e sublinhados que facilitam a compreensão dos elementos modificados do texto. Isso faz que as os revisores valorizem todas as etapas da escrita do texto sem prejuízo de se omitir para resguardar fidelidade autoral, já que cada intervenção é visível para o autor e pode ser revertida – em um processo ideal de revisão, com ampla interatividade.
Nas categorias propostas para a revisão de textos, os balões e outras marcas configuram um tipo de correção textual-interativa, onde ambos, revisor e autor refletem. Entra em cena a linguagem em análise, a linguagem do próprio texto e a linguagem simbólica do hipertexto que fala sobre o texto. É a linguagem da intervenção, que narra o processo interventivo iniciado pelo revisor, refletido no texto e reflexivo na autoria.
No geral, em recorte semântico, as ideias são, primeiramente, consideradas e valorizadas como organizadoras dos aspectos semânticos e sequenciais do texto. Os demais aspectos, tais como os estruturais, os gramaticais e ortográficos, são observados e, por vezes, até corrigidos, porém as ideias ocupam lugar central na tarefa de revisão.
Hoje se pode contratar pessoas que trabalham a distância para uma quantidade significativa de atividades, como redação e revisão de textos, design gráfico, programação de computadores, lançamentos contábeis e até telemarketing ou telessuporte.
Procure um revisor profissional, conheça o trabalho de e reserve espeço naquela concorrida agenda para a revisão de seu precioso trabalho!

Revisão dos elementos remissivos no texto científico

Para alcançar a máxima comunicabilidade do texto como todo coerente, é necessário que, além das relações coesivas, sejam trabalhadas também as relações de conexão conceituais-cognitivas. É preciso que o texto apresente as características que lhe permitam expressar as intenções do autor e seu conhecimento do que deseja expressar.
O ato de escrever sempre possibilita expressar pensamentos para uma interlocução decorrente das condições em que o discurso é realizado. A produção textual na academia, a conhecida “redação científica” está ligada ao cumprimento de tarefa necessária, trata-se de texto produzido na instituição de ensino e, normalmente, para ela, e retrata atividades artificiais, descontextualizadas, que não se fazem presentes no cotidiano, afastadas da realidade e simplesmente fazendo que se produza sem questionar o que foi imposto.
Nessa perspectiva, não se constroem sujeitos de atos criativos, mas reprodutores do que os outros criaram, repetindo modelos pré-estabelecidos e formas institucionalizadas. Não se proporciona um momento de reflexão sobre o que escrever, para quem escrever e por que escrever. O texto deveria ser produzido nas diversas situações de interação social, propiciando uma formação cognitiva e política, levando em conta os saberes próprios da área de conhecimento do autor.
As palavras de cada autor e suas relações carregam memórias de conhecimentos acumulados historicamente e sempre renovados no universo em que se relacionam. Todavia, esse conhecimento do cotidiano, suas ideias a respeito dos objetos, fatos e fenômenos, suas “teorias” acerca do que observam no mundo, não é suficiente para a apropriação dos conhecimentos linguísticos necessários. É nesse contexto que a mediação do revisor se faz imprescindível. Mas como trabalhar um texto, sem desrespeitar o universo de conhecimentos que o autor exprime? Há textos que, muitas vezes, são pouco mais que uma sequência de palavras, frases e parágrafos, entremeados por sinais de pontuação. Como reorganizar informações desordenadas e desconexas apresentadas no texto autoral? Como trabalhar a adequação vocabular? A coerência? A coesão? Quais os requisitos relevantes que fazem um texto ser texto?
Partindo desses questionamentos, é feita a revisão do emprego dos elementos remissivos nos textos, para aprimorar as capacidades discursivas do discurso, trabalhando os elementos linguísticos do texto que vão resultar na construção de sentido presente no texto coeso e coerente. Esse trabalho será resultante da interação entre revisor-autor visando a construção do conhecimento. Nessa relação interacional, o revisor como mediador promove a comunicabilidade da produção do autor de forma sistemática, para que ela se adeque à variante linguística necessária, o jargão acadêmico, e se aplique em situações correlatas.
No campo da produção de texto, que não se pode restringir ao o domínio da modalidade escrita da língua culta, o grau de textualidade de uma produção é decisivamente determinado pela sua coerência, garantidora da boa qualidade do texto, que ele seja capaz de instaurar uma legítima relação intersubjetiva de significação.
O revisor deve compreender e assumir a concepção de língua como discurso, de língua escrita como atividade enunciativa e ter clara a noção de texto, de textualidade, de coerência, coesão e precisa conhecer os princípios que regem as relações autor-revisor, autor-texto, leitor-texto, precisa dominar as características e peculiaridades dos diferentes gêneros de texto escrito.

Encontrar um revisor de textos

Você precisa da ajuda de um revisor de textos?

Siga os cinco passos abaixo para encontrar o revisor que é adequado a seu projeto, a sua necessidade, e a seu texto.
  1. Determine as habilidades do revisor de que você precisa: há diferentes tipos de revisores de textos – muito mais do que você pode imaginar. Consulte as definições de atividades editoriais e leia algumas postagens em nosso blog para encontrar o tipo de assistência, apoio ou serviço de que você precisa.
  2. Defina o escopo do seu projeto e orçamento, incluindo o calendário e o prazo final: para um projeto envolvendo texto acadêmico, por exemplo, veja tudo que a Keimelion oferece: desde a revisão (incluindo a preparação do texto) até a formatação, e confie em nossa pontualidade absoluta.
  3. Solicite o orçamento enviando o texto: não é necessário telefonar para o revisor, basta enviar o texto especificando o serviço que se deseja. Se o revisor demorar a responde, já não é bom sinal. Você precisa de alguém que tenha hábito de respostas rápidas às questões que surgem.
  4. Verifique o portfólio do profissional ou da empresa: há experiência sólida em revisão? O tipo de texto revisado (gênero textual) corresponde ao texto para o qual você precisa de revisor?
  5. Faça sua escolha conhecendo os detalhes do serviço: que tipo de controle o autor terá sobre o serviço? Como será feito o acompanhamento dos trabalhos da revisão? A formatação ficará ao gosto do autor? A Keimelion envia diariamente um estado da arte, não há surpresas ao fim do serviço; o autor sabe tudo que está acontecendo, o tempo todo, e pode redirecionar os critérios segundo sua preferência.

Qual será o preço da revisão do texto?

Os preços dos serviços de revisão variam consideravelmente dependendo de certos fatores, incluindo o seguinte:
  • tipo de trabalho a ser realizado;
  • qualificação e experiência do revisor;
  • complexidade do projeto;
  • maturidade e especialização profissional.
Mas não tenha dúvida: revisão é um serviço oneroso e o melhor serviço custará mais. Tenha muito cuidado com preços irrisórios, pois costumam ser praticados por pessoas em início de carreira ou por que revisa como atividade complementar, o que pode resultar em serviço de má qualidade ou em atrasos na entrega.

Por que você precisa de um revisor?

Um revisor pode ajudá-lo a comunicar eficazmente suas ideias. A qualidade de seu texto é importante para você. O bom texto procura a máxima eficiência na comunicação. Um revisor profissional pode ajudá-lo a transmitir uma mensagem que vai direto ao ponto, respeitando o orçamento e a agenda.

Quais são os focos do revisor de textos?

O texto está de acordo com os padrões usuais da língua? O tom adotado corresponde à finalidade do texto e está uniforme? Sua maneira de se expressar é respeitada e observada? Contar com experiência de um revisor é a melhor maneira de garantir que a gramática, estilo, sintaxe e o tom do texto estejam em conformidade com as regras e se submetam ao propósito do trabalho. Lembre-se: mesmo os melhores escritores precisam de revisão!
Um revisor, dependendo do que quer combinado, pode realizar as seguintes tarefas:
  • avaliação e análise de textos impressos;
  • coordenação da produção de materiais impressos;
  • correção de erros de ortografia e erros tipográficos;
  • editoração eletrônica;
  • gestão de projetos de grande porte;
  • pesquisa e verificação de dados;
  • preparação de boletins;
  • preparação de sumário e índice;
  • procurar fotos e ilustrações;
  • reformulação do texto;
  • revisão de traduções;
  • verificação de conteúdo, estrutura e estilo de um texto;
  • verificação de gramática, pontuação e coerência;
  • verificação na tela.

Não fazemos teses, dissertações nem artigos

Não adianta insistir: nós não fazemos teses, dissertações nem artigos científicos. Não participamos de nenhuma forma de fraude acadêmica. Não indicamos quem faça esses coisas nem temos relações com quem participe de contrafação.

Colocamos avisos em toda nossa publicidade, mas  as pessoas de má índole têm dificuldade de entender que existam pessoas honestas. Vamos reiterar: somos revisores profissionais de textos. Fazemos revisão de teses e dissertações, artigos e relatórios acadêmicos; fazemos formatação e normatização. Não fazemos nenhum desses trabalhos (não redigimos os textos) para quem quer que seja. Não "completamos" trabalhos inacabados. Não temos ghostwriter em nosso quadro de colaboradores.
Nosso trabalho é revisar os textos, verificar neles o que pode ser aperfeiçoado nos diversos aspectos linguísticos, comunicacionais, e apresentar uma proposta de programação visual segundo as normas que forem indicadas pelo cliente: ABNT, Vancouver, APA, por exemplo.
É impressionante o número de ligações que recebemos nos consultando sobre fazermos teses e outros tipos de trabalhos de graduação ou pós. As pessoas nos ligam como se esse tipo de fraude fosse a coisa mais corriqueira e (infelizmente é) e atividade totalmente legal (e não é!). Ao receberam a informação: "somos revisores de textos", ainda perguntam, quase sempre: "sabem indicar quem faça...". Não, não sei que faz isso, não quero saber, e se soubéssemos de alguém dado a tal atividade fraudulenta, jamais indicaríamos coagentes de fraude um ao outro. Nossa atividade é sempre pautada por vigorosos princípios éticos dos quais não abrimos mão.
Ao longo dos cerca de quinze anos que temos estado no mercado de revisão de textos, temos combatido vigorosamente o plágio, a contrafação de trabalhos e quaisquer outros tipos de fraude. Fazemos isso divulgando meios para identificação da apropriação desonesta de textos, participando de campanhas e de esclarecimento à comunidade, dando entrevistas a imprensa escrita e participando de debate na televisão sobre essa perniciosa atividade da venda de trabalhos.
Não nos conforma a tranquilidade e o desaviso com que as pessoas nos ligam ou nos escrevem com consultas sobre uma atividade ilícita, ofendendo-nos na mais tranquila segurança da impunidade.
Já aconteceu, inclusive, de denunciarmos às instituições e professores destinatários dos trabalhos que nos solicitam a intensão do solicitante.
Esperamos que, um dia, as instituições de ensino e os professores se tornem mais rigorosos no sentido de coibir esse mercado infame que denigre a vida acadêmica e mancha os diplomas emitidos pelas instituições que são coniventes com essas práticas que destroem o nome que tanto custa construir.
São inúmeros, incontáveis, absurdos os anúncios pela internet afora, sob as rubricas de "consultoria acadêmica", "consultoria textual", tem até um que anuncia a falcatrua sob o título "fazemos elaboração de tese"! (Fico me perguntando quem será doido de procurar alguém que já se anuncia denotando tamanha incompetência.) Mas todos esses eufemismos significam a mesma coisa: fraude. Normalmente um misto de contrafação e plágio; sem contar a presuntiva falsidade ideológica que está apensa à atividade.
Pois bem, quem está interessado em atividade ilícita - de qualquer tipo - queira passar ao largo. Queira não ligar para a Keimelion. Temos excelentes clientes, pessoas seríssimas, que respeitamos enormemente. Mas temos, sobretudo, enorme respeito próprio; não renunciamos à ética e ao valor que vemos em nossos próprios diplomas. Muito obrigado.

Postagens mais visitadas deste blog

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

A escrita acadêmica como requisito principal para a boa formação

O texto acadêmico é um gênero muito específico. O suporte para formação acadêmica é, boa parte, o texto. São textos em que as informações são assimiladas e textos produzidos para demonstrar o conhecimento apreendido ou produzido. Quando se fala em produção científica , os primeiros critérios que vêm à cabeça são a quantidade e a qualidade de artigos produzidos. O conceito de qualidade, no entanto, geralmente leva em consideração apenas o fator de impacto dos trabalhos, a quantidade de vezes que são citados por outros cientistas. Mas outro tipo de qualidade vem sendo buscada pelos pesquisadores, inclusive para conquistar o fator de impacto: a qualidade textual, que depende do bom preparo e bagagem do aluno universitário, que permite a ele produzir trabalhos universitários com excelência, qualidade pode ser obtida mais facilmente ao se apoiar em uma minuciosa revisão do texto feita por um revisor profissional . A produção de textos é processo contínuo de realimentação e do qual a revis

Como escrever títulos atraentes em poucos passos: do artigo à tese

Como aumentar o número de leituras de seu artigo? Você gostaria que sua tese ou dissertação fosse muito lida e citada ao invés de ignorada? Claro, qualquer autor deseja isso! Acontece que, atualmente o número textos acadêmicos que encontramos em qualquer pesquisa é muito grande, enorme. A concorrência entre todos os autores, na busca pelo leitor, não tem tamanho. Claro que o mais importante sempre vai ser a qualidade do trabalho, e clareza das ideias e um texto bem limpo, mas o título tem que ser um ponto de destaque também! E existem técnicas para títulos atrativos , que fujam do enfadonho jargão acadêmico e que transmitam a mesma ideia com uma linguagem mais moderna e atraente; veja um exemplo de título à antiga – que eu jamais adotaria – para esta postagem: Questões de legibilidade, ergonomia visual e empatia em títulos de teses, dissertações e artigos acadêmicos: uma discussão propositiva de aplicação da técnica AIDA. Convenhamos, dá até preguiça de ler até o fim, mas você certame

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância? Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações ? Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português? Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem , mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno , da UnB , John Robert Schmitz , da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco , da UFPR .   (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimol

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva