Pular para o conteúdo principal

Planejamento e desenvolvimento da tese

Sabemos que a história das várias atividades experimentais, durante a elaboração da tese, não coincidem com a ordem final de apresentação das diferentes seções dela, podendo sobrepor-se umas às outras.

Assim, um erro frequente é começar a escrever a tese somente após a conclusão das atividades experimentais. Um trabalho gradual permite que você escreva os diferentes tópicos de forma lógica, quando eles ainda estão frescos na cabeça, o que também possibilita eventuais correções no decorrer do trabalho (incluindo ajustes de atividades experimentais).
Planejar é escolher previamente entre as direções possíveis.
Planejar a tese é condição para que
haja qualidade no produto e o
mínimo de estresse possível.
A seguir, foram listadas algumas dicas para o planejamento de estágios e desenvolvimento de teses, de forma a serem realizadas em uma ordem cronológica racional.
1. Uma vez definido o tema geral da tese – interessante, original, viável, é essencial efetuar uma pesquisa bibliográfica sobre o assunto, coletando tanto material disponível em bibliotecas, como também na internet. A revisão atualizada e crítica da literatura mais relevante sobre um determinado tópico são publicações que serão úteis para o planejamento e desenvolvimento da tese. Além disso, já que a maioria dos bancos de dados e publicações de qualidade é escrita na língua inglesa, o conhecimento desta língua é essencial tanto para a pesquisa e a recuperação de publicações científicas necessárias, quanto para interpretá-los de forma correta. Durante a pesquisa bibliográfica online, os principais elementos a se considerar são os seguintes:
  • O acesso a bancos de dados da rede da universidade se realiza a partir da Web. É possível pesquisar selecionando o banco de dados desejado (pelo título ou disciplina-campo), e após isso digitando as palavras-chave de interesse (palavra-chave, termos, frases ou autor), tudo isso em inglês geralmente. Assim, será apresentada uma lista de todas as publicações que contenham a palavra-chave pesquisada, na qual você poderá escolher as que parecem mais interessantes.
  • Geralmente, ao clicar sobre o título da obra, o pesquisador será direcionado somente ao seu resumo, podendo este ser salvo ou enviados para um endereço de e-mail pessoal, a fim de permitir uma leitura minuciosa mais tarde. Além disso, no decorrer da pesquisa online, se você não puder acessar o trabalho completo através do título-link, você deve usar o método de acesso a recursos eletrônicos, clicando no botão “SFX”, que normalmente aparece na mesma tela que contém o título ou o resumo do trabalho em que você está interessado, que lhe dá o acesso direto ao texto completo do documento ou a um formulário online para solicitá-lo. Paralelamente, a versão completa de um trabalho também pode ser encontrada acessando aos periódicos e inserindo o nome da revista que você deseja verificar ou ainda usando os motores de busca mais comuns, como os sites específicos das revistas científicas.

2. É primordial ler uma vasta gama de trabalhos sobre o tema escolhido, sendo de extrema importância para o planejamento e implantação do experimento. Portanto, a leitura do material bibliográfico coletado deve ser feita com cautela: é recomendado que você anote os materiais e métodos que foram utilizados, os principais resultados e conclusões. Deve ser lembrado, no entanto, que infelizmente nem todas as teses debatidas já foram escritas e formatadas seguindo os critérios mais razoáveis da escrita técnica e científica, por normalmente não estarem sujeitos à decisão do árbitro. Em contraste, os artigos científicos publicados em revistas internacionais têm a vantagem de terem sido submetidos a um julgamento mais especializado (por estudiosos da área, a pedido dos editores das revistas) e foram escritas respeitando os princípios científicos técnicos. Não significa que tais artigos menos rigorosos não podem ser incluídos em teses, mas que devem ser utilizados o mínimo possível.

3. Uma vez definido o objetivo da pesquisa (a hipótese experimental a ser testada) e como será a realização do experimento, é necessário fundamentar a tese para classificar os pensamentos em ordem, tanto para planejar bem as atividades experimentais, como para produzir um segmento lógico na elaboração do trabalho, especialmente os resultados e a discussão.

4. Para evitar demasiadas formatações no final do trabalho, é conveniente estabelecer já desde o início um padrão de formatação (tipo de fonte e tamanho, espaçamento entre linhas, margens, etc.), para que tudo o que você escreva siga no formato escolhido. É aconselhável para usar a fonte “Times New Roman”, pela sua ampla utilização na área e fácil legibilidade, especialmente em textos impressos há muito tempo. Muitos estudantes subestimam a importância da definição desse padrão logo no início da tese e cometem o erro de começar a escrevê-la sem observar as regras de formatação (e infelizmente nem mesmo a ortografia e gramática), problema que só é sanado caso contrate um bom revisor de textos, que deixará o texto limpo, claro e de acordo com as normas.

5. A redação do primeiro rascunho de “Introdução”, “Materiais e Métodos” e “Referências” da tese, pode começar imediatamente após a leitura do material bibliográfico coletado e a definição das hipóteses experimentais a serem verificadas. Obviamente, estas seções serão refinadas no decorrer da produção, uma vez que os resultados alcançados com a experiência podem vir a complementá-las.

6. Durante a realização da fase experimental, é crucial ter um diário para registrar todas as atividades e observações feitas, já que é praticamente impossível lembrar-se depois de todos os detalhes de um teste realizado meses antes. Este hábito é importante para produzir uma boa tese e relatar de forma mais fiel possível os dados coletados.

7. Todos os dados numéricos coletados deverão ser colocados progressivamente em uma folha de cálculo digital (por exemplo, o software Excel) ou outro programa apropriado, a fim de evitar erros de digitação, como o esquecimento de dígitos e vírgulas em posições incorretas. A fase de entrada dos dados é crucial e erros nesta operação irão reverberar sobre os resultados e interpretações da fase experimental. Além disso, é aconselhável manter uma cópia separada dos dados originais para utilizar caso os originais de trabalho sejam perdidos, o que poderia causar danos irreparáveis à tese.

8. Durante a coleta e a inclusão de dados experimentais, é também muito viável organizar tabelas e gráficos temporários para verificar o desempenho das variáveis estudadas. Esta análise de dados durante o andamento do trabalho pode detectar anormalidades no procedimento escolhido, que poderão ser corrigidos a tempo.

9. Depois de introduzir todos os dados variáveis que estão sob observação, você pode prosseguir para a fase de processamento de dados, em particular a sua análise estatística. Isto ajuda a compreender que as diferenças são realmente importantes, e então decidir como apresentar os dados (texto, tabelas ou figuras) tanto na seção “resultados”, como na posterior interpretação deles em “discussão”. É importante não subestimar a significância estatística das diferenças e estatísticas observadas, estatísticas que fornecer elementos para completar o contorno inicial da tese e a sua complementação.

10. Após escrever uma ou mais seções do primeiro esboço da tese e entregá-lo ao orientador, é fundamental que o autor:
  • Use a ortografia e gramática de acordo com a norma;
  • Verifique se a tese inteira está formatada corretamente (incluindo o índice);
  • Certifique-se de que a bibliografia está correta;
  • Certifique-se de que a citação numérica de cada figura e tabela está correta e se as tabelas e figuras estão numeradas consecutivamente, sem saltos ou dupla atribuição do mesmo número;
  • Faça um teste de impressão;
  • Leia a tese em formato físico com calma, cuidado, crítico senso e objetividade, verificando se os dados das seções “resultados” e “discussão” correspondem àqueles apresentados nas figuras e tabelas, a fim de evitar imprecisões científicas.
  • Finalmente, faça uma boa revisão do conteúdo e formatação da tese.

11. Em resumo, a elaboração de uma tese séria deve basear-se no esquema elaborado pelo aluno, sob os cuidados do seu orientador e deverá manter a seguinte ordem:
  • Capa;
  • Folha de rosto;
  • Folha de aprovação;
  • Epígrafe;
  • Dedicatória;
  • Agradecimentos;
  • Listas de ilustrações;
  • Sumário;
  • Introdução;
  • Materiais e métodos;
  • Resultados;
  • Discussão;
  • Conclusões;
  • Referências
  • Apêndices;
  • Índices (final).
12. O último passo é planejar a revisão do texto; procure um revisor profissional com antecedência, verifique as referências e o portfólio e se entenda com ele sobre revisão e formatação. É seguro que vale a pena se ater a isso!

Postagens mais visitadas deste blog

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

A escrita acadêmica como requisito principal para a boa formação

O texto acadêmico é um gênero muito específico. O suporte para formação acadêmica é, boa parte, o texto. São textos em que as informações são assimiladas e textos produzidos para demonstrar o conhecimento apreendido ou produzido. Quando se fala em produção científica , os primeiros critérios que vêm à cabeça são a quantidade e a qualidade de artigos produzidos. O conceito de qualidade, no entanto, geralmente leva em consideração apenas o fator de impacto dos trabalhos, a quantidade de vezes que são citados por outros cientistas. Mas outro tipo de qualidade vem sendo buscada pelos pesquisadores, inclusive para conquistar o fator de impacto: a qualidade textual, que depende do bom preparo e bagagem do aluno universitário, que permite a ele produzir trabalhos universitários com excelência, qualidade pode ser obtida mais facilmente ao se apoiar em uma minuciosa revisão do texto feita por um revisor profissional . A produção de textos é processo contínuo de realimentação e do qual a revis

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância? Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações ? Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português? Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem , mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno , da UnB , John Robert Schmitz , da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco , da UFPR .   (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimol

Como escrever títulos atraentes em poucos passos: do artigo à tese

Como aumentar o número de leituras de seu artigo? Você gostaria que sua tese ou dissertação fosse muito lida e citada ao invés de ignorada? Claro, qualquer autor deseja isso! Acontece que, atualmente o número textos acadêmicos que encontramos em qualquer pesquisa é muito grande, enorme. A concorrência entre todos os autores, na busca pelo leitor, não tem tamanho. Claro que o mais importante sempre vai ser a qualidade do trabalho, e clareza das ideias e um texto bem limpo, mas o título tem que ser um ponto de destaque também! E existem técnicas para títulos atrativos , que fujam do enfadonho jargão acadêmico e que transmitam a mesma ideia com uma linguagem mais moderna e atraente; veja um exemplo de título à antiga – que eu jamais adotaria – para esta postagem: Questões de legibilidade, ergonomia visual e empatia em títulos de teses, dissertações e artigos acadêmicos: uma discussão propositiva de aplicação da técnica AIDA. Convenhamos, dá até preguiça de ler até o fim, mas você certame