Pular para o conteúdo principal

A comunicação científica e seu elo com a revisão de textos

A revisão do texto é mecanismo essencial para alcançar qualidade na comunicação científica. Disso sabem os autores mais experientes que não prescindem de bons revisores profissionais.

Escrever é um trabalho árduo, mas que produz grandes avanços para a sociedade. A escrita ensina não só a falar melhor, mas a refletir sobre o mundo e tornar as informações acessíveis a todos. Há evidências de que a escrita alivia o stress, aumenta a compreensão e melhora o desempenho mental, a ponto que escrever e reescrever textos permite ao homem aprofundar o falar e o pensar.
A caneta do revisor está sempre pronta a contribuir com o autor.
A revisão do texto na comunicação
científica não é etapa complementar,
mas necessária e urgente.
Antes que o texto científico adquirisse características próprias, quem escrevia sobre ciência, fazia-o de maneira "literária" e, às vezes, até poética, com o intuito de mostrar erudição. Porém, à medida que a ciência se separava da filosofia, da literatura e da poesia, fincava os pés na observação objetiva da natureza, na análise criteriosa dos fenômenos e na experimentação, o texto científico se libertou até atingir a forma atual em que não se admite qualquer divagação que não tenha relação direta com o tema abordado e que respeite as normas técnicas e ortográficas pré-estabelecidas.
Quando um trabalho científico é lido, a dedicação por trás de cada edição geralmente é desconhecida pelo leitor. O trabalho que está sendo feito para publicar em uma revista é sempre complexo e exigente, e nem sempre uma considerável redução do tempo e trabalho é alcançada com novas tecnologias na edição de artigos, os avanços tecnológicos geram qualidade e eficiência no processo editorial, mas não substituem em nenhum momento os processos intelectuais do cérebro por trás do processo de edição: o revisor, o editor, o orientador em colaboração estreita. Por esse motivo, as pessoas envolvidas na análise e produção do texto devem se submeter a auto-avaliação e atualização constantes em termos não só de desenvolvimento técnico e profissional, mas também sobre questões de comunicação científica.
A revisão é uma das etapas mais importantes da produção e deve ser desenvolvida por profissionais renomados e altamente capacitados, se possível com experiência no assunto em questão.
O número de publicações disponíveis no mundo é enorme e cada vez mais crescente, tornando-as cada vez mais competitivas entre si. A democratização do conhecimento não só exige o acesso livre, sem custo para qualquer pessoa ler ou para publicação, mas precisa de temas que reflitam sobre problemas relevantes e informações que agreguem ao campo científico. A pressão para publicar é algo de vida ou morte no mundo científico de hoje, revelando a importância vital que tal evento tem para a sobrevivência do pesquisador, como parte do processo de pesquisa e como meio para obter graus, encargos, reconhecimento e contrapartida financeira. Essa situação torna mais difícil o papel dos revisores, que passam também a sentir a mesma pressão. 
A revisão textual por especialistas tem como objetivo identificar os pontos fracos relacionados à língua em cada estudo, para melhorar a qualidade deles e publicá-los finalmente. As dificuldades começam com a escolha dos revisores, já que ele deve ser capaz de absorver o assunto com espírito crítico, reputação e cabedal científico para tal tarefa, além do necessário julgamento de seu desempenho histórico como autor, revisor e pesquisador. Certamente, uma revisão rápida e de alta qualidade é o elemento mais desejado do processo de editoração de artigos científicos. Entretanto, rapidez na revisão linguística, sem a acurada crítica judiciosa e questionamentos pertinentes, dificultam a seleção de artigos científicos meritórios. 
Assim, dentre todas as etapas desse difícil e complexo processo, consideramos, unanimemente, como a mais crítica, a da revisão. E não são poucas as razões para isso. A necessidade de fornecer mais orientações e ferramentas para agilizar o trabalho do revisor e aprimorá-lo de forma sistemática tornou-se um desafio para os rápidos avanços científicos tecnológicos.

Dentre as responsabilidades do revisor, podemos citar:

  • Uma revisão crítica, profissional, justa e pontual é parte essencial do processo de publicação;
  • Avaliação estilística, gramatical e lógica experiente, séria e sem possíveis preconceitos surgidos devido aos seus conhecimentos prévios e habilidades;
  • Devolver os textos prontamente dentro do prazo estabelecido;
  • O revisor deve manter a confidencialidade dos texto em que contribuir e, caso haja qualquer indício de recorte considerável de trabalho de que tenha conhecimento, deve comunicar o autor;
  • O revisor deve apoiar seu trabalho em paradigmas confiáveis e abonações relevantes, bem como identificar casos de citação inadequada ou referência omitida;
  • Basear sempre sua decisão de interferir (modificar, corrigir) em avaliação objetiva da qualidade comunicacional, técnica e literária do manuscrito.

Correção gramatical e clareza afetam a qualidade do texto científico?

O texto científico é distinto do texto literário, do qual se originou. Ele deve ser enxuto, despojado e aderir totalmente às normas da gramática normativa. No entanto, isto nem sempre acontece e eles frequentemente apresentam certas incorreções gramaticais recorrentes que devem ser enfrentadas, pois elas afetam a qualidade final do trabalho. Requer-se que revisores profissionais estejam presentes e tenham acesso ao autor e ao corpo editorial das revistas, pois isso contribui para elevar a qualidade dos textos publicados. Mas isto às vezes fica somente em teoria. A realidade mostra artigos científicos com erros gramaticais, parágrafos demasiadamente longos, confusos, sem ideia central, ou pior, contendo várias ideias paralelas e conflitantes, resultado ou de má revisão ou mesmo da inexistência de uma. Especialmente para quem escreve em língua portuguesa, a qualidade dos textos produzidos no Brasil ainda tem longo caminho a percorrer. É fato notório que alguns pesquisadores brasileiros, quando escrevem em inglês, empenham-se em produzir um texto correto e claro, recorrendo, quando necessário, a parcerias ou a serviços profissionais especializados. No entanto, quando escrevem em português, fazem-no de modo casual e até desleixado. A adesão à chamada “norma culta” é dever de quem escreve texto acadêmico em português. Em geral, o pesquisador que escreve na língua nativa não tem o hábito de consultar gramáticas, muito menos de procurar boas fontes de referência sobre regência verbal e nominal e outros aspectos da língua, tarefa que é fortemente conhecida pelos profissionais de revisão. 
Como em qualquer lugar, existem aqueles revisores que se destacam pela qualidade empregada na revisão. Outros, pela velocidade e pelo volume de revisões feitas. Entretanto, muitos pecam em cumprir as obrigações relacionadas às tarefas mínimas relacionadas ao processo de revisão. Em vista disso, enfatizamos que a atividade de revisão deve ser levada com muita seriedade, por ser uma atividade intelectual crucial para o desenvolvimento da ciência e tecnologia e largamente reconhecida. A revisão cuidadosa e detalhista é tão importante quanto a própria autoria. Assim, devido à excelência que muitos periódicos brasileiros alcançaram nas ultimas décadas, torna-se necessário que se estimule a excelência no processamento final dos textos, antes da publicação, recorrendo mais intensamente a pessoas capazes e dispostas a alcançar o máximo de qualidade possível nas produções.

Dica extra: cuidar bem do texto para evitar críticas.

A web transformou a escrita em conversa. Antes, era bem separado: escritores escreviam e leitores liam. A web permite aos leitores responderem aos textos – inclusive em se tratando de textos científicos, e os leitores o debatem cada vez mais com os autores – em comentários de tópicos, em fóruns ou grupos de discussão, e em suas postagens de blog.
Muitos que respondem ou comentam, criticam ou discordam. Isso é natural e de se esperar. Concordar motiva as pessoas menos que discordar ou ver problemas em um texto. Quando se concorda, há menos a dizer. O mesmo se aplica aos problemas do texto: não se perdoam na internet os erros em textos formais.
O resultado desse fenômeno de mídia que é a internet é que há muito mais discordâncias, especialmente medidas e expressas pelas palavras. Isso não significa que as pessoas estejam ficando mais irritadas. Houve mudança estrutural na forma da comunicação suficiente para explicar as discordâncias. Mesmo que não seja a raiva que motive o aumento de desacordos, há sempre o perigo de que ela deixe as pessoas mais irritadas. Isso ocorre particularmente na internet, onde é fácil dizer coisas que você nunca diria cara a cara.
Paul Graham estabelece uma hierarquia quanto aos desacordos, às críticas, mas nós recomendamos também cuidados básicos com o texto, para que as críticas com o conteúdo publicado não venham acompanhadas ou precedidas de apontamentos relativos a falhas do texto, problemas linguísticos. Aqui entra o revisor, colaborando para que o autor não tenha que defender seu texto, somente enfrente os argumentos contra seus dados e suas ideias.
Já que estamos em um caminho de maior discordância, devemos ter o cuidado de discordar bem, argumentando adequadamente. O que significa isso? A maioria dos leitores pode dizer a diferença entre xingar e uma refutar cuidadosamente. Mas ajuda colocar nomes nas etapas intermediárias.
Aqui vai uma tentativa de hierarquia do desacordo:
Sempre há uma razão legítima para argumentar contra alguma coisa.
Subir na hierarquia do desacordo torna as pessoas menos medíocres, isso as fará mais felizes.
A maioria não gosta de ser medíocre, elas fazem isso porque não sabem interagir.

Postagens mais visitadas deste blog

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva

Como escrever títulos atraentes em poucos passos: do artigo à tese

Como aumentar o número de leituras de seu artigo? Você gostaria que sua tese ou dissertação fosse muito lida e citada ao invés de ignorada? Claro, qualquer autor deseja isso! Acontece que, atualmente o número textos acadêmicos que encontramos em qualquer pesquisa é muito grande, enorme. A concorrência entre todos os autores, na busca pelo leitor, não tem tamanho. Claro que o mais importante sempre vai ser a qualidade do trabalho, e clareza das ideias e um texto bem limpo, mas o título tem que ser um ponto de destaque também! E existem técnicas para títulos atrativos , que fujam do enfadonho jargão acadêmico e que transmitam a mesma ideia com uma linguagem mais moderna e atraente; veja um exemplo de título à antiga – que eu jamais adotaria – para esta postagem: Questões de legibilidade, ergonomia visual e empatia em títulos de teses, dissertações e artigos acadêmicos: uma discussão propositiva de aplicação da técnica AIDA. Convenhamos, dá até preguiça de ler até o fim, mas você certame

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância? Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações ? Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português? Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem , mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno , da UnB , John Robert Schmitz , da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco , da UFPR .   (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimol

Texto como construção complexa

Quanto mais longo o texto, mais complexo ele é; por isso, as teses e dissertações requerem a contribuição do revisor de textos no aperfeiçoamento de sua forma e legibilidade. Do ponto de vista cognitivo, escrever é atividade humana de grande complexidade, mais que jogar xadrez. Revisar o texto também é atividade composta por uma série de procedimentos terrivelmente complexos, bem mais que dar palpite na partida de xadrez dos outros! Pesquisadores de diferentes áreas – principalmente psicolinguística – estão interessados nos subprocessos da textualização (produção escrita com textualidade). Antes de mostrar o que propicia a textualização e a possibilidade de contribuição do revisor na construção de textos longos (as teses e dissertações estão dentre os textos mais complexos), vamos apresentar os níveis de organização do texto, depois expor a teoria de recursos, teoria para entender certas dificuldades com a escrita, inclusive as presentes em estudantes de pós-graduação. O papel