Pular para o conteúdo principal

Inovação Tecnológica: O que isso tem a ver com você, revisor?

As contribuições da análise de discurso crítica e da multimodalidade à revisão textual.

A tecnologia alterou, profundamente, o trabalho do revisor, mas não apenas no que diz respeito à maior rapidez e eficiência de suas práticas oriunda das vantagens da editoração eletrônica. A revolução tecnológica, aliada ao aumento das práticas de escrita nas sociedades cada vez mais letradas, alterou também as preocupações verbais e não verbais desse profissional que, agora, deve considerar o texto em seu sentido mais amplo.
As árvores do conhecimento e as pirâmides da ciência ficam paralelas.
Os textos, na sociedade tecnológica e
multimidiática, devem ser revisados
sob paradigmas condizentes
com os da ciência contemporânea.
As inovações tecnológicas mudaram os modos de produção de textos. Falar em tecnologia no fazer textual é falar em mudança de suporte, em novos gêneros, em novos públicos consumidores de textos; é falar também de rápida disseminação de ideias e de ideologias e, logo, dos efeitos causais cada vez mais imprevisíveis desses textos; é falar do texto como novas e complexas semioses. Se as sociedades modernas são cada vez mais mediadas pela escrita, sobretudo, a digital, no mundo-rápido-moderno, a palavra revisão se renova, entrelaçando-se não mais somente com os pressupostos das prescrições gramaticais, mas com aqueles da Semiótica.
Paradoxalmente, toda essa evolução tecnológica que impactou as práticas da Revisão Textual trouxe de volta as antigas demandas feitas ao revisor: cultura geral e conhecimento de outras áreas para além da norma-padrão: a Línguística Textual e suas teorias de tipos e de gêneros cada vez mais inovadores e híbridos; a Sociolinguística e seus estudos das variações linguísticas; as Tecnologias da Informação e suas possibilidades de comunicação virtual, rápida, híbrida, predominantemente imagética e de longo alcance; e, como venho defendendo, a Análise de Discurso Crítica (ADC) e a Teoria da Semiótica Social da Multimodalidade (TSSM).
Assim, em vez de especializar ainda mais as funções do revisor, diante de tão novos e sofisticados programas de computador que tramitam textos verbais e não verbais, a tecnologia diluiu a fronteira entre as funções dos profissionais do texto por meio de seus programas cada vez mais amigáveis. Hoje, os limites entre profissões e negócios tornam-se cada vez mais fracos. Recursos digitais permitem que uma única pessoa cumpra diversas funções, antes domínio de profissionais específicos (editor, subeditor, diagramador, digitador). É o que Gunther Kress e Theun Van Leeuwen, autores da obra capital da Multimodalidade, Reading Images: the grammar of visual design, chamam de multimodal production single-handedly. Hoje, novos arranjos sociais e comunicacionais achataram a hierarquia, dando lugar a práticas altamente articuladas.
Kress e van Leeuwen consideram que, nas eras de monomodalidade, a linguagem, tanto escrita, quanto falada, era o centro da representação e da comunicação, com atenção apenas para o estilo. Os demais modos de comunicação – música, fotografia, filme, mapas, desenhos – eram vistos unicamente como auxiliares à observação da linguagem. Hoje, ao contrário, com a multiplicidade de recursos semióticos em foco e a multimodalidade se movendo para o centro das práticas comunicativas cotidianas das sociedades pós-industriais, a questão de que modalidade para qual propósito é que se tornou central. Agora, a linguagem começa a ser vista como auxiliar a outros modos semióticos de comunicação, como a comunicação visual. Van Leeuwen indica outro motivo para essa mudança de foco, os aspectos da modernidade tardia: fragmentação, dispersão, ao contrário de épocas anteriores de coesão social, em que as representações, sobretudo, verbais, primavam pela coesão, pela coerência e pela integridade da linguagem.
Assim, as sociedades modernas exigem uma redefinição qualitativa do papel do revisor, pois nem ele, nem aqueles que de seus serviços se utilizam podem manter a visão desse profissional restrita aos mesmos procedimentos ou às mesmas concepções de revisão da época dos incunábulos. O zeitgeist da Revisão Textual do século XXI posiciona o revisor diante do material virtual. Frases, imagens, cores, tipografias transitam entre autores, editores, revisores e diagramadores pelas telas dos computadores, cada vez mais rápidos e sofisticados, conectados por redes de internet. As práticas e os limites de revisão de texto nunca mais serão as mesmas.
Esse retorno contemporâneo à demanda de revisores com vasta cultura geral alinha-se ao pensamento do filósofo Friedrich Nietzsche (1844-1900), que criticava os malefícios das especializações e desaprovava a divisão do trabalho característica das cadeias de produção industrial refletida na divisão e na especialização das áreas do conhecimento humano. Portanto, esse ciclo em que se insere o trabalho do revisor – ora como especializado em normalização textual, ora como profissional com múltiplos conhecimentos para além da norma-padrão – é um reflexo claro e inevitável de nossa época e endossa a relação dialética entre discursos e práticas sociais defendida pela própria ADC: as novas práticas da revisão, algumas delas oriundas das novas tecnologias, começam a mudar os discursos sobre e dos próprios revisores que, por sua vez, poderão mudar as práticas desses mesmos revisores. Enquanto a dialética avança, o revisor navega, ainda sem bússola, em meio às antigas e às novas linguagens; linguagens mais ágeis, mais coloquiais, ou mais vernaculares ou, ainda, arcaicas; em meio aos diversos suportes, do impresso ao on-line, passando pelos textos ouvidos, pelos textos imagéticos e pelos textos vistos-e-ouvidos. Refiro-me, portanto, ao novo revisor que, sem grandes mestres e apesar dos discursos sobre sua ocupação, tenta acompanhar as novas linguagens e suas exigências.
Essa relação, contudo, ainda não foi refletida nos manuais de Revisão Textual contemporâneos, que, até o presente, orientam os revisores à limitada função de vigiador da norma-culta. Esse problema, originado no bojo da Revolução Industrial e suas especializações, mantém-se na falta de formação acadêmica dos próprios revisores, oriundos de cursos de Letras e de Comunicação Social, cujas disciplinas discutem a comunicação sob um ponto de vista bastante generalista e promovem mais a prática da redação do que a reflexão sobre o texto. Os reflexos das especializações da Revolução Industrial ainda residem nos discursos e nos manuais de Revisão de Texto, que expõem uma visão reducionista do revisor.
Por isso, proponho reconsiderarmos o trabalho de Revisão de Textos à luz das contribuições dos recentes estudos discursivos e semióticos. Essa nova perspectiva do (re)fazer textual que é a Revisão Textual traz grandes e significativas mudanças para o trabalho do revisor: a ampliação da noção de texto, que passa a considerar outras semioses, e a inclusão da preocupação com os efeitos causais desses textos, o que implica considerar os aspectos ideológicos das várias formas de materialização do discurso. Proponho um novo paradigma para a Revisão Textual sugerindo que ela é um trabalho transdisciplinar e de suma importância nos eventos de comunicação. Por isso, as teorias da ADC e da TSSM se inserem, produtivamente, nos meandros da Revisão Textual, trazendo, à superfície da lida com o texto, o fato de que esse trabalho exige, do revisor, além do domínio da norma culta, conhecimento desses estudos críticos à luz da Semiótica Social.
Se estamos em um novo cenário, globalizado, como diz Bauman na obra Globalização e as consequências humanas, estamos diante de suas consequências humanas, entre elas: novas práticas sociais, novas práticas discursivas, novos textos. Estamos, portanto, diante da necessidade de um novo revisor.

Macedo, Denise Silva. As contribuições da análise de discurso crítica e da multimodalidade à revisão textual. Dissertação, Universidade de Brasília (UnB), 2013.
* A autora, gentilmente, nos forneceu este resumo expandido de sua dissertação, consentido que o publicássemos. Nosso muito obrigado.

Postagens mais visitadas deste blog

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

Como escrever títulos atraentes em poucos passos: do artigo à tese

Como aumentar o número de leituras de seu artigo? Você gostaria que sua tese ou dissertação fosse muito lida e citada ao invés de ignorada? Claro, qualquer autor deseja isso! Acontece que, atualmente o número textos acadêmicos que encontramos em qualquer pesquisa é muito grande, enorme. A concorrência entre todos os autores, na busca pelo leitor, não tem tamanho. Claro que o mais importante sempre vai ser a qualidade do trabalho, e clareza das ideias e um texto bem limpo, mas o título tem que ser um ponto de destaque também! E existem técnicas para títulos atrativos , que fujam do enfadonho jargão acadêmico e que transmitam a mesma ideia com uma linguagem mais moderna e atraente; veja um exemplo de título à antiga – que eu jamais adotaria – para esta postagem: Questões de legibilidade, ergonomia visual e empatia em títulos de teses, dissertações e artigos acadêmicos: uma discussão propositiva de aplicação da técnica AIDA. Convenhamos, dá até preguiça de ler até o fim, mas você certame

Texto como construção complexa

Quanto mais longo o texto, mais complexo ele é; por isso, as teses e dissertações requerem a contribuição do revisor de textos no aperfeiçoamento de sua forma e legibilidade. Do ponto de vista cognitivo, escrever é atividade humana de grande complexidade, mais que jogar xadrez. Revisar o texto também é atividade composta por uma série de procedimentos terrivelmente complexos, bem mais que dar palpite na partida de xadrez dos outros! Pesquisadores de diferentes áreas – principalmente psicolinguística – estão interessados nos subprocessos da textualização (produção escrita com textualidade). Antes de mostrar o que propicia a textualização e a possibilidade de contribuição do revisor na construção de textos longos (as teses e dissertações estão dentre os textos mais complexos), vamos apresentar os níveis de organização do texto, depois expor a teoria de recursos, teoria para entender certas dificuldades com a escrita, inclusive as presentes em estudantes de pós-graduação. O papel

Como escrever uma tese em dez passos

Dica mais básica: evitar procrastinação .  Por que escrever uma tese ou dissertação costuma ser tão frustrante? Aprender a escrever um texto longo não tem que envolver tanta tentativa e erro. Aprender a escrever uma tese pode ser um processo irritante, enlouquecedor, frustrante, mas não tem que ser um processo assim tão insidioso. Não creio que nenhuma dica possa tornar a tese divertida; mas, pelo menos, pode-se tentar fazer que a redação não seja uma camisa de força... Abaixo estão breves dez passos para escrever a dissertação ou tese. Essa lista de sugestões de como escrever a tese pode ser vista em sequência, como se passando por dez etapas sucessivas no processo de redação, ou pode ser explorada por tópico individual. Planejamento e continuidade são duas chaves para escrever textos longos. 1- Pesquise muito antes de começar a escrever Inicie o processo de redação, pesquisando o tema, tornando-se um especialista. Utilize a internet, as bases de dados acadêmicas e a bibliot

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva