Pular para o conteúdo principal

Expressões que o revisor de textos vai cortar

Evitem criteriosamente bordões e frases feitas.

Todos os bordões e frases feitas que devem ser suprimidos - o texto só tem a lucrar sem eles. Há também erros crassos que são recorrentes. Há aqui alguns alertas! Há muito mais que isso, mas tome estes exemplos como princípios de uma lista que é sempre crescente.
Quando se trata do texto acadêmico, como no caso dos artigos científicos, das dissertações e teses, essas frases feitas são completamente inadequadas, não devem mesmo ser usadas e os erros que apontamos abaixo serão todos cuidadosamente podados pelo revisor; linguista não tolera essas construções em gêneros formais de textos.
Existem expressões a que as pessoas recorrem “a todo momento” (sempre) e que repercutem no nível de texto (qualidade), esses bordões devem ser evitados, principalmente no texto acadêmico.
Lugares-comuns são cortados pelos revisores de uma tese.
Os revisores de textos não usam mais a famigerada caneta vermelha. Ainda assim, eles não têm dó de cortar o que sobra nos textos de seus clientes, pois a máxima "menos é mais" vale para os textos como em várias situações.

Esteja certo de que o revisor vai cortar todos os bordões, lugares-comuns e reduzir as frases feitas quando encontrar essas construções, principalmente se elas se tornarem recorrentes no texto.

  • A nível de...” Apesar de ser uma das preferidas de todo tipo de gente que quer falar bonito, a expressão não existe na língua portuguesa. Só use nível em sentido próprio: nível do mar, nível da água na represa.
  • Através” com função de preposição: “conseguir aprovação através de muito estudo” – isso não existe. Conseguir aprovação com muito estudo. Através é advérbio: de lado, de través, transversalmente, de atravessado.
  • Ele não se encontra no momento.” Quem fala corretamente o idioma pode acreditar que a pessoa em questão está sofrendo das faculdades mentais, perdido em si. Dizer simplesmente que “ele não está” pode evitar esses mal-entendidos.
  • Enquanto mulher, não me sinto discriminada.” O fator de discriminação deve ser o mau emprego da conjunção “enquanto”, que só tem conotação temporal. Melhor dizer: “Como mulher...”
  • Entre ele e eu não há problemas.” Engano! O problema, grave, por sinal, é que a forma correta é: “Entre ele e mim”.
  • Exmo. sr., em resposta à vossa carta...” O “Exmo. sr.” é uma terceira pessoa do singular, que, apesar de muito importante, não aceita o imponente “vossa”, destinado à segunda pessoa do plural. Escreve-se: “Em resposta a sua carta”.
  • Fazer uma análise” … Analisar! Prefira o verbo que descreve a ação. “Fazer uma pesquisa” … Pesquisar! Esse tipo de construção empresta maior credibilidade ao texto.
  • Houveram muitos presentes.” Ausente, no caso, é a concordância. Quando significa existir, o verbo haver é impessoal e não declina. Diz-se: “Houve muitos presentes”.
  • Não lhe entendi”, “há quanto tempo não lhe vejo!” Entender, ver e todos os verbos que pedem complemento direto não combinam com pronomes oblíquos. O certo é: “Não o entendi”, “não a vejo” etc.
  • Não se ouve queixas.” Mas deveriam-se ouvir. Esta é uma voz passiva sintética, que equivale a “queixas não são ouvidas”. O certo, portanto, é: “Não se ouvem queixas”, assim como “não se aceitam propinas”, “vendem-se apartamentos”.
  • No sentido de facilitar as coisas.” Melhor mesmo não complicar. Diga simplesmente: “Para facilitar...” - faz muito mais sentido.
  • O seu”, “a sua”, “do seu”, “da sua”… O artigo (o, a…) é simplesmente supérfluo antes do pronome relativo ou possessivo. Suprima-o em favor da concisão e da elevação do registro à formalidade acadêmica. Este emprego de artigos cabe na linguagem familiar e coloquial.
  • Ou seja”. Na verdade, “ou seja” nunca foi. É preferível cortar, aplicando o princípio da concisão. Principalmente quando se torna um bordão e se repete a cada oração explicativa. As orações coordenadas assindéticas passam muito bem sem essa expressão pobre entre elas.
  • Se você ver ele”, “quando eu propor”, “se lhe convir”, “se nós determos a inflação.”. O correto é: “Se você o vir”, “quando eu propuser”, “se lhe convier”, “se nós detivermos a inflação”. Nem sempre é fácil, mas tem que saber.
  • Um único.” Enquanto não houver “um duplo”, “um único” representará pleonasmo. Para reforçar a ideia de unidade (e evitar a ambiguidade entre numeral e artigo – um), mude o numeral “único” de posição: troque “um único exemplo” por “um exemplo único” que o texto agradece.
  • Vamos se encontrar.” Impossível. A primeira pessoa do plural (nós vamos) nunca se encontra com a terceira do singular (se). Diga-se: “Vamos nos encontrar”.

Concordância de gênero e grau

  • "São meio-dia e meio." Duas vezes errado. meio-dia é singular, e hora é feminina. Logo: "É meio-dia e meia" (mais meia hora).
  • "É ela mesmo." Não é. "É ela mesma."
  • "Segue anexo as faturas." Novamente dupla falta. "Seguem anexas as faturas" é como deve ser.

Redundância, pleonasmo vicioso

  • "Há quinze dias atrás." Ou um ou outro. "Quinze dias atrás" ou "há quinze dias".
  • "Tenho um amigo meu." Não é preciso reforçar. Se você o tem, ele é seu.
  • "Pessoa humana." Pessoa ou ser humano. Como preferir.

Palavras que são mal pronunciadas e mal escritas

  • Vamos deixar claro: não existe adevogado (advogado), nem réfem (refém), nem rúbrica (rubrica), nem íbero (ibero), nem discreção (discrição). Também não se diz rúim, mas ruim, nem interim, mas ínterim. E, embora não venha ao caso, é importante saber que não há estrupos, mas estupros, nem sombrancelhas (e sim sobrancelhas), nem beneficiência ( e sim beneficência). Na dúvida, consulte o dicionário. Por favor, em exoesqueleto, aquele "x" se pronuncia como "z", como em exotérico.

Uso inadequado de expressões

  • "Propositura" (em vez de proposta), "penalizar o infrator" (em vez de punir), "prostrado em frente à porta" (no lugar de postado) etc. Muita gente acha que falar bem implica usar palavras imponentes. Para evitar essas confusões, o melhor recurso é ler muito.

Crase

  • Não há mistério: só existe quando os artigos femininos (a, as) se seguem à preposição a. Exemplos: "Vou à reunião das 14h" (para a reunião), "em resposta às perguntas" (dando resposta para as perguntas).

Quando falar inglês não vale a pena

Falar inglês é indispensável, mas no contexto adequado. Quando a expressão já está incorporada ao universo do executivo, como marketing, benchmark ou breakeven, tudo bem. Mas fazer um discurso bilíngue o tempo todo pode se arrogante ou, pior, ininteligível.
Uma das grandes qualidades de um profissional é o domínio da sua própria língua. O vocabulário rico e bem empregado soa bem e valoriza o texto e o profissional
Então vale a pena substituir o "deletar" por suprimir (exceto quando se tratar propriamente de informática), "insertar" por inserir, e outros neologismos similares.
Recomenda-se também desistir de contrabandear do tempo verbal inglês future continuous, que em português se transforma em aberrações do tipo: "Na próxima semana eu vou estar lhe mandando uma cópia do contrato".

Postagens mais visitadas deste blog

Como escrever o resumo de sua tese ou dissertação

Melhore o resumo de sua tese ou dissertação.O resumo é parte necessária da apresentação final de uma tese, dissertação ou mesmo de um artigo.A versão final do resumo terá de ser escrita depois que você terminar de ler a sua tese para enviar ao revisor do texto.Um resumo prévio, escrito nas diferentes fases do seu trabalho vai ajudar você a ter uma versão curta de sua tese a cabeça. Isso vai conduzir seu pensamento sobre o que é que você está realmente sendo feito, vai ajudá-lo a ver a relevância do que você está trabalhando no momento dentro do quadro maior, e ajudar a manter os vínculos que acabarão por conferir unidade à tese (dissertação, TCC, artigo). O que é um resumo?O resumo é um componente importante da tese. Apresentado no início da tese, é provável que seja a primeira descrição substantiva do trabalho a ser lida por um examinador ou qualquer outro leitor externo. Você deve vê-lo como oportunidade de definir as expectativas precisas do leitor a que seu texto atenderá. O resumo …

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na KeimelionOs estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos, apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências. Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a quase totalidade dos autores brasileiros não faz uso de nenhum desses programas e nem sequer sabe que…

Quinze dicas para a hora de defender a tese

Defesa de tese ou dissertação: hora H!Depois de ter concluído a tese, é essencial que o aluno se prepare para a apresentação oral do trabalho.  Um excelente texto não garante que a exposição na etapa final seja boa e, se o aluno não apresentar a tese de forma satisfatória, os examinadores podem subestimá-la ou até mesmo duvidar da preparação científica do candidato.Geralmente a apresentação oral da tese é geralmente é feita por meio de slides em Powerpoint ® (ou software similar) contendo texto, figuras, tabelas, desenhos e fotografias. Bons slides não são tudo. O aluno deve estar preparado e conhecer ponta a ponta o conteúdo, coordenando bem a apresentação conforme explica os slides e se comportando de forma adequada durante essa etapa do trabalho. Abaixo apresentamos algumas dicas, tanto referentes à formatação e estilo da apresentação de slides, como à discussão da tese – aplicáveis a muitos contextos, como um concurso, entrevista de emprego ou uma apresentação de negócios. É necessá…

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância?Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações?Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português?Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem, mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno, da UnB, John Robert Schmitz, da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco, da UFPR.  (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimologia e da ignorância…

A tese: material e métodos, resultados e conclusão, estilo e referências

Tese e dissertação são textos logos do gênero acadêmicoAs partes das teses e dissertações pode constituir subgêneros específicosA escrita da tese segue parâmetros distintos nas seções específicas do texto, guardando unidade de estilo e coerência entre todos os segmentos do trabalho. Assim, a introdução pode ter, por exemplo, uma passagem mais pessoal, que relate a ligação do autor com a temática, e partes que analisem discursos de sujeitos entrevistados podem requerer transcrições literais - segmentos repletos de oralidade, o que não é admitido em outros trechos no gênero acadêmico. Já os resumos, são outro tópico, e merecem uma postagem só para eles. Material e métodos: descrever equipamentos e procedimentos Nesta seção o autor deve explicar claramente como o experimento foi realizado, e como foi realizada a análise estatística dos dados, podendo também utilizar as sugestões indicadas para escrever a introdução e buscando garantir que: Os leitores possam compreender e avaliar o experim…