Pular para o conteúdo principal

Nenhum ou nem um?

Mais um caso rotineiro em que nos embananamos muito sem saber: nenhum e nem um. As formas geram enorme confusão entre a maioria dos falantes e são personagens frequentes no cenário da revisão de textos. Porém, novamente, a situação pode ser resolvida de forma simples e rápida. Os dois termos, embora muito parecidos, empregam-se em diferentes situações. Bom, vamos começar pelo principal:
As dúvidas de português serão sanadas pelo revisor de textos.
Para defender uma tese de doutorado ou
dissertação de mestrado nunca se pode
abrir mão da revisão profissional do texto.
Nenhum é pronome indefinido que se opõe a algum. A palavra nenhum significa total inexistência. É pronome variável em gênero e número que significa nulo, inexistente e transmite valor indeterminado e vago. Refere-se à ausência total de alguma coisa, inexistência. É o antônimo de algum e admite o uso como pronome indefinido adjetivo ou substantivo.
Observe o exemplo:
Nenhum [algum] centavo foi transferido para a conta prevista.
No exemplo acima, o pronome refere-se ao substantivo centavo, afirmando sua inexistência, logo, que não existe centavo algum, indicando totalidade exclusiva.
Nem um é a união do advérbio de negação nem e do numeral um e enfatiza a ideia de que nem o mínimo foi considerado, sendo mais expressiva. Portanto, o numeral se opõe a dois, três... Pode ser substituída por nem mesmo um, nem sequer um ou nada e indica, necessariamente, grandezas contáveis.

Conforme o exemplo:
Não tinha nem [sequer] um dia para visitar a própria mãe.
Pois bem. Não essa questão da confusão entre essa dupla não é caso de definição em certo ou errado. Ambas as hipóteses existem na língua portuguesa, são formas vistas como sinônimas e estão corretas. Tudo depende do contexto em que utilizamos uma ou outra. Para simplificar e aumentar as chances de acerto, use nem um quando desejar enfatizar quantidade, caso contrário, utilize nenhum. Provavelmente, a melhor forma de evitar o erro seja criar pares opositivos, como segue:

  • Esta moeda não tem nenhum valor -> Esta moeda não tem valor algum.
  • Não perco nem um dia de festa no ano novo -> Perco sequer um dia de festa no ano novo.
Exemplos com nenhum (equivale a algum):

Nenhum aluno estudou para o teste -> Algum aluno estudou para o teste
Eu não tenho nenhum caderno comigo.
Não há problema nenhum, eu resolvo a situação.
Sapato nenhum era confortável para aqueles pés inchados.
José não rejeitava oportunidade nenhuma.
Na sala não havia nenhum aluno.

Exemplos com nem um (equivale a sequer um, um só):

Seu cachorro não gostou nem um pouco do meu gato.
Tenho tanta fome. Não há nem um pastel sobrando?
Não fico nem um minuto sem sentir saudades de você. 
Não estou nem um pouco preocupada com o resultado. 
Nem uma única recompensa foi obtida com aquele trabalho.

Compreendeu? Cada caso é correto em um contexto. Lembre-se de que o mais comum é usar a forma contraída nenhum, formada por nem + um. A outra forma, ou nem um, deve ser utilizada em situações de ênfase, podendo ainda se juntar com um termo de apoio para intensificar mais ainda a ideia, como mesmo ou . Devemos procurar sempre seguir as regrinhas da norma culta e não atropelar as palavras ao falar ou escrever. Se precisar colocar em prática, pare, pense e faça as substituições como aqui exemplificado. E se, mesmo assim, ainda permanecer a dúvida, jogue a bomba para um bom revisor de textos e garanta que a estrutura do que redigiu esteja impecável e sem certos erros que podem fazer a avaliação mais séria.
Por Gustavo Mani, nosso colaborador.

Postagens mais visitadas deste blog

Como escrever o resumo de sua tese ou dissertação

Melhore o resumo de sua tese ou dissertação.O resumo é parte necessária da apresentação final de uma tese, dissertação ou mesmo de um artigo.A versão final do resumo terá de ser escrita depois que você terminar de ler a sua tese para enviar ao revisor do texto.Um resumo prévio, escrito nas diferentes fases do seu trabalho vai ajudar você a ter uma versão curta de sua tese a cabeça. Isso vai conduzir seu pensamento sobre o que é que você está realmente sendo feito, vai ajudá-lo a ver a relevância do que você está trabalhando no momento dentro do quadro maior, e ajudar a manter os vínculos que acabarão por conferir unidade à tese (dissertação, TCC, artigo). O que é um resumo?O resumo é um componente importante da tese. Apresentado no início da tese, é provável que seja a primeira descrição substantiva do trabalho a ser lida por um examinador ou qualquer outro leitor externo. Você deve vê-lo como oportunidade de definir as expectativas precisas do leitor a que seu texto atenderá. O resumo …

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na KeimelionOs estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos, apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências. Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a quase totalidade dos autores brasileiros não faz uso de nenhum desses programas e nem sequer sabe que…

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância?Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações?Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português?Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem, mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno, da UnB, John Robert Schmitz, da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco, da UFPR.  (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimologia e da ignorância…

Quinze dicas para a hora de defender a tese

Defesa de tese ou dissertação: hora H!Depois de ter concluído a tese, é essencial que o aluno se prepare para a apresentação oral do trabalho.  Um excelente texto não garante que a exposição na etapa final seja boa e, se o aluno não apresentar a tese de forma satisfatória, os examinadores podem subestimá-la ou até mesmo duvidar da preparação científica do candidato.Geralmente a apresentação oral da tese é geralmente é feita por meio de slides em Powerpoint ® (ou software similar) contendo texto, figuras, tabelas, desenhos e fotografias. Bons slides não são tudo. O aluno deve estar preparado e conhecer ponta a ponta o conteúdo, coordenando bem a apresentação conforme explica os slides e se comportando de forma adequada durante essa etapa do trabalho. Abaixo apresentamos algumas dicas, tanto referentes à formatação e estilo da apresentação de slides, como à discussão da tese – aplicáveis a muitos contextos, como um concurso, entrevista de emprego ou uma apresentação de negócios. É necessá…

A tese: material e métodos, resultados e conclusão, estilo e referências

Tese e dissertação são textos logos do gênero acadêmicoAs partes das teses e dissertações pode constituir subgêneros específicosA escrita da tese segue parâmetros distintos nas seções específicas do texto, guardando unidade de estilo e coerência entre todos os segmentos do trabalho. Assim, a introdução pode ter, por exemplo, uma passagem mais pessoal, que relate a ligação do autor com a temática, e partes que analisem discursos de sujeitos entrevistados podem requerer transcrições literais - segmentos repletos de oralidade, o que não é admitido em outros trechos no gênero acadêmico. Já os resumos, são outro tópico, e merecem uma postagem só para eles. Material e métodos: descrever equipamentos e procedimentos Nesta seção o autor deve explicar claramente como o experimento foi realizado, e como foi realizada a análise estatística dos dados, podendo também utilizar as sugestões indicadas para escrever a introdução e buscando garantir que: Os leitores possam compreender e avaliar o experim…