Pular para o conteúdo principal

Repensando a natureza e funções da revisão do texto

Propostas teóricas recentes sobre a revisão do texto revelam uma mudança de perspectiva sobre a atividade.

Por muito tempo, a revisão foi concebida essencialmente como uma atividade para melhorar a produção verbal escrita. Hoje, ela é considerada um processo de controle editorial diferente, em que o planejamento também está envolvido. As questões sobre a revisão levantadas aqui mostram como evolui a importância desse conceito e descrevem os possíveis rumos do ofício de revisor. As novas abordagens da revisão de textos têm três pontos de alcance: o exercício do controle do processo por editores experientes, os custos do tratamento implícitas por esse controle e as condições que permitam ampliar o controle do processo produtivo.
Tese ou dissertação, revise na Keimelion.
No contexto da produção textual atual, define-se a revisão como tudo o que é feito para atingir um objetivo no texto em algum momento, com certa finalidade e implicando algum custo. Enfatizam-se as dimensões importantes da atividade a serem levadas em conta, como a qualidade do produto final, ou o custo da produção e seus efeitos no mercado. Assim, a revisão passa a abranger o tratamento de controle na resolução de problemas que antes eram o conjunto de tarefas editoriais e contribuir para a sua realização, sem necessariamente se fazer notar nessa realização de funções ou pré ou pós-editoriais.

Programar e verificar a produção textual

Além das propostas iniciais, dentre as atribuições do revisor de textos, incorporaram-se os processos básicos de leitura e correção (revisão mecânica) em um sistema de controle que interage com uma formulação do sistema e o sistema de execução, garantindo a realização das correções sistêmicas necessárias.
As interações entre componentes e sistemas editoriais próprios são gerenciadas pelo revisor sênior que aloca os recursos necessários para que os diferentes componentes estejam sempre funcionando. O sistema de controle contribui para avaliar o produto da atividade nos sistemas com os quais interage. Além disso, essas análises derivadas do processo de revisão podem ajudar a orientar a atividade dos sistemas de produção e edição textuais, aumentando a conectividade e interação entre eles.
O controle dos elos entre estes sistemas permite uma operação oportunista descrita em termos de interação entre tratamentos descendentes para a resolução de novos problemas mal definidos, incluindo a finalidade do produto, cujo alcance não pode ser feito imediatamente. O planejamento oportunista é muito comum entre os editores. Ele é materializado por fases de planejamento e implementação de texto como produto ou formulação e implementação alternada de produção e edição. Os tratamentos ascendentes são feitos a partir da ação do escritor para reunir informações sobre a obra. Esse conjunto de informações é necessário para monitorar o andamento do plano de escrita. Tratamentos descendentes são especificação da finalidade e do conhecimento e dependem, por sua vez, do processo de planejamento editorial. As interações entre esses processos permitem o controle oportunista da produção textual à impressão.
Uma estrutura conceitual dialógica para descrever a produção de textos define que o processo editorial do modelo tradicional seja substituído por processos gerais envolvidos em várias atividades cognitivas complexas. Assim, a revisão proposta exige ação sobre três processos básicos: leitura crítica, resolução ascendente e descendente de problemas e a produção autoral de texto. Essas operações são controladas agora pela edição padrão que está integrada à estrutura de controle. Esse esquema é implantado assim que sua utilidade é percebida no processo editorial. Ele inclui a totalidade ou parte dos seguintes elementos: o corpo de conhecimentos adquiridos na prática necessária para alcançar o objetivo editorial, especificando a finalidade ou o nível de texto que deve ser produzido, incluindo modelos e critérios de qualidade, bem como estratégias para lidar com classes específicas de problemas textuais.
A informação passa a ser processada tanto sobre a incorporação planejada ou em andamento do texto já escrito. Fica claro que o processo geral de produção de texto e leitura crítica estão sob o controle do regime de tarefa, cumprindo à revisão organizar a sua intervenção e avaliar o resultado da intervenção. No primeiro caso, a revisão é proativa e, no outro, é reativa.
A revisão vai depender de algumas características específicas do sistema de controle em tela, questões relacionadas aos tratamentos de avaliação e correção, para que a revisão seja tratada por meio de processos gerais, implicando na questão do estatuto da autoridade de inspeção da produção escrita.
O controle geral de trabalho em atividades cognitivas diferentes e complementares, incluindo a produção de textos complexos, requer um modelo de controle baseado na moderna concepção de revisão, que compreende agora o módulo de controle, fazendo interface entre o conhecimento geral do produtor, o autor ou equipe de redação, e processos para revisão agrupados no esquema de trabalho. A integração desses dois tipos de tratamentos no controle da produção textual passa à responsabilidade do revisor sênior.
A revisão textual adquire o papel de um módulo de controle especializado, responsável pela integração dos diferentes processos envolvidos, constituindo o modelo proposto de revisão que já se vê no mercado. A nova proposta é esclarecer e incrementar as diferentes habilidades envolvidas na revisão. Elas diferem na recuperação da memória de longo prazo, nos níveis metacognitivos e cognitivas do produto e, assim, atribuem ao processo de revisão uma dupla função: planejar e verificar.
No nível cognitivo, há três categorias de conhecimento (temático, linguístico e textual), três estratégias principais (estratégias de raciocínio, estratégias de compreensão e estratégias de produção, que incluem os de revisão de texto) e representação do texto revisado. O nível metacognitivo compreende modelos de conhecimento e compreensão das estratégias de leitura e interpretação textuais. As trocas entre estes dois níveis permitem colocar a gestão do conhecimento no nível cognitivo, planejada com base em modelos de gestão do conhecimento (quando, como e por que levantar essas informações para estar presentes no texto). Elas também contribuem verificando tratamentos cognitivamente operados.
Fazendo a distinção entre os níveis metacognitivos e cognitivos, o revisor pode usar apropriadamente o conhecimento; quando essa utilização não é guiada ou controlada pelo nível metacognitivo, quem tem algo a dizer (o autor) não está necessariamente comprometido com quando, como e porque dizer.
Estes dois tipos de formalização textual nos convidam a considerar dois níveis de controle integrado, uma para o texto, ou seja, o produto da atividade, o outro em relação à atividade de produção global, que é o planejamento e a execução da tarefa editorialmente.
Inspirado em Roussey & Piolat.

Postagens mais visitadas deste blog

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância? Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações ? Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português? Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem , mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno , da UnB , John Robert Schmitz , da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco , da UFPR .   (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimol

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva

Como escrever títulos atraentes em poucos passos: do artigo à tese

Como aumentar o número de leituras de seu artigo? Você gostaria que sua tese ou dissertação fosse muito lida e citada ao invés de ignorada? Claro, qualquer autor deseja isso! Acontece que, atualmente o número textos acadêmicos que encontramos em qualquer pesquisa é muito grande, enorme. A concorrência entre todos os autores, na busca pelo leitor, não tem tamanho. Claro que o mais importante sempre vai ser a qualidade do trabalho, e clareza das ideias e um texto bem limpo, mas o título tem que ser um ponto de destaque também! E existem técnicas para títulos atrativos , que fujam do enfadonho jargão acadêmico e que transmitam a mesma ideia com uma linguagem mais moderna e atraente; veja um exemplo de título à antiga – que eu jamais adotaria – para esta postagem: Questões de legibilidade, ergonomia visual e empatia em títulos de teses, dissertações e artigos acadêmicos: uma discussão propositiva de aplicação da técnica AIDA. Convenhamos, dá até preguiça de ler até o fim, mas você certame

Método científico ou experimental – a pesquisa e a redação

O método científico é a base da pesquisa. Nos tempos antigos o homem tentou explicar fenômenos naturais, mas tudo se atribuía à ação das divindades, ou à bruxaria e magia. Com Galileo Galilei (1564-1642), foi introduzido o método experimental ( método científico ): ele se baseia em uma primeira observação, seguida de um experimento, desenvolvido de forma controlada, para que nós possamos reproduzir o problema que se deseja investigar. O experimento visa validar ou refutar a hipótese de que o cientista formulou, que visa explicar os mecanismos de funcionamento de determinado evento. Revise seus textos na Keimelion: nossa experiência no ramo é desde o século passado! No primeiro caso (validação da hipótese) prossegue-se com a execução de grande número de experimentos, para que os resultados obtidos sejam confiáveis (análise estatística): os dados coletados são processados e em seguida, formula-se uma teoria: ela é usada, muitas vezes em conjunto com outras teorias para a formulação de um