Pular para o conteúdo principal

Repensando a natureza e funções da revisão do texto

Propostas teóricas recentes sobre a revisão do texto revelam uma mudança de perspectiva sobre a atividade.

Por muito tempo, a revisão foi concebida essencialmente como uma atividade para melhorar a produção verbal escrita. Hoje, ela é considerada um processo de controle editorial diferente, em que o planejamento também está envolvido. As questões sobre a revisão levantadas aqui mostram como evolui a importância desse conceito e descrevem os possíveis rumos do ofício de revisor. As novas abordagens da revisão de textos têm três pontos de alcance: o exercício do controle do processo por editores experientes, os custos do tratamento implícitas por esse controle e as condições que permitam ampliar o controle do processo produtivo.
Tese ou dissertação, revise na Keimelion.
No contexto da produção textual atual, define-se a revisão como tudo o que é feito para atingir um objetivo no texto em algum momento, com certa finalidade e implicando algum custo. Enfatizam-se as dimensões importantes da atividade a serem levadas em conta, como a qualidade do produto final, ou o custo da produção e seus efeitos no mercado. Assim, a revisão passa a abranger o tratamento de controle na resolução de problemas que antes eram o conjunto de tarefas editoriais e contribuir para a sua realização, sem necessariamente se fazer notar nessa realização de funções ou pré ou pós-editoriais.

Programar e verificar a produção textual

Além das propostas iniciais, dentre as atribuições do revisor de textos, incorporaram-se os processos básicos de leitura e correção (revisão mecânica) em um sistema de controle que interage com uma formulação do sistema e o sistema de execução, garantindo a realização das correções sistêmicas necessárias.
As interações entre componentes e sistemas editoriais próprios são gerenciadas pelo revisor sênior que aloca os recursos necessários para que os diferentes componentes estejam sempre funcionando. O sistema de controle contribui para avaliar o produto da atividade nos sistemas com os quais interage. Além disso, essas análises derivadas do processo de revisão podem ajudar a orientar a atividade dos sistemas de produção e edição textuais, aumentando a conectividade e interação entre eles.
O controle dos elos entre estes sistemas permite uma operação oportunista descrita em termos de interação entre tratamentos descendentes para a resolução de novos problemas mal definidos, incluindo a finalidade do produto, cujo alcance não pode ser feito imediatamente. O planejamento oportunista é muito comum entre os editores. Ele é materializado por fases de planejamento e implementação de texto como produto ou formulação e implementação alternada de produção e edição. Os tratamentos ascendentes são feitos a partir da ação do escritor para reunir informações sobre a obra. Esse conjunto de informações é necessário para monitorar o andamento do plano de escrita. Tratamentos descendentes são especificação da finalidade e do conhecimento e dependem, por sua vez, do processo de planejamento editorial. As interações entre esses processos permitem o controle oportunista da produção textual à impressão.
Uma estrutura conceitual dialógica para descrever a produção de textos define que o processo editorial do modelo tradicional seja substituído por processos gerais envolvidos em várias atividades cognitivas complexas. Assim, a revisão proposta exige ação sobre três processos básicos: leitura crítica, resolução ascendente e descendente de problemas e a produção autoral de texto. Essas operações são controladas agora pela edição padrão que está integrada à estrutura de controle. Esse esquema é implantado assim que sua utilidade é percebida no processo editorial. Ele inclui a totalidade ou parte dos seguintes elementos: o corpo de conhecimentos adquiridos na prática necessária para alcançar o objetivo editorial, especificando a finalidade ou o nível de texto que deve ser produzido, incluindo modelos e critérios de qualidade, bem como estratégias para lidar com classes específicas de problemas textuais.
A informação passa a ser processada tanto sobre a incorporação planejada ou em andamento do texto já escrito. Fica claro que o processo geral de produção de texto e leitura crítica estão sob o controle do regime de tarefa, cumprindo à revisão organizar a sua intervenção e avaliar o resultado da intervenção. No primeiro caso, a revisão é proativa e, no outro, é reativa.
A revisão vai depender de algumas características específicas do sistema de controle em tela, questões relacionadas aos tratamentos de avaliação e correção, para que a revisão seja tratada por meio de processos gerais, implicando na questão do estatuto da autoridade de inspeção da produção escrita.
O controle geral de trabalho em atividades cognitivas diferentes e complementares, incluindo a produção de textos complexos, requer um modelo de controle baseado na moderna concepção de revisão, que compreende agora o módulo de controle, fazendo interface entre o conhecimento geral do produtor, o autor ou equipe de redação, e processos para revisão agrupados no esquema de trabalho. A integração desses dois tipos de tratamentos no controle da produção textual passa à responsabilidade do revisor sênior.
A revisão textual adquire o papel de um módulo de controle especializado, responsável pela integração dos diferentes processos envolvidos, constituindo o modelo proposto de revisão que já se vê no mercado. A nova proposta é esclarecer e incrementar as diferentes habilidades envolvidas na revisão. Elas diferem na recuperação da memória de longo prazo, nos níveis metacognitivos e cognitivas do produto e, assim, atribuem ao processo de revisão uma dupla função: planejar e verificar.
No nível cognitivo, há três categorias de conhecimento (temático, linguístico e textual), três estratégias principais (estratégias de raciocínio, estratégias de compreensão e estratégias de produção, que incluem os de revisão de texto) e representação do texto revisado. O nível metacognitivo compreende modelos de conhecimento e compreensão das estratégias de leitura e interpretação textuais. As trocas entre estes dois níveis permitem colocar a gestão do conhecimento no nível cognitivo, planejada com base em modelos de gestão do conhecimento (quando, como e por que levantar essas informações para estar presentes no texto). Elas também contribuem verificando tratamentos cognitivamente operados.
Fazendo a distinção entre os níveis metacognitivos e cognitivos, o revisor pode usar apropriadamente o conhecimento; quando essa utilização não é guiada ou controlada pelo nível metacognitivo, quem tem algo a dizer (o autor) não está necessariamente comprometido com quando, como e porque dizer.
Estes dois tipos de formalização textual nos convidam a considerar dois níveis de controle integrado, uma para o texto, ou seja, o produto da atividade, o outro em relação à atividade de produção global, que é o planejamento e a execução da tarefa editorialmente.
Inspirado em Roussey & Piolat.

Postagens mais visitadas deste blog

Como escrever o resumo de sua tese ou dissertação

Melhore o resumo de sua tese ou dissertação.O resumo é parte necessária da apresentação final de uma tese, dissertação ou mesmo de um artigo.A versão final do resumo terá de ser escrita depois que você terminar de ler a sua tese para enviar ao revisor do texto.Um resumo prévio, escrito nas diferentes fases do seu trabalho vai ajudar você a ter uma versão curta de sua tese a cabeça. Isso vai conduzir seu pensamento sobre o que é que você está realmente sendo feito, vai ajudá-lo a ver a relevância do que você está trabalhando no momento dentro do quadro maior, e ajudar a manter os vínculos que acabarão por conferir unidade à tese (dissertação, TCC, artigo). O que é um resumo?O resumo é um componente importante da tese. Apresentado no início da tese, é provável que seja a primeira descrição substantiva do trabalho a ser lida por um examinador ou qualquer outro leitor externo. Você deve vê-lo como oportunidade de definir as expectativas precisas do leitor a que seu texto atenderá. O resumo …

Normas básicas de digitação

Vale a pena digitar corretamente.A digitação correta é uma prática em desuso. Quase ninguém mais se preocupa com conceitos básicos da datilografia que foram transposto à digitação.Entretanto, formatar uma tese ou dissertação é infinitamente mais complexo que saber digitar num processador de textos. Nada dispensa a boa revisão. Aqui estão alguns problemas que sempre identificamos nas digitações problemáticas:A lacuna que separa os elementos gráficos (por exemplo, entre duas palavras) deve ser feita por um e apenas um espaço.O recuo do parágrafo, o alinhamento recuado das citações ou das tabelas etc. devem ser feitos por tabulação (ou então pelo recurso de estilo ou modelo, dos programas de edição de texto do computador).Não há espaço antes da pontuação (ponto, ponto-e-vírgula, vírgula, dois pontos).Há um espaço (e apenas um) depois da pontuação (ponto, ponto-e-vírgula, vírgula, dois pontos), a não ser na pontuação empregada nos numerais.Não há espaço depois do parêntese que abre nem ant…

Como escrever um texto acadêmico - as melhores dicas!

Aspectos gerais e específicos do texto acadêmicoUm texto científico ou acadêmico é um complexo trabalho dissertativo ou narrativo que tem características próprias sobre sua concepção, criação e apresentação.  Bons textos científicos acrescentam conhecimento mesmo quando levantam novas dúvidas, novos problemas ou novas abordagens sobre uma questão, permitindo que leitores encontrem realidade e humanidade em palavras que foram completamente estruturadas para apresentar ou discutir um enfoque específico de um tema. Não importa qual tipo de texto você queira ou necessite escrever – pode ser uma tese de livre-docência, de doutorado, uma dissertação, monografia, um artigo científico, relatório – você precisará de disciplina, energia criativa e de dedicação para a pesquisa, criação, revisão e edição do texto. Apresentamos algumas sugestões para contribuir na redação.
Antes de começar a escrever um texto acadêmico, considere: problema, tema, abordagem Tenha claro para si o tipo de texto que vai…

Quinze dicas para a hora de defender a tese

Defesa de tese ou dissertação: hora H!Depois de ter concluído a tese, é essencial que o aluno se prepare para a apresentação oral do trabalho.  Um excelente texto não garante que a exposição na etapa final seja boa e, se o aluno não apresentar a tese de forma satisfatória, os examinadores podem subestimá-la ou até mesmo duvidar da preparação científica do candidato.Geralmente a apresentação oral da tese é geralmente é feita por meio de slides em Powerpoint ® (ou software similar) contendo texto, figuras, tabelas, desenhos e fotografias. Bons slides não são tudo. O aluno deve estar preparado e conhecer ponta a ponta o conteúdo, coordenando bem a apresentação conforme explica os slides e se comportando de forma adequada durante essa etapa do trabalho. Abaixo apresentamos algumas dicas, tanto referentes à formatação e estilo da apresentação de slides, como à discussão da tese – aplicáveis a muitos contextos, como um concurso, entrevista de emprego ou uma apresentação de negócios. É necessá…

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância?Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações?Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português?Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem, mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno, da UnB, John Robert Schmitz, da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco, da UFPR.  (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimologia e da ignorância…