Pular para o conteúdo principal

Linguística da revisão de textos

A terminologia, no sentido que mais interessa à revisão de textos, dedica-se ao conhecimento e análise dos vocabulários especializados das artes e ofícios, ao objeto ou campo de conhecimento do texto em foco.

Terminologia e revisão de textos

Em sentido amplo, refere-se ao uso e estudo de termos, especificando as palavras que são geralmente usadas em contextos específicos.
O revisor de textos tem que ser profissional com formação acadêmica sólida e atenção ao mundo.
O revisor de textos é o leitor
 cuja preocupação principal
 é o leitor seguinte.
Terminologia também se refere a uma disciplina mais formal, ligada à formação de corpus, dedicada ao estudo sistematizado, rotulação e designação de conceitos específicos a um ou vários assuntos ou campos de atividade humana, por meio de pesquisa e análise dos termos em contexto, com a finalidade de documentar e promover seu uso correto. Este estudo pode ser limitado a uma língua, ou a uma região geográfica, ou a um período ou autor; todos os cortes podem ser feitos, ou pode cobrir mais de uma língua ao mesmo tempo (terminologia multilíngue, bilíngue, trilíngue etc), havendo ainda a possibilidade de estudos de terminologia comparada, entre autores, regiões, épocas.
Na revisão, a gestão da terminologia é elemento central de boa legibilidade e uniformidade dos textos revisados. Os revisores profissionais podem administrar a terminologia na forma de glossários, usando ferramentas de controle de qualidade que fazem com que o mesmo termo técnico seja aplicado uniformemente em todo o texto. Também pode ser útil fazer a verificação longitudinal específica da aplicação de determinados termos, por meio de ferramentas de localização.

Estilística e revisão de textos

Há dois enfoques de estilística cujos cruzamentos interessam à revisão; o primeiro refere-se às variações linguísticas, diferentes registros, aplicações e contextos, incluindo a apreciação estética sobre o produto; o segundo, mais gramatical, considera o emprego tropos no texto, figuras de sintaxe, palavras ou pensamento.
Caberá ao revisor, dentre outros procedimentos, conhecer os tropos, identificá-los e julgar sua pertinência quanto ao tipo do texto em pauta; é comum aos autores desvios de recursos linguísticos cabíveis em um tipo de texto para outro em que eles se tornam completamente inadequados. A questão de não haver exatamente certos e errados se torna mais restrita, por algo pode não ser exatamente errado ali, mas ser completamente errado lá. Muitas vezes os autores não têm exatamente a noção dessa propriedade, outras vezes fazem uso consciente do abuso cometido – e isso também deve ser identificado e, nesse caso, respeitado, mantida a violação desejada pelo autor. Todas essas variações e combinações de elementos externos e internos do texto, seu objeto e sua finalidade, é o que chamamos contexto – uma palavra perigosa, pois bastante desgastada e algo esvaziada.
A determinação do registro, necessária à contextualização, parte da variedade (espécie da variação) linguística e alcança a situação do texto, sua finalidade ou seu público. Geralmente, o registro é facilmente reconhecível, mas cabe ao revisor ter ampla consciência dele e fazer dessa consciência parâmetro das interferências que serão feitas. Caberão as adequações de “campo”, “conteúdo” e “modo” correspondentes à estrutura semiótica do texto, preservadas as idiossincrasias autorais.
Cabe ainda apontar, como parte da estilística, o conhecimento dos vícios de linguagem, os bordões e os modismos. Os gramáticos abordam invariavelmente essas questões, uns com maior rigor, outros mais permissivos; também os manuais de redação, tanto os jornalísticos quanto os governamentais e acadêmicos, trazem amplas lista de expressões a serem evitadas, nos respectivos contextos, mas observem que cada manual daqueles é específico àquele tipo de texto, caberá sempre um juízo subjetivo, principalmente quando se tratar de texto criativo ou de manifestação opinativa.
Sugiro a quem nunca contratou
um revisor de textos que
leia algumas postagens por aqui
para entender a complexidade
do processo.

Pragmática e revisão de textos

A pragmática é a parte prática da linguística, dizendo de uma forma simplificada, pois ela se remete aos aspectos comunicacionais do texto. Como o texto é produzido para ser veículo de informações, dados, reflexões ou entretenimento, a pragmática considera a qualidade com que o texto está se prestando a seu fim. Revisão de texto também tem tudo a ver com comunicação.
A pragmática está, portanto, ligada a atividade fim do texto. A revisão, sob esse ponto de vista, é um processo meio para se alcançar tal fim. A pragmática inclui o conhecimento da dimensão comunicacional mais filosófica, como prática social concreta, ela analisa a significação linguística de acordo com a interação existente entre autor e leitor, no contexto do texto, considerando os elementos socioculturais em questão e os objetivos, efeitos e consequências desse processo comunicacional.
Cabe ao revisor zelar, inclusive pela coerência pragmática, por exemplo, um personagem não pode ordenar e pedir, simultaneamente, em um romance, ou duas hipóteses não podem ser paradoxais em uma tese.

 Filologia e revisão de textos

A filologia é atualmente mais referida como linguística histórica; a rigor, há alguma distinção entre as duas coisas, mas não precisamos aqui estabelecer essa diferença, consideremos que ela é o estudo das linguagens na história e suas transformações. Também a filologia talvez seja a parte da linguística que menos afeta a revisão de textos, em sentido pontual, e a que mais afeta globalmente, pois quase todas as questões linguísticas têm raízes históricas são importantes para seu deslinde. Afinal, a filologia descreve o estudo de uma língua com a sua literatura e os contextos históricos e culturais que são indispensáveis para uma compreensão das obras literárias e de outros textos culturalmente significativos. Naturalmente, isso afeta o conhecimento linguístico que antecede a revisão e constitui o arcabouço, a bagagem de erudição imprescindível ao processo de revisão, mas não fornece diretamente instrumentos operacionais.
Revisar dissertação e tese não é para amadores.
Leira também:
Morfologia, sintaxe,
fonética, fonologia,
semântica, lexicologia.
A filologia trabalha com várias abordagens, a retórica, a poética, a gramática, a linguística em cada uma de suas vertentes, ainda a prosódia, a métrica, e mesmo a teoria e história e da literatura. A filologia continua sendo área do conhecimento fundamental para aquele que trabalha com a revisão: ela é sinônimo de rigor no trato com os textos e de pensamento pautado pela questão histórica.
De certo modo, após um longo domínio de abordagens sociolinguísticas e históricas nos estudos literários, a análise interpretativa fica agora mais a cargo das abordagens críticas da teoria literária. Hoje o filólogo é o responsável pela preparação de edições críticas de autores clássicos (antigos e modernos): um trabalho árduo e essencial para todas as ciências humanas, e que carece de importante contribuição de revisores altamente especializados.

Postagens mais visitadas deste blog

Como escrever o resumo de sua tese ou dissertação

Melhore o resumo de sua tese ou dissertação. O resumo é parte necessária da apresentação final de uma tese , dissertação ou mesmo de um artigo. A versão final do resumo terá de ser escrita depois que você terminar de ler a sua tese para enviar ao revisor do texto. Um resumo prévio, escrito nas diferentes fases do seu trabalho vai ajudar você a ter uma versão curta de sua tese a cabeça. Isso vai conduzir seu pensamento sobre o que é que você está realmente sendo feito, vai ajudá-lo a ver a relevância do que você está trabalhando no momento dentro do quadro maior, e ajudar a manter os vínculos que acabarão por conferir unidade à tese (dissertação, TCC, artigo). Resumo é uma apresentação concisa dos pontos relevantes de um documento (NBR 6028:2003). O que é um resumo? O resumo é um componente importante da tese. Apresentado no início da tese, é provável que seja a primeira descrição substantiva do trabalho a ser lida por um examinador ou qualquer outro leitor externo. Você deve vê-lo com

Normas básicas de digitação

Vale a pena digitar corretamente. A digitação correta é uma prática em desuso. Quase ninguém mais se preocupa com conceitos básicos da datilografia que foram transposto à digitação. Entretanto, formatar uma tese ou dissertação é infinitamente mais complexo que saber digitar num processador de textos. Nada dispensa a boa revisão . Um dos motivos pelos quais  o trabalho do revisor é  indispensável é porque  ninguém mais digita como  se deve. Aqui estão alguns problemas que sempre identificamos nas digitações problemáticas: A lacuna que separa os elementos gráficos (por exemplo, entre duas palavras) deve ser feita por um e apenas um espaço. O recuo do parágrafo, o alinhamento recuado das citações ou das tabelas etc. devem ser feitos por tabulação (ou então pelo recurso de estilo ou modelo, dos programas de edição de texto do computador). Não há espaço antes da pontuação (ponto, ponto-e-vírgula, vírgula, dois pontos). Há um espaço (e apenas um) depois da pontuação (ponto, ponto-e-vírgul

Quinze dicas para a hora de defender a tese

Defesa de tese ou dissertação: hora H! Depois de ter concluído a tese , é essencial que o aluno se prepare para a apresentação oral do trabalho.  Um excelente texto não garante que a exposição na etapa final seja boa e, se o aluno não apresentar a tese de forma satisfatória, os examinadores podem subestimá-la ou até mesmo duvidar da preparação científica do candidato. O candidato se prepara redigindo o texto. A Kemelion prepara o texto, revisando e formatando. Geralmente a apresentação oral da tese é geralmente é feita por meio de slides em Powerpoint ® (ou software similar) contendo texto, figuras, tabelas, desenhos e fotografias . Bons slides não são tudo. O aluno deve estar preparado e conhecer ponta a ponta o conteúdo, coordenando bem a apresentação conforme explica os slides e se comportando de forma adequada durante essa etapa do trabalho. Abaixo apresentamos algumas dicas, tanto referentes à formatação e estilo da apresentação de slides, como à discussão da tese – aplicáveis a m

A tese: material e métodos, resultados e conclusão, estilo e referências

Tese e dissertação são textos logos do gênero acadêmico As partes das teses e dissertações pode constituir subgêneros específicos A escrita da tese segue parâmetros distintos nas seções específicas do texto, guardando unidade de estilo e coerência entre todos os segmentos do trabalho. Assim, a introdução pode ter, por exemplo, uma passagem mais pessoal, que relate a ligação do autor com a temática, e partes que analisem discursos de sujeitos entrevistados podem requerer transcrições literais - segmentos repletos de oralidade, o que não é admitido em outros trechos no gênero acadêmico. Já os resumos, são outro tópico, e merecem uma postagem só para eles. O coroamento da pesquisa é a apresentação dos resultados: a tese, sua defesa, a publicação. Material e métodos: descrever equipamentos e procedimentos Nesta seção o autor deve explicar claramente como o experimento foi realizado, e como foi realizada a análise estatística dos dados, podendo também utilizar as sugestões indicadas para

Como escrever um texto acadêmico - as melhores dicas!

Aspectos gerais e específicos do texto acadêmico Um texto científico ou acadêmico é um complexo trabalho dissertativo ou narrativo que tem características próprias sobre sua concepção, criação e apresentação.  Bons textos científicos acrescentam conhecimento mesmo quando levantam novas dúvidas, novos problemas ou novas abordagens sobre uma questão, permitindo que leitores encontrem realidade e humanidade em palavras que foram completamente estruturadas para apresentar ou discutir um enfoque específico de um tema. Não importa qual tipo de texto você queira ou necessite escrever – pode ser uma tese de livre-docência, de doutorado, uma dissertação, monografia, um artigo científico, relatório – você precisará de disciplina, energia criativa e de dedicação para a pesquisa, criação, revisão e edição do texto. Apresentamos algumas sugestões para contribuir na redação. Cada tipo de texto científico tem suas características. Familiarize-se com o tipo de texto que pretenda produzir. Antes de c