Pular para o conteúdo principal

Estratégias de revisão de textos

Descrever de forma mais precisa e mais completamente a atividade contemporânea de revisores de textos é o objetivo da proposta que se estende além do processo de revisão tradicional.

O revisor é interveniente do processo de criação do texto de muitas formas.
A quantidade de detalhes e processos
abrangidos pela revisão de textos
nem sempre é alcançada pelos autores
e, infelizmente, mesmo por muitos
revisores à antiga.
Uma maneira comum de descrição da atividade de revisão inclui na análise a quantidade de alterações feitas e o nível de texto mais afetado por estas mudanças. Não se pode ignorar a dimensão dinâmica de produção de textos, do controle e da impressão atualmente envolvidos. A análise deve se centrar na sequência de transformações realizadas para verificar os níveis qualitativos de um texto autoral ou composto por um revisor sênior.

Níveis de texto e sequência controlada de revisões 

Para identificar sequências de revisões, aplica-se o método de quantificação e comparação, passo a passo, das sequências de ações, por meio dos controles das alterações durante a produção. Para melhorar uma narrativa experimental com problemas que afetam a nível lexical e de consistência, os revisores corrigem os erros em sua ordem de aparição na leitura e no nível do texto afetado, fazendo uma e outra coisa de forma independente. No entanto, na revisão de uma descrição, cabe sempre corrigir primeiro os erros lexicais antes de aquelas que afetam a consistência. Estas variações na articulação dos processos envolvidos no controle de diferentes níveis do texto dependem do nível de domínio do padrão textual do revisor no processo.
A sucessão de reescritas feitas durante uma tarefa de escrita é estudada a partir de dados coletados por meio de um dispositivo de computador inclui um módulo de codificação e localização das revisões no texto e produção. A análise refere-se episódios de reescrita durante os quais o autor para de escrever para reescrever antes de retomar a escrita mais tarde. É o nível de texto relevante (palavra, frase, parágrafo, texto) que é inferido a partir da diferença no texto entre alterações sucessivas. Duas estratégias de reescrita são identificadas. A estratégia linear é rever o texto à medida que avança. A estratégia não-linear transforma o texto em áreas remotas que podem ser alteradas várias vezes. A última estratégia assume o controle da estrutura e coerência textual. Ele é usado por autores ao compor um texto e verificadas pelos revisores ao cabo. No entanto, em uma narrativa escrita fácil, onde a atividade está prevista para o início de um padrão textual dominado, os autores utilizam a estratégia linear. Ao empregar a estratégia não-linear, primeiro se produz um resumo (ou esquema) curto, que é gradualmente preenchido e amplificado. Escrever segundo um plano (projeto, roteiros) indica a implementação do tipo de tratamentos descendentes. A estratégia de revisão permite mudança incremental de escrita linear para não-linear na estruturação dos textos. Ela incrementa tratamentos ascendentes de intervenção e contribui para a execução mais oportuna da tarefa de composição do texto.
Usando-se os controles de alteração no texto, analisa-se a realização progressiva de um artigo científico por pesquisadores, com conteúdos que podem ser copiados e colados no processador de texto. Nesta tarefa específica de escrita, autores mais ou menos experientes não têm propriamente que gerar o conteúdo do texto. Sabe-se que os autores mais experientes planejam seu texto mentalmente antes de iniciar a redação, usando o potencial de processamento de texto em seguida. Eles escrevem linearmente na medida que avançam o raciocínio, submetendo o produto à revisão mais completa, quando concluída a tarefa da composição.
O controle de texto sistemático e linear é observado tanto quanto as limitações das habilidades de tarefas e escrita do revisor permitirem. Durante esta verificação, diferentes tratamentos podem permitir o exame dos vários níveis do texto. Em tarefas difíceis, o controle parece focado e a reconsideração autoral do texto é repetida.

Sequência do processo de produção e revisão de texto

Outras estratégias de abordagem levam em conta o momento da participação do revisor no processo e seu impacto sobre a escrita e o controle do texto. Essa abordagem é usada principalmente em trabalhos em que o conteúdo incide sobre as estratégias de autorregularão e de redação. Essas estratégias, tanto em processos de alto nível, planejamento, gestão, avaliação e revisão textuais, bem como procedimentos rotineiros de baixa complexidade, permitem sua utilização eficaz e ajustes estratégicos determinados pelas transições entre as fases da produção.
Em termos de avaliação, as estratégias de regulação incluem a implementação, de acordo com uma sequência estritamente determinada de diferentes tratamentos, como a leitura e releitura do texto, identificando ideias principais, avaliando a sua clareza, rastreamento erros, e sua correção. O uso de rotinas de revisão é necessário, por exemplo, a estudantes universitários para avaliar cada frase produzida em função dos objetivos do texto a ser produzido e, em seguida, considerar a sua forma, antes de produzir a próxima frase. Esta sequência permite aos autores remover dificuldades impostas pelos bloqueios de produção e, ainda, rever e fazer reescritas mais frequentemente, com efeito benéfico sobre a qualidade da sua escrita.
Comparados a autores experientes em produção escrita, jovens escritores têm pouco controle, abrangendo apenas aspectos superficiais da produção escrita. Esta observação leva a algumas preocupações: a partir de uma perspectiva de desenvolvimento da capacidade de controlar a atividade redacional, cabe criar um modelo dos processos de desenvolvimento de produção escrita que se torne funcional; o processo de criação do conteúdo segundo o planejamento precede o uso da linguagem e antecede a revisão; o tratamento dos níveis lexicais e frasais precede o nível textual; os recursos humanos e técnicos devem estar de fato disponíveis para de assegurar uma operação criativa deliberada e menos onerosa do processo de planejamento e redação. Uma vez instalados, esses processos continuam a evoluir.
Inspirado em Roussey & Piolat

Postagens mais visitadas deste blog

Como escrever o resumo de sua tese ou dissertação

Melhore o resumo de sua tese ou dissertação.O resumo é parte necessária da apresentação final de uma tese, dissertação ou mesmo de um artigo.A versão final do resumo terá de ser escrita depois que você terminar de ler a sua tese para enviar ao revisor do texto.Um resumo prévio, escrito nas diferentes fases do seu trabalho vai ajudar você a ter uma versão curta de sua tese a cabeça. Isso vai conduzir seu pensamento sobre o que é que você está realmente sendo feito, vai ajudá-lo a ver a relevância do que você está trabalhando no momento dentro do quadro maior, e ajudar a manter os vínculos que acabarão por conferir unidade à tese (dissertação, TCC, artigo). O que é um resumo?O resumo é um componente importante da tese. Apresentado no início da tese, é provável que seja a primeira descrição substantiva do trabalho a ser lida por um examinador ou qualquer outro leitor externo. Você deve vê-lo como oportunidade de definir as expectativas precisas do leitor a que seu texto atenderá. O resumo …

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na KeimelionOs estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos, apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências. Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a quase totalidade dos autores brasileiros não faz uso de nenhum desses programas e nem sequer sabe que…

Quinze dicas para a hora de defender a tese

Defesa de tese ou dissertação: hora H!Depois de ter concluído a tese, é essencial que o aluno se prepare para a apresentação oral do trabalho.  Um excelente texto não garante que a exposição na etapa final seja boa e, se o aluno não apresentar a tese de forma satisfatória, os examinadores podem subestimá-la ou até mesmo duvidar da preparação científica do candidato.Geralmente a apresentação oral da tese é geralmente é feita por meio de slides em Powerpoint ® (ou software similar) contendo texto, figuras, tabelas, desenhos e fotografias. Bons slides não são tudo. O aluno deve estar preparado e conhecer ponta a ponta o conteúdo, coordenando bem a apresentação conforme explica os slides e se comportando de forma adequada durante essa etapa do trabalho. Abaixo apresentamos algumas dicas, tanto referentes à formatação e estilo da apresentação de slides, como à discussão da tese – aplicáveis a muitos contextos, como um concurso, entrevista de emprego ou uma apresentação de negócios. É necessá…

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância?Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações?Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português?Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem, mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno, da UnB, John Robert Schmitz, da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco, da UFPR.  (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimologia e da ignorância…

A tese: material e métodos, resultados e conclusão, estilo e referências

Tese e dissertação são textos logos do gênero acadêmicoAs partes das teses e dissertações pode constituir subgêneros específicosA escrita da tese segue parâmetros distintos nas seções específicas do texto, guardando unidade de estilo e coerência entre todos os segmentos do trabalho. Assim, a introdução pode ter, por exemplo, uma passagem mais pessoal, que relate a ligação do autor com a temática, e partes que analisem discursos de sujeitos entrevistados podem requerer transcrições literais - segmentos repletos de oralidade, o que não é admitido em outros trechos no gênero acadêmico. Já os resumos, são outro tópico, e merecem uma postagem só para eles. Material e métodos: descrever equipamentos e procedimentos Nesta seção o autor deve explicar claramente como o experimento foi realizado, e como foi realizada a análise estatística dos dados, podendo também utilizar as sugestões indicadas para escrever a introdução e buscando garantir que: Os leitores possam compreender e avaliar o experim…