Pular para o conteúdo principal

Como escolher seu orientador?

Em muitos programas de doutorado e mesmo em alguns de mestrado, é necessário que o candidato seja aceito por um eventual orientador antes mesmo de ser aprovado na seleção.

Outros programas adiam essa necessidade para quando o aluno já tenha tido contato com alguns professores do programa. Antes de entrar em contato com um potencial orientador para sua tese ou dissertação, cuide de conhecer a pessoa e o profissional:
Há muitos percursos na hora de escolher quem vai orientar sua tese.
As opções são muitas na escolha de orientador,
mas o melhor é adotar critérios na escolha.
  • Primeiro faça sua pesquisa sobre a obra e o trabalho de orientação dos professores em que você possa ter interesse!
  • Tenha uma ideia da pesquisa de campo que interessa a você e um anteprojeto de tese ou dissertação exequível.
  • Certifique-se de que o professor que você considerar é um membro do programa em que você está inscrito ou pretendendo ingressar ou se o programa aceita orientadores externos, portanto, elegíveis para sua orientação.
  • Leia o perfil dos professores no site do instituto a que ele pertence e seu currículo Lattes e visite os sites da faculdade ou o programa que lhe interessa.
  • Compare suas áreas de interesse às dos potenciais supervisores.
  • Fale com professores que você conheça sobre seu campo de interesse e peça conselho sobre quem seria melhor capaz de orientar você.
  • Leia as publicações acadêmicas de seu potencial orientador para determinar se seu campo de pesquisa e seus métodos são coerentes com o assunto ou projeto que você está considerando. Leia também os trabalhos ou teses de estudantes que trabalharam sob sua direção.

Primeiro contado com o orientador

  • Envie uma carta ou um e-mail se apresentando ao eventual orientador. Se ele não responder à primeira, será que vai responder a outras no futuro, quando você necessitar mesmo elucidar alguma questão?
  • Saiba com clareza suas áreas de interesse e como elas correspondem com a pesquisa e a experiência do professor por quem você está interessado.
  • Incluir informações sobre sua formação acadêmica.
  • Nunca envie uma carta ou um eemail genérico, não é um caso de fazer uma circular para diversos “candidatos” a orientador!

Faça uma visita à instituição

  • Planeje uma visita à instituição e peça para conhecer potenciais orientadores; vá mais de uma vez: nem sempre eles estarão por lá, mas é necessário conhecer alguns.
  • Esteja bem preparado quando você for encontrar formalmente com um orientador potencial. Tenha à mão o máximo de informação possível sobre seu tema de trabalho. Faça uma lista de perguntas que quer fazer e os pontos que você gostaria de discutir durante sua entrevista com ele.
  • Peça para visitar o laboratório. Saiba mais sobre a pesquisa (laboratório e outras instalações) da infraestrutura de que dispõe o potencial orientador.
  • Conheça aluno(s) dele e os outros membros do laboratório sob a orientação de seu “candidato” potencial. Este processo é um aspecto importante da tomada de decisões no que diz respeito ao centro de pesquisa que combina com você: os outros orientandos dele serão seus colegas. Não se esqueça de se informar sobre o trabalho deles, pedir para ver dados – se possível, pedir-lhes para falar sobre seus projetos, interações no laboratório, etc.

Se você não pode ir a tais lugares

  • Peça uma entrevista por telefone.
  • Esteja bem preparado. Tenha à mão o máximo de informação possível sobre o seu tema de tese. Faça uma lista de perguntas que quer fazer e os pontos que você gostaria de discutir durante sua entrevista telefônica.
  • Saiba mais sobre as condições de pesquisa (laboratório e outras instalações) e da disponível para o orientador.
  • Considerar as dinâmicas de interação e traços de personalidade de ambos.

Após a reunião ou entrevista telefônica, pergunte-se:

• Quais seus interesses por este orientador? • Após a reunião, você acha que este professor tem uma abordagem (filosófica e teórica) bastante compatível para possível colaboração? Você pode se comunicar livremente com essa pessoa? • O laboratório combina com você? • Que tipo de apoio financeiro ou contratos estarão disponíveis? Alguns departamentos têm requisitos mínimos de financiamento.
• Você terá a oportunidade de participar em conferências, publicações? • Você concorda em como vai acontecer a sua colaboração em relação às expectativas de papéis e responsabilidades? • Como você pode encontrar com o orientador?
• Este professor orientador estará disponível durante toda a preparação e a redação da sua tese? É importante lembrar que a relação que você está prestes a começar é uma relação de reciprocidade e de média duração: alguns anos.

Postagens mais visitadas deste blog

Como escrever o resumo de sua tese ou dissertação

O resumo é parte necessária da apresentação final de uma tese, dissertação ou mesmo de um artigo. A versão final do resumo terá de ser escrita depois que você terminar de ler a sua tese para enviar ao revisor do texto. Um resumo prévio, escrito nas diferentes fases do seu trabalho vai ajudar você a ter uma versão curta de sua tese a cabeça. Isso vai conduzir seu pensamento sobre o que é que você está realmente sendo feito, vai ajudá-lo a ver a relevância do que você está trabalhando no momento dentro do quadro maior, e ajudar a manter os vínculos que acabarão por conferir unidade à tese (dissertação, TCC, artigo). Resumo é uma apresentação concisa dos pontos relevantes de um documento (NBR 6028:2003).  O que é um resumo? O resumo é um componente importante da tese. Apresentado no início da tese, é provável que seja a primeira descrição substantiva do trabalho a ser lida por um examinador ou qualquer outro leitor externo. Você deve vê-lo como oportunidade de definir as expectativas p…

Como escrever um texto acadêmico – aspectos gerais e específicos

Um texto científico ou acadêmico é um complexo trabalho dissertativo ou narrativo que tem características próprias sobre sua concepção, criação e apresentação. Bons textos científicos acrescentam conhecimento mesmo quando levantam novas dúvidas, novos problemas ou novas abordagens sobre uma questão, permitindo que leitores encontrem realidade e humanidade em palavras que foram completamente estruturadas para apresentar ou discutir um enfoque específico de um tema. Não importa qual tipo de texto você queira ou necessite escrever – pode ser uma tese de livre-docência, de doutorado, uma dissertação, monografia, um artigo científico, relatório – você precisará de disciplina, energia criativa e de dedicação para a pesquisa, criação, revisão e edição do texto. Apresentamos algumas sugestões para contribuir na redação.
Antes de começar a escrever um texto acadêmico, considere: problema, tema, abordagem Tenha claro para si o tipo de texto que vai escrever e o público a que ele se destina. Ne…

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações.Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos, apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências. Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.
Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a quase totalidade dos autores brasileiros não faz uso de nenhum desses programas e nem sequer sabe que o próprio editor de textos mais comum faz o …

A tese: material e métodos, resultados e conclusão, estilo e referências

A escrita da tese segue parâmetros distintos nas seções específicas do texto, guardando unidade de estilo e coerência entre todos os segmentos do trabalho. Material e métodos Nesta seção o autor deve explicar claramente como o experimento foi realizado, e como foi realizada a análise estatística dos dados, podendo também utilizar as sugestões indicadas para escrever a introdução e buscando garantir que: a.Os leitores possam compreender e avaliar o experimento do trabalho e o tema da tese;
b.Outros pesquisadores possam utilizar o estudo independente para verificar os resultados do mesmo ou de outros contextos e produções. Algumas dicas úteis para escrita da fase “material e métodos” são descritas a seguir:
1)Mencionar a data e o local onde foi realizada a prova experimental, especificando as coordenadas geográficas e/ou as características físicas e biológicas relevantes.
2)Descrever o plano experimental, incluindo os tratamentos aplicados, o número de repetições, a unidade experimenta…

O gênero de discurso acadêmico-científico

O gênero acadêmico-científico, baseado na semântica linguística, na descrição de um sentido linguístico. Todas as esferas da atividade humana estão sempre relacionadas à língua. O uso da língua se dá em forma de enunciados (orais e escritos), concretos e únicos, emanados integrantes da atividade humana. O enunciado mostra as condições específicas e as finalidades de cada uma dessas esferas: conteúdo temático, estilo verbal e construção composicional. Esses três elementos convergem para o todo do enunciado e todos eles são marcados pela especificidade de uma esfera de comunicação. Vê-se, então, que qualquer enunciado considerado isoladamente, é individual, mas cada esfera de utilização da língua elabora seus tipos relativamente estáveis de enunciados, que são os gêneros do discurso. Cada esfera dessa atividade se diferencia e se amplia à medida que a própria esfera se desenvolve e fica mais complexa. A partir das três características que formam um gênero, condições específicas, estilo …