Pular para o conteúdo principal

Revisão de texto, coautoria e cooperação pragmáticas

A revisão de texto é campo de pesquisa em plena revitalização, agora como atividade de volta ao texto, envolvida em todas as tarefas e em todas as fases, da produção à impressão.

Essa atividade envolve agora diferentes saberes, de acordo com a estratégia de avaliação e interferência utilizada, requer um investimento e custo variável mas sempre significativo, conforme o contexto da revisão, o destinatário e o tipo de texto. Mas a revisão sempre melhora a forma e o conteúdo semântico do texto como produto, inclusive para o mercado.
Os revisores recorrem a amplo material bibliográfico em seu ofício.
Os recursos e as ações do revisor de
textos requerem cada vez mais
investimento cognitivo.
A abordagem cognitiva e interdisciplinar para a revisão difere de outras abordagens exclusivamente linguísticas, de acordo com o conhecimento e os diferentes pontos de vista do revisor. A análise dessas diferentes perspectivas, tendo em conta os contextos da revisão, enriquece o quadro teóricos e o modelo de revisão se torna mais operacional, qualquer que sejam o contexto da tarefa, o escritor e o destinatário do texto.

Abordagem multidisciplinar da revisão de textos

A abordagem estritamente linguística da revisão consiste essencialmente em versões sucessivas de um texto, segundo as várias etapas de correções feitas para melhorá-lo. No entanto, o trabalho do revisor contemporâneo (e atualizado) enfatiza todos os processos cognitivos envolvidos nas atividades de composição, revisão, reprocessamento e reescrita. Para o escritor, basicamente, a revisão visa detectar alterações entre o texto produzido, padrões de linguagem e as próprias intenções comunicacionais, o primeiro campo é mais textual e o segundo amplamente contextual. Em termos da análise da atividade de controle e avaliação do texto como produto, as duas abordagens são complementares. A abordagem linguística propicia mudanças dos diferentes níveis do texto afetado pela revisão. A abordagem interdisciplinar tem como objetivo as diversas fases da textualização, as características dos fatores relacionados aos autores e revisores ou peritos em contexto e faz generalizações sobre os processos cognitivos envolvidos na revisão, o que é essencial para a concepção cognitiva de revisão e para o controle da produção literária ou científica.
Os diferentes níveis do texto a ser revisado, com base nas principais fases de tratamento, são: a) superfície textual (palavras, frases), b) microestrutura (semântica, coesão), macroestrutura (coerência interna e externa e demais constituintes do sentido geral do texto e medidas subjetivas referentes ao significado geral). Esses níveis se aplicam a textos narrativos para avaliar a legibilidade textual a partir da perspectiva do leitor; perspectiva adotada pelo perito quando ele está interessado em "compreensão" por parte do destinatário final. Segundo tal método, o sentimento mais forte de qualidade está relacionado à coerência pragmática do texto produzido. Revisores novatos (ou tradicionalistas) analisam os níveis de superfície, principalmente textuais ou locais (microestrutura), e devem aprender a intervir no texto no nível semântico (macroestrutura), que consiste em fazer revisão alcançar estrutura e substância de todo o texto compreensivamente, tendo em vista a inclusão de variáveis extratextuais.
É na interação destes níveis que se dá o processamento e reprocessamento dos campos cognitivos. O estudo linguístico dos índices de coesão textual (estrutura, conectores ...) permite ao revisor a fazer suposições sobre as atividades de construção da consistência da representação subjacente ao texto e, assim, melhor compreender a consistência na questão da representatividade textual. Intervenções pragmáticas levam em conta autor e texto em todas as suas dimensões, assim como o esperado do texto como efeito no destinatário. O texto terá sido, então, concebido e revisado como meio para produzir inferências. De fato, o leitor, tratando do significado do enunciado, também vai inferir o sentido pretendido e o conhecimento do escritor sobre o tópico. O código de linguagem, para realmente funcionar, requer um conhecimento mútuo, posta a ideia de que toda a informação é contextual e faz parte do conhecimento do escritor e experiência do leitor. Esta visão revela a necessidade de se ter em conta as características culturais e linguísticas do autor ao revisar e o revisor deve ser coerente com a posição construtivista que fornece a base para a produção textual cognitiva e revisão em contexto interdisciplinar e multicultural.
Segundo essa visão, o termo "revisão" se refere ao resultado do trabalho do autor, do revisor, do orientador, do editor e dos diferentes procedimentos que fazem do texto um produto, seja um livro ou uma tese. Nesse modelo, os processos de escrita e controle, consistem em dois subprocessos, correção (leitura) da primeira versão e edição (revisão, reescrita, autorrevisão...) e pode ser definido em termos de estratégias elegíveis. A revisão, assim posta, consiste em três tarefas: detecção, identificação e modificação da parte do texto considerado pelo escritor como passível de aperfeiçoamento. Essa revisão de texto exige do escritor a capacidade de recuar de seu primeiro escrito. Esta capacidade está ligada à descentralização do controle do escritor para a revisão.
Assim, aos escritores novatos, a edição de texto aparece, na maioria das vezes, como uma série de correções formais resultantes processos de superfície e de baixo custo cognitivo. A revisão semântica mais complexa e opaca, devido à conveniência de ter em conta a necessidade de esclarecimento do leitor, acomoda menos facilmente a atividade mental reflexiva e solitária. Portanto, trocas ocorrem durante a atividade de revisão colaborativa que ajuda a desenvolver no escritor a capacidade de descentralizar e melhorar a qualidade do texto.

Colaboração e controle na revisão

Em situações em que o processo de controle da escrita pela revisão não está completamente assimilado, desde nas editoras às universidades, a coedição, ou seja, a revisão por dois ou mais revisores no mesmo texto, cria uma situação de comunicação em que surgem pedidos de esclarecimento entre a revisão e os autores, muito em função dos questionamentos entrepostos entre os próprios revisores, que recorrem ao autor reinserindo-o na etapa produtiva. Esses pedidos recorrentes alcançam tratamentos de superfície e variáveis de processamento semântico cognitivo, dependendo do nível de competência dos escritores. A coedição de texto que permite a comparação dos pontos de vista diferentes daquelas do escritor, e entre revisores, encoraja o distanciamento necessário aos leitores para qualquer atividade de avaliação racional. Ele permite a implementação de atividades de leitura profunda, compreensão crítica e mais eficazes estratégias no reprocessamento do escrito em toda sua complexidade sintática e semântica. Todavia, o destinatário real, o leitor final – ou o mercado – é que será capaz de julgar a qualidade do texto.
A melhor revisão de textos não pode ser barata.
Leia também:
Processos de controle
e revisão da escrita
A revisão exige não apenas conhecimento do campo evocado pelo texto e os conhecimentos linguísticos e textuais, mas também o conhecimento metalinguístico. Ora, estes conhecimentos metalinguísticos envolvem a capacidade de exercer controle consciente sobre a própria escrita e tendo em conta o contexto de produção: o destinatário, o tipo de texto e a questão da produção. Na situação de coautoria, é necessário haver afinidade pelo trabalho colaborativo. Na coautoria se presta assistência mútua na implementação das três operações principais propostas: a identificação do problema, a decisão de fazer uma mudança e implementação dessa mudança. Ela estabelece uma partilha de tarefas e torna mais fácil a análise e consideração da diferença entre o texto desejado e do texto escrito pelo autor.
A retroalimentação do revisor permite o controle de qualidade por estar mais distanciada do produto que o autor. Ela permite a detecção de zonas de inferências implícitas do texto, ditas "lacunas semânticas", que impedem a compreensão, para torná-las mais claras, explícitas. O editor e revisor atuam como especialistas em colaboração com o autor, como parte de uma cooperação essencialmente pragmática que visa melhorar o texto para facilitar a leitura, o entendimento explícito.
Adaptado de Marin & Legros.

Postagens mais visitadas deste blog

Como escrever o resumo de sua tese ou dissertação

Melhore o resumo de sua tese ou dissertação.O resumo é parte necessária da apresentação final de uma tese, dissertação ou mesmo de um artigo.A versão final do resumo terá de ser escrita depois que você terminar de ler a sua tese para enviar ao revisor do texto.Um resumo prévio, escrito nas diferentes fases do seu trabalho vai ajudar você a ter uma versão curta de sua tese a cabeça. Isso vai conduzir seu pensamento sobre o que é que você está realmente sendo feito, vai ajudá-lo a ver a relevância do que você está trabalhando no momento dentro do quadro maior, e ajudar a manter os vínculos que acabarão por conferir unidade à tese (dissertação, TCC, artigo). O que é um resumo?O resumo é um componente importante da tese. Apresentado no início da tese, é provável que seja a primeira descrição substantiva do trabalho a ser lida por um examinador ou qualquer outro leitor externo. Você deve vê-lo como oportunidade de definir as expectativas precisas do leitor a que seu texto atenderá. O resumo …

Normas básicas de digitação

Vale a pena digitar corretamente.A digitação correta é uma prática em desuso. Quase ninguém mais se preocupa com conceitos básicos da datilografia que foram transposto à digitação.Entretanto, formatar uma tese ou dissertação é infinitamente mais complexo que saber digitar num processador de textos. Nada dispensa a boa revisão. Aqui estão alguns problemas que sempre identificamos nas digitações problemáticas:A lacuna que separa os elementos gráficos (por exemplo, entre duas palavras) deve ser feita por um e apenas um espaço.O recuo do parágrafo, o alinhamento recuado das citações ou das tabelas etc. devem ser feitos por tabulação (ou então pelo recurso de estilo ou modelo, dos programas de edição de texto do computador).Não há espaço antes da pontuação (ponto, ponto-e-vírgula, vírgula, dois pontos).Há um espaço (e apenas um) depois da pontuação (ponto, ponto-e-vírgula, vírgula, dois pontos), a não ser na pontuação empregada nos numerais.Não há espaço depois do parêntese que abre nem ant…

Como escrever um texto acadêmico - as melhores dicas!

Aspectos gerais e específicos do texto acadêmicoUm texto científico ou acadêmico é um complexo trabalho dissertativo ou narrativo que tem características próprias sobre sua concepção, criação e apresentação.  Bons textos científicos acrescentam conhecimento mesmo quando levantam novas dúvidas, novos problemas ou novas abordagens sobre uma questão, permitindo que leitores encontrem realidade e humanidade em palavras que foram completamente estruturadas para apresentar ou discutir um enfoque específico de um tema. Não importa qual tipo de texto você queira ou necessite escrever – pode ser uma tese de livre-docência, de doutorado, uma dissertação, monografia, um artigo científico, relatório – você precisará de disciplina, energia criativa e de dedicação para a pesquisa, criação, revisão e edição do texto. Apresentamos algumas sugestões para contribuir na redação.
Antes de começar a escrever um texto acadêmico, considere: problema, tema, abordagem Tenha claro para si o tipo de texto que vai…

Quinze dicas para a hora de defender a tese

Defesa de tese ou dissertação: hora H!Depois de ter concluído a tese, é essencial que o aluno se prepare para a apresentação oral do trabalho.  Um excelente texto não garante que a exposição na etapa final seja boa e, se o aluno não apresentar a tese de forma satisfatória, os examinadores podem subestimá-la ou até mesmo duvidar da preparação científica do candidato.Geralmente a apresentação oral da tese é geralmente é feita por meio de slides em Powerpoint ® (ou software similar) contendo texto, figuras, tabelas, desenhos e fotografias. Bons slides não são tudo. O aluno deve estar preparado e conhecer ponta a ponta o conteúdo, coordenando bem a apresentação conforme explica os slides e se comportando de forma adequada durante essa etapa do trabalho. Abaixo apresentamos algumas dicas, tanto referentes à formatação e estilo da apresentação de slides, como à discussão da tese – aplicáveis a muitos contextos, como um concurso, entrevista de emprego ou uma apresentação de negócios. É necessá…

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância?Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações?Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português?Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem, mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno, da UnB, John Robert Schmitz, da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco, da UFPR.  (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimologia e da ignorância…