Pular para o conteúdo principal

Revisão de texto, coautoria e cooperação pragmáticas

A revisão de texto é campo de pesquisa em plena revitalização, agora como atividade de volta ao texto, envolvida em todas as tarefas e em todas as fases, da produção à impressão.

Essa atividade envolve agora diferentes saberes, de acordo com a estratégia de avaliação e interferência utilizada, requer um investimento e custo variável mas sempre significativo, conforme o contexto da revisão, o destinatário e o tipo de texto. Mas a revisão sempre melhora a forma e o conteúdo semântico do texto como produto, inclusive para o mercado.
Os revisores recorrem a amplo material bibliográfico em seu ofício.
Os recursos e as ações do revisor de
textos requerem cada vez mais
investimento cognitivo.
A abordagem cognitiva e interdisciplinar para a revisão difere de outras abordagens exclusivamente linguísticas, de acordo com o conhecimento e os diferentes pontos de vista do revisor. A análise dessas diferentes perspectivas, tendo em conta os contextos da revisão, enriquece o quadro teóricos e o modelo de revisão se torna mais operacional, qualquer que sejam o contexto da tarefa, o escritor e o destinatário do texto.

Abordagem multidisciplinar da revisão de textos

A abordagem estritamente linguística da revisão consiste essencialmente em versões sucessivas de um texto, segundo as várias etapas de correções feitas para melhorá-lo. No entanto, o trabalho do revisor contemporâneo (e atualizado) enfatiza todos os processos cognitivos envolvidos nas atividades de composição, revisão, reprocessamento e reescrita. Para o escritor, basicamente, a revisão visa detectar alterações entre o texto produzido, padrões de linguagem e as próprias intenções comunicacionais, o primeiro campo é mais textual e o segundo amplamente contextual. Em termos da análise da atividade de controle e avaliação do texto como produto, as duas abordagens são complementares. A abordagem linguística propicia mudanças dos diferentes níveis do texto afetado pela revisão. A abordagem interdisciplinar tem como objetivo as diversas fases da textualização, as características dos fatores relacionados aos autores e revisores ou peritos em contexto e faz generalizações sobre os processos cognitivos envolvidos na revisão, o que é essencial para a concepção cognitiva de revisão e para o controle da produção literária ou científica.
Os diferentes níveis do texto a ser revisado, com base nas principais fases de tratamento, são: a) superfície textual (palavras, frases), b) microestrutura (semântica, coesão), macroestrutura (coerência interna e externa e demais constituintes do sentido geral do texto e medidas subjetivas referentes ao significado geral). Esses níveis se aplicam a textos narrativos para avaliar a legibilidade textual a partir da perspectiva do leitor; perspectiva adotada pelo perito quando ele está interessado em "compreensão" por parte do destinatário final. Segundo tal método, o sentimento mais forte de qualidade está relacionado à coerência pragmática do texto produzido. Revisores novatos (ou tradicionalistas) analisam os níveis de superfície, principalmente textuais ou locais (microestrutura), e devem aprender a intervir no texto no nível semântico (macroestrutura), que consiste em fazer revisão alcançar estrutura e substância de todo o texto compreensivamente, tendo em vista a inclusão de variáveis extratextuais.
É na interação destes níveis que se dá o processamento e reprocessamento dos campos cognitivos. O estudo linguístico dos índices de coesão textual (estrutura, conectores ...) permite ao revisor a fazer suposições sobre as atividades de construção da consistência da representação subjacente ao texto e, assim, melhor compreender a consistência na questão da representatividade textual. Intervenções pragmáticas levam em conta autor e texto em todas as suas dimensões, assim como o esperado do texto como efeito no destinatário. O texto terá sido, então, concebido e revisado como meio para produzir inferências. De fato, o leitor, tratando do significado do enunciado, também vai inferir o sentido pretendido e o conhecimento do escritor sobre o tópico. O código de linguagem, para realmente funcionar, requer um conhecimento mútuo, posta a ideia de que toda a informação é contextual e faz parte do conhecimento do escritor e experiência do leitor. Esta visão revela a necessidade de se ter em conta as características culturais e linguísticas do autor ao revisar e o revisor deve ser coerente com a posição construtivista que fornece a base para a produção textual cognitiva e revisão em contexto interdisciplinar e multicultural.
Segundo essa visão, o termo "revisão" se refere ao resultado do trabalho do autor, do revisor, do orientador, do editor e dos diferentes procedimentos que fazem do texto um produto, seja um livro ou uma tese. Nesse modelo, os processos de escrita e controle, consistem em dois subprocessos, correção (leitura) da primeira versão e edição (revisão, reescrita, autorrevisão...) e pode ser definido em termos de estratégias elegíveis. A revisão, assim posta, consiste em três tarefas: detecção, identificação e modificação da parte do texto considerado pelo escritor como passível de aperfeiçoamento. Essa revisão de texto exige do escritor a capacidade de recuar de seu primeiro escrito. Esta capacidade está ligada à descentralização do controle do escritor para a revisão.
Assim, aos escritores novatos, a edição de texto aparece, na maioria das vezes, como uma série de correções formais resultantes processos de superfície e de baixo custo cognitivo. A revisão semântica mais complexa e opaca, devido à conveniência de ter em conta a necessidade de esclarecimento do leitor, acomoda menos facilmente a atividade mental reflexiva e solitária. Portanto, trocas ocorrem durante a atividade de revisão colaborativa que ajuda a desenvolver no escritor a capacidade de descentralizar e melhorar a qualidade do texto.

Colaboração e controle na revisão

Em situações em que o processo de controle da escrita pela revisão não está completamente assimilado, desde nas editoras às universidades, a coedição, ou seja, a revisão por dois ou mais revisores no mesmo texto, cria uma situação de comunicação em que surgem pedidos de esclarecimento entre a revisão e os autores, muito em função dos questionamentos entrepostos entre os próprios revisores, que recorrem ao autor reinserindo-o na etapa produtiva. Esses pedidos recorrentes alcançam tratamentos de superfície e variáveis de processamento semântico cognitivo, dependendo do nível de competência dos escritores. A coedição de texto que permite a comparação dos pontos de vista diferentes daquelas do escritor, e entre revisores, encoraja o distanciamento necessário aos leitores para qualquer atividade de avaliação racional. Ele permite a implementação de atividades de leitura profunda, compreensão crítica e mais eficazes estratégias no reprocessamento do escrito em toda sua complexidade sintática e semântica. Todavia, o destinatário real, o leitor final – ou o mercado – é que será capaz de julgar a qualidade do texto.
A melhor revisão de textos não pode ser barata.
Leia também:
Processos de controle
e revisão da escrita
A revisão exige não apenas conhecimento do campo evocado pelo texto e os conhecimentos linguísticos e textuais, mas também o conhecimento metalinguístico. Ora, estes conhecimentos metalinguísticos envolvem a capacidade de exercer controle consciente sobre a própria escrita e tendo em conta o contexto de produção: o destinatário, o tipo de texto e a questão da produção. Na situação de coautoria, é necessário haver afinidade pelo trabalho colaborativo. Na coautoria se presta assistência mútua na implementação das três operações principais propostas: a identificação do problema, a decisão de fazer uma mudança e implementação dessa mudança. Ela estabelece uma partilha de tarefas e torna mais fácil a análise e consideração da diferença entre o texto desejado e do texto escrito pelo autor.
A retroalimentação do revisor permite o controle de qualidade por estar mais distanciada do produto que o autor. Ela permite a detecção de zonas de inferências implícitas do texto, ditas "lacunas semânticas", que impedem a compreensão, para torná-las mais claras, explícitas. O editor e revisor atuam como especialistas em colaboração com o autor, como parte de uma cooperação essencialmente pragmática que visa melhorar o texto para facilitar a leitura, o entendimento explícito.
Adaptado de Marin & Legros.

Postagens mais visitadas deste blog

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância? Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações ? Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português? Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem , mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno , da UnB , John Robert Schmitz , da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco , da UFPR .   (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimol

Como escrever títulos atraentes em poucos passos: do artigo à tese

Como aumentar o número de leituras de seu artigo? Você gostaria que sua tese ou dissertação fosse muito lida e citada ao invés de ignorada? Claro, qualquer autor deseja isso! Acontece que, atualmente o número textos acadêmicos que encontramos em qualquer pesquisa é muito grande, enorme. A concorrência entre todos os autores, na busca pelo leitor, não tem tamanho. Claro que o mais importante sempre vai ser a qualidade do trabalho, e clareza das ideias e um texto bem limpo, mas o título tem que ser um ponto de destaque também! E existem técnicas para títulos atrativos , que fujam do enfadonho jargão acadêmico e que transmitam a mesma ideia com uma linguagem mais moderna e atraente; veja um exemplo de título à antiga – que eu jamais adotaria – para esta postagem: Questões de legibilidade, ergonomia visual e empatia em títulos de teses, dissertações e artigos acadêmicos: uma discussão propositiva de aplicação da técnica AIDA. Convenhamos, dá até preguiça de ler até o fim, mas você certame

Método científico ou experimental – a pesquisa e a redação

O método científico é a base da pesquisa. Nos tempos antigos o homem tentou explicar fenômenos naturais, mas tudo se atribuía à ação das divindades, ou à bruxaria e magia. Com Galileo Galilei (1564-1642), foi introduzido o método experimental ( método científico ): ele se baseia em uma primeira observação, seguida de um experimento, desenvolvido de forma controlada, para que nós possamos reproduzir o problema que se deseja investigar. O experimento visa validar ou refutar a hipótese de que o cientista formulou, que visa explicar os mecanismos de funcionamento de determinado evento. Revise seus textos na Keimelion: nossa experiência no ramo é desde o século passado! No primeiro caso (validação da hipótese) prossegue-se com a execução de grande número de experimentos, para que os resultados obtidos sejam confiáveis (análise estatística): os dados coletados são processados e em seguida, formula-se uma teoria: ela é usada, muitas vezes em conjunto com outras teorias para a formulação de um