Pular para o conteúdo principal

Ter a ver ou ter a haver?

Na revisão de textos científicos, deparamo-nos com uma série de lapsos e outra de dúvidas dos autores sobre questões simples. Expressões da linguagem oral, registradas das entrevistas, devem ser transcritas com cuidado. Ter a ver ou ter a haver é um desses casos.

Essas expressões – populares e da linguagem falada – registradas muitas vezes incorretamente, prejudicam quem não as conhece da maneira correta e deixa de cabelos em pé quem conhece bem e presencia tal erro de grafia. Refiro-me às expressões “ter a ver” ou “ter a haver”, tão correntes na boca do povo e com frequência corrigidas pelos bons revisores de plantão.
É necessária muita atenção a palavras parônimas.
Não tem nada a ver entregar uma tese
para defesa sem revisar o texto.
Uma só letra, neste caso o “h”, faz uma imensa diferença de significado em uma oração, e por menor que seja, desencadeia uma série de equívocos semânticos. O problema acontece geralmente porque “haver” e “a ver” são parônimas (têm sentido diferente, mas formas semelhantes) e, além desse pormenor, são homófonas, ao passo que produzem praticamente o mesmo som!
Antigamente a expressão “ter a ver” era constituída pela preposição “que” ao invés da preposição “a”, formando a expressão “ter que ver”, diferença essa que não provocava a atual semelhança e consequentemente o erro. Provavelmente incorporamos a maneira francesa de se falar, talvez um caso de eufonia, buscando deixar o som mais “agradável” para os falantes.
Vamos então esclarecer de uma vez a confusão:
  • A expressão ter a ver, usada também na forma negativa como “não ter nada a ver”, vem seguida pela preposição “com” e é usada no sentido de “ter relação com”. 
  • A expressão ter a haver tem sentido de “ter a receber”, ter algo como crédito. A expressão ter haveres, por sua vez, significa ter bens, riquezas, crédito.
Portanto, a expressão “não ter nada haver” é incorreta. Devemos empregar a expressão “não tem nada a ver” sempre que quisermos referir que algo não está relacionado e não diz respeito a alguma coisa, não ser do interesse de. Porém, se o uso fizer referência a um crédito, o uso indicado é o “ter a haver” no sentido de ter algo a receber e, claro, sempre com a preposição “a” e nunca sem ela ou com a preposição “em”.
Nós temos muito a haver com nossos clientes, pois já efetuamos todas as entregas. (adequado)
Marta não tem nada a haver. (adequado, usado no sentido de “não ter nada a receber”)
Eu tenho uma quantia em haver com você. (inadequado)
Agora voltemos à expressão “ter a ver”, que faz parte da confusão, de uso muito frequente no cotidiano das pessoas e que, portanto, deve ser esclarecida quanto à maneira adequada de escrevê-la, pois é algo simples de se memorizar e, além disso, é um tipo de erro que de maneira nenhuma será admitido em textos sérios como teses, dissertações e trabalhos acadêmicos em geral! Observe alguns exemplos do caso: 
Menino, o que você tem a ver com os problemas alheios? (adequado)
Márcia não teve nada a ver com o acidente no trabalho. (adequado)
Logo percebi que este assunto tinha tudo a ver com minha família. (adequado)
Todo problema na escola tem sempre a ver com você! (adequado)
Isso não tem nada a ver com minha ideologia de vida. (adequado)
Não dê ouvidos, o que ele diz não tem nada haver. (inadequado)
Mas, agora, preste atenção! Na língua portuguesa, podemos encontrar a forma “nada haver”, não constituindo uma expressão com significado fixo, mas a união do advérbio nada + verbo haver. Seguem os exemplos:
Por nada haver para fazer, decidi passear com o meu cachorro.
Acabei não escolhendo por ele nada haver dito sobre a sua preferência.
Para o exercício de física tem que haver somente uma solução.
Fique sempre de olho e busque evitar gafes como essa! Mas caso queira ter certeza da qualidade de um texto, um bom revisor sempre ajudará a eliminar situações e erros do tipo, muitas vezes não identificados por quem o redige.
Por Gustavo Mani.

Postagens mais visitadas deste blog

Como escrever o resumo de sua tese ou dissertação

O resumo é parte necessária da apresentação final de uma tese, dissertação ou mesmo de um artigo. A versão final do resumo terá de ser escrita depois que você terminar de ler a sua tese para enviar ao revisor do texto. Um resumo prévio, escrito nas diferentes fases do seu trabalho vai ajudar você a ter uma versão curta de sua tese a cabeça. Isso vai conduzir seu pensamento sobre o que é que você está realmente sendo feito, vai ajudá-lo a ver a relevância do que você está trabalhando no momento dentro do quadro maior, e ajudar a manter os vínculos que acabarão por conferir unidade à tese (dissertação, TCC, artigo). Resumo é uma apresentação concisa dos pontos relevantes de um documento (NBR 6028:2003).  O que é um resumo? O resumo é um componente importante da tese. Apresentado no início da tese, é provável que seja a primeira descrição substantiva do trabalho a ser lida por um examinador ou qualquer outro leitor externo. Você deve vê-lo como oportunidade de definir as expectativas p…

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações.Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos, apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências. Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.
Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a quase totalidade dos autores brasileiros não faz uso de nenhum desses programas e nem sequer sabe que o próprio editor de textos mais comum faz o …

Como escrever um texto acadêmico – aspectos gerais e específicos

Um texto científico ou acadêmico é um complexo trabalho dissertativo ou narrativo que tem características próprias sobre sua concepção, criação e apresentação. Bons textos científicos acrescentam conhecimento mesmo quando levantam novas dúvidas, novos problemas ou novas abordagens sobre uma questão, permitindo que leitores encontrem realidade e humanidade em palavras que foram completamente estruturadas para apresentar ou discutir um enfoque específico de um tema. Não importa qual tipo de texto você queira ou necessite escrever – pode ser uma tese de livre-docência, de doutorado, uma dissertação, monografia, um artigo científico, relatório – você precisará de disciplina, energia criativa e de dedicação para a pesquisa, criação, revisão e edição do texto. Apresentamos algumas sugestões para contribuir na redação.
Antes de começar a escrever um texto acadêmico, considere: problema, tema, abordagem Tenha claro para si o tipo de texto que vai escrever e o público a que ele se destina. Ne…

A tese: material e métodos, resultados e conclusão, estilo e referências

A escrita da tese segue parâmetros distintos nas seções específicas do texto, guardando unidade de estilo e coerência entre todos os segmentos do trabalho. Material e métodos Nesta seção o autor deve explicar claramente como o experimento foi realizado, e como foi realizada a análise estatística dos dados, podendo também utilizar as sugestões indicadas para escrever a introdução e buscando garantir que: a.Os leitores possam compreender e avaliar o experimento do trabalho e o tema da tese;
b.Outros pesquisadores possam utilizar o estudo independente para verificar os resultados do mesmo ou de outros contextos e produções. Algumas dicas úteis para escrita da fase “material e métodos” são descritas a seguir:
1)Mencionar a data e o local onde foi realizada a prova experimental, especificando as coordenadas geográficas e/ou as características físicas e biológicas relevantes.
2)Descrever o plano experimental, incluindo os tratamentos aplicados, o número de repetições, a unidade experimenta…

O gênero de discurso acadêmico-científico

O gênero acadêmico-científico, baseado na semântica linguística, na descrição de um sentido linguístico. Todas as esferas da atividade humana estão sempre relacionadas à língua. O uso da língua se dá em forma de enunciados (orais e escritos), concretos e únicos, emanados integrantes da atividade humana. O enunciado mostra as condições específicas e as finalidades de cada uma dessas esferas: conteúdo temático, estilo verbal e construção composicional. Esses três elementos convergem para o todo do enunciado e todos eles são marcados pela especificidade de uma esfera de comunicação. Vê-se, então, que qualquer enunciado considerado isoladamente, é individual, mas cada esfera de utilização da língua elabora seus tipos relativamente estáveis de enunciados, que são os gêneros do discurso. Cada esfera dessa atividade se diferencia e se amplia à medida que a própria esfera se desenvolve e fica mais complexa. A partir das três características que formam um gênero, condições específicas, estilo …