Pular para o conteúdo principal

Meio ou meia?

Questões simples da linguagem cotidiana podem perdurar gerando dúvida ou equívoco até mesmo em textos de pós-graduação. Você tem certeza de que emprega sempre certo as palavras meio e meia?

Dizem que o povo aqui em nosso país costuma ser bem expressivo, tanto ao falar como pelo hábito de gesticular enquanto fala. Assim, podemos dizer que o uso do advérbio aqui é muito frequente nos textos falados e escritos, a fim de intensificar a mensagem. Por isso, é comum o uso da palavra “meio” quando queremos intensificar um termo ou nos referir a uma ideia de fração. A palavra “meio”, então, pode se comportar como advérbio de intensidade e também como numeral fracionário.
Primeiramente, uma breve revisão:
Revisores de textos colaboram em teses e dissertações bem escritas.
Qualquer ilustração pode conter
meias imagens e elas pode estar
meio tortas.
  • Classe gramatical variável: são as palavras que permitem variação. O substantivo, adjetivo, numeral e pronome, por exemplo, admitem variação de gênero e número. Já nos verbos, ocorrem variações de modo, tempo, número e pessoa.
  • Classe gramatical invariável: Não permite variação. São exemplos dessa classe a preposição, a conjunção e a interjeição.

Portanto, o “meio”, quando se trata de advérbio, é invariável. Assim, se for advérbio, sempre será MEIO, pois não varia. No entanto, se usamos o termo buscando expressar um adjetivo numeral, é variável e passível de alterações conforme a concordância.
Veja só os exemplos:
Quando usado como advérbio de intensidade:
João está com problemas, por isso parecia meio irritado.
Eu estava meio entediado, então decidi mudar a minha rotina. 
Marina ficou meia triste com o cancelamento da sua festa de aniversário. 
Quando usado como numeral fracionário:
Bebi meio copo de suco de laranja antes de almoçar.
A dissertação do aluno ocupou apenas meia folha.
Pode parecer tudo “bem” à primeira vista, mas se você estiver um pouco mais atento perceberá que na terceira frase do primeiro bloco acima o advérbio é usado incorretamente. Marina, afinal, ficou meia triste ou meio triste? Podemos concordar o advérbio de intensidade ao adjetivo feminino, quando presente? Como vimos anteriormente, não.
Nesse caso, o advérbio de intensidade sempre deverá ser vinculado a um adjetivo e jamais sofrerá variação. No uso mencionado acima, meio será sempre meio, nunca meia. Só será permitida a variação indicar um numeral fracionário. Você pode dizer que comeu meia panqueca, que deu meia volta, mas nunca que está meia desconfiada ou meia triste. Ao menos, claro, que você tenha uma meia com sentimentos, aquela meia, de calçar nos pés. São equívocos inadmissíveis em uma tese e que algumas vezes passam despercebidas pelos autores, ficando a correção sob a responsabilidade do revisor, que fará uma leitura atenta e técnica, eliminando coisas desse tipo.
Uma boa maneira de eliminar a dúvida é substituindo a palavra em questão por outros advérbios, como “muito” ou “mais ou menos”. Se estes couberem na oração, o termo correto a se usar na frase é realmente o advérbio “meio”. Se não, trata-se de um numeral e pode sofrer variação de gênero.
1.  Catarina ficou meio triste com o cancelamento da viagem de férias. (adequado)
      Catarina ficou muito triste com o cancelamento da viagem de férias. (adequado)
2. Queria escrever apenas meio texto, mas acabei por escrevê-lo inteiro. (adequado)
       Queria escrever apenas mais ou menos texto, mas acabei por escrevê-lo inteiro. (inadequado)
Aplicando a substituição na frase 2, portanto, observamos que o “meio” citado trata-se de um numeral, e não de um advérbio. Assim, na frase 2, “meio” poderia ser substituído por “metade”, sem alteração de significado:
Queria escrever apenas metade do texto, mas acabei por escrevê-lo inteiro. (adequado)
A expressão “meio” ora se comporta como adjetivo, ora como advérbio. Quando assumem o papel de adjetivos, concordam com o substantivo a que se referem.
Há também muita confusão ao se empregar a palavra meio em sentenças que indicam período de tempo. Muitas vezes ouvimos a expressão “meio-dia e meio”, se tratando de hora. Porém, estamos querendo dizer que se trata de metade do dia mais meia hora, então o correto seria “meio-dia e meia”. Entretanto, por influência do gênero masculino de “meio-dia”, o erro é cometido frequentemente.  É comum ouvirmos “meio-dia e meio”. Contudo, isso significará, literalmente, “meio-dia mais metade de um dia”.
Quem redige um texto sério deve seguir a norma culta, utilizando concordando cada classe gramatical da forma correta para evitar um julgamento negativo da parte do leitor. Vão então mais alguns exemplos sobre o assunto:
As frases mais simples podem até não suscitar dúvida.
Mas quando a dúvida não surgir para o autor, ela será sanada pelo revisor.
Por Gustavo Mani.

Postagens mais visitadas deste blog

Como escrever o resumo de sua tese ou dissertação

O resumo é parte necessária da apresentação final de uma tese, dissertação ou mesmo de um artigo. A versão final do resumo terá de ser escrita depois que você terminar de ler a sua tese para enviar ao revisor do texto. Um resumo prévio, escrito nas diferentes fases do seu trabalho vai ajudar você a ter uma versão curta de sua tese a cabeça. Isso vai conduzir seu pensamento sobre o que é que você está realmente sendo feito, vai ajudá-lo a ver a relevância do que você está trabalhando no momento dentro do quadro maior, e ajudar a manter os vínculos que acabarão por conferir unidade à tese (dissertação, TCC, artigo). Resumo é uma apresentação concisa dos pontos relevantes de um documento (NBR 6028:2003).  O que é um resumo? O resumo é um componente importante da tese. Apresentado no início da tese, é provável que seja a primeira descrição substantiva do trabalho a ser lida por um examinador ou qualquer outro leitor externo. Você deve vê-lo como oportunidade de definir as expectativas p…

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações.Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos, apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências. Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.
Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a quase totalidade dos autores brasileiros não faz uso de nenhum desses programas e nem sequer sabe que o próprio editor de textos mais comum faz o …

Como escrever um texto acadêmico – aspectos gerais e específicos

Um texto científico ou acadêmico é um complexo trabalho dissertativo ou narrativo que tem características próprias sobre sua concepção, criação e apresentação. Bons textos científicos acrescentam conhecimento mesmo quando levantam novas dúvidas, novos problemas ou novas abordagens sobre uma questão, permitindo que leitores encontrem realidade e humanidade em palavras que foram completamente estruturadas para apresentar ou discutir um enfoque específico de um tema. Não importa qual tipo de texto você queira ou necessite escrever – pode ser uma tese de livre-docência, de doutorado, uma dissertação, monografia, um artigo científico, relatório – você precisará de disciplina, energia criativa e de dedicação para a pesquisa, criação, revisão e edição do texto. Apresentamos algumas sugestões para contribuir na redação.
Antes de começar a escrever um texto acadêmico, considere: problema, tema, abordagem Tenha claro para si o tipo de texto que vai escrever e o público a que ele se destina. Ne…

Quatorze dicas para a hora de defender a tese

Depois de ter concluído a tese, é essencial que o aluno se prepare para a apresentação oral do trabalho. Um excelente texto não garante que a exposição na etapa final seja boa e, se o aluno não apresentar a tese de forma satisfatória, os examinadores podem subestimá-la ou até mesmo duvidar da preparação científica do candidato. Geralmente a apresentação oral da tese é geralmente é feita por meio de slides em Powerpoint ® (ou software similar) contendo texto, figuras, tabelas, desenhos e fotografias. Bons slides não são tudo. O aluno deve estar preparado e conhecer ponta a ponta o conteúdo, coordenando bem a apresentação conforme explica os slides e se comportando de forma adequada durante essa etapa do trabalho. Abaixo apresentamos algumas dicas, tanto referentes à formatação e estilo da apresentação de slides, como à discussão da tese – aplicáveis a muitos contextos, como um concurso, entrevista de emprego ou uma apresentação de negócios. 1) Conheça antecipadamente o material disponí…

A tese: material e métodos, resultados e conclusão, estilo e referências

A escrita da tese segue parâmetros distintos nas seções específicas do texto, guardando unidade de estilo e coerência entre todos os segmentos do trabalho. Material e métodos Nesta seção o autor deve explicar claramente como o experimento foi realizado, e como foi realizada a análise estatística dos dados, podendo também utilizar as sugestões indicadas para escrever a introdução e buscando garantir que: a.Os leitores possam compreender e avaliar o experimento do trabalho e o tema da tese;
b.Outros pesquisadores possam utilizar o estudo independente para verificar os resultados do mesmo ou de outros contextos e produções. Algumas dicas úteis para escrita da fase “material e métodos” são descritas a seguir:
1)Mencionar a data e o local onde foi realizada a prova experimental, especificando as coordenadas geográficas e/ou as características físicas e biológicas relevantes.
2)Descrever o plano experimental, incluindo os tratamentos aplicados, o número de repetições, a unidade experimenta…