Pular para o conteúdo principal

Defendendo o texto científico

O texto é um produto sobre o qual o especialista é o revisor. Quem produz conhecimento ou algum bem material precisa de texto para apresentar aquilo às pessoas. Os técnicos e cientistas precisam revisar os textos que escrevem!

Há fatos conhecidos sobre a redação técnica e científica. Na verdade, são mesmo é generalizações, mais que qualquer outra coisa, mas impressiona mais se a gente os chamar de fatos:
A ciência de cada autor requer o apoio da ciência do revisor na hora que surge o texto.
Cada texto é uma cadeia de
palavras que precisam ser
ligadas da melhor forma
possível para que elas sejam
muito bem compreendidas.

  1. Pessoas que trabalham em áreas técnicas têm dificuldade para escrever as coisas claramente.
  2. Em consequência, a escrita técnica tem tendência a ser terrível.
  3. Em alguns casos, a má qualidade da redação técnica ou científica é resultado da falta de objetividade ou dos ruídos das informações que o autor detém.

O que ocorre é que todo mundo tem uma tese, ou mais de uma. Em geral as pessoas defendem suas teses. Alguns as defendem nos botequins, outros nos campos de batalha. Tem gente que invade países remotos para defender a tese do desarmamento, depois tem que se debater na TV para explicar que não encontrou as armas. Existe um tipo de tese defendida na academia, perante banca. Este tipo precisa de texto, reside nele. Acontece que esse texto precisa ser bom. Então surge um problema: a pessoa passou anos se ocupando de tanta ciência que cai nas armadilhas da língua. Aí o autor acaba tendo que defender o texto e não a tese. Claro, todos leram muito. Leram em diversas línguas. Escreveram bastante também.
Mas quem leu não estava assim tão preocupado com o texto. A tese era mais importante. Tese a ser apresentada em texto para a defesa. Tese e texto se confundem. Não há como defender um se tem que defender o outro. O grande aliado do texto da tese é o revisor: personagem obscuro com a função de defender o texto. Sobra só a tese para o autor defender. A tese que vai para defesa assinada pelo revisor tem aval de autoridade sobre texto. Eu defendo o texto: sou revisor. Já defendi minhas teses, aqui e ali.
Se você é um técnico ou cientista e gastou longos anos de estudo no objeto de seu trabalho, isso vai dificultar a escrita do texto que explicará ao grande público o que é ou como funciona o que você fez tão bem. Quem não conhece o jargão da área e todo o processo de pensar e desenvolver aquele produto terá dificuldade de separar do texto as informações de que necessita. O resultado é um texto ruim, obscuro ou cheio de explicações que confundem.
Algumas pessoas que trabalham na área técnica ou desenvolvem pesquisa científica não se comunicam bem com quem não é de seu ramo. Isso inclui escrever mal, infelizmente. Quem está altamente envolvido em ambientes de servidores, TI – por exemplo – pode não ser capaz de apresentar eficazmente todos os prós e contras da virtualização. Ou pode ser capaz de dizer prós e contras, mas não de forma coesa e interessante.
É em situações como essas que o revisor de textos deve ser solicitado a colaborar. Para explicar prós e contras de ambientes de computação em nuvem ou escrever um guia para iniciantes para determinado produto, a combinação da experiência profissional de redação com conhecimento das normas de escrita pode fazer a diferença entre produto ou serviço ser bem sucedido, ou fracassar.
A escrita técnica é cheia de jargões e tecnicismos e, às vezes, isso é bom. Ninguém quer um manual técnico, por exemplo, escrito de tal forma que poderia perecer leitura cotidiana, afinal, não é um assunto cotidiano. Jargões e frases técnicas são frequentemente necessários para um documento técnico. Depende do público a que se destina. Mas um guia para a escolha de um provedor de hospedagem de site precisa ser escrito de tal maneira que possa ser bem compreendido pelos leigos no assunto, pois leigos também precisam escolher onde vão hospedar seu sites e domínios.
Um dos tipos de texto mais comuns na redação técnica é a descrição, e mutas vezes é aqui que os autores complicam, onde poderia simplificar.
A descrição é um tipo de texto em que se relatam as características de pessoa, objeto ou situação qualquer, inscritos em certo momento estático do tempo.
O texto descritivo não relata, como o narrativo, as transformações de estado que vão ocorrendo progressivamente com pessoas ou coisas, mas as propriedades e aspectos desses elementos em certo estado, considerado como se estivesse parado no tempo. 
Os fatos produzidos na descrição são simultâneos; nesse tipo de texto, não existe relação anterior ou posterior entre os seus enunciados. Por isso, os enunciados descritivos podem ser alterados sem correr o risco de mudar a sequência cronológica.
Nos enunciados podem ocorrer verbos que exprimem ação, movimento, mas esses movimentos são sempre simultâneos, não indicando progressão em relação ao anterior e posterior. Se ocorrer essa progressão, inicia-se o seu percurso narrativo.
A escrita técnica e científica pode ser bastante desastrosa por incompreensão quanto ao público-alvo. Ela pode ser terrível por causa da falta de objetividade. E isso pode ser muito ruim, porque a pessoa que escreveu não formulou o texto tendo em vista o leitor.
Em qualquer caso, um revisor de textos profissional é necessário para ajudar a resolver as questões linguísticas e melhorar a compreensão do texto. O autor precisa ter conhecimento suficiente sobre o assunto para dar a profundidade e abrangência necessária. O revisor do texto precisa ter o domínio completo da ferramenta de comunicação (o texto) e a visão do ponto de vista do leitor final. O melhor autor técnico do mundo está propenso a prejudicar seu trabalho se o texto decorrente dele não o apresentar adequadamente, se ele não domina completamente a mídia comunicacional. É necessário que cada autor técnico e científico reconheça que, assim como ele domina seu campo de conhecimento, o texto é um campo de conhecimento de outro profissional: o revisor de textos, um técnico e cientista da língua que pode aperfeiçoar a comunicação sobre o produto de modo eficaz.

Postagens mais visitadas deste blog

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância? Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações ? Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português? Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem , mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno , da UnB , John Robert Schmitz , da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco , da UFPR .   (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimol

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva

Como escrever títulos atraentes em poucos passos: do artigo à tese

Como aumentar o número de leituras de seu artigo? Você gostaria que sua tese ou dissertação fosse muito lida e citada ao invés de ignorada? Claro, qualquer autor deseja isso! Acontece que, atualmente o número textos acadêmicos que encontramos em qualquer pesquisa é muito grande, enorme. A concorrência entre todos os autores, na busca pelo leitor, não tem tamanho. Claro que o mais importante sempre vai ser a qualidade do trabalho, e clareza das ideias e um texto bem limpo, mas o título tem que ser um ponto de destaque também! E existem técnicas para títulos atrativos , que fujam do enfadonho jargão acadêmico e que transmitam a mesma ideia com uma linguagem mais moderna e atraente; veja um exemplo de título à antiga – que eu jamais adotaria – para esta postagem: Questões de legibilidade, ergonomia visual e empatia em títulos de teses, dissertações e artigos acadêmicos: uma discussão propositiva de aplicação da técnica AIDA. Convenhamos, dá até preguiça de ler até o fim, mas você certame

Método científico ou experimental – a pesquisa e a redação

O método científico é a base da pesquisa. Nos tempos antigos o homem tentou explicar fenômenos naturais, mas tudo se atribuía à ação das divindades, ou à bruxaria e magia. Com Galileo Galilei (1564-1642), foi introduzido o método experimental ( método científico ): ele se baseia em uma primeira observação, seguida de um experimento, desenvolvido de forma controlada, para que nós possamos reproduzir o problema que se deseja investigar. O experimento visa validar ou refutar a hipótese de que o cientista formulou, que visa explicar os mecanismos de funcionamento de determinado evento. Revise seus textos na Keimelion: nossa experiência no ramo é desde o século passado! No primeiro caso (validação da hipótese) prossegue-se com a execução de grande número de experimentos, para que os resultados obtidos sejam confiáveis (análise estatística): os dados coletados são processados e em seguida, formula-se uma teoria: ela é usada, muitas vezes em conjunto com outras teorias para a formulação de um