Pular para o conteúdo principal

Revisão linguística de textos acadêmicos

Teses, dissertações e artigos: revise sempre.

Contrate um revisor profissional, a diferença na qualidade é muito grande!

Vamos tratar de dois termos - revisão acadêmica e revisão de textos - que, em outros contextos são empregados em sentidos ligeiramente diferentes daqueles que nos interessam na qualidade revisores de textos.
Chamamos revisão de texto o conjunto de procedimentos por meio dos quais um texto é trabalhado até o ponto em se decide que ele esteja suficientemente bem escrito, ou o tempo acabe - o que é mais frequente. Para nós, revisão acadêmica é um gênero da espécie revisão de textos.
Revisão acadêmica com qualidade e pontualidade é na Keimelion.
Revisão de textos requer alteridade, os olhos de fora vendo o que o autor não vê mais.
Noutro contexto, no das editorias de publicações científicas, a revisão acadêmica muitas vezes se refere à revisão do conteúdo, da matéria de fato de que o texto trata, é a revisão feita por outro cientista, competente na mesma área da matéria tratada, destinada a fazer juízo de mérito e valoração do texto quanto a seu conteúdo científico. Trata-se da revisão entre pares. Não fazemos isso. Nossa revisão acadêmica é aquela que foca no texto como mídia, como suporte do conhecimento a ser transmitido. Nossa especialidade é o texto que trata da matéria, o revisor científico de que falávamos trata da matéria contida no texto. A revisão acadêmica, sobre nosso foco, é questão de comunicabilidade, textualidade, linguística inerentes; a revisão acadêmica, sobre o outro ponto de vista, trata da validação do conhecimento, da cientificidade e confiabilidade subjacentes ao texto. Nós preferiríamos chamar nosso trabalho de revisão acadêmica e chamar àquela que não fazemos de revisão científica, mas não é o que ocorre - havendo assim alguma possibilidade de confusão inicial por parte dos autores.
Da mesma foram, revisão de textos - nosso principal serviço - é um conjunto de aperfeiçoamentos propostos ao texto autoral. No contexto do letramento, revisão de textos é termo aplicado a uma série de procedimentos didáticos visando ensinar a produção de textos. Claro que ambos os procedimentos têm grande parcela de ações comuns, mas a função é bem diferente na origem - assim como a clientela. Chamam ainda revisão de textos aos procedimentos de melhoria e correções efetuados pelo autor durante a escrita. Preferimos nos referir a esse processo autoral como reescrita, reservando o termo revisão para os procedimentos em que haja alteridade: um profissional qualificado e independente da autoria interferindo, sugerindo e interagindo como colaborador externo.
Existe um tipo especializado de revisor de textos que tem foco para os trabalhos acadêmicos, principalmente as teses, dissertações e artigos científicos. Da mesma forma, existem revisores que visam prioritariamente literatura, textos traduzidos, publicidade, textos legais. Há muitos tipos de texto e há, atualmente, profissionais focados em cada um deles. Claro que qualquer revisor está minimamente apto a revisar qualquer texto, mas por questões de mercado ou de interesse pessoal, muitos se especializam.

Como nosso foco são os trabalhos acadêmicos, vamos apontar algumas características de que os revisores desse tipo de produto não podem prescindir.

  • Primeiro, a disponibilidade: o revisor acadêmico tem que ter tempo para atender àquela tese que lhe apresentam poucos dias da deadline de depósito, para isso ele precisará se dedicar integralmente a ela. Provavelmente esse revisor de textos será alguém que se dedica exclusivamente à revisão de textos, declinando inclusive o magistério.
  • Segundo, a erudição: para poder lidar com textos de diversas áreas de conhecimento, mesmo sem a necessidade específica de entender do assunto, o revisor acadêmico precisa ter um repertório vasto de informações, no mínimo, conhecimento de vocabulário bastante amplo (amplitude léxica) e domínio de diversos campos semânticos. Possivelmente o revisor acadêmico não será um novato na área de revisão.
  • Terceiro, humildade: só pode ser revisor acadêmico que compreende completamente que seu desempenho é de assessoramento do cientista na transmissão do conhecimento. O texto é do autor e essa característica deve ser preservada nos limites que o próprio autor impõe, limites que se subordinam a quaisquer normas linguísticas o acadêmicas, bem como extrapolam as preferências do revisor. O revisor que já tenha seus próprios textos publicados certamente não estará preocupado em se projetar no texto de seu cliente.
  • Quarto, pontualidade: quem está com uma tese pronta ou um artigo para ser publicado tem data inadiável para ter o texto pronto - assim como pretende segurá-lo até o último instante possível, aperfeiçoando sempre a ideia e a escrita. Então o revisor acadêmico tem que ter estrita observação pelos prazos estabelecidos.
Share on Tumblr
Claro que há muito mais que isso, todo o arcabouço linguístico - para apontar só mais um quesito. Aqui apenas foi a intenção apresentar pontos distintivos do revisor acadêmico. A todos os revisores são necessários os conhecimentos linguísticos em profundidade compatível com a atividade.

Um texto limpo agrada ao leitor e atrai sua boa vontade ao conteúdo.

Ao trabalharmos aspectos ortográficos na revisão de textos, consideramos as características de “grafia” do gênero (acadêmico, por exemplo) a ser produzido, as condições de produção do texto, pois a opção por uma variedade linguística fora do padrão ou a adoção de uma configuração formal não canônica, a desobediência intencional de uma regra ortográfica, por exemplo, têm que ser avaliadas em função do tipo de texto, do suporte, das intenções comunicativas do autor.
Revisar não se limita à “higienização” do texto (passar a limpo - corrigir), mas deve assumir caráter de “refacção para edição final”, aperfeiçoamento da comunicabilidade, cuidando-se, além da ortografia, da textualidade e da apresentação (formato, limpeza, distribuição do texto e de eventuais ilustrações)
Além disso, a revisão de textos, como atividade profissional, exige que o revisor selecione aspectos a serem trabalhados em cada etapa do trabalho, já que não é possível tratar de todos ao mesmo tempo.
Em cada leitura se foca a atenção na coerência da apresentação do conteúdo, nos aspectos coesivos e pontuação, ou na ortografia - mesmo que sempre se esteja percebendo tudo isso. Quando se toma apenas um desses aspectos para revisar, é possível, ao fim da tarefa, sistematizar os resultados do trabalho devolvê-lo organizadamente ao autor. 
A ortografia é apenas um aspecto a ser considerado na revisão de texto, a questão ortográfica se entrepõe às outras dimensões da produção textual.
Ao revisar, sempre se se dá atenção a problemas da textualidade, o conjunto de características que fazem com que o texto seja texto, não apenas uma sequência de frases. Há sete fatores responsáveis pela textualidade de um discurso qualquer: a coerência e a coesão, que se relacionam com o material conceitual e linguístico do texto, a intencionalidade, a aceitabilidade, a situacionalidade, a informatividade e a intertextualidade, que têm a ver com os fatores pragmáticos envolvidos no processo sociocomunicativo.

Revisão acadêmica: especificidades do texto científico

Algumas vezes, nos referimos à revisão acadêmica, então é bom dizer o que entendemos que ela seja. A revisão de textos, embora o grande público não saiba, é uma atividade altamente especializada e segmentada, há revisores especializados nos mais diversos tipos de texto: literatura, publicidade, jornalismo e textos acadêmicos – nosso foco. Claro que pode haver, e há, revisores especializados em direito, botânica, manuais de equipamentos, legislativos, mas estes são outros tipos de corte, por assunto. Nós trabalhamos com o texto científico, aquele que se destina à universidade ou se origina dela para a realização de suas finalidades de produzir, difundir e avaliar o conhecimento. Esse texto requer uma revisão orientada para suas caraterísticas específicas, sendo tal serviço que chamamos revisão acadêmica.
Os revisores que focam em algum segmento do mercado de textos, normalmente, optam por um segmento de acordo com o tipo de texto, ou sobre um assunto, mas não excluem outros; afinal, os textos não são estanques em uma área de conhecimento nem têm apenas um público específico.
Nós trabalhamos mais com textos acadêmicos: as teses e dissertações (na maior parte das vezes), mas também os artigos, projetos, relatórios e tudo mais que as universidades produzem ou demandam de seus corpos docente e discente. Para tanto, somos completamente familiarizados com a linguagem científica das mais diversas áreas, com os tipos de textos que são requeridos e, acreditem, até com os problemas específicos que acometem os autores em cada caso.
A função do revisor de textos acadêmicos atenta a uma série de questões bem específicas: homogeneizar as construções em voz passiva ou plural majestático, depurar o uso de partículas indefinidas, priorizar a ordem direta das orações, evitar oralidades e eliminar tabuísmos, expurgar os lugares-comuns; para fazer uma lista de apenas alguns dos muitos requisitos desse tipo de texto. A revisão acadêmica não passa por aspectos técnicos do conteúdo do textos, essa é conhecida como “revisão entre pares”. Assim, o par do autor é o especialista no assunto sobre o qual o texto versa e vai tratar daqueles aspectos, o revisor de textos é especialista e registros linguísticos e se limita a eles.

Autorrevisão de uma tese é utopia.
Entregue o trabalho para um revisor profissional.

A revisão feita pelo par (inclusive o orientador – no caso de tese ou dissertação) não dispensa nem substitui a revisão do profissional de língua, da mesma forma como o contrário também não ocorre: ninguém corre o risco de se apresentar diante de uma banca sem haver submetido o texto ao orientador (nem tal se permite). Também ocorre que muitos programas de pós-graduação já requerem que os trabalhos passem, necessariamente, por um revisor de textos qualificado antes de aceitar o depósito da tese para defesa. As revisões, todas, só tem por objetivo valorizar o produto e ampliar a validade, legitimando o autor como tal. Autor sabe que precisa de revisor e autor de texto científico sabe que precisa do revisor acadêmico.
A revisão acadêmica é indicada para todo tipo de trabalho acadêmico: teses, dissertações, monografias, artigos, projetos, relatórios, resenhas. O texto deve ser submetido a diversas fases de revisão; as primeiras e a última pelo próprio autor, mas outras pessoas devem revisar o trabalho para que os vários tipos de problemas sejam eliminados ou reduzidos ao mínimo.
Em nossa revisão, a ortografia de todos os vocábulos em português, inglês e espanhol é verificada por meio eletrônico e por sucessivas leituras do texto digital e impresso; são utilizadas pelo menos duas ferramentas diferentes de revisão ortográfica, a sintaxe é checada eletronicamente e pelas leituras mencionadas, bem como a concordância nominal, verbal, pontuação. Busca-se a uniformidade de estilo, tratamento, formas verbais e verifica-se a coerência micro e macrotextual (os parágrafos, capítulos e o corpo do trabalho).

Postagens mais visitadas deste blog

Como escrever o resumo de sua tese ou dissertação

Melhore o resumo de sua tese ou dissertação.O resumo é parte necessária da apresentação final de uma tese, dissertação ou mesmo de um artigo.A versão final do resumo terá de ser escrita depois que você terminar de ler a sua tese para enviar ao revisor do texto.Um resumo prévio, escrito nas diferentes fases do seu trabalho vai ajudar você a ter uma versão curta de sua tese a cabeça. Isso vai conduzir seu pensamento sobre o que é que você está realmente sendo feito, vai ajudá-lo a ver a relevância do que você está trabalhando no momento dentro do quadro maior, e ajudar a manter os vínculos que acabarão por conferir unidade à tese (dissertação, TCC, artigo). O que é um resumo?O resumo é um componente importante da tese. Apresentado no início da tese, é provável que seja a primeira descrição substantiva do trabalho a ser lida por um examinador ou qualquer outro leitor externo. Você deve vê-lo como oportunidade de definir as expectativas precisas do leitor a que seu texto atenderá. O resumo …

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na KeimelionOs estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos, apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências. Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a quase totalidade dos autores brasileiros não faz uso de nenhum desses programas e nem sequer sabe que…

Quinze dicas para a hora de defender a tese

Defesa de tese ou dissertação: hora H!Depois de ter concluído a tese, é essencial que o aluno se prepare para a apresentação oral do trabalho.  Um excelente texto não garante que a exposição na etapa final seja boa e, se o aluno não apresentar a tese de forma satisfatória, os examinadores podem subestimá-la ou até mesmo duvidar da preparação científica do candidato.Geralmente a apresentação oral da tese é geralmente é feita por meio de slides em Powerpoint ® (ou software similar) contendo texto, figuras, tabelas, desenhos e fotografias. Bons slides não são tudo. O aluno deve estar preparado e conhecer ponta a ponta o conteúdo, coordenando bem a apresentação conforme explica os slides e se comportando de forma adequada durante essa etapa do trabalho. Abaixo apresentamos algumas dicas, tanto referentes à formatação e estilo da apresentação de slides, como à discussão da tese – aplicáveis a muitos contextos, como um concurso, entrevista de emprego ou uma apresentação de negócios. É necessá…

A tese: material e métodos, resultados e conclusão, estilo e referências

Tese e dissertação são textos logos do gênero acadêmicoAs partes das teses e dissertações pode constituir subgêneros específicosA escrita da tese segue parâmetros distintos nas seções específicas do texto, guardando unidade de estilo e coerência entre todos os segmentos do trabalho. Assim, a introdução pode ter, por exemplo, uma passagem mais pessoal, que relate a ligação do autor com a temática, e partes que analisem discursos de sujeitos entrevistados podem requerer transcrições literais - segmentos repletos de oralidade, o que não é admitido em outros trechos no gênero acadêmico. Já os resumos, são outro tópico, e merecem uma postagem só para eles. Material e métodos: descrever equipamentos e procedimentos Nesta seção o autor deve explicar claramente como o experimento foi realizado, e como foi realizada a análise estatística dos dados, podendo também utilizar as sugestões indicadas para escrever a introdução e buscando garantir que: Os leitores possam compreender e avaliar o experim…

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância?Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações?Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português?Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem, mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno, da UnB, John Robert Schmitz, da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco, da UFPR.  (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimologia e da ignorância…