Pular para o conteúdo principal

O estudo da revisão de texto, especialização e interdisciplinaridade

A interdisciplinaridade veio agregar valor e qualidade ao serviço de revisão de textos e às investigações sobre a atividade revisional.

No contexto de especialização e de segmentação dos campos de conhecimento, a complementaridade das disciplinas outorga vantagem virtual à revisão de textos, posto que a atividade é geralmente exercida sob ótica do conhecimento linguístico específico, resultando em intervenções mecânicas; consideramos a abordagem multidisciplinar como superação da limitação ao campo linguístico restrito nas intervenções de aperfeiçoamento comunicacional.
A tese e a dissertação são passíveis de revisão muito além dos limites da gramática normativa.
A redação de um texto raramente é
trabalho autoral exclusivo, envolve
colaboração, no mínimo,
 de um revisor.
A atividade de revisão é, em sua natureza, vocacionada à abordagem multidisciplinar, todavia, a revisão é realizada, geralmente, em abordagem monodisciplinar de cunho linguístico com enfoque gramatical normativo, envolvendo, quando ultrapassa esse limite original, abordagens de gênero, da psicologia cognitiva, linguística aplicada, didática ou da literatura, com métodos de análise e ferramentas técnicas aportadas de outros campos de conhecimento e envolvidas diretamente na atividade de revisão ou seu estudo.
Do ponto de vista teórico-prático, o trabalho de revisão pode ser visto sob três pontos de vista complementares:
  • Primeiro, tendo como referência o processo global da produção de texto em situação natural (escola, empresa, instituição, etc.). Esse enfoque considera as diferentes versões autorais do texto e as interferências introduzidas pelo revisor.
  • Depois, tendo como referência os processos cognitivos, determinantes do processo de produção textual, fornecendo fontes de feedback potencialmente exploráveis entre autor e revisor de texto que são adaptáveis para estudar a atividade de revisão e seu produto.
  • Em seguida, a abordagem relacionada à aquisição de conhecimentos sobre a atividade de revisão em si, ou na aquisição de competências na produção e interpretação de texto, graças a prática de revisões em campos léxicos diferenciados.

Do ponto de vista metodológico, as análises da atividade de revisão podem ser agrupadas em duas famílias de acordo com características, qualidade e intencionalidade da intervenção no texto: coleta e análise linguística do texto natural – abordagem pela interpretação de traços das versões sucessivas, ou identificação dos recursos temporais do desenvolvimento da redação, a velocidade no de processo escrever, tempo de pausas, de tempo de reação.
Em termos utilitários, a análise da atividade de revisão em contexto profissional, em relação aos tipos de escrita necessários nesses ambientes (textos argumentativos ou textos descritivos, por exemplo), melhora os textos e ajuda o autor que se apropria do feedback linguístico como usuário na redação técnica, auxiliando no desenvolvimento de versões sucessivas, por exemplo.
Diante desses fatos, e dadas as características do código escrito, ou metodologias utilizadas na revisão, é essencial um balanço de conhecimento sobre a atividade de revisão em perspectiva multidisciplinar. De fato, em comparação com as atividades de leitura e oralidade que são estudados há várias décadas, a investigação sobre as atividades de revisão é relativamente recente. Poucos dados e conhecimentos já foram coletados para descrever e explicar as práticas de revisão e de reescrita. Nessa perspectiva, a contribuição da linguística e psicologia cognitiva nas questões comuns permitirá grande avanço no conhecimento dos diferentes mecanismos subjacentes à atividade de revisão. Este é o passo mais importante para o conhecimento multidisciplinar do funcionamento da revisão, nos fazendo mais capazes de projetar contextos de estudo, e aperfeiçoando a prática revisional.
O que podemos levantar como intervenientes na análise da revisão e seus mecanismos?
  • A variabilidade dos métodos e contextos de revisão: as abordagens são às vezes resolutivas ou sugestivas, com interação em tempo real (on-line) ou a posteriori (off-line).
  • O estudo da revisão, muitas vezes com relação aos diferentes objetivos e restrições impostas para o destinatário e os diferentes níveis de controle de intervenções.
  • A situação do revisor: ele pode ser experiente ou um iniciante. Seja qual for a situação, a revisão pode ser feita por um só profissional ou por uma equipe.
  • A cronologia ou prazo da revisão: ela feita durante a produção do texto ou a posteriori? Qual a urgência do serviço 
  • Os níveis de revisão (de superfície, ou aspectos conceituais, ou estruturais) podem considerados em particular, ou de acordo com as instruções.
  • O contexto autoral, o tipo de texto e contexto do interlocutor (destinatário do texto) também são os principais critérios para a análise da revisão: os escritores, independentemente de sua qualificação, têm incorporado diferentes padrões de redação.
  • O grau de automatização dos processos de trabalho, o que levanta questões de atenção da administração de tempo e recursos cognitivos na memória.

Por fim, a questão da função de aperfeiçoamento do texto. Se o texto acadêmico tende à singularidade, à padronização, o texto literário, em contraste, é trabalhado pela pluralidade de sentidos e vozes que o constituem. Em ambos os casos o revisor interfere no texto para o melhorar: dizemos que há sempre participação na textualidade do trabalho inédito e, por isso, o revisor integra a singularidade autoral absoluta ao violá-la.
Aqui tocamos os limites – ou novos horizontes de investigação sobre a revisão – o que chamamos de “paradigmas de interferência.” Em outras palavras, a que pode levar a revisão interdisciplinar como meta? Ela abre maior perspectiva de processo de escrita e revisão – a de criação e recriação.
Inspirado em Petillon & Garnier.

Postagens mais visitadas deste blog

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

Como escrever títulos atraentes em poucos passos: do artigo à tese

Como aumentar o número de leituras de seu artigo? Você gostaria que sua tese ou dissertação fosse muito lida e citada ao invés de ignorada? Claro, qualquer autor deseja isso! Acontece que, atualmente o número textos acadêmicos que encontramos em qualquer pesquisa é muito grande, enorme. A concorrência entre todos os autores, na busca pelo leitor, não tem tamanho. Claro que o mais importante sempre vai ser a qualidade do trabalho, e clareza das ideias e um texto bem limpo, mas o título tem que ser um ponto de destaque também! E existem técnicas para títulos atrativos , que fujam do enfadonho jargão acadêmico e que transmitam a mesma ideia com uma linguagem mais moderna e atraente; veja um exemplo de título à antiga – que eu jamais adotaria – para esta postagem: Questões de legibilidade, ergonomia visual e empatia em títulos de teses, dissertações e artigos acadêmicos: uma discussão propositiva de aplicação da técnica AIDA. Convenhamos, dá até preguiça de ler até o fim, mas você certame

Texto como construção complexa

Quanto mais longo o texto, mais complexo ele é; por isso, as teses e dissertações requerem a contribuição do revisor de textos no aperfeiçoamento de sua forma e legibilidade. Do ponto de vista cognitivo, escrever é atividade humana de grande complexidade, mais que jogar xadrez. Revisar o texto também é atividade composta por uma série de procedimentos terrivelmente complexos, bem mais que dar palpite na partida de xadrez dos outros! Pesquisadores de diferentes áreas – principalmente psicolinguística – estão interessados nos subprocessos da textualização (produção escrita com textualidade). Antes de mostrar o que propicia a textualização e a possibilidade de contribuição do revisor na construção de textos longos (as teses e dissertações estão dentre os textos mais complexos), vamos apresentar os níveis de organização do texto, depois expor a teoria de recursos, teoria para entender certas dificuldades com a escrita, inclusive as presentes em estudantes de pós-graduação. O papel

Como escrever uma tese em dez passos

Dica mais básica: evitar procrastinação .  Por que escrever uma tese ou dissertação costuma ser tão frustrante? Aprender a escrever um texto longo não tem que envolver tanta tentativa e erro. Aprender a escrever uma tese pode ser um processo irritante, enlouquecedor, frustrante, mas não tem que ser um processo assim tão insidioso. Não creio que nenhuma dica possa tornar a tese divertida; mas, pelo menos, pode-se tentar fazer que a redação não seja uma camisa de força... Abaixo estão breves dez passos para escrever a dissertação ou tese. Essa lista de sugestões de como escrever a tese pode ser vista em sequência, como se passando por dez etapas sucessivas no processo de redação, ou pode ser explorada por tópico individual. Planejamento e continuidade são duas chaves para escrever textos longos. 1- Pesquise muito antes de começar a escrever Inicie o processo de redação, pesquisando o tema, tornando-se um especialista. Utilize a internet, as bases de dados acadêmicas e a bibliot

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva