Pular para o conteúdo principal

Revisor de textos em sociedade

Quem é o revisor de textos, como ele se insere na comunidade e qual seu papel? Conhecer a função do revisor é útil para os autores que vão precisar de revisão.

Uma definição inequívoca de revisão é difícil, muitos estudiosos de revisão tentaram fazê-la. Revisão é um processo de verificar a exatidão, integridade, adequação, estilo; o produto da revisão são interferências no texto. A revisão a que nos referimos é aquela intervenção feita por um revisor profissional, alguém que tenha se mantido totalmente afastado da produção do texto em todas as suas fases. Revisão é verificar se as mudanças são necessárias e fazê-las, o que chamamos de revisão resolutiva. Revisão é verificar que mudanças são necessárias e propô-las, o que chamamos de revisão propositiva. Mas essas são apenas duas categorias de revisão e há outros crivos; voltaremos a eles mais adiante; por enquanto, vamos refletir sobra o revisor e como ele atua na sociedade.
O revisor de uma tese considera a língua e o contexto. Nada pode escapar à revisão.
O revisores de textos costumam ter uma
relação bem particular com o mundo
e com as formas de comunicação.
Primeiramente, o revisor é o profissional que exerce interferências ou proposições em textos alheios, considerando a inserção social do autor e do público-alvo do texto. O revisor de textos é um animal social, porque a revisão está ligada à comunicação. O revisor é também um animal cultural, pois a revisão é a primeira leitura de um texto que tramitará entre autor e leitores, portanto, nesse sentido, o revisor é parte de uma comunidade comunicacional. A comunicação é baseada em uma percentagem muito elevada de elementos conhecidos e em outros desconhecidos tramitando entre a origem e o destino da informação por intermédio do texto. Se cada mensagem começasse com um resumo de todos os dados óbvios, ou contivesse definições de todos os conceitos implicados, seria interminável.
No entanto, porque em cada comunicação há elementos óbvios, adquiridos em comum, não há a necessidade dessas introduções infinitas. Um dos papeis do revisor, situado externamente ao texto, mas como intermediário entre autor e público alvo, é identificar os conceitos que devem ser esclarecidos e os elementos que não precisam ser declarados para o leitor final.
Se imaginarmos o universo como uma organização cultural colossal feita de células, a revisão é uma atividade que ocorre no nível da membrana: nas membranas das células menores (indivíduos / autores), temos a revisão entre o indivíduo e o exterior, que também é composto de membranas na maioria das células (comunidades, famílias, grupos sociais, clubes, associações); nessa metáfora, a revisão atua como a capilaridade entre o interior (o autor) e o exterior, o leitor na comunidade.
A revisão é o “limite” ou “fronteira”: o elemento de separação e de ligação entre o próprio autoral e alheio destinatário e repousa nisso a possibilidade de comunicação ampliada pela revisão. Mas, em seguida, o revisor está no centro da sociedade (como um agente de comunicação), ou sobre suas arestas (restando confinado à “membrana”) e alijado de exposição.
Revisar é uma atividade solitária, embora  o revisor, em muitos casos, esteja equipado com ferramentas de comunicação à distância, tais como telefone, fax, e-mail. Com a multiplicação das possibilidades de comunicação à distância, o potencial da informática e a diminuição simultânea dos custos de comunicação, a distância física entre o revisor e o cliente é um fator cada vez menos importante.
Também se pode ver o mesmo problema de um outro ângulo: se é verdade que o revisor pode trabalhar isolado, também é verdade que isolado dificilmente ele pode encontrar trabalho e ter visibilidade no mercado. Portanto, o trabalho de revisão pode até ficar isolado, mas o revisor não se isola mais, mantendo-se um ser social, inclusive com presença nas redes sociais, até para encontrar os autores e obter trabalho – e para se manter contextualizado, necessidade inerente ao ofício de comunicador e de intermediário.
Os revisores se deparam com diversos tipos de demandas, são textos variados, autores distintos, finalidades diversas dos textos. E cada um tem seu tipo de exigências e requer suas intervenções específicas. E cada demanda requer uma atuação distinta.
Dependendo da natureza da intervenção sobre o texto, há diversos tipos de revisão. A abordagem mais básica é a “simples leitura” do texto e a eliminação de todos os lapsos superficiais: erros de digitação, ortografia, acentuação, pontuação; é o que chamamos de revisão mecânica, cujo objetivo é eliminar as falhas superficiais do autor; a maior parte desse serviço até mesmo um programa de revisão de textos dá conta. Verificar a clareza e da coerência textual, intratextual e contextual já é procedimento mais complexo e requer um profissional sênior de revisão.
Dependendo do tipo de revisão necessário, é preciso considerar a competência do revisor em função também da velocidade em que o texto foi produzido e da velocidade necessária à revisão, considerar a extensão e a duração do texto, bem como sua importância e destinação. Em qualquer caso, qualquer que seja abordagem escolhida para a revisão, o principal objetivo dela não pode ser apenas eliminar os erros que subsistem à redação, mas melhorar o texto como ferramenta de comunicação.
Cada trabalho é diferente, cada cliente tem necessidades diferentes. Cada revisor é diferente. O revisor é um paradoxo: está no centro da sociedade e é marginal na sociedade. No centro de tudo pois vive em função da comunicação; marginal, porque, por definição, trabalha no limite, na fronteira entre as culturas e línguas individuais e coletivas. No centro, porque uma percentagem muito elevada do que é escrito passa por revisores, mas marginal, pois sua atividade é negada ou ignorada em muitos casos. A revisão, quando não é negada, é raro que sua presença e a atuação (e o nome) do revisor apareça com os textos.
Poucos revisores reclamam. Mas ao invés de reclamar, seria útil compreender as causas disso. Falta uma cultura de revisão, é claro. Alguns ainda estão convencidos de que a cultura da revisão não tem razão de existir, pensando que para revisar um texto de engenharia deve-se ser um engenheiro e assim por diante. Às vezes nos perguntamos o quanto o trabalho de revisão está longe da realidade cotidiana, no entanto, essa antítese entre teoria e isolamento e a prática social da revisão têm em si a possibilidade de solução do paradoxo pelo próprio contraste: os fundamentos da linguística são certamente úteis, mas eles são aplicáveis no uso real da linguagem em sua função social e comunicativa, o isolamento teorético se dissolve na atividade comunicacional que se tem por fim.
Fora do ambiente editorial, o revisor de textos é considerado como qualquer outro freelance. No ambiente editorial, o revisor de textos (muitas vezes chamado de “revisor literário”, embora cuide de textos não-ficção ou de caráter científico), geralmente, tem colaborações cuja continuidade é muito variável em cada caso.
Em ambos os campos, mas especialmente no não editorial, florescem diversas empresas, geralmente projetos de pequenos e média dimensão, que reúnem revisores de textos que trabalham de várias maneiras: há cooperativa de revisor de textos e estudos associados: são a forma mais equitativa de associação (pelo menos em teoria), em que, embora o haja compartilhamento de recursos (salas, equipamentos, biblioteca), os lucros são distribuídos proporcionalmente à disponibilidade e capacidade individuais; existem também empresas de revisão de textos grandes, ainda que poucas, cujo quadro pode incluir os revisor de textos internos e outros freelances, são agências de revisão de textos. O conceito básico é que o empresário (atuando entre cliente e revisor de textos) ganha para suas atividades de mediação, enquanto o revisor de textos se dedica à revisão, sem se preocupar com a captação do cliente e a negociação.
O revisor de textos liberal possui seu próprio escritório, muitas vezes em sua residência, e capta seus clientes ele mesmo (ou já tem uma clientela própria); distingue-se do freelance por prestar serviço diretamente aos autores, por exemplo, de teses ou dissertações – bem como outros textos acadêmicos – ou romancistas que pretendem submeter seus originais às editoras. O conceito aqui é não estar afeto a terceiros na intermediação do serviço – o que, de certo modo, o isola de colegas, mas o coloca em contato direto com o autor, como cliente.
Os revisores de textos lutam para se identificar com seu grupo, seus pares, e existem diferenças substanciais, mesmo na prática, entre um revisor de textos literário e outro revisor de textos acadêmicos, então o conceito de valorizar a profissão torna-se bastante abstrato. Mas o reconhecimento e a valorização da atividade pelo grande público é distante e não há indícios de que isso esteja em transformação, seja para o bem, ou para o mal. Afinal, muitos se tornam revisores de textos, inclusive, por gostar do paradoxo de se entabular à margem da vida cultural e das pessoas.
Adaptado de Sidney.

Postagens mais visitadas deste blog

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

A escrita acadêmica como requisito principal para a boa formação

O texto acadêmico é um gênero muito específico. O suporte para formação acadêmica é, boa parte, o texto. São textos em que as informações são assimiladas e textos produzidos para demonstrar o conhecimento apreendido ou produzido. Quando se fala em produção científica , os primeiros critérios que vêm à cabeça são a quantidade e a qualidade de artigos produzidos. O conceito de qualidade, no entanto, geralmente leva em consideração apenas o fator de impacto dos trabalhos, a quantidade de vezes que são citados por outros cientistas. Mas outro tipo de qualidade vem sendo buscada pelos pesquisadores, inclusive para conquistar o fator de impacto: a qualidade textual, que depende do bom preparo e bagagem do aluno universitário, que permite a ele produzir trabalhos universitários com excelência, qualidade pode ser obtida mais facilmente ao se apoiar em uma minuciosa revisão do texto feita por um revisor profissional . A produção de textos é processo contínuo de realimentação e do qual a revis

Como escrever títulos atraentes em poucos passos: do artigo à tese

Como aumentar o número de leituras de seu artigo? Você gostaria que sua tese ou dissertação fosse muito lida e citada ao invés de ignorada? Claro, qualquer autor deseja isso! Acontece que, atualmente o número textos acadêmicos que encontramos em qualquer pesquisa é muito grande, enorme. A concorrência entre todos os autores, na busca pelo leitor, não tem tamanho. Claro que o mais importante sempre vai ser a qualidade do trabalho, e clareza das ideias e um texto bem limpo, mas o título tem que ser um ponto de destaque também! E existem técnicas para títulos atrativos , que fujam do enfadonho jargão acadêmico e que transmitam a mesma ideia com uma linguagem mais moderna e atraente; veja um exemplo de título à antiga – que eu jamais adotaria – para esta postagem: Questões de legibilidade, ergonomia visual e empatia em títulos de teses, dissertações e artigos acadêmicos: uma discussão propositiva de aplicação da técnica AIDA. Convenhamos, dá até preguiça de ler até o fim, mas você certame

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva

Letramento acadêmico – (re)aprender a (re)escrever na universidade

Escreve-se mal e pior na universidade. A opinião corrente é que os padrões de “alfabetização” do estudante estão caindo inclusive no ensino superior: muitos docentes afirmam que os alunos já não podem escrever . A aprendizagem no ensino superior envolve a adaptação a novas formas de saber: novas formas de compreender, interpretar e organizar o conhecimento. A alfabetização acadêmica – aquisição de práticas de leitura e escrita dentro de disciplinas, voltadas para elas – constitui-se de processos pelos quais os alunos aprendem novos temas e desenvolvem seus conhecimentos sobre novas áreas de estudo. Uma abordagem de práticas de alfabetização leva em conta o componente cultural e contextual da escrita e as práticas de leitura, e tem, por sua vez, implicações importantes para a compreensão da aprendizagem do aluno. Há incontáveis vozes e discursos que produzem ruído nos textos acadêmicos. Os revisores estão familiarizados com esses tipos de problemas e tentam emprestar suas soluções, se