Pular para o conteúdo principal

Revisão linguística: bem mais que correção

O que vem a ser a revisão linguística?

É o mesmo que a revisão de português? Minha tese precisa de revisão linguística? Revisão linguística modifica o texto?

A linguagem, tanto oral quanto na escrita, produz textos com contornos diferentes por causa das exigências dos contextos de produção e diferentes situações comunicativas. Refletir sobre a linguagem e trabalhar com ela é, necessariamente, debruçar-se sobre as características dos textos em função do gênero a que se filiam e compreender de que maneira eles cristalizam as práticas sociais da linguagem.
O papel do revisor é promover muito mais a comunicação adequada que a correção gramatical.
A revisão linguística é, portanto, muito mais do que aplicar a gramática. As reflexões produzidas pelos gramáticos se detêm na frase e não no texto. Pelas características dos gêneros e dos suportes, os textos podem variar em extensão. Pode ser um cartaz, ou estender-se nos sucessivos capítulos de uma tese, dissertação ou romance.
Ao colocar o texto em foco, o revisor considera diversos aspectos: o contexto de produção do discurso, o gênero a que o texto pertence e suas características, suportes, destinação. Mas o revisor não vai adicionar aos estudos gramaticais os novos conteúdos referentes ao texto. O revisor não se limita a substituir a unidade de análise (do fragmento para o todo), ele considera a necessidade de mudanças mais profundas. Pensar as palavras como compostas por fonemas que formam sílabas, segmentá-las em seus constituintes, agrupá-las em classes, ou analisá-las no papel delas na frase só faz sentido quando esse tipo de análise servir para aproximar conteúdo e expressão. O revisor selecionará os tópicos de análise linguística porque é preciso ser consistente com a opção de intervenção feita. Se a revisão linguística está subordinada ao sentido do texto, antes de tudo é preciso ter claro o gênero que vai ser trabalhado para definir os tópicos de linguagem a serem aplicados para enriquecer a compreensão do texto.
O trabalho do revisor com a análise linguística e sua aplicação deve ser proveitoso, agregando comunicabilidade textual. O conjunto de intervenções efetuadas pelo revisor tem que estar perfeitamente contextualizado; tudo que for possível ou necessário deve ser discutido com o autor para ficar evidenciada a sua significação, nenhuma interferência deve ser feita sem que, para ela, haja explicação linguística satisfatória; cada intervenção revisional deve estar ligada às práticas de linguagem: à escuta, à leitura e à produção de textos; deve também refletir os constantes avanços dos estudos linguísticos e estar sujeita ao processo contínuo de revisão crítica. Vista na perspectiva reflexão sobre a língua, o propósito da revisão é desenvolver a legibilidade do texto no universo social que o cerca, já que, na realidade, fala-se e escreve-se não uma, mas várias línguas, há diversas variedades linguísticas, que se multiplicam em diferentes registros e múltiplos gêneros, em função da situação comunicacional pretendida.
É muito importante, na estruturação do processo de revisão de um texto, aceitar e estudar as variedades linguísticas. Sempre é possível detectar “línguas” que vão revelar aspectos regionais, sociais e individuais. Da mesma forma, serão identificados os diferentes jargões das diversas áreas de conhecimento de um texto, quanto ele for dos gêneros tecnológico ou acadêmico, por exemplo. Cada variedade é adequada a uma função comunicacional específica e não pode ser substituída sem provocar estranheza, por exemplo, não se usam lugares-comuns ou construções coloquiais nos textos formais. Para cada situação de comunicação (conversa, discurso político, entrevistas) há inúmeras possibilidades de uso dessas variedades, em cujo limite o texto deve se manter, com a colaboração do revisor.
Fazendo brevíssima distinção entre a gramática normativa e a descritiva, a normativa prescreve o uso correto da língua e encara como erro qualquer desvio das normas estabelecidas, a descritiva preocupa-se em registrar as línguas como são faladas, segundo as formas praticadas nos grupos sociais. A gramática descritiva rompe com “determinismos” no estudo da língua e é mais adequada como parâmetro para a revisão de textos, consideradas as questões de gênero colocadas anteriormente, já que, na prática, a revisão linguística que ultrapassa o império da gramática normativa acaba valorizando a variedade linguística do autor em seu grupo social.
Muitas vezes, o autor, ao longo de sua produção, sente-se incomodado por não conseguir escrever com propriedade o que foi capaz de pensar e observar. Cabe ao revisor administrar o choque entre as modalidades falada e escrita de modo favorável ao texto, criando novos critérios de intervenção, valorizando e reconhecendo a identidade linguística de cada autor, afastando a relação de poder que implica o conhecimento da norma de prestígio, repudiando o famigerado preconceito linguístico. O revisor exerce seu papel ao assumir a posição de facilitador da criação autoral, ao viabilizar a convivência com a escrita, ampliando-lhe a comunicabilidade.
A prática da revisão linguística, a revisão de texto que vai bem além da gramática normativa, que ultrapassa totalmente a correção do português, deve estar vinculada ao estudo da língua em sua modalidade oral e escrita. Deve refletir sobre a língua e seus usos efetivos para, de fato, ajudar o autor a aperfeiçoar seus recursos expressivos. Somente assim, a atividade de revisão de textos será ferramenta para aprimorar a compreensão dos textos e para a reflexão sobre os fatos da língua e sobre as implicações decorrentes do bom uso dela.

Postagens mais visitadas deste blog

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

A escrita acadêmica como requisito principal para a boa formação

O texto acadêmico é um gênero muito específico. O suporte para formação acadêmica é, boa parte, o texto. São textos em que as informações são assimiladas e textos produzidos para demonstrar o conhecimento apreendido ou produzido. Quando se fala em produção científica , os primeiros critérios que vêm à cabeça são a quantidade e a qualidade de artigos produzidos. O conceito de qualidade, no entanto, geralmente leva em consideração apenas o fator de impacto dos trabalhos, a quantidade de vezes que são citados por outros cientistas. Mas outro tipo de qualidade vem sendo buscada pelos pesquisadores, inclusive para conquistar o fator de impacto: a qualidade textual, que depende do bom preparo e bagagem do aluno universitário, que permite a ele produzir trabalhos universitários com excelência, qualidade pode ser obtida mais facilmente ao se apoiar em uma minuciosa revisão do texto feita por um revisor profissional . A produção de textos é processo contínuo de realimentação e do qual a revis

Como escrever títulos atraentes em poucos passos: do artigo à tese

Como aumentar o número de leituras de seu artigo? Você gostaria que sua tese ou dissertação fosse muito lida e citada ao invés de ignorada? Claro, qualquer autor deseja isso! Acontece que, atualmente o número textos acadêmicos que encontramos em qualquer pesquisa é muito grande, enorme. A concorrência entre todos os autores, na busca pelo leitor, não tem tamanho. Claro que o mais importante sempre vai ser a qualidade do trabalho, e clareza das ideias e um texto bem limpo, mas o título tem que ser um ponto de destaque também! E existem técnicas para títulos atrativos , que fujam do enfadonho jargão acadêmico e que transmitam a mesma ideia com uma linguagem mais moderna e atraente; veja um exemplo de título à antiga – que eu jamais adotaria – para esta postagem: Questões de legibilidade, ergonomia visual e empatia em títulos de teses, dissertações e artigos acadêmicos: uma discussão propositiva de aplicação da técnica AIDA. Convenhamos, dá até preguiça de ler até o fim, mas você certame

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva

Letramento acadêmico – (re)aprender a (re)escrever na universidade

Escreve-se mal e pior na universidade. A opinião corrente é que os padrões de “alfabetização” do estudante estão caindo inclusive no ensino superior: muitos docentes afirmam que os alunos já não podem escrever . A aprendizagem no ensino superior envolve a adaptação a novas formas de saber: novas formas de compreender, interpretar e organizar o conhecimento. A alfabetização acadêmica – aquisição de práticas de leitura e escrita dentro de disciplinas, voltadas para elas – constitui-se de processos pelos quais os alunos aprendem novos temas e desenvolvem seus conhecimentos sobre novas áreas de estudo. Uma abordagem de práticas de alfabetização leva em conta o componente cultural e contextual da escrita e as práticas de leitura, e tem, por sua vez, implicações importantes para a compreensão da aprendizagem do aluno. Há incontáveis vozes e discursos que produzem ruído nos textos acadêmicos. Os revisores estão familiarizados com esses tipos de problemas e tentam emprestar suas soluções, se