Pular para o conteúdo principal

Revisão acadêmica e interferências

Revisão é processo de leitura e interferências

Na revisão, um profissional qualificado questiona um texto alheio quanto ao conteúdo, organização e linguagem. 

Ao revisar e ao reescrever parte do texto, o revisor escolhe, dentre inúmeras possibilidades oferecidas pela língua para transmitir uma informação, aquela que, dentro do contexto, for mais adequada, precisa e clara.

Quando se trata da revisão de um texto científico longo, como a dissertação ou tese, são necessários diversos procedimentos destinados a garantir a homogeneidade de critérios, de construções sintáticas e de grafia dos termos técnicos.
Para alcançar este objetivo, as revisões acadêmicas são feitas em fases, algumas delas incluído aquilo que, nas editoras costuma ser chamado de preparação do texto. Nós preferimos os termos revisão primária, secundária e assim por diante; temos uma rotina de verificações que são feitas longitudinalmente no texto, garantindo a padronização.
O doutor escreve a tese  e o revisor colabora.
Teses e dissertações são textos, todo texto precisa de revisão.
Durante a revisão primária e secundária são feitas as correções no texto que eliminam os problemas mais simples. Na escrita, o autor do texto comete erros de pontuação, ortografia, acentuação, concordância, imprecisão de vocabulário. Há também muitos erros de digitação e erros de edição que surgem das modificações sucessivas a que o autor submete seu trabalho. A revisão primária e secundária tem o objetivo de identificar e corrigir esses erros que são praticamente inevitáveis e para os quais o autor já não tem mais olhos. O revisor estará atento e com o foco necessário para ver tudo.

Correção na dissertação ou na tese

  • As palavras estão grafadas e acentuadas corretamente? Verificamos os termos técnicos não dicionarizados, nomes próprios de origem estrangeira ou grafia peculiar, concordância numérica com termos em língua estrangeira e outros itens que não são do domínio nem de profissionais do ensino de português ou do alcance de revisores ortográficos eletrônicos.
  • O texto está bem pontuado? Para facilitar, evitam-se frases muito longas nas redações comuns, mas no texto acadêmico os parágrafos tendem a ser bem mais longos; a hierarquia de pontuação deve ser estabelecida segundo os cânones da gramática e do uso.
  • Há erros de concordância, regência, topologia pronominal, estilo, tropos? Estes são mais alguns aspectos que serão adequados pelo revisor.
  • Há impropriedade vocabulário? Existem palavras melhores e outras não tão boas, segundo o contexto de cada função e registro linguístico, cumpre ao revisor verificar e prover a melhor escolha de palavras.

Avaliação do texto da dissertação ou tese

A partir da terceira passagem pelo texto, começa a ser feita uma avaliação qualitativa de cada tópico. A avaliação do texto consiste em julgar se os objetivos propostos, a cada parágrafo, tópico, capítulo e no conjunto do trabalho foram atingidos. Essa revisão crítica analisa os seguintes aspectos em toda a hierarquia de construções micro, meso e macrotextuais.
  • Há objetividade textual? – verifica se os argumentos atendem ao objetivo proposto.
  • Há clareza argumentativa? – verifica se os argumentos são expostos da forma clara.
  • Há unidade? – verifica se o argumento central perpassa todo o texto, sem contradição.
  • Há organicidade? – verifica se há argumentos interligando as partes do texto.

As respostas a essas perguntas podem direcionar o revisor para a melhora do texto, possibilitando:

  • Mudar ou reordenar algum segmento que não pareça suficientemente claro.
  • Suprimir, acrescentar ou ampliar alguma palavra ou informação omitida por elipse.
  • Alterar a ordem de orações, parágrafos ou capítulos.

Anúncios de revisão de teses de doutorado

Qualquer interessado em serviço de revisão de textos que pesquisar no Google vai encontrar incontáveis anúncios pagos de serviços de revisão; jamais encontrará anúncio nosso dentre eles. Nossa política é prestar o serviço de revisão e formatação de teses de doutorado e dissertações de mestrado com a melhor qualidade e, paralelamente, oferecer a todos que estão redigindo seus trabalhos acadêmicos algum subsídio, em nossa área de atuação, para que o produto de seus esforços de pesquisa (a tese ou dissertação) tenha melhor qualidade. As revisões e formatações são feitas profissionalmente, segundo os melhores critérios da praça. As demais contribuições que oferecemos são gratuitas e tomam duas formas: artigos de orientação de redação ou dúvidas gramaticais. 
Além dos serviços a nossos clientes e da colaboração que nosso blog oferece em milhares de consultas semanais de pesquisadores, também produzimos e publicamos material teórico sobre revisão de textos, com dois objetivos: apresentar à clientela a profundidade de nosso envolvimento com o ofício que exercemos e contribuir para os que estiverem ingressando no ramo da revisão, alguns dos quais alunos em cursos de pós-graduação em revisão de textos, inclusive alunos nossos.
Todo esse trabalho tem grande aceitação e demanda do público interessado, o que já resultou em mais de meio milhão de visitas ao blog – o que é muito sob qualquer ponto de vista e, ainda mais, se considerarmos o assunto específico do material publicado e sua demanda altamente direcionada.
Posto que nosso blog tem tamanha visitação, refletindo a qualidade da publicação contínua que fazemos, bem como nossa política de presença nas redes sociais – estamos nas maioria delas – resulta que nossa situação no Google e nos outros mecanismos de pesquisa concorrentes é privilegiada. Não só estamos na primeira, segunda e terceira páginas das pesquisas, pelos mais diversos argumentos de busca (revisão de textos, revisão de teses, revisão de dissertação de mestrado, etc.), como estamos, com bastante frequência, mais de uma e as vezes até três vezes citados em cada uma das primeiras páginas.
Então, não fazemos propaganda paga, não por ela não ser eficiente, mas é porque não precisamos dela. Há ótimos revisores anunciando, alguns podem não ser tão bons. Mas, para nós, o que vale é o respaldo da visitação contínua que temos, a solidez de nosso portfólio e a contínua e crescente satisfação de nossos clientes. Ainda assim, continuamos entendemos que, estando respaldados pelos sofisticados mecanismos de seleção de sites do Google – que nos premiam há anos com excelentes posições nas pesquisas – podemos prescindir de pagar pelo que temos de graça: a melhor posição nas buscas.
Agradecemos sempre a todos que vêm aqui e receberemos com alegria os comentários, as eventuais críticas a nosso trabalho, bem como agradecemos por sugestões de publicação e por consultas que podem resultar em artigos esclarecedores.
Para os que têm blogs cognatos, oferecemos a possibilidade de nos linkar (veja lá embaixo, ao pé da página o código de linkagem) com a oferta de reciprocidade tão logo tomemos ciência.

Postagens mais visitadas deste blog

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância? Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações ? Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português? Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem , mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno , da UnB , John Robert Schmitz , da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco , da UFPR .   (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimol

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva

Como escrever títulos atraentes em poucos passos: do artigo à tese

Como aumentar o número de leituras de seu artigo? Você gostaria que sua tese ou dissertação fosse muito lida e citada ao invés de ignorada? Claro, qualquer autor deseja isso! Acontece que, atualmente o número textos acadêmicos que encontramos em qualquer pesquisa é muito grande, enorme. A concorrência entre todos os autores, na busca pelo leitor, não tem tamanho. Claro que o mais importante sempre vai ser a qualidade do trabalho, e clareza das ideias e um texto bem limpo, mas o título tem que ser um ponto de destaque também! E existem técnicas para títulos atrativos , que fujam do enfadonho jargão acadêmico e que transmitam a mesma ideia com uma linguagem mais moderna e atraente; veja um exemplo de título à antiga – que eu jamais adotaria – para esta postagem: Questões de legibilidade, ergonomia visual e empatia em títulos de teses, dissertações e artigos acadêmicos: uma discussão propositiva de aplicação da técnica AIDA. Convenhamos, dá até preguiça de ler até o fim, mas você certame

Método científico ou experimental – a pesquisa e a redação

O método científico é a base da pesquisa. Nos tempos antigos o homem tentou explicar fenômenos naturais, mas tudo se atribuía à ação das divindades, ou à bruxaria e magia. Com Galileo Galilei (1564-1642), foi introduzido o método experimental ( método científico ): ele se baseia em uma primeira observação, seguida de um experimento, desenvolvido de forma controlada, para que nós possamos reproduzir o problema que se deseja investigar. O experimento visa validar ou refutar a hipótese de que o cientista formulou, que visa explicar os mecanismos de funcionamento de determinado evento. Revise seus textos na Keimelion: nossa experiência no ramo é desde o século passado! No primeiro caso (validação da hipótese) prossegue-se com a execução de grande número de experimentos, para que os resultados obtidos sejam confiáveis (análise estatística): os dados coletados são processados e em seguida, formula-se uma teoria: ela é usada, muitas vezes em conjunto com outras teorias para a formulação de um