Pular para o conteúdo principal

Perguntas frequentes sobre revisão de textos

O que é revisão de texto?

Depois do texto foi concluído pelo autor ou autores, é hora de ele ser editorado – e pouquíssimos são os casos em que se pode pular algumas etapas da editoração; pode ser necessário um designer gráfico para criar a composição, um diagramador para compor os textos e os elementos gráficos e um ou mais revisores e preparadores do texto. O trabalho é então exibido na tela do computador ou impresso, depois vem a prova – a prova de que ele está pronto para publicação – e as provas: várias impressões até a aprovação. Também pode ser necessário um revisor de provas (para a prova de impressão).
As interferências que o revisor fará
podem ser sempre negociadas.
Um revisor de textos (preparador ou revisor de provas – conforme o caso) procura consistência linguística e material no uso, apresentação e precisão no texto (palavras e frases), imagens e layout, mas não pode ser responsável pela obra do autor ou pelos papeis do editor de texto ou do orientador, quando se trata de uma dissertação ou tese. Os limites da interferência do revisor são estabelecidos antes de ele fazer o serviço.

O que é editoração do texto?

Muitas instituições: conselhos editoriais, empresas, escolas, instituições científicas, sem equipe com experiência editorial, não sabem especificar o que eles precisam, nem exatamente o que querem. O mesmo ocorre com os autores de trabalhos acadêmicos, que só contam com seu orientador e com normas muito vagas (ou excessivamente detalhadas) sobre o trabalho que devem entregar. Em muitos casos, o texto pode ser um esforço de equipe, ninguém olhou o todo, ou pode ser fortemente autoral – sem muita possibilidade de modificação.
Em geral, os clientes precisam e esperam muito da revisão do texto, mas ainda não percebem o que pode fazer grande diferença: um revisor profissional. Nós vivemos nos pais do “jeitinho”, e muitos autores imaginam que, para revisar, basta “saber português” – então, contam com o a ajuda daquela amiga que “dá aula de redação”... E o desastre se avizinha: quem não é profissional não tem disponibilidade integral para cada serviço com que se compromete, não conhece programas de editoração, não é capaz de implementar mecanismos de interação com o autor, não está afeto a diferentes jargões – nos casos dos textos científicos.
O revisor profissional tem que conhecer as necessidades do cliente (aquele que não sabe exatamente do que precisa!) e negociar um orçamento e cronograma adequados às necessidades do serviço. O revisor profissional tem que conhecer o processo editorial evolvido na finalização do texto, não apenas as questões linguísticas.

Qual o papel dos revisores de textos?

Os revisores têm a responsabilidade e a última chance de ver tudo – palavras, notas de rodapé, imagens, gráficos, tabelas – integrado com o projeto antes de ele ir a público, pode ser um grande livro ou uma tese, um artigo científico ou um website. Depois dos autores, entram os revisores, mas sempre com o canal de comunicação aberto entre os dois personagens ou as duas equipes.
Ser revisor requer cuidado, julgamento, habilidade, conhecimento e experiência na verificação do que o autor trabalha, compreensão dos papeis do editor, orientador, designer e dos outros profissionais envolvidos. Quando se trata de uma tese, o revisor conhece o processo de depósito e das intercorrências desse tipo de situação. O revisor assessora seu cliente na solução dos problemas, tudo com o objetivo de otimizar o resultado, minimizando riscos e atrasos.
Nos casos dos trabalhos acadêmicos, design e composição se fundem na formatação, mas aqui a criação fica limitada por normas e por recursos e prazos específicos e, muitas vezes, o revisor acumula as tarefas todas, visando a simplificação e desoneração para o cliente.

O que os revisores fazem?

  • Verificam os números de página e as estruturas de tópicos (pré-texto, capítulos, subtextos, pós textos...) cabeçalhos, rodapés.
  • Verificam a tabela de conteúdo, o conteúdo das tabelas, checam a correspondência entre as imagens e o texto, e delas com apêndices, índices, sumário.
  • Asseguram estilos consistentes – de grafias e hifenização, particularmente – seguindo um guia de estilo, se fornecido, ou compilando seus próprios. A consistência passa pela uniformidade de critérios.
  • Cuidam das omissões e inconsistências gráficas entre layout e conteúdo.
  • Julgam a necessidade de mudanças, tendo em conta o orçamento e cronograma. Mudar apenas uma palavra pode ter repercussões drásticas. Não mudam nada sem uma justificativa clara para a intervenção.
  • Identificam as mudanças necessárias fazendo intervenções com controle das alterações (em papel ou tela), usando códigos de revisão (quando o trabalho for feito em papel), marcas ou outro método de acordo com o programa de editoração (na tela).
  • Verificam ou inserem referências cruzadas, sempre que possível.
  • Eliminam uma palavra deselegante ou confusa, verificam quebras de páginas e colunas eliminando linhas viúvas e órfãs – primeiras ou últimas linhas de um parágrafo isoladas no topo ou no fundo de uma página, respectivamente.
  • Certificam que as ilustrações, legendas e etiquetas correspondem uns com os outros e com o texto.
  • Verificam que o conteúdo esteja logicamente organizado.
  • Mantêm contato com o autor(es) para resolver dúvidas, fazer consultas ou aconselhar o cliente.
  • Agrupam as alterações do(s) autor(es) com os outros envolvidos (editor, orientador, formatador...), incluindo as próprias, racionalizam ou compatibilizam as instruções conflitantes.

O que revisores de textos não fazem?

  • Redação. Mudanças de sentido ou de posicionamento. Se forem necessárias alterações, o revisor primeiro vai discutir a situação com o cliente.
  • Design e layout da página. Esta também é uma habilidade de especialista. No máximo, o revisor pode fazer a formatação de um trabalho acadêmico.
  • Buscar licenças de uso permissões. Procurar referências e fontes. Permissões para usar imagens ou citações de direitos autorais devem ser obtidas antes de editoração.

Muitos revisores profissionais têm as habilidades para executar esses serviços, mas eles exigem negociação separada e briefing.

Quais as características profissionais do revisor?

Muitas pessoas pensam que os revisores só verificam ortografia, gramática e pontuação. Estes são elementos muito básicos do trabalho, o conhecimento de linguística aplicada é extremamente necessário, assim como a velocidade da leitura e refinada percepção dos desvios da norma padrão.
É preciso bom conhecimento geral, amplo vocabulário e a habilidade de expressar ideias de forma concisa. O revisor precisa ser disciplinado e confiável. O revisor tem que ter tempo para fazer seu trabalho no rumo da perfeição. O revisor não precisa gostar do que o autor quer dizer, ou do seu estilo, sempre faz o seu melhor para ele.
Por Keimelion revisão de textos; traduzido e adaptado de SFEP.

Postagens mais visitadas deste blog

Como escrever o resumo de sua tese ou dissertação

Melhore o resumo de sua tese ou dissertação.O resumo é parte necessária da apresentação final de uma tese, dissertação ou mesmo de um artigo.A versão final do resumo terá de ser escrita depois que você terminar de ler a sua tese para enviar ao revisor do texto.Um resumo prévio, escrito nas diferentes fases do seu trabalho vai ajudar você a ter uma versão curta de sua tese a cabeça. Isso vai conduzir seu pensamento sobre o que é que você está realmente sendo feito, vai ajudá-lo a ver a relevância do que você está trabalhando no momento dentro do quadro maior, e ajudar a manter os vínculos que acabarão por conferir unidade à tese (dissertação, TCC, artigo). O que é um resumo?O resumo é um componente importante da tese. Apresentado no início da tese, é provável que seja a primeira descrição substantiva do trabalho a ser lida por um examinador ou qualquer outro leitor externo. Você deve vê-lo como oportunidade de definir as expectativas precisas do leitor a que seu texto atenderá. O resumo …

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na KeimelionOs estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos, apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências. Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a quase totalidade dos autores brasileiros não faz uso de nenhum desses programas e nem sequer sabe que…

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância?Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações?Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português?Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem, mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno, da UnB, John Robert Schmitz, da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco, da UFPR.  (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimologia e da ignorância…

Quinze dicas para a hora de defender a tese

Defesa de tese ou dissertação: hora H!Depois de ter concluído a tese, é essencial que o aluno se prepare para a apresentação oral do trabalho.  Um excelente texto não garante que a exposição na etapa final seja boa e, se o aluno não apresentar a tese de forma satisfatória, os examinadores podem subestimá-la ou até mesmo duvidar da preparação científica do candidato.Geralmente a apresentação oral da tese é geralmente é feita por meio de slides em Powerpoint ® (ou software similar) contendo texto, figuras, tabelas, desenhos e fotografias. Bons slides não são tudo. O aluno deve estar preparado e conhecer ponta a ponta o conteúdo, coordenando bem a apresentação conforme explica os slides e se comportando de forma adequada durante essa etapa do trabalho. Abaixo apresentamos algumas dicas, tanto referentes à formatação e estilo da apresentação de slides, como à discussão da tese – aplicáveis a muitos contextos, como um concurso, entrevista de emprego ou uma apresentação de negócios. É necessá…

A tese: material e métodos, resultados e conclusão, estilo e referências

Tese e dissertação são textos logos do gênero acadêmicoAs partes das teses e dissertações pode constituir subgêneros específicosA escrita da tese segue parâmetros distintos nas seções específicas do texto, guardando unidade de estilo e coerência entre todos os segmentos do trabalho. Assim, a introdução pode ter, por exemplo, uma passagem mais pessoal, que relate a ligação do autor com a temática, e partes que analisem discursos de sujeitos entrevistados podem requerer transcrições literais - segmentos repletos de oralidade, o que não é admitido em outros trechos no gênero acadêmico. Já os resumos, são outro tópico, e merecem uma postagem só para eles. Material e métodos: descrever equipamentos e procedimentos Nesta seção o autor deve explicar claramente como o experimento foi realizado, e como foi realizada a análise estatística dos dados, podendo também utilizar as sugestões indicadas para escrever a introdução e buscando garantir que: Os leitores possam compreender e avaliar o experim…