Pular para o conteúdo principal

Mitos para protelar a redação

Procrastinar é um vício do qual se deve fugir.

Protelar a redação de um texto é caminho seguro para que ele tenha menos qualidade. Não caia nas armadilhas abaixo na hora da tese.

Protelar: alongar, delongar, demorar, diferir, dilatar, espaçar, estirar, pospor, postergar, procrastinar, prolongar, prorrogar, protrair, remeter, remorar, retardar. Escolha seu verbo predileto; qualquer um desses serve como desculpa, como empecilho, como obstáculo.

Os revisores de textos costumam receber as teses e dissertações na última hora, quase sempre devido à protelação constante dos autores na redação. Isso quase sempre resulta em prejuízo qualitativo para o trabalho.
Reserve tempo para a revisão ao concluir a tese.
O rigor com os cronogramas sempre produz melhores resultados no texto da dissertação.

Para quebrar o hábito de protelação, precisamos deixar para trás a ideia de que, para escrevermos, devemos ter todas as informações pertencentes ao tema, e que devemos ter condições ótimas para escrever. Na realidade, muitos escritores profissionais nem sempre têm todas as informações que gostariam e as condições para escrever nunca são as ideais. Pense na tarefa ou dissertação que você está deixando de lado. De um lado de uma folha de papel, escreva todas as razões para o adiamento. No outro lado, argumente (convincentemente!) contra o adiamento.
Abaixo seguem alguns exemplos de como fazer isso.

  • Mito n°. 1: “Eu não consigo trabalhar em um ambiente bagunçado. Eu não poderia escrever esta dissertação enquanto não tiver limpado meu quarto”.

Contra-argumento: Não existem condições que sejam necessárias para se escrever, exceto duas: 1) Você deve possuir um aparato de escrita (seja o teclado de um computador ou uma caneta); e 2) você deve ter algo para escrever nele (seja o editor de texto do computador ou folhas de papel). Se, quando estiver com uma dissertação para escrever, você começar a reunir pré-requisitos para começar a escrever, você pode, em verdade, estar inventando desculpas – ou em outras palavras, protelando!
  • Mito n°. 2: “Eu sei que tenho de começar a escrever, mas eu ainda não pesquisei o suficiente. Vou passar só mais uma noite na biblioteca e, então, vou começar a escrever”.
Contra-argumento: Verdade seja dita, você NUNCA reunirá toda a informação que puder para sua dissertação. É melhor você escrever um argumento precisamente esculpido com a informação que você tem AGORA, do que ficar pesquisando e correr o risco de ter de apresentar um trabalho feito de última hora.

  • Mito n°. 3: “Eu trabalho melhor sob pressão”.

Contra-argumento: Há muitas maneiras de criar pressão sobre você, além de tentar escrever a dissertação na véspera do prazo de entrega. Você pode determinar um limite de tempo, por exemplo, “Eu vou escrever este parágrafo em meia hora”, ou você pode fingir que a dissertação é uma prova dissertativa com tempo limitado. Se você fizer isso uma ou duas semanas antes do prazo, você terá uma brochura com muito tempo para ser revisada e editada.

  • Mito n°. 4: “Para que eu possa escrever minha dissertação, preciso de seis horas ininterruptas de trabalho”.

Contra-argumento: Você pode e deve trabalhar na sua dissertação em blocos de uma hora (ou até menos). Isto o ajudará a fracionar a tarefa em pedaços menores, tornando-a deste modo mais controlável. Se você souber que você pode trabalhar em uma parte da dissertação por uma hora, então não parecerá tão intimidante, e será menos provável que você vá protelá-lo. Algumas pessoas, por outro lado, acham que precisam de blocos de trabalho maiores para conseguirem realmente produzir algo. Portanto, como todas as estratégias delineadas aqui, se isto não parecer funcionar para você, jogue isso fora e tente outra coisa. Ainda assim, perceba que você será mais produtivo se você planejar que vai escrever “esta manhã inteira” do que se planejar que vai escrever “o dia inteiro”.

  • Mito n°. 5: “O que eu for escrever tem de ser perfeito” ou “Eu não posso começar a escrever sem ter uma tese/afirmação/argumento/introdução perfeita”.

Contra-argumento: Uma redação inicial (ou mesmo a dissertação final) não tem de ser perfeita. Quando escrevemos uma primeira versão do texto, precisamos desligar nosso crítico interno e colocar algumas palavras no papel. O bom de começar cedo uma tarefa de dissertação é que isso nos deixa com muito tempo para revisão, edição, e busca por erros. Isto nos deixa com liberdade para permitir que nossa escrita flua, sem preocupações no nível das sentenças, como estilística, gramática e pontuação.

A arte de escrever é a arte de aplicar o fundilho das calças na cadeira.


Postagens mais visitadas deste blog

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva

Como escrever títulos atraentes em poucos passos: do artigo à tese

Como aumentar o número de leituras de seu artigo? Você gostaria que sua tese ou dissertação fosse muito lida e citada ao invés de ignorada? Claro, qualquer autor deseja isso! Acontece que, atualmente o número textos acadêmicos que encontramos em qualquer pesquisa é muito grande, enorme. A concorrência entre todos os autores, na busca pelo leitor, não tem tamanho. Claro que o mais importante sempre vai ser a qualidade do trabalho, e clareza das ideias e um texto bem limpo, mas o título tem que ser um ponto de destaque também! E existem técnicas para títulos atrativos , que fujam do enfadonho jargão acadêmico e que transmitam a mesma ideia com uma linguagem mais moderna e atraente; veja um exemplo de título à antiga – que eu jamais adotaria – para esta postagem: Questões de legibilidade, ergonomia visual e empatia em títulos de teses, dissertações e artigos acadêmicos: uma discussão propositiva de aplicação da técnica AIDA. Convenhamos, dá até preguiça de ler até o fim, mas você certame

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância? Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações ? Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português? Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem , mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno , da UnB , John Robert Schmitz , da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco , da UFPR .   (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimol

Texto como construção complexa

Quanto mais longo o texto, mais complexo ele é; por isso, as teses e dissertações requerem a contribuição do revisor de textos no aperfeiçoamento de sua forma e legibilidade. Do ponto de vista cognitivo, escrever é atividade humana de grande complexidade, mais que jogar xadrez. Revisar o texto também é atividade composta por uma série de procedimentos terrivelmente complexos, bem mais que dar palpite na partida de xadrez dos outros! Pesquisadores de diferentes áreas – principalmente psicolinguística – estão interessados nos subprocessos da textualização (produção escrita com textualidade). Antes de mostrar o que propicia a textualização e a possibilidade de contribuição do revisor na construção de textos longos (as teses e dissertações estão dentre os textos mais complexos), vamos apresentar os níveis de organização do texto, depois expor a teoria de recursos, teoria para entender certas dificuldades com a escrita, inclusive as presentes em estudantes de pós-graduação. O papel