Pular para o conteúdo principal

Mitos para protelar a redação

Procrastinar é um vício do qual se deve fugir.

Protelar a redação de um texto é caminho seguro para que ele tenha menos qualidade. Não caia nas armadilhas abaixo na hora da tese.

Protelar: alongar, delongar, demorar, diferir, dilatar, espaçar, estirar, pospor, postergar, procrastinar, prolongar, prorrogar, protrair, remeter, remorar, retardar. Escolha seu verbo predileto; qualquer um desses serve como desculpa, como empecilho, como obstáculo.

Os revisores de textos costumam receber as teses e dissertações na última hora, quase sempre devido à protelação constante dos autores na redação. Isso quase sempre resulta em prejuízo qualitativo para o trabalho.
Reserve tempo para a revisão ao concluir a tese.
O rigor com os cronogramas sempre produz melhores resultados no texto da dissertação.

Para quebrar o hábito de protelação, precisamos deixar para trás a ideia de que, para escrevermos, devemos ter todas as informações pertencentes ao tema, e que devemos ter condições ótimas para escrever. Na realidade, muitos escritores profissionais nem sempre têm todas as informações que gostariam e as condições para escrever nunca são as ideais. Pense na tarefa ou dissertação que você está deixando de lado. De um lado de uma folha de papel, escreva todas as razões para o adiamento. No outro lado, argumente (convincentemente!) contra o adiamento.
Abaixo seguem alguns exemplos de como fazer isso.

  • Mito n°. 1: “Eu não consigo trabalhar em um ambiente bagunçado. Eu não poderia escrever esta dissertação enquanto não tiver limpado meu quarto”.

Contra-argumento: Não existem condições que sejam necessárias para se escrever, exceto duas: 1) Você deve possuir um aparato de escrita (seja o teclado de um computador ou uma caneta); e 2) você deve ter algo para escrever nele (seja o editor de texto do computador ou folhas de papel). Se, quando estiver com uma dissertação para escrever, você começar a reunir pré-requisitos para começar a escrever, você pode, em verdade, estar inventando desculpas – ou em outras palavras, protelando!
  • Mito n°. 2: “Eu sei que tenho de começar a escrever, mas eu ainda não pesquisei o suficiente. Vou passar só mais uma noite na biblioteca e, então, vou começar a escrever”.
Contra-argumento: Verdade seja dita, você NUNCA reunirá toda a informação que puder para sua dissertação. É melhor você escrever um argumento precisamente esculpido com a informação que você tem AGORA, do que ficar pesquisando e correr o risco de ter de apresentar um trabalho feito de última hora.

  • Mito n°. 3: “Eu trabalho melhor sob pressão”.

Contra-argumento: Há muitas maneiras de criar pressão sobre você, além de tentar escrever a dissertação na véspera do prazo de entrega. Você pode determinar um limite de tempo, por exemplo, “Eu vou escrever este parágrafo em meia hora”, ou você pode fingir que a dissertação é uma prova dissertativa com tempo limitado. Se você fizer isso uma ou duas semanas antes do prazo, você terá uma brochura com muito tempo para ser revisada e editada.

  • Mito n°. 4: “Para que eu possa escrever minha dissertação, preciso de seis horas ininterruptas de trabalho”.

Contra-argumento: Você pode e deve trabalhar na sua dissertação em blocos de uma hora (ou até menos). Isto o ajudará a fracionar a tarefa em pedaços menores, tornando-a deste modo mais controlável. Se você souber que você pode trabalhar em uma parte da dissertação por uma hora, então não parecerá tão intimidante, e será menos provável que você vá protelá-lo. Algumas pessoas, por outro lado, acham que precisam de blocos de trabalho maiores para conseguirem realmente produzir algo. Portanto, como todas as estratégias delineadas aqui, se isto não parecer funcionar para você, jogue isso fora e tente outra coisa. Ainda assim, perceba que você será mais produtivo se você planejar que vai escrever “esta manhã inteira” do que se planejar que vai escrever “o dia inteiro”.

  • Mito n°. 5: “O que eu for escrever tem de ser perfeito” ou “Eu não posso começar a escrever sem ter uma tese/afirmação/argumento/introdução perfeita”.

Contra-argumento: Uma redação inicial (ou mesmo a dissertação final) não tem de ser perfeita. Quando escrevemos uma primeira versão do texto, precisamos desligar nosso crítico interno e colocar algumas palavras no papel. O bom de começar cedo uma tarefa de dissertação é que isso nos deixa com muito tempo para revisão, edição, e busca por erros. Isto nos deixa com liberdade para permitir que nossa escrita flua, sem preocupações no nível das sentenças, como estilística, gramática e pontuação.

A arte de escrever é a arte de aplicar o fundilho das calças na cadeira.


Postagens mais visitadas deste blog

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva

O gênero de discurso acadêmico-científico

O cientista deve conhecer o discurso acadêmico O gênero acadêmico-científico tem características próprias, baseadas na semântica linguística finalística, e se constrói na descrição de um sentido linguístico de objetivos restritos. Todas as esferas da atividade humana estão sempre relacionadas à língua. O uso da língua se dá em forma de enunciados (orais e escritos), concretos e únicos, emanados integrantes da atividade humana. O enunciado mostra as condições específicas e as finalidades de cada uma dessas esferas: conteúdo temático, estilo verbal e construção composicional. Esses três elementos convergem para o todo do enunciado e todos eles são marcados pela especificidade de uma esfera de comunicação . Vê-se, então, que qualquer enunciado considerado isoladamente, é individual, mas cada esfera de utilização da língua elabora seus tipos relativamente estáveis de enunciados, que são os gêneros do discurso. Cada esfera dessa atividade se diferencia e se amplia à medida que a própria e

Método científico ou experimental – a pesquisa e a redação

O método científico é a base da pesquisa. Nos tempos antigos o homem tentou explicar fenômenos naturais, mas tudo se atribuía à ação das divindades, ou à bruxaria e magia. Com Galileo Galilei (1564-1642), foi introduzido o método experimental ( método científico ): ele se baseia em uma primeira observação, seguida de um experimento, desenvolvido de forma controlada, para que nós possamos reproduzir o problema que se deseja investigar. O experimento visa validar ou refutar a hipótese de que o cientista formulou, que visa explicar os mecanismos de funcionamento de determinado evento. Revise seus textos na Keimelion: nossa experiência no ramo é desde o século passado! No primeiro caso (validação da hipótese) prossegue-se com a execução de grande número de experimentos, para que os resultados obtidos sejam confiáveis (análise estatística): os dados coletados são processados e em seguida, formula-se uma teoria: ela é usada, muitas vezes em conjunto com outras teorias para a formulação de um

Pré-texto do trabalho acadêmico: da capa ao sumário

Capa, dedicatória, sumário: não perca tempo. Você certamente tem muito mais coisas importantes a fazer que ficar se preocupando com os detalhes formais das partes introdutórias da tese ou dissertação. Deixe tudo isso para o formatador, ele fará mais rápido e melhor. Sempre nos impressionam a dificuldade e os questionamentos que os estudantes encontram no que se refere às capas de seus trabalhos acadêmicos . Não se trata de uma questão de fundo, de questão complicada ou questionamento estético - mas de mero cumprimento a um procedimento lógico e absolutamente corriqueiro, entretanto, dentre as centenas de postagens deste blog, é o tópico que mais aporta visitantes a nosso texto. Aqui eu vou tecer comentários quanto a visitação e quanto ao significado que ele pode ter. Teremos enorme satisfação em cuidar de todos os detalhas da formatação de sua tese. Capa e elementos pré-textuais são a parte mais simples da tese. Faça toda a formatação da tese ou dissertação na Keimelion e não se pre