Pular para o conteúdo principal

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion

Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações.
Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos, apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências. Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico. 
As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência.
Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a quase totalidade dos autores brasileiros não faz uso de nenhum desses programas e nem sequer sabe que o próprio editor de textos mais comum faz o serviço sem grande complicação! 

Harvard referencing style (formatação e referências)

Mais do que um estilo bibliográfico, Harvard referencing é uma forma de fazer citações nos textos e de fazê-las mencionar nas referências. Tem sua origem em 1881 na da Universidade de Harvard. Suas principais características são o uso de citações com o formato de humanidades: (autor, data) ou autor (data), consoante os casos. A lista de referências é feita no final do documento, colocando os autores por ordem alfabética e onde um autor tem obras diferentes, suas referências estão em ordem cronológica. Esta forma de fazer nomeações foi aplicada aos estilos bibliográficos posteriores como MLA e APA. 

Estilo Chicago (CMS) (CMOS) (referências e formatação)

Um dos mais antigos e mais conhecidos estilos bibliográfico. CMS é um conjunto de regras de estilo de edição, recomendações de pontuação, de organização do texto, rodapés, notas, compromissos. O manual foi publicado pela primeira vez em 1903, com a intenção de unificar os critérios de citações dos pesquisadores. Usado principalmente nas disciplinas de história, ciências sociais, arte, literatura e musicologia. 
A edição da norma de Chicago mais recente é 16ª. Esta edição tem recomendações para edições eletrônicas, incluindo ebooks. O CMS tem dois sub-estilos: 
Chicago humanidades: sistema comumente usado em obras de história, musicologia, arte, etc. para as nomeações para o pé da página ou no fim e bibliografias. 
Chicago autor e data: sistema mais usado em ciências sociais e ciências naturais, que normalmente é usado para citações diretas ou indiretas no texto. 

Estilo Turabian para formatação e citações

Criado por Kate Turabian em 1937, muito semelhante à Chicago, embora mais simples; destinado a estudantes e alunos de doutorado. É usado principalmente em disciplinas de ciências humanas. Turabian inclui referências de pé de página, nas citações, listagem ao final de capítulo ou nas referências finais. As formas de citações também são especificadas. 

Estilo de MLA para textos científicos

É o estilo da Modern Language Association, usada para as humanidades. Estilo de MLA tem regras para fazer citações, mas também do estilo para escrever: fonte, tamanho, qualidade do papel, formatação de parágrafos, links, pontuação, especialmente para os textos de línguas modernas, crítica literária, textos culturais. É mais abrangente do que os estilos de citação de Chicago e que Turabian. MLA dá prioridade a citações entre parênteses e, desse modo, estabelece as normas para as notas de pé de página e aspas. A lista referências é obrigatória, como em geral. 

Estilo Vancouver (URM) referências e formatação 

Criado em 1978, é o estilo estabelecido pelo International Committee of Medical Journal Editors (ICMJE). Ele também é conhecido por requisitos uniformes para manuscritos submetidos a revistas biomédicas ou simplesmente por Uniform Requirements ou URM. É um padrão ANSI, e como tal é utilizado pelas principais revistas de medicina, bem como a National Library of Medicine (NLM) desde 1979 e Pubmed. O objetivo é científico e ético. URM visa estabelecer de forma clara, simples e relevante para a distribuição de estudos e relatórios de biomédicos. O estilo Vancouver (URM) estabelece normas e recomendações para a publicação de artigos científicos, citações, edições, revisões e abreviados títulos de revistas, que devem ser o Index Medicus. 
Cada referência usada tem um número e as nomeações devem ser numeradas, o número é obrigatório no contexto da citação. Os títulos dos periódicos devem ser impressos em sua forma abreviada, seguindo as abreviações de banco de dados PubMed Journal. 

Estilo APA para referências em artigos e teses

É o estilo oficial de citações da American Psychological Association e define o formato para todos os tipos de documentos e compromissos em psicologia e ciências sociais. Criado em 1929, desde que a estrutura dos documentos, comprimento, pontuação, abreviaturas, fotos, partes do manuscrito e citações bibliográficas. 

Outros estilos de normatização de referências

  1. Estilo AMA. É o estilo da American Medical Association. No entanto, a American Medical Association recomenda-se usar URM ou Vancouver. 
  2. Estilo de ACS. É o estilo de citação exigido pela American Chemical Society. Inclui, entre outros, citações de patentes com precisão tanto para formatos curto e longo. 
  3. Estilo do IEEE. O estilo do IEEE é usado principalmente em publicações técnicas da ciência da computação e engenharia. Uma característica que a distingue de outros estilos é o uso dos colchetes em vez de sobrescritos, para renumerar as citações no texto e a lista de referências. Além disso, esta lista de referências ou trabalhos citados será não alfabética mas na ordem numérica de aparecimento. 
  4. Estilo de CSE-CBE. O estilo CBE foi originalmente criado pelo Council of Biology Editors, que atualmente é chamado Council of Science Editors, assim, agora o estilo é conhecido como estilo CSE. É um estilo que é usado principalmente em biologia, mas também em biomedicina, bioquímica e disciplinas relacionadas. 
  5. Estilo MHRA. Criado em 1971 por R. S. Maney e R. L. Smallwood, para publicações acadêmicas, especialmente nas ciências humanas e especificamente para teses nestas matérias. A Modern Humanities Resarch Association revisa e atualiza esse estilo. 
Por Keimelion revisão de textos.
Traduzido e adaptado de Infobiblio
Ah, e o estilo da ABNT? Bem, esse estilo é uma jabuticaba: só é empregado no Brasil, parece ter sido derivado do estilo Chicago, piorado e complicado; nunca tem interpretação uniforme e cada instituição tem um manual que o apresenta de uma forma distinta.

Postagens mais visitadas deste blog

Como escrever títulos atraentes em poucos passos: do artigo à tese

Como aumentar o número de leituras de seu artigo? Você gostaria que sua tese ou dissertação fosse muito lida e citada ao invés de ignorada? Claro, qualquer autor deseja isso! Acontece que, atualmente o número textos acadêmicos que encontramos em qualquer pesquisa é muito grande, enorme. A concorrência entre todos os autores, na busca pelo leitor, não tem tamanho. Claro que o mais importante sempre vai ser a qualidade do trabalho, e clareza das ideias e um texto bem limpo, mas o título tem que ser um ponto de destaque também! E existem técnicas para títulos atrativos , que fujam do enfadonho jargão acadêmico e que transmitam a mesma ideia com uma linguagem mais moderna e atraente; veja um exemplo de título à antiga – que eu jamais adotaria – para esta postagem: Questões de legibilidade, ergonomia visual e empatia em títulos de teses, dissertações e artigos acadêmicos: uma discussão propositiva de aplicação da técnica AIDA. Convenhamos, dá até preguiça de ler até o fim, mas você certame

Texto como construção complexa

Quanto mais longo o texto, mais complexo ele é; por isso, as teses e dissertações requerem a contribuição do revisor de textos no aperfeiçoamento de sua forma e legibilidade. Do ponto de vista cognitivo, escrever é atividade humana de grande complexidade, mais que jogar xadrez. Revisar o texto também é atividade composta por uma série de procedimentos terrivelmente complexos, bem mais que dar palpite na partida de xadrez dos outros! Pesquisadores de diferentes áreas – principalmente psicolinguística – estão interessados nos subprocessos da textualização (produção escrita com textualidade). Antes de mostrar o que propicia a textualização e a possibilidade de contribuição do revisor na construção de textos longos (as teses e dissertações estão dentre os textos mais complexos), vamos apresentar os níveis de organização do texto, depois expor a teoria de recursos, teoria para entender certas dificuldades com a escrita, inclusive as presentes em estudantes de pós-graduação. O papel

Como escrever uma tese em dez passos

Dica mais básica: evitar procrastinação .  Por que escrever uma tese ou dissertação costuma ser tão frustrante? Aprender a escrever um texto longo não tem que envolver tanta tentativa e erro. Aprender a escrever uma tese pode ser um processo irritante, enlouquecedor, frustrante, mas não tem que ser um processo assim tão insidioso. Não creio que nenhuma dica possa tornar a tese divertida; mas, pelo menos, pode-se tentar fazer que a redação não seja uma camisa de força... Abaixo estão breves dez passos para escrever a dissertação ou tese. Essa lista de sugestões de como escrever a tese pode ser vista em sequência, como se passando por dez etapas sucessivas no processo de redação, ou pode ser explorada por tópico individual. Planejamento e continuidade são duas chaves para escrever textos longos. 1- Pesquise muito antes de começar a escrever Inicie o processo de redação, pesquisando o tema, tornando-se um especialista. Utilize a internet, as bases de dados acadêmicas e a bibliot

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva