Pular para o conteúdo principal

Revisão textual e ideologia na tese ou dissertação

A ideologia é hegemônica: estabelece e sustenta relações de dominação mesmo nos textos como as teses ou dissertações. A revisão de textos é parte do processo ideológico e não se furta a atuar nele.

A discussão sobre ideologia aqui apresentada, no contexto das revisões, dá-se à luz da Análise de Discurso Crítica (ADC), na qual o conceito de ideologia é, inerentemente, negativo, e não neutro. Esse posicionamento não exclui, contudo, a preocupação com ideologias visuais investigadas no âmbito da Teoria da Semiótica Social da Multimodalidade (TSSM). Assim, as preocupações ideológicas, de alçada do revisor, permearão todas as análises.
Dissertação deve ser formatada sempre por profissional experiente.
A revisão de textos não é isenta
de ideologia, assim como quase
nenhuma forma de representação.
A representação do discurso não é mera questão gramatical, mas processo ideológico, o que sugere que analisar e revisar textos significa considerar as vozes que são representadas direta e indiretamente, passiva ou ativamente, nominal ou impessoalmente e, claro, quais as consequências dessas escolhas na intenção do autor e em seus reflexos perante o interlocutor. A ideologia tem existência material, constitui sujeitos e é focada na análise de discurso ideologicamente orientada pelos aparelhos ideológicos do Estado. Ela funciona pela constituição e pelo posicionamento das pessoas como sujeitos sociais. O mais importante é que essa constituição e esse posicionamento se dão no interior de várias organizações e instituições sociais, como educação, família ou direito, que funcionam como dimensões do Aparelho Ideológico do Estado (AIE), as chamadas Centering Institutions (IC): atores sociais autoritários que estratificam valores no sistema de indexicalidade.
Esses AIE determinam as indexicalidades pelas quais os indivíduos devem se orientar para serem considerados “sociais”, as IC produzem o significado de se pertencer a um grupo. Tais instituições centralizadoras articulam hierarquia, valores centrais de um grupo social, como deus; como pai, mãe, filho, estudante ideais; o conceito de nação, de lei, do intelectual. Elas envolvem percepções e processos reais de homogeneização e de uniformização, estabelecendo diferenças e normas.
O posicionamento é de que as ideologias são representações de aspectos do mundo, representações que podem contribuir para a criação, para a manutenção ou para a mudança nas relações sociais de dominação, de poder e de exploração. Dizer que as ideologias são representações que podem ser desveladas para contribuir para as relações sociais de poder e de dominação é sugerir que a análise textual precisa ser enquadrada, a este respeito, na análise social, a qual considera o corpus de textos em termos de seus efeitos sobre as relações de poder.
O ponto importante dessa relação entre ideologia e textos é que estes, como elementos de eventos sociais, têm efeitos causais: mudam pessoas (crenças, atitudes, valores), mudam relações sociais e mudam o mundo material. Por isso, faz pouco sentido estudar a linguagem, especialmente em tempos de novo capitalismo, se não se pensar que os textos, mediados por produção de sentido, têm efeitos em mudanças sociais. Afastando-se de simples causalidades mecânicas e de simples regularidades dos textos e admitindo que muitos outros fatores no contexto determinam quais textos particulares têm tais efeitos e que variedade de efeitos um texto pode ter, ocorre que alguns dos efeitos causais dos textos, que têm constituído preocupação central para a Análise de Discurso Crítica (ADC), são os efeitos ideológicos – os efeitos dos textos em inculcar e em sustentar ou mesmo em mudar ideologias.
Mas “todo texto é ideológico?” não, uma vez que as ideologias são caracterizadas nas sociedades por relações de dominação. À medida em que os seres humanos são capazes de transcender tais sociedades, são capazes de transcender tais ideologias. Assim, apenas se pode chegar a um julgamento sobre se uma afirmação é ideológica olhando para os efeitos causais que ela e demais reivindicações relacionadas têm em determinadas áreas da vida social e perguntando se elas e seus decretos e inculcações contribuem para sustentar ou para alterar as relações de poder. Isso justifica a importância da análise linguística e socialmente orientada. Admite-se que a ideologia seja propriedade tanto das estruturas, quanto dos eventos, daí a necessidade de uma abordagem satisfatória da dialética entre estrutura e ação: os sujeitos têm liberdade, mas relativa. Por isso, mesmo em se concluindo que determinada afirmação é ideológica, isso não torna essa afirmação necessariamente ou simplesmente falsa.
Há ainda dois aspectos importantes: a ideologia não está no texto, mas nas várias interpretações que se tem desse texto e nem todos os tipos de discurso são investidos ideologicamente no mesmo grau: a publicidade, por exemplo, é investida ideologicamente com mais vigor do que as ciências físicas, por exemplo. É muito difícil ser preciso sobre os processos envolvidos na construção de significado pela razão óbvia de que tal construção se dá na cabeça das pessoas e não há meios diretos de acessá-los. Ademais, os textos escritos podem figurar em muitos processos diferentes de criação de significado e contribuir para diversos significados, porque são abertos a diversas interpretações, afinal, o significado depende não apenas do que está explícito no texto, mas também do que está implícito, do que é assumido ou presumido. O que é dito em um texto sempre repousa, também, sobre o não dito, sobre suposições. Por isso, investigar assunções é parte da análise de textos.
A importância da atenção aos aspectos ideológicos do texto, em seu sentido mais amplo, por parte de revisor, está justificada. Para melhor expor essa relação entre Revisão Textual e ideologia, ela se dá de dois modos: a ideologia nos discursos sobre o revisor, de um lado, e a ideologia nos textos sob o escrutínio do revisor, de outro. No primeiro caso, a concepção de assujeitamento, pode ser observada no sistema de atividade de revisão de texto tradicional, pode-se dizer que o revisor é interpelado pela ideologia das editoras ou dos autores e seus orientadores, não lhe restando liberdade para tomar decisões linguísticas, discursivas, ideológicas.
É por meio desses mecanismos de como o revisor deve agir ou não agir que a ideologia, funcionando nos rituais materiais da vida cotidiana, interpela o profissional, restando-lhe o papel formal, gramaticista, normalizador e fiscal da língua; em outras palavras, o revisor é visto como um mero conferente.
A ideologia dos discursos, especialmente das editoras e dos manuais para revisor, reduzem esse profissional a vigiador da norma culta. Essa noção de sujeito assujeitado, sem condição para agir, não se coaduna com os propósitos da ADC. Portanto, em um movimento de resistência, o revisor pode mudar a própria condição pelo próprio discurso, pelas próprias ações e reivindicações e pelo trabalho que realiza, mostrando-se mais que um gramaticista.
Isso nos leva ao segundo enfoque da ideologia na Revisão Textual: o revisor crítico, atento ao discurso dos textos que tem diante de si: o produto de uma ordem econômica particular que poderia ser mudada.
O conceito de ideologia – representações do mundo que podem contribuir para a criação, para a manutenção ou para a mudança nas relações sociais de dominação, de poder e de exploração – influencia as minhas decisões de revisão de qualquer texto. O analista do discurso (ou o revisor de textos) deve estar ciente de que há diferentes efeitos de sentido entre “o deputado (ainda) pensa/acredita/sustenta que esses empregados são vagabundos” e “esses empregados são uns vagabundos”, mostrando que a abordagem de ideologia mais as ferramentas da ADC fornecem “ferramentas para se analisar, linguisticamente, construções discursivas revestidas de ideologia”. O pressuposto é que os sujeitos, embora posicionados ideologicamente, podem agir criativamente, reestruturando práticas e estruturas posicionadoras. Além disso, ao considerar os efeitos causais dos textos, interfere-se neles.
Fragmentos adaptados de Macedo.

Postagens mais visitadas deste blog

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância? Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações ? Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português? Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem , mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno , da UnB , John Robert Schmitz , da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco , da UFPR .   (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimol

Como escrever títulos atraentes em poucos passos: do artigo à tese

Como aumentar o número de leituras de seu artigo? Você gostaria que sua tese ou dissertação fosse muito lida e citada ao invés de ignorada? Claro, qualquer autor deseja isso! Acontece que, atualmente o número textos acadêmicos que encontramos em qualquer pesquisa é muito grande, enorme. A concorrência entre todos os autores, na busca pelo leitor, não tem tamanho. Claro que o mais importante sempre vai ser a qualidade do trabalho, e clareza das ideias e um texto bem limpo, mas o título tem que ser um ponto de destaque também! E existem técnicas para títulos atrativos , que fujam do enfadonho jargão acadêmico e que transmitam a mesma ideia com uma linguagem mais moderna e atraente; veja um exemplo de título à antiga – que eu jamais adotaria – para esta postagem: Questões de legibilidade, ergonomia visual e empatia em títulos de teses, dissertações e artigos acadêmicos: uma discussão propositiva de aplicação da técnica AIDA. Convenhamos, dá até preguiça de ler até o fim, mas você certame

Tecer e revisar o texto

Existe uma razão etimológica para não esquecermos que produzir um texto é o mesmo que tecer, entrelaçar unidades e partes com a finalidade de formar um todo. Revisar o texto é verificar a trama, a tessitura e cada ponto do texto, não deixar ponto sem nó, nem malha solta. O texto tem que ser uma malha perfeita para que não se percam as informações. Texto é palavra originada do latim textum , que significa “tecido, entrelaçamento”. Por isso, falamos em textura e tessitura de um texto: a rede de relações que garantem sua coesão . Quando vamos revisar um texto, observamos quatro elementos centrais: a repetição, a progressão, a coerência e a relação. Todas essas partes compõem o texto, elas surgem uma após a outra, relacionando-se com o que já foi dito ou com o que se vai dizer. Repetição : ao longo do texto ocorrem repetições, retomadas de elementos. Essa retomada é normalmente feita por pronomes ou por palavras e expressões equivalentes ou sinônimas. Também podemos repetir a mesma palav