Pular para o conteúdo principal

Revisão de texto acadêmico: coerência e coesão

Teses e dissertações requerem perfeita coerência.

A coesão entre os parágrafos do texto acadêmico deve ser harmônica e moderna. Sem gongorismos e preciosismos arcaicos.

A coesão textual em uma tese trata da conexão harmoniosa entre as partes do texto, do parágrafo, da frase. A coerência textual, por sua vez, é a relação lógica entre as ideias, em uma dissertação, por exemplo, fazendo com que se conectem e se completem, sem contradições e produzindo significância global.

Revisão de texto visando coerência

A coerência não apenas um dos critérios de textualidade entre os demais e muito menos centrado no texto. Coerência é o resultado da confluência de todos os demais fatores, aliados a mecanismos e processos de ordem cognitiva, como o conhecimento enciclopédico, o conhecimento compartilhado, o conhecimento procedural. A coerência resulta da construção de sentidos pelos sujeitos a partir do texto (e não somente no texto), para a qual estariam contribuindo, além dos outros critérios, os seguintes elementos: fatores de contextualização, consistência e relevância, focalização e conhecimento compartilhado. 
Revisar tese ou dissertação exige esforço acurado de aferir coerência e coesão.
A revisão de teses e dissertações é função para revisores que conheçam linguística e tenham experiência no ofício.
A intenção, quando se enuncia, é que o texto seja compreendido por qualquer leitor. Para isso é necessário ser claro e preciso, o quanto possível. No entanto, visto que a linguagem é intrinsecamente ideológica, opaca, subjetiva, não é neutra ou imparcial, essa é uma tarefa difícil.
O texto coerente é um conjunto harmônico, em que todas as partes se encaixam de maneira complementar de modo que não haja nada destoante, nada ilógico, nada contraditório, nada desconexo. No texto coerente, não há nenhuma parte que não se solidarize com as demais.
Desta maneira, temos que uma sequência de textos ou de frases, para ser coerente, deve ter consistência e interligação semântica entre os conceitos e ideias expostas. Cada parte deve estar vinculada a outra parte semântica e discursivamente, de modo a convergirem todas para uma mesma conclusão. É por meio disso que o leitor compreenderá o texto: ligando ideias, fatos, lugares e conhecimentos preexistentes.
Existem várias fontes da coerência de um texto, dentre elas a adequação do texto a sua macroestrutura, que pode ser de texto argumentativo ou texto narrativo. No caso da macroestrutura do texto argumentativo as partes mais importantes são: tema e problema. As outras partes da macroestrutura do texto argumentativo compreendem a hipótese, a tese e a argumentação. Na verdade, essas são as possíveis respostas para a solução de dado problema, que, bem fundamentadas, propiciam ao texto um grau de coerência bastante grande. Isso se dá no texto argumentativo, quando a macroestrutura do texto narrativo parece bastante simples e dificilmente não é coesa. Trata-se de um relato em ordem cronológica, pois o que se aprende se habitua a fazer desde criança. Alguns exemplos desse tipo de texto no mundo adulto são: redação de ata, de um relatório ou uma experiência científica. Mesmo pessoas pouco escolarizadas, de um modo ou de outro, acabam conseguindo fazer coerentemente um relato de algo ou uma ata de reunião.
A coerência também depende do momento e da situação do texto. Por isso, mesmo que um determinado texto, para ser coerente para alguns ouvintes, pode não ser para outros.
Há casos também em que, numa determinada situação, para um mesmo leitor, o texto inicialmente não é entendido como coerente, mas se torna coerente depois, com acréscimos de novas informações e dados feitos pelo revisor. No caso da taquigrafia, por exemplo, que registra pequenos trechos, muitas vezes parece não fazer sentido o que se está dizendo. Quem tem a visão geral do texto é o revisor, cabendo a ele dar-lhe a desejada coerência, se isso não tiver sido feito pelo autor. É ele que deve buscar compreender o dito, considerando suas características discursivas – que são ideológicas e situacionais, para, só depois, fazer a revisão de modo adequado em relação às pretensões do autor. Também pode ocorrer a falta de coerência, quando o autor é muito prolixo e não conclui as ideias lançadas inicialmente. Essa é outra situação em que deve atuar com cautela o revisor. Se o autor é prolixo, até que ponto o revisor deve interferir? Ele, simplesmente, deve reduzir o texto do parlamentar em nome da pretensa objetividade ou deve deixar que texto preserve a originalidade? Essas são perguntas que um revisor deve se fazer em tais circunstâncias.

Revisão de tese visando coesão

A coesão textual é o elemento que determina que a interpretação de algum elemento no discurso está na dependência de outro. Considera-se a coesão parte da língua, estabelece a necessária relação semântica entre um elemento do texto e outro, ela é determinante para a interpretação. Nesse sentido, o revisor de texto desempenha papel importante em relação aos mecanismos de coesão.

Citam-se como principais fatores de coesão cinco mecanismos:

  • referência - pode ser pessoal (feita por meio de pronomes pessoais e possessivos), demonstrativa (realizada por meio de pronomes demonstrativos e advérbios indicativos de lugar) e comparativa (efetuada por via indireta , por meio de identidade e similaridades);
  • substituição - consiste na substituição de um item em lugar de outro elemento no texto (nominal, verbal ou frasal);
  • elipse – consiste na omissão de item lexical (nominal, verbal ou frasal);
  • conjunção – estabelece relações significativas específicas (aditiva, adversativa, causal, temporal, continuativa);
  • coesão lexical – é obtida por meio de dois mecanismos: a reiteração (sinônimos, hiperônimos e nomes genéricos) e a colocação (uso de nomes termos pertencentes a um mesmo campo significativo).
O revisor do texto, em suas seguidas leituras, tem que ter a sensibilidade de observar  os recursos coesivos necessários, para dar continuidade e sentido ao texto, mas com o devido cuidado para não modificar a marca pessoal do autor. A coesão de um texto necessita da presença de conectivos ou elementos de conexão, e seu uso deve ser cuidadoso, já que os operadores argumentativos, de modo geral, servem para emitir juízos de valor. Esses termos fazem o encadeamento semântico entre as sentenças, bem como ligam sintaticamente as sentenças umas às outras, mas são também marcas linguísticas da ideologia.
  • Os principais articuladores da coordenação adversativa são: mas, porém, contudo, todavia, entretanto, no entanto.
  • Os principais articuladores da subordinação são: articulação sintática de causa (porque, pois, como, por isso que, já que, vista de, devido a.) de condição (partícula “se”), de fim (a fim de, com o propósito de, para.) e de conclusão (logo, portanto, então, assim, por isso).
O revisor não pode mudar – em nome da clareza, unidade, continuidade e consistência – o que foi efetivamente enunciado: todo texto tem um autor – ou mais de um – e é a esse autor, a sua visão de mundo, a sua ideologia, que devem remeter as marcas linguísticas do texto, e não ao revisor, à visão de mundo do revisor e à ideologia dele. O uso inadequado dos elementos de coesão, sem critério, acarreta sérios prejuízos de entendimento e clareza do texto. Por outro lado, se modificados indistintamente pelo revisor, provocam prejuízos de ordem discursiva, como ideológicos do revisor.

Postagens mais visitadas deste blog

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva

Como escrever títulos atraentes em poucos passos: do artigo à tese

Como aumentar o número de leituras de seu artigo? Você gostaria que sua tese ou dissertação fosse muito lida e citada ao invés de ignorada? Claro, qualquer autor deseja isso! Acontece que, atualmente o número textos acadêmicos que encontramos em qualquer pesquisa é muito grande, enorme. A concorrência entre todos os autores, na busca pelo leitor, não tem tamanho. Claro que o mais importante sempre vai ser a qualidade do trabalho, e clareza das ideias e um texto bem limpo, mas o título tem que ser um ponto de destaque também! E existem técnicas para títulos atrativos , que fujam do enfadonho jargão acadêmico e que transmitam a mesma ideia com uma linguagem mais moderna e atraente; veja um exemplo de título à antiga – que eu jamais adotaria – para esta postagem: Questões de legibilidade, ergonomia visual e empatia em títulos de teses, dissertações e artigos acadêmicos: uma discussão propositiva de aplicação da técnica AIDA. Convenhamos, dá até preguiça de ler até o fim, mas você certame

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância? Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações ? Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português? Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem , mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno , da UnB , John Robert Schmitz , da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco , da UFPR .   (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimol

Texto como construção complexa

Quanto mais longo o texto, mais complexo ele é; por isso, as teses e dissertações requerem a contribuição do revisor de textos no aperfeiçoamento de sua forma e legibilidade. Do ponto de vista cognitivo, escrever é atividade humana de grande complexidade, mais que jogar xadrez. Revisar o texto também é atividade composta por uma série de procedimentos terrivelmente complexos, bem mais que dar palpite na partida de xadrez dos outros! Pesquisadores de diferentes áreas – principalmente psicolinguística – estão interessados nos subprocessos da textualização (produção escrita com textualidade). Antes de mostrar o que propicia a textualização e a possibilidade de contribuição do revisor na construção de textos longos (as teses e dissertações estão dentre os textos mais complexos), vamos apresentar os níveis de organização do texto, depois expor a teoria de recursos, teoria para entender certas dificuldades com a escrita, inclusive as presentes em estudantes de pós-graduação. O papel