Pular para o conteúdo principal

Formatação de trabalhos acadêmicos

Formatar é aplicar regras com técnica e estética.

Em que consiste a formatação de uma tese ou dissertação? A formatação segue as normas da ABNT? Por que preciso de um profissional para fazer a formatação?

Nosso trabalho é focado em revisão de textos acadêmicos, teses e dissertações prioritariamente, também artigos e monografias. Todos esses textos requerem, além de acurada revisão, um trabalho de formatação que implica em conhecimento e interpretação de regras que não são sempre muito claras (ABNT, Chicago, Vancouver, APA, etc.) e normas de apresentação das instituições (universidades) ou veículos (livros ou revistas) a que se destinam. A formatação também requer conhecimento, bem mais aprofundado que o do usuário habitual, de programas de editoração – como o Word ou o Open Office, os mais comuns. Nós também fazemos a formatação de trabalhos, com total profissionalismo.
Formatação de tese ou dissertação é serviço para profissional.
Revisão e formatação profissionais boa têm custo elevado. Sai caro é tentar fazer e não dar certo.
Share on Tumblr

Conceitos de formatação

Formatação de texto é a etapa da preparação que inclui a organização visual, realce e estrutura segundo um formato determinado e as variáveis que se aplicarem.
Há dois procedimentos de formatação, um é a formatação lógica, outro a formatação física. No sentido geral da formatação dos trabalhos acadêmicos, a formatação lógica implica determinar qual segmento do texto corresponda a cada elemento do trabalho (o que é um título de capa, título de capítulo – ou de nível 1, 2, 3... – o que é uma legenda, uma tabela ou uma entrada de índice, para mencionar poucos dos inúmeros formatos a serem determinados em cada trabalho). A formatação física corresponde à necessidade de se determinar como deve ser apresentado cada elemento; por exemplo:
Os efeitos de apresentação na tela e na página impressa são os mesmos: o motivo da distinção entre eles se deve à ideia básica de independência entre especificação (lógica) e apresentação (física).
A formatação do segmento acima (na página de texto do Word) correspondente a uma citação longa, apresentando as seguintes características (naquele editor ou impressa): Fonte: 11 pt, Cor da fonte: Preto, Recuo: À esquerda:  1.18",  Primeira linha:  0.49". Justificado. Espaçamento entre linhas:  Múltiplos 1.25 lin.. Espaço Depois de: 12 pt. Não adicionar espaço entre parágrafos do mesmo estilo. Estilo: Vinculado. Estilo Rápido. Prioridade: 100. Com base em: Normal. Seguinte estilo: Normal.
Na formatação lógica, quando formatamos um trecho de texto como cabeçalho de nível 1, não explicitamos se esse tipo de cabeçalho deve ser em alguma fonte determinada, em um tamanho determinado, justificado à esquerda ou à direita, ou centralizado. Esses detalhes de apresentação são deixados para o a formatação física – o que corresponde à apresentação do documento segundo a norma solicitada – e pode ser reconfigurado de acordo com cada necessidade, por exemplo, para ser submetido a uma banca ou a uma publicação.
Desse modo, além de facilitar enormemente o trabalho do autor para os usos seguintes do texto, a formatação adequada garante a uniformidade de apresentação de cabeçalhos, parágrafos, listas. Na formatação se escolhe o tipo de letra, tamanho, estilo, cor, espaçamento, posição vertical do texto e adição de efeitos, tais como sublinhado. Pode também controlar o espaçamento e avanço, adicionar marcas e números, bem como definir o alinhamento. Pode-se aplicar formatação às palavras, ao parágrafo ou ao texto inteiro. Pode-se aplicar as propriedades de tipo de letra, tais como tipo de letra, tamanho, cor, realce e efeitos ao texto selecionado e as propriedades do parágrafo tais como alinhamento, marcas, numeração, sombreado e limites a quaisquer parcelas do texto.
A formatação lógica segue o significado lógico do texto marcado: um parágrafo, uma citação, um título. Sua apresentação final não sofre grandes variações. A formatação física especifica com exatidão o estilo que se quer para o texto: itálico, grifado, tamanho da fonte, margens. Sua apresentação final varia conforme o uso que será dado ao texto naquele momento, podendo oferecer resultados mais ricos.
O que interessa ao autor de um texto, principalmente um texto longo, com ilustrações, gráficos, várias seções, uma tese ou dissertação, por exemplo, é a aparência que ele terá ao ser apresentado. Claro, aqui estamos considerando as questões relativas à formatação, então assumimos que o texto está excelente quanto ao conteúdo e que foi revisado por profissional. De um modo geral, isso pode se aplicar a um artigo curto, duas páginas, mas quando é um texto longo, pesado, com várias seções ou imagens, realmente é necessária a intervenção de um profissional que trabalhe com todo aquele conteúdo com conhecimento de causa. Vejamos o que faz o profissional, que o autor normalmente não tem nem ideia do que seria necessário – ou, quando tem, não de tudo que é possível.
O autor da tese faz sempre o melhor possível. O revisor tenta melhorar.
O Word é a ferramente mais acessível para a formatação, mas poucos sabem usar.
A maior parte da formatação o Word faz, mas é preciso conhecer a maior parte do que ele sabe fazer. Isso requer muito tempo.

Diferenciais da formatação profissional

Primeiramente, o autor precisa ter a noção de que aquele texto, continuemos com o exemplo da tese (que vale para um relatório, um projeto, um memorial ou qualquer outro documento de dezenas ou centenas de páginas), todo o trabalho precisará ser preparado para sua finalidade primária, no caso da tese o depósito e a defesa. Depois, outros usos e necessidades surgirão: impressão em diferentes formatos, extração de artigos, transformação em livro, adaptação de algum capítulo para finalidade distinta. Em todos esses casos, se o texto estiver corretamente formatado, aplicados os campos lógicos a cada segmento, essa interferência sobre o texto será facilitada em muito.
Em seguida, considere-se a necessidade de haver hiperlinques no texto: o sumário, as listas de figuras, quadros e tabelas, bem como os índices onomásticos, toponímicos, e de autoridades (estes últimos raríssimamente são inseridos nos trabalhos porque os autores nem sabem da possibilidade de que eles existam) só podem ser feitos se os campos lógicos estiverem todos definidos. A tarefa de manter um índice atualizado, com os números de páginas corretos, sem que eles estejam hiperlincados beira o impossível – sem falar na facilidade de navegação pelo texto quando o leitor estiver acessando por qualquer outra mídia que não a impressa. A hiperlincagem alcança ainda as referências cruzadas internas do trabalho, por exemplo: “vide Capítulo X, à página y”, ou “segundo a Figura Tal, à pág. W. A referência (X, Tal), assim como o número da página, uma vez lincados, serão atualizados automaticamente, e tudo estará bem ordenado mesmo que se insira ou se retire um capítulo inteiro pelo meio do trabalho ou se inverta a ordem de um grande segmento do texto.
Ainda mais, quando se trata de imagens, muitas vezes o autor as usa “pesadas demais” (arquivos enormes!), ou sem resolução suficiente. Tornando o arquivo final do trabalho gigantesco e pouco prático, ou resultando em impressão de má qualidade. Outras vezes as imagens não estão bem situadas quanto ao texto. Há ainda a questão das legendas – que devem ser formatadas logica e fisicamente, hiperlincadas, e situadas adequadamente, além de serem agrupadas à respectiva imagem para não fugir dela.
É bastante coisa, muito disso não é tão fácil de ser aprendido, à última hora, quando os prazos de entreva do trabalho estiverem se esvaindo. Melhor recorrer a um profissional que tenha prática.
Muita coisa diferente é chamada de formatação, como já vimos. Vamos tratar um pouco sobre o que a ABNT chama de formatação e como ela trata desse assunto. Primeiro, as complexas e mutantes normas da ABNT são muito imperfeitas, omissas, e interpretadas de muitas formas diferentes; então, bem mais que ser um ponto de uniformidade como se pretendem, elas são meramente um complicador para quem está fazendo trabalho acadêmico.

Formatação segundo a ABNT

Por isso mesmo, a maioria das universidades cria um próprio manual interpretando ou adaptando as normas da ABNT, ou mesmo muitos cursos, departamentos e institutos têm as próprias regras. Ainda assim, as regras particulares estão sujeitas à interpretação do orientador de cada trabalho, então, na prática, a regra de formatação que vale é a regra do orientador! Por mais que o orientador jure que adota a regra da ABNT, importante é entender o que ele quer, o que ele lê (ou leu há muitos anos) naquela regra e como ele deseja que seja o trabalho. A única maneira de saber isso é fazendo a formatação, segundo o autor (ou o formatador profissional) interpreta as tais regras, e dando ao orientador para que ele determine o que deve ser, segundo ele pensa. Portanto, recomenda-se aos autores que se preocupem mais com o conteúdo de seus trabalhos que com as regras, pois o cumprimento delas se torna, quase sempre, se torna um jogo de adivinhação entre o que diz uma norma ruim e como a interpreta o juiz do caso: o orientador e a banca.
Outra questão a ser colocada é a existência de muitas normas da ABNT. Não existe uma norma que trate de tudo, nem uma norma que perdure no tempo. Aquela instituição edita normas para cada item, normas conflitantes entre si, e normas que mudam (e os orientadores não se atualizam sempre!). Então, há sempre problemas.

Vejam algumas das tais normas:

  • Apresentação de artigos em publicações científicas. NBR 6022:2002.
  • Informação e Documentação – Citações em documentos – Apresentação. NBR 10520:2002 – Para organizar as citações dentro da monografia.
  • Informação e Documentação – Referências – Elaboração. NBR 6023:2002 – Para organizar a informação das referências bibliográficas.
  • Informação e Documentação – Trabalhos acadêmicos – Apresentação. NBR 14724:2005 – Sobre a estrutura de monografias e TCCs.
  • Normas para datar. NBR 5892:1989.
  • Numeração progressiva das seções de um documento. NBR 6024:2002 – Sobre a numeração de tópicos da monografia.
  • Resumos. NBR 6028:2003 – Como fazer resumos.
  • Sumários. NBR 6027:2002 – Formatação dos sumários.
E com certeza há outras além dessas, formando um emaranhado de contradições. Ao fim e ao cabo, os orientadores se preocuparão com a composição final (aspecto visual do trabalho) com a coerência dos critérios e com a adesão aos costumes daquele curso ou instituição.
Qualquer texto em processo de formatação passa por diversas fases. Aqui estarei apresentando as fases normais do processo de formatação tendo como base o trabalho acadêmico que é nosso foco de trabalho. A formatação de uma tese, uma dissertação ou de qualquer trabalho longo seguem a mesma rotina, sempre compreendendo a formatação lógica e a formatação física.

Fases da formatação de um trabalho acadêmico

Revisão e formatação de dissertação de mestrado se fazem na Keimelion.
A formatação de uma tese ou dissertação passa
necessariamente por várias fases. Só deve
fazer quem sabe. A Keimelion sabe.
As formatações lógica e física não são as fases a que nos referimos; existem a formatação primaria, secundária, terciária, etc. que vão ajustando e corrigindo as imperfeições e diferentes aspectos do texto. Mesmo o texto, ao ser revisado, passa pelo menos pela formatação primária. As outras fases são específicas do trabalho de formatação em si.

Basicamente, a formatação primária compreende eliminação de:

  • Macros e comandos fantasma no arquivo original.
  • Duplos parágrafos.
  • Múltiplos espaços entre as palavras.
  • Espaços antes ou depois de marcas de parágrafo.
  • Espaços antes de sinais de pontuação [. , ; : ! ? “].
  • Espaços depois e antes de sinais de parênteses ( Exemplo ).
  • Hífen [ - ] entre as palavras.
  • Três pontos ao invés de reticências […].
  • A formatação secundária não se limita a isso, mas compreende adequar:
  • Configuração de página e margens, cabeçalhos e rodapés.
  • Fontes, parágrafos, títulos, listas.
  • Palavras destacadas EM CAIXA-ALTA, negrito, grifados.
  • Nome de AUTOR em caixa-alta.
  • Expressões estrangeiras no texto, em itálico.
  • Notas de rodapé.
  • Citações longas.
  • A formatação terciária não se limita a isso, mas inclui:
  • Adequação de figuras, foros, imagens, gráficos e tabelas.
  • Legendas, sumários, índices, listas de siglas.
  • Anexos, apêndices, capa e elementos pré-textuais.
Há ainda outras fases e outros elementos em cada fase desta, mas aí começam os casos específicos e a atenção ao gosto e necessidade do cliente em relação àquele trabalho.

Postagens mais visitadas deste blog

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância? Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações ? Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português? Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem , mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno , da UnB , John Robert Schmitz , da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco , da UFPR .   (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimol

A escrita acadêmica como requisito principal para a boa formação

O texto acadêmico é um gênero muito específico. O suporte para formação acadêmica é, boa parte, o texto. São textos em que as informações são assimiladas e textos produzidos para demonstrar o conhecimento apreendido ou produzido. Quando se fala em produção científica , os primeiros critérios que vêm à cabeça são a quantidade e a qualidade de artigos produzidos. O conceito de qualidade, no entanto, geralmente leva em consideração apenas o fator de impacto dos trabalhos, a quantidade de vezes que são citados por outros cientistas. Mas outro tipo de qualidade vem sendo buscada pelos pesquisadores, inclusive para conquistar o fator de impacto: a qualidade textual, que depende do bom preparo e bagagem do aluno universitário, que permite a ele produzir trabalhos universitários com excelência, qualidade pode ser obtida mais facilmente ao se apoiar em uma minuciosa revisão do texto feita por um revisor profissional . A produção de textos é processo contínuo de realimentação e do qual a revis

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva

Como escrever títulos atraentes em poucos passos: do artigo à tese

Como aumentar o número de leituras de seu artigo? Você gostaria que sua tese ou dissertação fosse muito lida e citada ao invés de ignorada? Claro, qualquer autor deseja isso! Acontece que, atualmente o número textos acadêmicos que encontramos em qualquer pesquisa é muito grande, enorme. A concorrência entre todos os autores, na busca pelo leitor, não tem tamanho. Claro que o mais importante sempre vai ser a qualidade do trabalho, e clareza das ideias e um texto bem limpo, mas o título tem que ser um ponto de destaque também! E existem técnicas para títulos atrativos , que fujam do enfadonho jargão acadêmico e que transmitam a mesma ideia com uma linguagem mais moderna e atraente; veja um exemplo de título à antiga – que eu jamais adotaria – para esta postagem: Questões de legibilidade, ergonomia visual e empatia em títulos de teses, dissertações e artigos acadêmicos: uma discussão propositiva de aplicação da técnica AIDA. Convenhamos, dá até preguiça de ler até o fim, mas você certame