Pular para o conteúdo principal

Como se deve começar um texto acadêmico?

Do branco para a banca!

Como começar um texto acadêmico? Como romper os bloqueios, o "branco" e outras barreiras psicológicas da redação?

Cada gênero textual tem suas regras próprias que visam a otimizar a comunicação, mas também não se pode negar que haja um aspecto ritual ou simplesmente tradicional na preservação de certos rigores em alguns gêneros textuais, dentre os quais os textos acadêmicos, como as teses e dissertações. Textos científicos (ou acadêmicos, de modo geral) têm suas regras, impostas pelo seu objetivo principal: comunicar pesquisas, seus resultados, apresentando-os à comunidade científica.
A revisão de textos atende especificamente a cada gênero textual.
O medo da folha em branco foi substituído pelo terror da tela do computador.

Essas regras, impostas pelo gênero, comumente dão causa a bloqueios de redação, principalmente para aqueles que estão se iniciando na vida acadêmica, mas algumas vezes, mesmo para quem já tem alguns anos de prática neste tipo de redação.
Muitas vezes, a superação do bloqueio, o afastamento daquele "branco" ou a quebra das barreiras imaginárias pode podem ser feitos por esquemas como o que apresentamos a seguir.
Esse pequeno conjunto de dicas apresenta facilita aos iniciantes a escrita de texto científicos:
Mesmo com sentido, cumpre lembrar que escrever textos acadêmicos dado é uma longa aprendizagem com muitas tentativas e erros e que vai além dessas poucas regras.

Usar a forma impessoal.

Este procedimento está cada vez menos rígido, depende da área do conhecimento a que o texto se destina; isso continua mais exigido nas chamadas ciências “duras”. Um texto científico quer ser independente da opinião autoral e baseado em dados. Para isso, se adota uma construção que tenta ocultar o autor. A forma usual para isso em português é a forma impessoal, construções passivas, com abandono generalizado do antiquado plural majestático. Por exemplo não escrever “coletamos dados sobre ...” ou “vamos propor ...” mas escrever “foram coletados dados sobre ...” ou “será proposto ...”
Economizar adjetivos e superlativos.
O texto científico pretende apresentar fatos e dados objetivos. Ele não tenta (ou não deveria tentar) “vender” uma solução. Por isso adjetivos devem ser usados com restrições e os superlativos evitados. Por exemplo evitar expressões como “o maior problema”, “solução perfeita”, “a ferramenta ideal”, “um ótimo desempenho”. São expressões para panfletos publicitários. Por serem encontrados na vida cotidiana, nos acostumamos a eles. Todavia, em texto científico, cada palavra deve usada literalmente e não se pode dizer que alguma coisa é perfeita ou a maior, sem que ela seja, efetivamente, perfeita ou a maior de todas. Prefira expressões mais realistas como “um dos maiores problemas”, “uma boa solução”, “uma ferramenta adequada”, “um bom desempenho”.

Apresentar com clareza o problema em pauta.

Qualquer pesquisa visa solucionar problemas. Sem identificação clara do problema, não há como julgar da qualidade da solução. O problema apresentado deve ser geral, porque ninguém se interessa para o problema pessoal de Fulano ou Beltrano. Deve-se generalizar o problema para que o leitor possa identificar uma contribuição de interesse para ele. Por exemplo: escrever um parágrafo curto começando com “O problema abordado nesse trabalho é ...”

Honestidade intelectual.

Não esconder fatos adversos ou dados à tese ou problemas ocorridos na pesquisa ou experimentos. Pesquisa é um trabalho árduo que progride lentamente. Uma pequena contribuição apresentada honestamente é melhor que uma solução maravilhosa mas forjada. Avança-se a partir de uma pequena contribuição boa. Não se trata de solução, mas de apresentar sua contribuição. Os contrapontos encontrados devem ser apresentado honestamente para que o leitor avalie a qualidade da proposta.

Reconhecer e apontar a contribuição apresentada.

A contribuição pode ser pequena, mas se o autor não a apresentar clara e objetivamente, pode não ser entendida pelo leitor. Há contribuições de várias formas, mesmo que seja pela eliminação de uma hipótese. Por exemplo: Coleta de dados sobre a situação de um evento no Brasil ou no DF ou em Brasília (qual é o custo médio, qual é a importância da ocorrência, sua frequência, gravidade, variações.
Embasamento das afirmações.
Para ser crível, o texto científico deve se embasar em “provas” reconhecidas. São aceitos dois tipos de “provas”: 
  • (i) referência em artigo científico publicado em congresso ou revista com comitê de avaliação; 
  • (ii) dados concretos obtidos diretamente e apresentados no texto com a maior clareza e objetividade possível, inclusive com a metodologia de coleta das informações.
Share on Tumblr

Postagens mais visitadas deste blog

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva

Como escrever títulos atraentes em poucos passos: do artigo à tese

Como aumentar o número de leituras de seu artigo? Você gostaria que sua tese ou dissertação fosse muito lida e citada ao invés de ignorada? Claro, qualquer autor deseja isso! Acontece que, atualmente o número textos acadêmicos que encontramos em qualquer pesquisa é muito grande, enorme. A concorrência entre todos os autores, na busca pelo leitor, não tem tamanho. Claro que o mais importante sempre vai ser a qualidade do trabalho, e clareza das ideias e um texto bem limpo, mas o título tem que ser um ponto de destaque também! E existem técnicas para títulos atrativos , que fujam do enfadonho jargão acadêmico e que transmitam a mesma ideia com uma linguagem mais moderna e atraente; veja um exemplo de título à antiga – que eu jamais adotaria – para esta postagem: Questões de legibilidade, ergonomia visual e empatia em títulos de teses, dissertações e artigos acadêmicos: uma discussão propositiva de aplicação da técnica AIDA. Convenhamos, dá até preguiça de ler até o fim, mas você certame

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância? Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações ? Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português? Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem , mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno , da UnB , John Robert Schmitz , da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco , da UFPR .   (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimol

Texto como construção complexa

Quanto mais longo o texto, mais complexo ele é; por isso, as teses e dissertações requerem a contribuição do revisor de textos no aperfeiçoamento de sua forma e legibilidade. Do ponto de vista cognitivo, escrever é atividade humana de grande complexidade, mais que jogar xadrez. Revisar o texto também é atividade composta por uma série de procedimentos terrivelmente complexos, bem mais que dar palpite na partida de xadrez dos outros! Pesquisadores de diferentes áreas – principalmente psicolinguística – estão interessados nos subprocessos da textualização (produção escrita com textualidade). Antes de mostrar o que propicia a textualização e a possibilidade de contribuição do revisor na construção de textos longos (as teses e dissertações estão dentre os textos mais complexos), vamos apresentar os níveis de organização do texto, depois expor a teoria de recursos, teoria para entender certas dificuldades com a escrita, inclusive as presentes em estudantes de pós-graduação. O papel