Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2014

Conceito de revisor de textos

Aqui um texto famoso entre os revisores que nos define bem como somos, apresentando algumas de nossas características pessoais e decorrentes dos hábitos ligados ao ofício da revisão. “O revisor se define não por seus conhecimentos, mas por seu perfil psíquico. A revisão é mais que uma profissão: é uma neurose. Esta neurose se caracteriza como uma espécie de sacrifício consentido (desejado) pelo revisor ; é um tributo à saúde (qualidade) da edição. O revisor se oferece, sempre, em sacrifício à Deusa do Idioma [Francês], portanto, todos aqueles que se dedicam a esse ofício nunca serão normais. (…)

Para o revisor, o importante não é o que ele sabe, mas o que ele está consciente de não saber ou, pelo menos, não saber totalmente, e que por isso exige permanente verificação. (…) O revisor não lê como todos os demais homens lêem, ele fotografa a palavra visualmente (…) O exercício da profissão do revisor pode ser descrito, perfeitamente, como uma “leitura angustiada”. O seu trabalho é, just…

Recomendações dos orientadores

Os orientadores de mestrado ou doutorado são praticamente unânimes em determinadas orientações. Os revisores de textos repetem essas orientações, seguem-nas e verificam sua aplicação nos textos que lhes são submetidos.Recomenda-se o uso da terceira pessoa do singular e da voz passiva na linguagem científica, que deve ser o mais despersonalizada possível. O relatório final é redigido no passado, admitindo-se o uso presente quando for apropriado. No projeto de pesquisa, tese ou dissertação, emprega-se o tempo futuro, pois o texto refere-se a intenções e não a fatos já consumados, como é o caso do relatório final. Evitem-se expressões taxativas. Por exemplo, não diga que "o resultado do teste da hipótese provou", prefira: "dado o caráter probabilístico inerente à estatística de inferência, pode-se afirmar que o resultado do teste da hipótese apresentou evidências de que…"Recomenda-se, também, cuidado no uso de sinônimos. Embora louvável, pois a variedade de termos evi…

Estratégias para promover a revisão da tese

Um levantamento dos estudos realizados mostra que existem várias propostas para ajudar o autor durante a revisão de sua tese. Entre essas propostas, destacam-se o uso de instrumentos adequados e os projetos colaborativos. O feedback do revisor é, de todos os instrumentos, o que causa menor impacto na produção textual do autor. Estudos realizados têm demonstrado que as correções e comentários do na tese apenas surtem efeito quando há um retorno do texto do autor para o revisor após o feedback. Não havendo esse retorno, as correções são geralmente ignoradas e os autores, via de regra, vão repetir os mesmos erros nos textos seguintes. A produção textual neste caso parece que é vista pelo autor como um processo em que ele escreve, o revisor “corrige” o texto, devolve para o autor ou editor e isso encerra o ciclo.
O uso de instrumentos adequados, inclusive os recursos eletrônicos de editoração e correção, bem com listas de verificação de erros comuns (checklist) são recursos eficazes do…

Modelo de revisão da Keimelion

Como vocês enviam a revisão - o texto já vem modificado ou vocês enviam o original com as correções escritas em caixas de diálogo?Durante o processo de revisão, mantemos o controle de alterações, permitindo a identificação visual e a reversão de qualquer interferência efetuada, bem como apresenta o revisor que fez aquela interferência e a hora que ela foi feita. Em textos mais longos, enviamos ao autor - diariamente, ao fim do expediente - um "estado da arte", apresentando o andamento do trabalho e permitindo ao autor considerar sobre os critérios de interferência em curso e, eventualmente, discutir a interpretação dada pelo autor a algum segmento em que tenha havido ambiguidade ou incorreta interpretação pelo revisor. Ao fim do trabalho, enviamos o texto em formato Word, limpo das marcas de revisão e pronto para o uso, acompanhado de um arquivo Adobe (PDF) apresentando as marcas de revisão. Caso o o autor solicite, recebe também o texto em Word com a marcas de revisão. 

Veja …

A função do revisor de textos acadêmicos

Qual é a função do revisor de textos numa tese, por exemplo? Quando já existe um orientador, ele vê todos os erros, normalmente. Vamos explicar um pouco sobre a função do revisor de textos que trabalha focado em teses, dissertações e artigos. Os autores desses trabalhos, normalmente, já têm alguma experiência em textos longos ou mesmo larga vivência de escritor. Nem aquele que escreve a dissertação de mestrado, geralmente o primeiro trabalho de fôlego da pessoa, nem o mais experimentado doutor podem prescindir da colaboração do revisor.
Uma tese ou dissertação é, quase sempre, resultado de trabalho em equipe. Algumas vezes a pesquisa é em grupo, existe a interferência maior ou menos de um orientador, colegas que opinam em partes do texto, e – sempre – a influência de diversos autores que foram lidos e contribuíram nas ideias e informações necessárias para a construção do conhecimento. Os textos mais logos, teses e livros de pesquisadores seniores, algumas vezes são produzidos a parti…

Concepções de revisão de texto

Toda revisão de texto é igual? Com que conceitos teóricos trabalha o revisor de textos? Será que eu me identifico com a concepção de revisão de textos do revisor que vou contratar? Existem concepções diferentes de revisão de texto, sendo possível agrupá-las em três grandes conjuntos: (i) a revisão entendida como uma alteração efetiva, porque visível, no texto; (ii) a revisão como componente do processo de escrita cujo objetivo é o de tentar melhorar o texto já escrito; e (iii) a revisão como componente de controle da produção escrita. Revisão de texto implica diagnosticar as problemáticas do texto, propor melhorias e selecionar uma tática de resolução do problema. No entanto, estes subprocessos da revisão podem resultar na alteração do texto escrito. No que concerne aos motivos que conduzem o autor a procurar um revisor, inclui-se assegurar a correção da expressão linguística e a adequação do que já foi escrito e do que se projeta escrever em continuação aos requisitos estabelecidos …

Coerência textual e linearidade

O revisor estará atento à coerência e à linearidade do texto, de modo a evitar saltos ou lacunas na estrutura da dissertação ou da tese. Atualmente, a linguística textual coloca como centro de suas preocupações estudos sobre gêneros textuais ou discursivos e fenômenos de ordem sociocognitivas como referenciação, inferenciação. Estudar aspectos relativos à coerência textual é de grande relevância para a revisão de texto, já que a coerência assume papel preponderante nos processos de produção e compreensão de textos. Assim, deixar de considerar a coerência significa relegar a produção e compreensão de textos e, mais ainda, a própria atividade humana como atividade de construção de sentidos através dos textos.
O conceito de coerência, em sintonia com a linguística textual moderna, passou por uma significativa ampliação. Não dá para se falar de um conceito de coerência, assim como não dá para de falar de um conceito de texto. Trata-se, aqui, de conceitos de coerência, trazendo à baila po…

Revisão de textos em perspectiva multidisciplinar

Revisão de textos não é tarefa para professor de português; a formação dele é diferente daquela do revisor e as experiências profundamente distintas. Nada impede que uma pessoa tenha as duas qualificações e os dois ofícios, mas é preciso prestar atenção se é o caso.O problema da monodisciplinaridade na definição do que seja revisão textual é a abordagem vinculada estritamente à tradição gramatical. A proposta mais moderna, no entanto, é que o estudo da atividade de revisão de textos deve ser realizado de modo multidisciplinar pela Linguística, pela Didática e pela Psicologia Cognitiva. Por essência, a revisão de textos é atividade multidisciplinar porque os pesquisadores que se debruçam sobre ela objetivam aprofundar conhecimentos sob diferentes perspectivas:

a revisão realizada por diferentes escritores (alunos, autores, revisores);em contextos de produção variados (profissional, escolar);em diferentes modalidades (manuscrita, informatizada, tomadas de notas);em diferentes níveis de f…

Não fazemos teses, dissertações nem artigos

Não adianta insistir: nós não fazemos teses, dissertações nem artigos científicos. Não participamos de nenhuma forma de fraude acadêmica. Não indicamos quem faça esses coisas nem temos relações com quem participe de contrafação. Colocamos avisos em toda nossa publicidade, mas  as pessoas de má índole têm dificuldade de entender que existam pessoas honestas. Vamos reiterar: somos revisores de textos. Fazemos revisão de teses e dissertações, artigos e relatórios acadêmicos; fazemos formatação e normatização. Não fazemos nenhum desses trabalhos (não redigimos os textos) para quem quer que seja. Não "completamos" trabalhos inacabados. Não temos ghostwriter em nosso quadro de colaboradores. Nosso trabalho é revisar os textos, verificar neles o que pode ser aperfeiçoado nos diversos aspectos linguísticos, comunicacionais, e apresentar uma proposta de programação visual segundo as normas que forem indicadas pelo cliente: ABNT, Vancouver, APA, por exemplo. É impressionante o número…

Cem erros comuns: 1 a 20

Erros gramaticais e ortográficos devem, por princípio, ser evitados. Alguns, no entanto, como ocorrem com maior frequência, merecem atenção redobrada. 1 – “Mal cheiro”, “mau-humorado”. Mal opõe-se a bem e mau, a bom. Assim: mau cheiro (bom cheiro), mal-humorado (bem-humorado). Igualmente: mau humor, mal-intencionado, mau jeito, mal-estar. 2 – “Fazem” cinco anos. Fazer, quando exprime tempo, é impessoal: Faz cinco anos. / Fazia dois séculos. / Fez 15 dias.3 – “Houveram” muitos acidentes. Haver, como existir, também é invariável: Houve muitos acidentes. / Havia muitas pessoas. / Deve haver muitos casos iguais.4 – “Existe” muitas esperanças. Existir, bastar, faltar, restar e sobrar admitem normalmente o plural: Existem muitas esperanças. / Bastariam dois dias. / Faltavam poucas peças. / Restaram alguns objetos. / Sobravam ideias.5 – Para “mim” fazer. Mim não faz, porque não pode ser sujeito. Assim: Para eu fazer, para eu dizer, para eu trazer.6 – Entre “eu” e você. Depois de preposição, us…

Cem erros comuns: 21 a 40

Erros gramaticais devem sempre ser evitados. Alguns ocorrem com maior frequência e merecem atenção redobrada.21 – Atraso implicará “em” punição. Implicar é direto no sentido de acarretar, pressupor: Atraso implicará punição. / Promoção implica responsabilidade. 22 – Vive “às custas” do pai. O certo: Vive à custa do pai. Use também em via de, e não “em vias de”: Espécie em via de extinção. / Trabalho em via de conclusão.23 – Todos somos “cidadões”. O plural de cidadão é cidadãos. Veja outros: caracteres (de caráter), juniores, seniores, escrivães, tabeliães, gângsteres.24 – O ingresso é “gratuíto”. A pronúncia correta é gratúito, assim como circúito, intúito e fortúito (o acento não existe e só indica a letra tônica). Da mesma forma: flúido, condôr, recórde, aváro, ibéro, pólipo.25 – A última “seção” de cinema. Seção significa divisão, repartição, e sessão equivale a tempo de uma reunião, função: Seção Eleitoral, Seção de Esportes, seção de brinquedos; sessão de cinema, sessão de pancad…

Cem erros comuns: 41 a 60

Erros gramaticais e ortográficos ocorrem inexoravelmente. Alguns, de altíssima prevalência, merecem atenção redobrada.41 – Ele foi um dos que “chegou” antes. Um dos que faz a concordância no plural: Ele foi um dos que chegaram antes (dos que chegaram antes, ele foi um). / Era um dos que sempre vibravam com a vitória.42 – “Cerca de 18” pessoas o saudaram. Cerca de indica arredondamento e não pode aparecer com números exatos: Cerca de 20 pessoas o saudaram.43 – Ministro nega que “é” negligente. Negar que introduz subjuntivo, assim como embora e talvez: Ministro nega que seja negligente. / O jogador negou que tivesse cometido a falta. / Ele talvez o convide para a festa. / Embora tente negar, vai deixar a em-presa.44 – Tinha “chego” atrasado. “Chego” não existe. O certo: Tinha chegado atrasado.45 – Tons “pastéis” predominam. Nome de cor, quando expresso por substantivo, não varia: Tons pastel, blusas rosa, gravatas cinza, camisas creme. No caso de adjetivo, o plural é o normal: Ternos a…

Cem erros comuns: 61 a 80

Todos os erros gramaticais devem ser evitados ou eliminados. Alguns merecem atenção redobrada, pois são muito recorrentes. 61 – A moça estava ali “há” muito tempo. Haver concorda com estava. Portanto: A moça estava ali havia (fazia) muito tempo. / Ele doara sangue ao filho havia (fazia) poucos meses. / Estava sem dormir havia (fazia) três meses. (O havia se impõe quando o verbo está no imperfeito e no mais-que-perfeito do indicativo.)
62 – Não “se o” diz. É errado juntar o se com os pronomes o, a, ose as. Assim, nunca use: Fazendo-se-os, não se o diz (não se diz isso), vê-se-a, etc.63 – Acordos “políticos-partidários”. Nos adjetivos compostos, só o último elemento varia: acordos político-partidários. Outros exemplos: Bandeiras verde-amarelas, medidas econômico-financeiras, partidos social-democratas.64 – Fique tranquilo. O u pronunciável depois de q e g e antes de e e i não pode mais ter trema, ele foi extinto: Tranquilo, consequência, linguiça, aguentar, Birigui.65 – Andou por “to…

Cem erros comuns: 81 a 100

Erros gramaticais sempre devem ser evitados, mas ocorrem. Alguns, com maior frequência, e merecem atenção constante.81 – A tese “onde”... Onde só pode ser usado para lugar: A casa onde ele mora. / Veja o jardim onde as crianças brincam. Nos demais casos, use em que: A tese em que ele defende essa ideia. / O livro em que... / A faixa em que ele canta... / Na entrevista em que...82 – Já “foi comunicado” da decisão. Uma decisão é comunicada, mas ninguém “é comunicado” de alguma coisa. Assim: Já foi informado (cientificado, avisado) da decisão. Outra forma errada: A diretoria “comunicou” os empregados da decisão. Opções corretas: A diretoria comunicou a decisão aos empregados. / A decisão foi comunicada aos empregados.83 – Venha pôr a roupa. Pôr, verbo, tem acento diferencial, por exceção à regra: Venha pôr a roupa. O mesmo ocorre com pôde (passado): Não pôde vir. Forma, pelo e pelos (cabelo, cabelos), para (verbo parar), pela (bola ou verbo pelar), pelo (verbo pelar), polo e polos perde…

Formatação de trabalhos acadêmicos

Em que consiste a formatação de uma tese ou dissertação? A formatação segue as normas da ABNT? Por que preciso de um profissional para fazer a formatação?Nosso trabalho é focado em revisão de textos acadêmicos, teses e dissertações prioritariamente, também artigos e monografias. Todos esses textos requerem, além de acurada revisão, um trabalho de formatação que implica em conhecimento e interpretação de regras que não são sempre muito claras (ABNT, Chicago, Vancouver, APA, etc.) e normas de apresentação das instituições (universidades) ou veículos (livros ou revistas) a que se destinam. A formatação também requer conhecimento, bem mais aprofundado que o do usuário habitual, de programas de editoração – como o Word ou o Open Office, os mais comuns. Nós também fazemos a formatação de trabalhos, com total profissionalismo.
Conceitos de formatação Formatação de texto é a etapa da preparação que inclui a organização visual, realce e estrutura segundo um formato determinado e as variáveis q…