Pular para o conteúdo principal

Falácias em teses e dissertações (V)

Argumentos falaciosos a serem evitados em teses e dissertações

As falácias não são apenas argumentos que se devem evitar nos textos acadêmicos, mas equívocos de raciocínio que falseiam decisões comportamentais das pessoas. O revisor de textos não vai mudar o pensamento nem orientar a vida das pessoas, não somos gestores de nada além das concordâncias nos textos. Se o autor incorre, involuntariamente, em algum desses equívocos na dissertação ou na tese, podemos apontar o problema - no máximo!

13. Falácia do apostador

O autor infere a partir de “sequências” fatuais independentes, como resultados rolagem de dados ou números sorteados na roleta.
Os resultados da roleta não têm relação
entre si; os termos da oração têm.

Apesar de a probabilidade de ocorrência do resultado desejado ser sempre baixa, cada lance de dado é inteiramente independente do anterior. Apesar de haver uma chance baixíssima de um cara-ou-coroa dar cara 20 vezes seguidas, a chance de dar cara em cada uma das vezes é e sempre será de 50%, independentemente de todos os lances anteriores ou futuros.
A Wikipédia tem um longo artigo sobre falácia do apostador.

Exemplo: Muitos gostam de jogar na Mega Sena repetindo os números premiados no concurso anterior, outros evitam sistematicamente aqueles números. Uns preferem apostar nos números que tiveram menor ocorrência, ao logo da séria de todos os concursos, outros apostam naquelas dezenas sorteadas mais vezes! Nenhum desses raciocínios é válido, pois os concursos anteriores não têm nenhuma influência sobre os próximos resultados. Cada sorteio é um evento inteiramente independente.

14. Falácia (ou argumento) ad populum

Voz do povo não é voz de Deus.
Voz de revisor de texto tampouco.
O autor apela para a popularidade de argumento, no sentido de que muitas pessoas fazem ou concordam ele, como uma tentativa de validação da ideia. Também conhecida como apelo ao povo. É a tentativa argumentar apelando para a grande aceitação da tese por grande quantidade de pessoas. Por vezes, é chamada de apelo à emoção, pois os apelos emocionais tentam atingir toda a população.

O problema desse argumento é que a popularidade de uma ideia não tem absolutamente nenhuma relação com sua validade. Se houvesse, a Terra teria ficado plana por muitos séculos, pelo simples fato de que todos acreditavam que ela era assim.

Exemplo: Se a aceitação maciça de uma tese a justificasse, Hitler poderia ser canonizado, já que suas ideias foram aceitas por quase a unanimidade do povo alemão àquele tempo.

15. Falácia do argumento de autoridade

O autor usa sua posição, seus títulos ou sua visibilidade como argumento válido. No Brasil, a forma mais disseminada disso é popular “carteirada”, versão prática e negativa dessa falácia que quase faz parte de nossa cultura.
Revisores de textos não podem usar
argumento de autoridade.

No que diz respeito a essa falácia, as autoridades (acadêmicas, institucionais, intelectuais) podem perfeitamente ter argumentos válidos e não se pode também inverter o raciocínio, como se o argumento daí proveniente seja inválido por sua origem. O argumento deve se sustentar por si, mas, é claro, é perfeitamente possível que ideia do autor na posição de autoridade esteja errada; assim sendo, a autoridade de que tal pessoa ou instituição goza não tem nenhuma relação direta ou inversa com a validade das suas postulações. Também é argumento de autoridade recorrer a outra pessoa que endosse determinada postura, só pela posição ou visibilidade o outro.

Exemplo: O papa pode dizer que o Sol é o centro do universo (e muitos deles pensaram e disseram isso, ao longo dos séculos), ou Pelé dizer que tudo gira em torna da bola, mas nenhuma dessas manifestações vai mudar nada no Cosmo (o firmamento ou o time de futebol).
As 24 falácias a serem evitadas:

Share on Tumblr

Postagens mais visitadas deste blog

Como escrever o resumo de sua tese ou dissertação

O resumo é parte necessária da apresentação final de uma tese, dissertação ou mesmo de um artigo. A versão final do resumo terá de ser escrita depois que você terminar de ler a sua tese para enviar ao revisor do texto. Um resumo prévio, escrito nas diferentes fases do seu trabalho vai ajudar você a ter uma versão curta de sua tese a cabeça. Isso vai conduzir seu pensamento sobre o que é que você está realmente sendo feito, vai ajudá-lo a ver a relevância do que você está trabalhando no momento dentro do quadro maior, e ajudar a manter os vínculos que acabarão por conferir unidade à tese (dissertação, TCC, artigo). Resumo é uma apresentação concisa dos pontos relevantes de um documento (NBR 6028:2003).  O que é um resumo? O resumo é um componente importante da tese. Apresentado no início da tese, é provável que seja a primeira descrição substantiva do trabalho a ser lida por um examinador ou qualquer outro leitor externo. Você deve vê-lo como oportunidade de definir as expectativas p…

Como escrever um texto acadêmico – aspectos gerais e específicos

Um texto científico ou acadêmico é um complexo trabalho dissertativo ou narrativo que tem características próprias sobre sua concepção, criação e apresentação. Bons textos científicos acrescentam conhecimento mesmo quando levantam novas dúvidas, novos problemas ou novas abordagens sobre uma questão, permitindo que leitores encontrem realidade e humanidade em palavras que foram completamente estruturadas para apresentar ou discutir um enfoque específico de um tema. Não importa qual tipo de texto você queira ou necessite escrever – pode ser uma tese de livre-docência, de doutorado, uma dissertação, monografia, um artigo científico, relatório – você precisará de disciplina, energia criativa e de dedicação para a pesquisa, criação, revisão e edição do texto. Apresentamos algumas sugestões para contribuir na redação.
Antes de começar a escrever um texto acadêmico, considere: problema, tema, abordagem Tenha claro para si o tipo de texto que vai escrever e o público a que ele se destina. Ne…

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações.Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos, apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências. Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.
Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a quase totalidade dos autores brasileiros não faz uso de nenhum desses programas e nem sequer sabe que o próprio editor de textos mais comum faz o …

A tese: material e métodos, resultados e conclusão, estilo e referências

A escrita da tese segue parâmetros distintos nas seções específicas do texto, guardando unidade de estilo e coerência entre todos os segmentos do trabalho. Material e métodos Nesta seção o autor deve explicar claramente como o experimento foi realizado, e como foi realizada a análise estatística dos dados, podendo também utilizar as sugestões indicadas para escrever a introdução e buscando garantir que: a.Os leitores possam compreender e avaliar o experimento do trabalho e o tema da tese;
b.Outros pesquisadores possam utilizar o estudo independente para verificar os resultados do mesmo ou de outros contextos e produções. Algumas dicas úteis para escrita da fase “material e métodos” são descritas a seguir:
1)Mencionar a data e o local onde foi realizada a prova experimental, especificando as coordenadas geográficas e/ou as características físicas e biológicas relevantes.
2)Descrever o plano experimental, incluindo os tratamentos aplicados, o número de repetições, a unidade experimenta…

O gênero de discurso acadêmico-científico

O gênero acadêmico-científico, baseado na semântica linguística, na descrição de um sentido linguístico. Todas as esferas da atividade humana estão sempre relacionadas à língua. O uso da língua se dá em forma de enunciados (orais e escritos), concretos e únicos, emanados integrantes da atividade humana. O enunciado mostra as condições específicas e as finalidades de cada uma dessas esferas: conteúdo temático, estilo verbal e construção composicional. Esses três elementos convergem para o todo do enunciado e todos eles são marcados pela especificidade de uma esfera de comunicação. Vê-se, então, que qualquer enunciado considerado isoladamente, é individual, mas cada esfera de utilização da língua elabora seus tipos relativamente estáveis de enunciados, que são os gêneros do discurso. Cada esfera dessa atividade se diferencia e se amplia à medida que a própria esfera se desenvolve e fica mais complexa. A partir das três características que formam um gênero, condições específicas, estilo …