Pular para o conteúdo principal

Reescrever o original da dissertação de mestrado

Reescrever é com o autor, o revisor vai revisar.

Ninguém pode revisar aquilo que escreveu, é tecnicamente impossível. Por isso chamamos a autorrevisão de reescrita.

Autores e orientadores constroem e reconstroem sentidos a partir de diferentes exercícios de escrita que se realizam em gêneros específicos do domínio discursivo compreendido por monografias, dissertações, teses, artigos, resenhas, resumos.
A cada fase da evolução do texto da dissertação o autor o submete ao orientador, a algum colega ou leitor crítico, ou o próprio autor relê sua produção e se estabelecem os objetivos, critérios e restrições para a tarefa de reescrita; o autor passa à avaliação de seu texto-rascunho. Revisão é procedimento posterior e envolve outro interventor no processo de produção do texto.
Reescrever tese ou dissertação é tarefa do autor.
O autor da tese faz sempre o melhor possível. O revisor tenta melhorar.
O subprocesso de avaliação da produção é o momento da reescrita em que o autor ou seu orientador lê seu texto com três objetivos: compreender, avaliar e definir problemas. Essa leitura é atenta, crítica e avaliativa. A leitura para reescrever deve ser processada como avaliação, para fins de julgamento do texto-rascunho. No decorrer dessa leitura, o autor precisa construir também “uma representação da resposta do leitor” ao que foi escrito em seu texto-rascunho.
A leitura avaliativa é enfatizada, pois permite ao autor, na reescrita, de acordo com o problema representado no rascunho, determinar o procedimento na tarefa de reescrever. São cinco as estratégias utilizadas referentes às ações da reescrita (ignorar, adiar, pesquisar, reescrever e corrigir), cada uma delas cabe em situações específicas que apresentamos a seguir.

A estratégia de ignorar o problema

O autor aplica a estratégia de ignorar inadequações contidas em um texto em processo de reescrita sempre que detecta problemas que julgue não serem dignos de considerável atenção.
Autores experientes e inexperientes frequentemente usam a estratégia de ignorar determinados problemas dos textos baseados em um destes dois critérios: 1) “ignorar esse problema não criará confusão para o leitor”; ou 2) “encontrar uma solução para esse problema é muito difícil e não vale o esforço”. Em alguns momentos, ambos os critérios são utilizados simultaneamente. Constata-se acerca da aplicação da estratégia ignorar:
  • a decisão sobre o que ignorar depende de saber quando aplicar o critério;
  • a habilidade dessa discriminação separa autores inexperientes de autores experientes;
  • a ação de ignorar pode ser estratégia para controlar o processo de reescrita, ou estratégia de fuga nas mãos de autores inexperientes.

A estratégia de adiar a solução

A adoção da estratégia de adiar está relacionada à decisão consciente dos autores em dividir o processo de reescrita em partes. Essa ação de adiar permite ao autor focar sua atenção seletivamente em uma parte da tarefa, enquanto ele estiver, por exemplo, determinando o objetivo de lidar, posteriormente, com outra parte. Essa estratégia é usada quando:
  • o autor escolhe priorizar a atividade de reescrita, lidando de modo hierárquico com uma classe de problemas por vez, por exemplo: reescrever primeiro os aspectos relacionados ao significado do texto; depois corrigir os aspectos gramaticais e estilísticos; por último, aspectos relacionados à polidez;
  • o autor precisa reler o texto para avaliar se o problema é maior ou menor em relação às outras modificações que devem ser feitas;
  • o autor não tem como remediar o problema do texto e escolhe adiar a solução se tornar aparente;
  • o autor precisa avaliar o texto mais criticamente para descobrir a melhor forma de proceder;
  • o autor precisa reescrever uma seção particular do texto antes de saber como resolver problemas em outras seções do texto.

A estratégia de pesquisar sobre a questão

A estratégia de pesquisar é utilizada para redefinir a representação do problema. O autor se esforça para definir de modo mais esclarecido a natureza do problema detectado no texto. Essa estratégia fornece melhor solução, uma vez que resulta desse processo de pesquisa a diagnose bem definida.
A representação de um problema envolveria muitos processos, os mais importantes seriam a pesquisa na memória e a pesquisa no texto. Quanto à pesquisa na memória, o processo é resgatar experiência e conhecimento relevantes para representação do problema. Esse processo de pesquisa na memória ocorre rapidamente. Já a pesquisa no texto consiste em examinar o escrito para ter melhor entendimento do problema encontrado.
Na estratégia de pesquisar, a releitura com objetivos definidos ajuda a especificar melhor o problema e a encontrar todas as suas instâncias. Os objetivos são:
  • apontar a localização das asserções contraditórias;
  • verificar as informações redundantes ou ausentes;
  • avaliar a organização e a coerência;
  • localizar os argumentos que possam impactar inconvenientemente os leitores;
  • verificar a consistência dos subtítulos e de outros marcadores estruturais internos;
  • verificar a variedade de conectores das sentenças;
  • verificar a frequência com a qual uma frase, palavra ou conceito específico foi usado.

A estratégia de reescrever o que não está bom

A estratégia de reescrever é ação a que recorrem os autores visando, no exercício de reescrita, preservar o significado. Os autores não trabalham na busca por soluções para os problemas detectados. Eles seguem uma estratégia diferenciada: reescrever o texto-rascunho, pela reformulação.
Ao optarem por reformular o texto, o esforço é apenas para extrair do escrito sua essência, para, então, começar a reescrevê-lo novamente. Trata-se de expressar o significado do texto utilizando outras combinações linguísticas ou outra estruturação de orações e parágrafos. Na reformulação o autor, depois de recuperada a essência do texto, produz novo escrito, ou, depois de recuperado o significado de uma oração ou de um parágrafo, transforma a escrita do texto.

A estratégia de corrigir as imperfeições

A estratégia de corrigir é eleita quando o autor acredita que muito do texto pode ser salvo. Nessa ação, o autor diagnostica o problema e, depois disso, busca meio de solucioná-lo.
Esse procedimento é mais recorrente. Tanto os autores experientes quanto os inexperientes escolhem fazer diagnósticos e, então, selecionar procedimentos de solução para os problemas diagnosticados. Optar pela estratégia de corrigir não significa descartar a possibilidade de o autor diagnosticar, durante a aplicação dessa estratégia, problemas que requeiram maior elaboração. Nesse caso, as habilidades do autor experiente o colocariam em posição que lhes permita decidir, no momento da correção, sobre qual das estratégias de modificação do texto usar, se a de reescrever ou se a de corrigir.
A seleção da estratégia pode ser, pois, alternada no decorrer da atividade de correção. A situação do texto, o modo como ele se encontra elaborado e os problemas nele contidos é que direcionarão a estratégia a ser selecionada em cada ponto específico do rascunho ou diante de cada inadequação identificada.
O ato de corrigir também é complexo. Implica trabalho consistente no texto-rascunho, gerenciamento cognitivo, conhecimentos, disposição de tempo e aplicação de estratégias distintas e eficazes para detectar, diagnosticar e solucionar problemas contidos em diferentes níveis do texto em progresso, tendo em conta a audiência a que se destina o texto e o gênero em que ele se realiza.
Depois de todos esses processos de reescrita, quando o autor se dá por satisfeito com o estado do texto, cumpre passar à revisão – agora sim, é necessária a intervenção de um leitor qualificado e experiente, que não tenha interferido ainda, nem participado de nenhuma das fases da produção do texto, dos primeiros rascunhos até sua versão final, para revisar tudo. Essa visão externa e alterna, além de qualificada, é que permite ao revisor profissional o aperfeiçoamento final de qualquer texto.

Revisão de texto e reescrita

Todo texto exige diversas releituras, revisões e reescritas antes de ser considerado satisfatório. Revisar o texto é o processo que requer alteridade: intervenção de alguém que não é autor. Reescrita é a modificação feita pelo autor. Releituras são feitas pelo autor e pelo revisor e são inúmeras. Nesse processo, o autor terá a oportunidade de reconsiderar uma série de decisões tomadas no início da produção.
Nesse processo cíclico de releituras, revisões e reescritas, analisam-se as decisões e a realização, no texto, quanto a diversos elementos:
  • O leitor: inseri-lo no texto ou tratá-lo de forma neutra e distanciada. A opção escolhida foi mantida durante todo o texto? O leitor que você tem em mente é atendido durante todo o texto?
  • O autor: insere-se no texto? Como singular ou plural (majestático)? Adota-se a forma impessoal genérica ou construções todas passivas? Foi mantida a uniformidade?
  • O gênero de texto: que plano de escrita utilizar para a situação. O formato é adequado à situação? As exigências referentes ao gênero foram respeitadas ou há ambiguidades e inconsistências?
  • As informações: o que informar e o que considerar pressuposto. As informações fornecidas são suficientes ou o texto ficou muito denso, exigindo muito do leitor? A introdução de informações novas é bem realizada? Há informações irrelevantes que podem ser dispensadas? Há excesso de informação? Há informações incompletas ou confusas? As informações factuais estão corretas?
  • A linguagem: formal ou informal. A linguagem está adequada à situação? A opção escolhida tornou o texto harmonioso ou há oscilações súbitas e inadequadas?
  • O vocabulário: As escolhas estão adequadas ou há repetições enfadonhas e pobreza vocabular? Algum termo pode ser substituído por expressão mais exata? Há clichês, frases feitas, excesso de adjetivos, expressões coloquiais inadequadas, jargão profissional?
  • As estruturas sintáticas e gramaticais. O texto está correto quanto às exigências da língua padrão? As transições entre as ideias estão corretas e claras? Os conectivos são adequados às relações entre as ideias? A divisão de parágrafos corresponde às unidades de ideias?

Postagens mais visitadas deste blog

A escrita acadêmica como requisito principal para a boa formação

O texto acadêmico é um gênero muito específico. O suporte para formação acadêmica é, boa parte, o texto. São textos em que as informações são assimiladas e textos produzidos para demonstrar o conhecimento apreendido ou produzido. Quando se fala em produção científica , os primeiros critérios que vêm à cabeça são a quantidade e a qualidade de artigos produzidos. O conceito de qualidade, no entanto, geralmente leva em consideração apenas o fator de impacto dos trabalhos, a quantidade de vezes que são citados por outros cientistas. Mas outro tipo de qualidade vem sendo buscada pelos pesquisadores, inclusive para conquistar o fator de impacto: a qualidade textual, que depende do bom preparo e bagagem do aluno universitário, que permite a ele produzir trabalhos universitários com excelência, qualidade pode ser obtida mais facilmente ao se apoiar em uma minuciosa revisão do texto feita por um revisor profissional . A produção de textos é processo contínuo de realimentação e do qual a revis

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância? Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações ? Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português? Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem , mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno , da UnB , John Robert Schmitz , da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco , da UFPR .   (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimol