Pular para o conteúdo principal

Erros comuns do revisor de textos iniciante

Alguns revisores de textos são iniciantes, pois as pessoas se iniciam em todos os ofícios. Do mesmo modo que em outros ramos, ao se iniciar, há erros que são comuns na atividade de revisar os escritos alheios. 
Revisamos dissertação e tese com pontualidade.
O revisor de textos é
o detetive linguístico.
Na Keimelion sempre tivemos estagiários aprendendo o ofício, passando conosco uma fase do longo amadurecimento que requer o trabalho com texto. Todo texto revisado por nossos estagiários, em alguma das etapas do processo, passa depois por um revisor sênior, antes de o trabalho ser liberado.
Há no mercado muitos revisores iniciantes, alguns dotados de excelentes atributos para o ofício; a maior parte cobra preços bem abaixo dos profissionais maduros - o que é bastante razoável para quem os contrata para textos de menor responsabilidade. 
Colocamos aqui alguns dos erros que são observados nos revisores em formação, assim como nos que estão em início de carreira.
1) Ler rápido para acabar imediatamente. Alguns acham que bom revisor é aquele rápido, que pode corrigir 100 páginas num dia e assim lograr que o seu chefe fique muito contente. Isto é um grande perigo, porque o revisor precisa observar não só detalhes tão pequenos como vírgulas, pontos e acentos, mas também o sentido do texto, a coerência. A leitura dum revisor profissional é muito mais pausada, com constantes releituras e fixações.
 2) Corrigir quando não é preciso. Há duas manifestações desta falta. A primeira é que os revisores principiantes tem horror vacui quando corrigem: sentem-se intranquilos quando verificam que uma página dum livro não tem nem um só erro, então ficam descansados se mudam pelo menos uma vírgula e desta maneira "justificam" o seu trabalho perante o cliente. A segunda é que alguns revisores são tão perfeccionistas que não gostam do texto e acabam por reescrever quase tudo. Há que lembrar que o revisor não é coautor e que o seu papel é aperfeiçoar o texto. O revisor deve seguir mais quatro princípios:
i) não mexer o texto original se a sua redação é tão correta que não o precisa,
ii) não justificar vãmente o seu trabalho com substituições lexicais ou sintácticas inadequadas ou desnecessárias,
iii) sempre consultará ao autor e respeitará a sua opinião se se tratar de questões discutíveis e,
iv) o revisor deverá fundamentar cada uma das suas emendas de carácter linguístico.
 3) Ater-se só à ortografia e gramática normativa. Maiormente os revisores são graduados em Letras, Jornalismo, Tradução e demais carreiras afins, e boa parte da sua formação linguística é de enfoque normativo. Relacionado com a falta acima descrita, alguns revisores não gostam de certas variações linguísticas que não são propriamente erros, sobretudo nos casos dialetais ou socioletais. A revisão deve garantir, acima de tudo, a clareza da mensagem e considerar o contexto discursivo onde está enquadrado o texto.
4) Consertar todos os detalhes duma publicação de uma só vez. Essa falta vai relacionada com a primeira, a velocidade. A melhor estratégia é revisar por separado as diferentes partes da publicação: paginação, cabeçalhos, hierarquia de títulos, cortes de palavras, unificação, rodapés e demais. Tentar corrigir tudo de uma só vez pode levar como consequência deixar fora algum erro que pode diminuir a qualidade da obra.

Postagens mais visitadas deste blog

Como escrever o resumo de sua tese ou dissertação

Melhore o resumo de sua tese ou dissertação.O resumo é parte necessária da apresentação final de uma tese, dissertação ou mesmo de um artigo.A versão final do resumo terá de ser escrita depois que você terminar de ler a sua tese para enviar ao revisor do texto.Um resumo prévio, escrito nas diferentes fases do seu trabalho vai ajudar você a ter uma versão curta de sua tese a cabeça. Isso vai conduzir seu pensamento sobre o que é que você está realmente sendo feito, vai ajudá-lo a ver a relevância do que você está trabalhando no momento dentro do quadro maior, e ajudar a manter os vínculos que acabarão por conferir unidade à tese (dissertação, TCC, artigo). O que é um resumo?O resumo é um componente importante da tese. Apresentado no início da tese, é provável que seja a primeira descrição substantiva do trabalho a ser lida por um examinador ou qualquer outro leitor externo. Você deve vê-lo como oportunidade de definir as expectativas precisas do leitor a que seu texto atenderá. O resumo …

Normas básicas de digitação

Vale a pena digitar corretamente.A digitação correta é uma prática em desuso. Quase ninguém mais se preocupa com conceitos básicos da datilografia que foram transposto à digitação.Entretanto, formatar uma tese ou dissertação é infinitamente mais complexo que saber digitar num processador de textos. Nada dispensa a boa revisão. Aqui estão alguns problemas que sempre identificamos nas digitações problemáticas:A lacuna que separa os elementos gráficos (por exemplo, entre duas palavras) deve ser feita por um e apenas um espaço.O recuo do parágrafo, o alinhamento recuado das citações ou das tabelas etc. devem ser feitos por tabulação (ou então pelo recurso de estilo ou modelo, dos programas de edição de texto do computador).Não há espaço antes da pontuação (ponto, ponto-e-vírgula, vírgula, dois pontos).Há um espaço (e apenas um) depois da pontuação (ponto, ponto-e-vírgula, vírgula, dois pontos), a não ser na pontuação empregada nos numerais.Não há espaço depois do parêntese que abre nem ant…

Como escrever um texto acadêmico - as melhores dicas!

Aspectos gerais e específicos do texto acadêmicoUm texto científico ou acadêmico é um complexo trabalho dissertativo ou narrativo que tem características próprias sobre sua concepção, criação e apresentação.  Bons textos científicos acrescentam conhecimento mesmo quando levantam novas dúvidas, novos problemas ou novas abordagens sobre uma questão, permitindo que leitores encontrem realidade e humanidade em palavras que foram completamente estruturadas para apresentar ou discutir um enfoque específico de um tema. Não importa qual tipo de texto você queira ou necessite escrever – pode ser uma tese de livre-docência, de doutorado, uma dissertação, monografia, um artigo científico, relatório – você precisará de disciplina, energia criativa e de dedicação para a pesquisa, criação, revisão e edição do texto. Apresentamos algumas sugestões para contribuir na redação.
Antes de começar a escrever um texto acadêmico, considere: problema, tema, abordagem Tenha claro para si o tipo de texto que vai…

Quinze dicas para a hora de defender a tese

Defesa de tese ou dissertação: hora H!Depois de ter concluído a tese, é essencial que o aluno se prepare para a apresentação oral do trabalho.  Um excelente texto não garante que a exposição na etapa final seja boa e, se o aluno não apresentar a tese de forma satisfatória, os examinadores podem subestimá-la ou até mesmo duvidar da preparação científica do candidato.Geralmente a apresentação oral da tese é geralmente é feita por meio de slides em Powerpoint ® (ou software similar) contendo texto, figuras, tabelas, desenhos e fotografias. Bons slides não são tudo. O aluno deve estar preparado e conhecer ponta a ponta o conteúdo, coordenando bem a apresentação conforme explica os slides e se comportando de forma adequada durante essa etapa do trabalho. Abaixo apresentamos algumas dicas, tanto referentes à formatação e estilo da apresentação de slides, como à discussão da tese – aplicáveis a muitos contextos, como um concurso, entrevista de emprego ou uma apresentação de negócios. É necessá…

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância?Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações?Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português?Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem, mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno, da UnB, John Robert Schmitz, da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco, da UFPR.  (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimologia e da ignorância…