Pular para o conteúdo principal

Erros comuns do revisor de textos iniciante

Alguns revisores de textos são iniciantes, pois as pessoas se iniciam em todos os ofícios. Do mesmo modo que em outros ramos, ao se iniciar, há erros que são comuns na atividade de revisar os escritos alheios. 
Revisamos dissertação e tese com pontualidade.
O revisor de textos é
o detetive linguístico.
Na Keimelion sempre tivemos estagiários aprendendo o ofício, passando conosco uma fase do longo amadurecimento que requer o trabalho com texto. Todo texto revisado por nossos estagiários, em alguma das etapas do processo, passa depois por um revisor sênior, antes de o trabalho ser liberado.
Há no mercado muitos revisores iniciantes, alguns dotados de excelentes atributos para o ofício; a maior parte cobra preços bem abaixo dos profissionais maduros - o que é bastante razoável para quem os contrata para textos de menor responsabilidade. 
Colocamos aqui alguns dos erros que são observados nos revisores em formação, assim como nos que estão em início de carreira.
1) Ler rápido para acabar imediatamente. Alguns acham que bom revisor é aquele rápido, que pode corrigir 100 páginas num dia e assim lograr que o seu chefe fique muito contente. Isto é um grande perigo, porque o revisor precisa observar não só detalhes tão pequenos como vírgulas, pontos e acentos, mas também o sentido do texto, a coerência. A leitura dum revisor profissional é muito mais pausada, com constantes releituras e fixações.
 2) Corrigir quando não é preciso. Há duas manifestações desta falta. A primeira é que os revisores principiantes tem horror vacui quando corrigem: sentem-se intranquilos quando verificam que uma página dum livro não tem nem um só erro, então ficam descansados se mudam pelo menos uma vírgula e desta maneira "justificam" o seu trabalho perante o cliente. A segunda é que alguns revisores são tão perfeccionistas que não gostam do texto e acabam por reescrever quase tudo. Há que lembrar que o revisor não é coautor e que o seu papel é aperfeiçoar o texto. O revisor deve seguir mais quatro princípios:
i) não mexer o texto original se a sua redação é tão correta que não o precisa,
ii) não justificar vãmente o seu trabalho com substituições lexicais ou sintácticas inadequadas ou desnecessárias,
iii) sempre consultará ao autor e respeitará a sua opinião se se tratar de questões discutíveis e,
iv) o revisor deverá fundamentar cada uma das suas emendas de carácter linguístico.
 3) Ater-se só à ortografia e gramática normativa. Maiormente os revisores são graduados em Letras, Jornalismo, Tradução e demais carreiras afins, e boa parte da sua formação linguística é de enfoque normativo. Relacionado com a falta acima descrita, alguns revisores não gostam de certas variações linguísticas que não são propriamente erros, sobretudo nos casos dialetais ou socioletais. A revisão deve garantir, acima de tudo, a clareza da mensagem e considerar o contexto discursivo onde está enquadrado o texto.
4) Consertar todos os detalhes duma publicação de uma só vez. Essa falta vai relacionada com a primeira, a velocidade. A melhor estratégia é revisar por separado as diferentes partes da publicação: paginação, cabeçalhos, hierarquia de títulos, cortes de palavras, unificação, rodapés e demais. Tentar corrigir tudo de uma só vez pode levar como consequência deixar fora algum erro que pode diminuir a qualidade da obra.

Postagens mais visitadas deste blog

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância? Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações ? Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português? Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem , mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno , da UnB , John Robert Schmitz , da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco , da UFPR .   (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimol

Como escrever títulos atraentes em poucos passos: do artigo à tese

Como aumentar o número de leituras de seu artigo? Você gostaria que sua tese ou dissertação fosse muito lida e citada ao invés de ignorada? Claro, qualquer autor deseja isso! Acontece que, atualmente o número textos acadêmicos que encontramos em qualquer pesquisa é muito grande, enorme. A concorrência entre todos os autores, na busca pelo leitor, não tem tamanho. Claro que o mais importante sempre vai ser a qualidade do trabalho, e clareza das ideias e um texto bem limpo, mas o título tem que ser um ponto de destaque também! E existem técnicas para títulos atrativos , que fujam do enfadonho jargão acadêmico e que transmitam a mesma ideia com uma linguagem mais moderna e atraente; veja um exemplo de título à antiga – que eu jamais adotaria – para esta postagem: Questões de legibilidade, ergonomia visual e empatia em títulos de teses, dissertações e artigos acadêmicos: uma discussão propositiva de aplicação da técnica AIDA. Convenhamos, dá até preguiça de ler até o fim, mas você certame

Método científico ou experimental – a pesquisa e a redação

O método científico é a base da pesquisa. Nos tempos antigos o homem tentou explicar fenômenos naturais, mas tudo se atribuía à ação das divindades, ou à bruxaria e magia. Com Galileo Galilei (1564-1642), foi introduzido o método experimental ( método científico ): ele se baseia em uma primeira observação, seguida de um experimento, desenvolvido de forma controlada, para que nós possamos reproduzir o problema que se deseja investigar. O experimento visa validar ou refutar a hipótese de que o cientista formulou, que visa explicar os mecanismos de funcionamento de determinado evento. Revise seus textos na Keimelion: nossa experiência no ramo é desde o século passado! No primeiro caso (validação da hipótese) prossegue-se com a execução de grande número de experimentos, para que os resultados obtidos sejam confiáveis (análise estatística): os dados coletados são processados e em seguida, formula-se uma teoria: ela é usada, muitas vezes em conjunto com outras teorias para a formulação de um