Pular para o conteúdo principal

Códigos de revisão de textos

A revisão de textos não é uma ciência oculta com sinais cabalísticos a serem introduzidos nas escrivinhações alheias de modo a torná-las aceitáveis por um grupo de iniciados em gramáticas e dicionários. Quando um profissional se interessa por nosso ramo de atividade, ainda é comum que ele procure pelos tais códigos, como se eles fossem a base do serviço, os signos mágicos que transformam os escritores em revisores. Só que não é bem assim. Na verdade, nem sei se já teria mesmo sido assim em algum tempo.
Quando havia tipografias, e mesmo quando as máquinas de escrever foram as ferramentas para se escreverem as teses, os revisores eram obrigados a trabalhar sobre papel! Lembram-se disso? As pessoas escreviam em papel, logo era no papel que os revisores exerciam seu ofício.
Revisor e seus códigos de revisão.
Ninguém mais revisa texto no papel.

Naquela época, era necessário que, depois de o texto ter sido revisado, ele fosse "batido" novamente ou que a composição (os arranjos de tipos) fosse refeita. Então foram sendo criados uns tais códigos para servirem à comunicação entre revisores e tipógrafos ou datilógrafos. Mas tudo isso já é quase pré-história das artes gráficas: ninguém mais escreve em papel (ninguém que viva no século XXI) e ninguém mais deve revisar em papel.
Esses códigos são atualmente completamente inúteis. Revisamos no computador os textos que são escritos no computador e serão, na maioria, lidos na tela. Impressão em papel já é coisa de renitentes, saudosistas e de certo formalismo obsoleto. Os processos já são eletrônicos nos tribunais, os livros já são mais vendidos para a tela que em papel e a maior parte da informação real e dinâmica trafega mesmo é pela via eletrônica.
Ainda há duas circunstâncias para as quais se devem aprender os tais códigos: para fazer alguns concursos públicos - não caiu a ficha para administrações que esse uso está no pretérito mais-que-perfeito; para algumas editoras que teimam em viver no século passado, mas essas teimam em tentar reduzir os revisores quase à escravidão - pelo que pagam.
Para esses códigos havia (e ainda deve haver) até uma norma da ABNT - eles parecem mesmo não ter o que fazer. Não sei nem quero saber se ainda existe tal norma, não há função para ela. Tenho horror a esses códigos que reduzem a atividade de revisar textos à antiga prática de revisão tipográfica, um exercício de catar os equívocos alheios. Isso não condiz nem um pouco com os conceitos modernos de revisão como um ramo de aplicação da linguística.
Esses eram alguns dos tais códigos mágicos da revisão de textos.

Postagens mais visitadas deste blog

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva

O gênero de discurso acadêmico-científico

O cientista deve conhecer o discurso acadêmico O gênero acadêmico-científico tem características próprias, baseadas na semântica linguística finalística, e se constrói na descrição de um sentido linguístico de objetivos restritos. Todas as esferas da atividade humana estão sempre relacionadas à língua. O uso da língua se dá em forma de enunciados (orais e escritos), concretos e únicos, emanados integrantes da atividade humana. O enunciado mostra as condições específicas e as finalidades de cada uma dessas esferas: conteúdo temático, estilo verbal e construção composicional. Esses três elementos convergem para o todo do enunciado e todos eles são marcados pela especificidade de uma esfera de comunicação . Vê-se, então, que qualquer enunciado considerado isoladamente, é individual, mas cada esfera de utilização da língua elabora seus tipos relativamente estáveis de enunciados, que são os gêneros do discurso. Cada esfera dessa atividade se diferencia e se amplia à medida que a própria e

Método científico ou experimental – a pesquisa e a redação

O método científico é a base da pesquisa. Nos tempos antigos o homem tentou explicar fenômenos naturais, mas tudo se atribuía à ação das divindades, ou à bruxaria e magia. Com Galileo Galilei (1564-1642), foi introduzido o método experimental ( método científico ): ele se baseia em uma primeira observação, seguida de um experimento, desenvolvido de forma controlada, para que nós possamos reproduzir o problema que se deseja investigar. O experimento visa validar ou refutar a hipótese de que o cientista formulou, que visa explicar os mecanismos de funcionamento de determinado evento. Revise seus textos na Keimelion: nossa experiência no ramo é desde o século passado! No primeiro caso (validação da hipótese) prossegue-se com a execução de grande número de experimentos, para que os resultados obtidos sejam confiáveis (análise estatística): os dados coletados são processados e em seguida, formula-se uma teoria: ela é usada, muitas vezes em conjunto com outras teorias para a formulação de um

Pré-texto do trabalho acadêmico: da capa ao sumário

Capa, dedicatória, sumário: não perca tempo. Você certamente tem muito mais coisas importantes a fazer que ficar se preocupando com os detalhes formais das partes introdutórias da tese ou dissertação. Deixe tudo isso para o formatador, ele fará mais rápido e melhor. Sempre nos impressionam a dificuldade e os questionamentos que os estudantes encontram no que se refere às capas de seus trabalhos acadêmicos . Não se trata de uma questão de fundo, de questão complicada ou questionamento estético - mas de mero cumprimento a um procedimento lógico e absolutamente corriqueiro, entretanto, dentre as centenas de postagens deste blog, é o tópico que mais aporta visitantes a nosso texto. Aqui eu vou tecer comentários quanto a visitação e quanto ao significado que ele pode ter. Teremos enorme satisfação em cuidar de todos os detalhas da formatação de sua tese. Capa e elementos pré-textuais são a parte mais simples da tese. Faça toda a formatação da tese ou dissertação na Keimelion e não se pre