Pular para o conteúdo principal

Para escrever bem: concisão e clareza

Sugestões para a redação acadêmica

Sugestões para redação são sempre bem-vindas; os autores devem sempre procurá-las e, mesmo os que já sejam experientes, ocasionalmente reler algumas. Vale até para revisores de textos, pois o uso do cachimbo entorta a boca: é também na prática que se adquirem vícios - mesmo os de linguagem. A linguagem acadêmica tem seus cacoetes, suas especificidades; essas dicas que se seguem são para esse tipo especial de texto, mas servem à maioria dos outros - quase sempre.
O texto não deve apenas parecer inteligente. Deve ser claro e verdadeiro.
  1. Não se preocupe em demasia com questões gráficas, deixe para o formatador.
  2. Redação planejada evita esforços inúteis.
  3. Planeje também a revisão de seu texto.
  4. Proceda como se estivesse escrevendo para leitores com interesses muito variados e níveis de exigência também desiguais.
  5. O melhor caminho, nesse caso, é redigir um registro estruturado e completo: expor o seu problema, o método de abordá-lo, as análises e conclusões.
  6. Um texto de boa qualidade deve ter clareza, estrutura lógica, análises bem fundadas e, de preferência, um estilo fluente e sedutor.
  7. Um texto legível não é apenas escrito em bom português, sem erros gramaticais. É, em primeiro lugar, algo que não deixa o leitor confuso a respeito daquilo que se quer dizer, nem aborrecido com a forma de exposição.
  8. Procure sempre a clareza, a exatidão e a meticulosidade – esses cuidados visam evitar que o leitor interprete equivocadamente aquilo que você disse.
  9. Considere, como regra geral, que um parágrafo não deveria ser mais longo que uma dúzia de linhas datilografadas. Parágrafos bastante curtos devem ser usados raramente; parágrafos de única frase, quase nunca.
  10. Tente, sempre que possível, utilizar uma sentença “tópica” no começo ou no fim de cada parágrafo – isto é, uma sentença que indique sinteticamente seu conteúdo ou propósito.
  11. No caso de dados estatísticos o texto não deve repetir as tabelas, mas delas extrair conclusões.
  12. Por nossa conta: lembre-se de que texto sempre precisa de revisão!

Como não redigir o texto científico

Revisores são críticos de textos e, sempre que nos deparamos com redação do tipo que se segue, temos a obrigação de fazer cortes, mas nem sempre os autores nos permitem. Na verdade, os autores é que não se deveriam se permitir esse tipo de redação:

 Nesta tese, a utilização potencial da hipótese incrementa a superação de cada obstáculo e/ou resistência passiva para além das contradições e dificuldades iniciais, não omitindo ou calando, mas antes particularizando, como sua premissa indispensável e condicionante, o aplanamento de discrepâncias e discrasias existentes.
O método participativo proposto se caracteriza pela correta relação entre estrutura e superestrutura numa visão orgânica e não totalizante, recuperando, ou antes revalorizando, no contexto de um sistema integrado, o co-envolvimento ativo de operadores e utentes.
Assim, o critério metodológico propõe-se a uma coligação orgânica interdisciplinar para uma práxis de trabalho de grupo, com critérios não-dirigísticos, potenciando e incrementando, com as devidas e imprescindíveis enfatizações, um indispensável salto de qualidade.
O quadro normativo incrementa o reconhecimento da demanda não satisfeita, para além das contradições e dificuldades iniciais, não assumindo nunca como implícito, em termos de eficácia e eficiência, a transparência metodológica.
A necessidade emergente privilegia a pontual correspondência entre objetivos e recursos segundo um módulo de interdependência horizontal, ativando e implementando, como sua premissa indispensável e condicionante, a adoção de uma metodologia diferenciada.

O texto poderia até ser mais longo, mas já se presta a exemplificar negativamente. Esse segmento foi construído a partir de um quadro conhecido como gerador de lero-lero, mas está ultrapassado; atualmente, existem recursos automáticos para isso, como o Lero-lero e o Gerador de Lero-lero v2.0, duas matrizes para se construir a ironia de como não deve ser o texto acadêmico.

Seguindo pela ironia

Um pouco de ironia pode ajudar a escrever bem, mas nada dispensa a interferência de um revisor de textos. A função do revisor, como leitor profissional, ultrapassa todas as dicas e recomendações de redação, pois ele vê o texto do ponto de vista externo e com conhecimento linguístico - nunca com os mesmos olhos do autor.

Todas as recomendações que já foram feitas sobre a redação fazem parte do repertório do revisor de textos.

  1. Deve evitar ao máx. a utiliz. de abrev., etc.
  2. É desnecessário fazer-se empregar de um estilo de escrita demasiadamente rebuscado. Tal prática advém de esmero excessivo que raia o exibicionismo narcisístico.
  3. Anule aliterações altamente abusivas.
  4. não esqueça as maiúsculas no início das frases.
  5. Evite lugares-comuns como o diabo foge da cruz.
  6. O uso de parêntesis (mesmo quando for relevante) é desnecessário.
  7. Estrangeirismos estão out; palavras de origem portuguesa estão in.
  8. Evite o emprego de gíria, mesmo que pareça nice, sacou??... então valeu!
  9. Palavras de baixo calão, porra, podem transformar o seu texto numa merda.
  10. Nunca generalize: generalizar é um erro em todas as situações.
  11. Evite repetir a mesma palavra pois essa palavra vai ficar uma palavra repetitiva. A repetição da palavra vai fazer com que a palavra repetida desqualifique o texto onde a palavra se encontra repetida.
  12. Não abuse das citações. Como costuma dizer um amigo meu: "Quem cita os outros não tem idéias próprias".
  13. Frases incompletas podem causar
  14. Não seja redundante, não é preciso dizer a mesma coisa de formas diferentes; isto é, basta mencionar cada argumento uma só vez, ou por outras palavras, não repita a mesma idéia várias vezes.
  15. Seja mais ou menos específico.
  16. Frases com apenas uma palavra? Jamais!
  17. A voz passiva deve ser evitada.
  18. Utilize a pontuação corretamente o ponto e a vírgula pois a frase poderá ficar sem sentido especialmente será que ninguém mais sabe utilizar o ponto de interrogação
  19. Quem precisa de perguntas retóricas?
  20. Conforme recomenda a A.G.O.P, nunca use siglas desconhecidas.
  21. Exagerar é cem milhões de vezes pior do que a moderação.
  22. Evite mesóclises. Repita comigo: "mesóclises: evitá-las-ei!"
  23. Analogias na escrita são tão úteis quanto chifres numa galinha.
  24. Não abuse das exclamações! Nunca!!! O seu texto fica horrível!!!!!
  25. Evite frases exageradamente longas pois estas dificultam a compreensão da ideia nelas contida e, por conterem mais que uma ideia central, o que nem sempre torna o seu conteúdo acessível, forçam, desta forma, o pobre leitor a separá-la nos seus diversos componentes de forma a torná-las compreensíveis, o que não deveria ser, afinal de contas, parte do processo da leitura, hábito que devemos estimular através do uso de frases mais curtas.
  26. Cuidado com a hortografia, para não estrupar a língúa portuguêza.
  27. Seja incisivo e coerente, ou não.
  28. Não fique escrevendo (nem falando) no gerúndio. Você vai estar deixando seu texto pobre e estar causando ambiguidade, com certeza você vai estar deixando o conteúdo esquisito, vai estar ficando com a sensação de que as coisas ainda estão acontecendo. E como você vai estar lendo este texto, tenho certeza que você vai estar prestando atenção e vai estar repassando aos seus amigos, que vão estar entendendo e vão estar pensando em não estar falando desta maneira irritante.
  29. Outra barbaridade que tu deves evitar chê, é usar muitas expressões que acabem por denunciar a região onde tu moras, carajo!... nada de mandar esse trem... vixi... entendeu bichinho?
  30. Não permita que seu texto acabe por rimar, porque senão ninguém irá aguentar já que é insuportável o mesmo final escutar, o tempo todo sem parar.
  31. Não diga quem é o autor de algo que você encontrou na internet, assim com eu usei essas dicas do Professor João Pedro, UNICAMP, sem dizer antes que ele as escreveu.

Postagens mais visitadas deste blog

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

A escrita acadêmica como requisito principal para a boa formação

O texto acadêmico é um gênero muito específico. O suporte para formação acadêmica é, boa parte, o texto. São textos em que as informações são assimiladas e textos produzidos para demonstrar o conhecimento apreendido ou produzido. Quando se fala em produção científica , os primeiros critérios que vêm à cabeça são a quantidade e a qualidade de artigos produzidos. O conceito de qualidade, no entanto, geralmente leva em consideração apenas o fator de impacto dos trabalhos, a quantidade de vezes que são citados por outros cientistas. Mas outro tipo de qualidade vem sendo buscada pelos pesquisadores, inclusive para conquistar o fator de impacto: a qualidade textual, que depende do bom preparo e bagagem do aluno universitário, que permite a ele produzir trabalhos universitários com excelência, qualidade pode ser obtida mais facilmente ao se apoiar em uma minuciosa revisão do texto feita por um revisor profissional . A produção de textos é processo contínuo de realimentação e do qual a revis

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância? Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações ? Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português? Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem , mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno , da UnB , John Robert Schmitz , da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco , da UFPR .   (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimol

Como escrever títulos atraentes em poucos passos: do artigo à tese

Como aumentar o número de leituras de seu artigo? Você gostaria que sua tese ou dissertação fosse muito lida e citada ao invés de ignorada? Claro, qualquer autor deseja isso! Acontece que, atualmente o número textos acadêmicos que encontramos em qualquer pesquisa é muito grande, enorme. A concorrência entre todos os autores, na busca pelo leitor, não tem tamanho. Claro que o mais importante sempre vai ser a qualidade do trabalho, e clareza das ideias e um texto bem limpo, mas o título tem que ser um ponto de destaque também! E existem técnicas para títulos atrativos , que fujam do enfadonho jargão acadêmico e que transmitam a mesma ideia com uma linguagem mais moderna e atraente; veja um exemplo de título à antiga – que eu jamais adotaria – para esta postagem: Questões de legibilidade, ergonomia visual e empatia em títulos de teses, dissertações e artigos acadêmicos: uma discussão propositiva de aplicação da técnica AIDA. Convenhamos, dá até preguiça de ler até o fim, mas você certame

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva