Pular para o conteúdo principal

O artigo científico, suas partes, como escrevê-lo

Artigos: antecedentes e precedentes.

A publicação dos resultados de uma pesquisa é um dos componentes essenciais do processo de investigação.

Os cientistas têm o dever formal de apresentar seu trabalho para um profissional de revisão e distribuí-lo amplamente. No entanto, muito poucos pesquisadores recebem treinamento técnico em redação científica, ela que deve ser produzida de forma sucinta, clara, precisa e atraente.
A publicação de artigos científicos é crucial para a carreira acadêmica.
Publicar um artigo pode até ser uma meta, mas ele será relvante se for o resultado de uma investigação pertinente.
Sendo a publicação dos resultados das investigações uma obrigação do cientista, essa tarefa exige requinte antes de ser submetida à avaliação dos pares (os especialistas que decidem sobre a pertinência do conteúdo); o trabalho deve ser ajustado às normas ortográficas e à formatação requerida por revistas e órgãos sérios, visando a distribuição dos trabalhos e gerando avanço no conhecimento científico.

Tarefas de pré-redação

Estabeleça um planejamento da redação

Muitas das dificuldades em escrever artigos científicos decorrem de problemas com a estruturação do estudo inicial. A má organização acaba provocando a dificuldade em explicar com precisão as conclusões obtidas. A fase de projeto da investigação, incluindo o recolhimento de dados preliminares, geralmente necessitam de grande tempo e esforço, o que um planejamento cuidadoso e rigoroso pode ajudar, simplificando a redação da publicação, gerando economia de tempo e qualidade de produção.Share on Tumblr

Leia o máximo que puder sobre o tema

Leia extensivamente antes de escrever e incluir em seus trabalhos marcos conceituais, perspectivas sobre questões semelhantes e modelos de estudo. É sempre importante considerar a reinterpretação dos padrões estabelecidos ou novas técnicas analíticas, ou seja, realizar uma revisão do material lido quando elaborar a proposta de pesquisa.
Identifique os principais pontos do trabalho feito
Normalmente, o mesmo conjunto de dados pode ter várias histórias diferentes, algumas mais importantes e interessantes. Uma vez que estes são os que conseguem ser publicados nas melhores revistas, vale a pena, antes de começar a escrever, identificar os resultados mais significativos produzidos por seu trabalho e torná-los os temas centrais da publicação. Os textos irão ajudá-lo a descobrir e refinar a análise e os valores necessários para desenvolver os seus pontos-chave. Note que o tipo de análise de dados deve ser guiado pela história que você está tentando contar (ou seja, a hipótese central da pesquisa), e não os dados em si.

Para facilitar este processo de escolha:

  • Faça uma lista das maiores contribuições que podem surgir a partir de sua pesquisa em termos de ideias e não os dados.
  • Faça rascunhos de tabelas e figuras que servem como suporte para as principais contribuições do trabalho. Certifique-se de que, para cada publicação, exista uma história completa com o seu banco de dados correspondente.
  • Identifique seu público-alvo, os leitores em potencial
  • Determinar o público e o espaço para publicação do seu trabalho.
Um dos problemas mais comuns que vemos é o envio de originais científicos impróprios, como enviar dados limitados para publicações especializadas ou restritas. Se você escolher a publicação erroneamente ou deixar de escrever para o público específico de uma publicação, o original será rejeitado. Ao apresentar novas ideias que são aplicáveis a uma variedade de sistemas ou contém a abordagem de teorias atuais e relevantes, o trabalho pode ser apropriado para uma avaliação ao âmbito nacional ou internacional. Mas, se o trabalho é principalmente descritivo e as ideias dirigidas a uma área restrita, uma publicação regional pode ser mais apropriada. Evite a tentação de enviar suas pesquisas para uma pequena publicação regional só porque a aceitação é mais fácil de conseguir e menos correções são necessárias. Revisores rigorosos melhoram a investigação científica e da escrita. Leia vários tipos de revistas científicas e compare seu trabalho com o que lá são publicados, prestando atenção também ao tipo de leitores da mesma. O guia para os autores de cada revista, geralmente publicado em um dos números em cada ano ou na Internet, inclui detalhes sobre as prioridades científicas das publicações que são úteis para esta decisão e, se você não consegue encontrar um que se assemelha, é provável que a publicação não seja a mais adequada para o local em questão.

Orientações gerais para escrever um artigo científico

Organize o trabalho em um esboço

Há três tarefas fundamentais na produção de trabalho científico:

  1. Determinar o que você quer dizer;
  2. Planejar de forma lógica a ordem da argumentação;
  3. Escrever o texto.
Use um esboço para as tarefas (1) e (2), antes de tentar escrever o texto (3). Primeiro, faça uma lista das questões mais importantes em uma sequência lógica. Então, em cada um dos principais temas, inclua uma lista de subtópicos e depois detalhes sobre estes, organizando-o do geral para o mais detalhado. Assegure-se de que os achados mais importantes (ou seja, os desenvolvimentos mais notáveis ou conclusões do estudo) são apresentados pela primeira vez e que cada seção contém somente o material adequado. Além disso, a leitura do trabalho é facilitada quando mantém uma estrutura paralela na sua totalidade.

Organize cada parágrafo do artigo

Cada parágrafo deve ter um propósito claro. Comece a escrever o trabalho com uma sentença que declara o tema principal e continue desenvolvendo uma sequência de frases para preparar seus argumentos. É conveniente usar parágrafos com apenas uma ou duas frases, pois quando os parágrafos são curtos, sugerem que há ideias que devem continuar a ser desenvolvidas, ou detalhes que devem ser colocados mais especificamente em outro lugar. Porém, é importante certificar-se de que existem conexões conceituais entre as seções principais e os parágrafos escritos, permitindo ao leitor uma antecipação do que será exibido.

Escreva com precisão e evite o jargão técnico excessivo

A redação científica deve ser concisa, precisa e inequívoca. Em todo o trabalho, limitar as informações gerais sobre o assunto e da literatura citada para trabalhar diretamente apoiar ou estender os resultados apresentados. Evite o jargão técnico ou terminologias complicadas especialmente quando há palavras mais simples que transmitam a mesma mensagem. As abreviaturas (por exemplo, para designar os locais de estudo, tipos de habitats, etc.) devem ser evitadas. Lembre-se que os leitores (e colaboradores) não estarão tão familiarizados com o material apresentado como o autor que, afinal, fez a pesquisa.
Editores experientes avaliarão criticamente a gramática e estilo de escrita. É comum que os autores tenham problemas com certos aspectos da sua língua nativa e por isso recomenda-se solicitar ajuda de profissionais de língua, como um bom revisor de textos.

Siga as instruções e exigências para cada publicação

O guia para o autor da publicação, fornecidos pelas revistas, deve ser seguido meticulosamente. A falta de atenção para os detalhes solicitados irrita os editores e os colaboradores. Os sites de publicações costumam oferecer mais detalhes nas diretrizes para o autor do que a versão impressa, já que é comum que os pesquisadores iniciantes tenham dificuldade em adaptar o trabalho original às exigências, habilidade desenvolvida através da prática. Devido a isso, é aconselhável solicitar uma revisão deste aspecto com colegas mais experientes e outros profissionais antes de enviar o artigo para publicação.

A primeira versão do artigo

Ao iniciar a redação do trabalho, a introdução é geralmente difícil de escrever, porque, a fim de apresentar o contexto de trabalho e destacar a importância deste, a capacidade de síntese e criatividade é necessária. Além disso, esta seção deve ser estimulante, uma característica da boa ciência. Muitos preferem escrever seção os métodos e resultados em primeiro lugar, em seguida, a Introdução e Discussão, o que pode facilitar a redação da primeira parte. No entanto, esta estratégia aumenta o perigo de que o seu trabalho seja guiado por ideias em vez de estatísticas, problema que pode ser evitado através do desenvolvimento de uma prévia estruturada clara e completa do original antes de começar a escrevê-lo.

O título do artigo técnico ou científico

O título de uma obra deve captar a atenção dos leitores. Um título em que os relatórios desenvolvem questões conceituais no trabalho são mais propensos a atrair a atenção mais amplamente de categorias taxonômicas e localizações geográficas de audiência. Por exemplo, o mesmo trabalho com o "Zona de atividade de duas espécies de Akodon no Parque Nacional Nahuel Huapi, Rio Negro, Argentina" parece menos interessante do que o título: "O uso de recursos e sua relação com a medida o uso do espaço probabilístico em pequenos mamíferos." Ele deve ser conciso, bem como informativo, e por este motivo algumas publicações limitam o número de palavras nos títulos.

O texto de introdução

A introdução deve fornecer a fundamentação do estudo e fundo para que os leitores possam avaliar e compreender o significado de seus resultados. Para trabalhos com fortes bases teóricas, um ou dois parágrafos devem apresentar o fundo conceitual de trabalho, geralmente sem mencionar o táxon no estudo, terminando com uma oração que tem uma pergunta ou hipótese não respondida ou um dilema que prepara o terreno para o resto do trabalho. O parágrafo seguinte apresenta sucintamente o sistema em estudo (táxon) e pode indicar o motivo de ser particularmente adequado para responder às questões introduzidas no início da seção. Às vezes é necessário fornecer aos leitores uma informação completa sobre a história natural do sistema em estudo para que eles possam entender o trabalho.
O último parágrafo da Introdução deve fornecer ao leitor um roteiro do resto do trabalho e explicar o meio utilizado (por exemplo, estudos de campo, experiências, modelos) para resolver as questões levantadas nos dois primeiros parágrafos. Este número deve terminar com um breve resumo das principais conclusões ou o significado das conquistas de sua pesquisa, já que o principal objetivo desta seção é convencer o leitor a continuar lendo.
É importante não descrever tudo o que sabe sobre a bibliografia pertinente na introdução. Por exemplo, se o seu trabalho descreve os hábitos alimentares de um mamífero específico, os leitores não precisam saber o ciclo reprodutivo ou o sistema social da espécie, exceto se esses aspectos de sua biologia afetem a sua dieta. É comum que os pesquisadores inexperientes incluam informações sobre vários aspectos que não estão diretamente relacionados ao estudo, passando a sensação de falta de foco e organização.
A Introdução é a primeira seção de um artigo científico e tem a finalidade de informar ao leitor o que ele irá encontrar durante a leitura. Claramente, seu primeiro parágrafo, serve para situar o problema no contexto de uma pesquisa científica e explica o motivo de a pesquisa ter sido desenvolvida. No segundo (podendo ser mais de um) parágrafo, muitas vezes chamado de estado da arte, especifica-se e define-se a natureza e a extensão do problema estudado e, ainda, deve-se relatar a pesquisa de trabalhos anteriores. Em seu parágrafo de conclusão, explicam-se os objetivos da proposta apresentada, apresenta-se ao leitor um conhecimento de como o trabalho está organizado e o que irá precisar para entendê-lo.
Além de não se repetir o que foi dito no Resumo, é na Introdução que se apresenta a revisão bibliográfica.

Métodos - ou metodologia

A metodologia é o desenvolvimento da pesquisa descrita passo-a-passo. A organização das ideias na Engenharia, por exemplo, deve incluir a teoria relacionada (Física, Matemática, Biologia, Química ou Computação), o método utilizado e as técnicas aplicadas na descrição de modelos reais ou de simulação, etc. Deve-se ter uma ordem de apresentação e a qual, também, de ser feita com precisão e detalhamento. Não se deve fazer uma descrição excessiva de processos comuns.
A seção de métodos descreve o projeto experimental, técnicas de pesquisa e análise estatística utilizada no estudo. Esta seção deve fornecer informações suficientes para outro pesquisador entender e, se desejar, replicar o estudo. O desafio é escrever uma seção de Métodos que contenha informações necessárias para os leitores entenderam o que foi feito, mas de forma objetiva.
Um problema comum nesta seção é a falta de organização. Por isso, é indispensável apresentar o mais geral no início e prosseguir com detalhes informações:
1) Localização dos locais de estudo e uma breve descrição que inclui apenas as informações relevantes para o estudo;
2) Concepção global do plano de amostragem ou experimentos e identificação das réplicas;
3) Procedimentos de amostragem dentro de repetições;
4) Número de amostras, se conveniente, exibindo o projeto experimental descrito com uma figura ao invés de texto.
Outro erro comum de pesquisadores novatos é incluir nos resultados uma informação que deve estar localizado em Métodos. O resultado dos procedimentos utilizados na validação de métodos também devem ser adicionados em Métodos. Depois de escrever as seções Métodos e Resultados, as áreas devem ser verificadas várias vezes para garantir que a informação está localizada no local a que pertence.

Resultados da pesquisa

Para os Resultados, devem-se apresentar, de preferência, gráficos e tabelas. Devem conter comparações e questionamentos relativos à proposta. Tudo o que for mostrado em figuras ou tabelas deve ser comentado textualmente. É importante que se relatem dados não encontrados, mas isto só deve ser feito caso eles afetem a interpretação dos resultados que estão mostrados. Tanto na Engenharia quanto na Física, tabelas e figuras são partes integrantes de um bom trabalho escrito. Note-se que os leitores dessas áreas têm preferências pelas tabelas e figuras antes de ler o texto numa proporção de 10 para 1.
Ao preparar o material para escrever a seção Resultados, é necessário escolher os pontos-chave que você deseja desenvolver e organizar no texto, com tabelas e figuras de apoio. No geral, os resultados deverão ser apresentados de forma concisa e sem interpretação, salientando resultados que são biologicamente relevantes e não os resultados da bateria de testes estatísticos. Comece cada parágrafo desta seção com uma conclusão biológica que apoia a conclusão sobre os resultados estatísticos, tabelas e figuras. Evite a tentação de realizar análises em todas as combinações possíveis de variáveis e fatores de modo a incluir mais tarde todos os testes que resulta em diferença estatisticamente significativa. Se pergunte: "É esta análise central para o tema que pretendo comunicar?". Se a resposta é não, remova-a ou guarde para um outro trabalho.
Muitas vezes, os mesmos dados são apresentados várias vezes (por exemplo, no texto e em uma tabela ou em uma tabela e uma figura). Isto representa um desperdício de espaço valioso em uma publicação. Apresente as informações apenas uma vez e em um formato que permite uma interpretação mais fácil por seus leitores. Os resultados dos testes estatísticos são normalmente relatados em texto e entre parênteses, mas quando há muitos a serem relacionados, é mais viável apresentá-los em uma tabela ou incluir na legenda que acompanha a figura.
As figuras e tabelas ocupam grandes quantidades de espaço em publicações, que geralmente têm impressões caras. Siga as instruções em cada publicação para a preparação de tabelas e figuras e verifique outras publicadas em edições recentes da revista para garantir que você está em conformidade com as instruções. Nas tabelas e no texto, use sempre o mesmo número de casas decimais para a comunicação dos resultados do mesmo procedimento. Evite decimais excessivos, especialmente se isso implica que os dados são mais precisos do que o permitido pelos métodos. Além disso, figuras de má qualidade são um dos problemas mais comuns no original.

Algumas regras gerais a serem seguidas na preparação das figuras são:

  • Use figuras simples e agradáveis.
  • Preste atenção para as larguras das colunas utilizadas na revista. As figuras devem preferencialmente ser fornecidos para acomodar uma ou duas colunas.
Tenha em mente ao projetar e imprimir a sua figura tanto o processo de revisão e o tamanho final dele. Os números que acompanham o original são muitas vezes impressos em tamanhos maiores que aparecem na publicação. No entanto, é comum a avaliar originais como pequenas figuras que tornam a leitura quase impossível. Este pode ser um erro fatal para o seu original, se o revisor tem pouca paciência. É importante verificar que as características de fontes, linhas e símbolos são apropriados para o tamanho final da figura na publicação, o que pode ser feito comparando com uma figura da revista. É muito difícil determinar se as características das linhas e das fontes estão corretas sem reduzir a figura, pois elas tendem a sobrepor-se quando a figura está em tamanho menor.
Sempre que possível, mantenha os títulos e posições dentro das margens da figura. Se eles se estendem para além da borda da figura, ela deve ser reduzida de modo que todo o ajuste da largura da coluna e o conteúdo da figura seja mais difícil de ler.
Use linhas e símbolos em tamanhos e formas para chamar a atenção do leitor sobre as informações mais importantes da figura. Porém, as figuras simples, que não estão cheias de linhas e símbolos, são mais fáceis de interpretar, por isso evite o uso de símbolos complexos que distraem a partir dos pontos-chave da imagem e detalhes desnecessários que não fornecem informações.
Evite usar cores, o menos que seu uso seja essencial. A reprodução de figuras em cores é muito cara. Se você deve usá-los, escolha cores que são agradáveis e permanecem distinguíveis mesmo quando o processo de impressão alterar ligeiramente os tons.

Discussão dos resultados da investigação

Os objetivos da discussão são:

  • Resumir os resultados, relacionando as diferentes interpretações dos resultados obtidos;
  • Relacionar o seu trabalho com a literatura (por exemplo, o quadro conceitual, problemas).
Use o primeiro parágrafo para apresentar ideias importantes para a interpretação dos resultados. Muitas vezes, é desejável incluir no primeiro ou no segundo parágrafo da Discussão uma breve revisão dos resultados mais importantes, mas deve-se evitar que a seção torne-se uma reiteração da seção Resultados. A amplitude da discussão depende do tipo de estudo e o público que você deseja atingir. Para chegar a um conjunto mais amplo de pesquisadores, destaque os padrões gerais e compare seu trabalho com estudos realizados em outros locais. Você deve ir para o maior público possível dentro da sua área e isso requer um conhecimento profundo da literatura relevante.
Desenvolva uma estratégia para a discussão que mostre claramente a importância de sua pesquisa, ligando-a claramente com ideias atuais sobre o assunto e incluindo os pontos fortes do seu trabalho (por exemplo, as hipóteses que podem ser verificadas) e não os seus pontos fracos. É comum pesquisadores iniciantes observarem que suas descobertas são importantes ou significativas, mas não fornecer informações necessárias para que possam chegar a suas próprias conclusões. Mostre aos seus leitores por que seus resultados são importantes, em vez de apenas o declarar. Uma discussão concisa é mais propensa a transmitir ao leitor uma mensagem forte do que a vasta e especulativa. Evite frases vagas, longas discussões que ultrapassam os limites da informação gerada e que exijam muito tempo para conectar seu trabalho com toda a área. Sua pesquisa pode ter muitas implicações potenciais, mas é improvável que todos os dados sejam suficientes para apoiá-las. Portanto, concentre-se nas conclusões melhor suportadas. Termine a discussão com um parágrafo que vai deixar o leitor com uma compreensão clara da importância e do alcance do seu trabalho.
O termo “Considerações Finais” cabe muitas vezes, neste tipo de literatura, bem melhor que a palavra “Conclusão”. Em geral, nesta área da ciência dificilmente se conclui uma pesquisa, pois se está tratando com processos cuja dinâmica é muito presente. Ao pensar que se concluiu um assunto e deixá-lo por um longo período de tempo, observa-se, na volta, que tudo se modificou: novos resultados estarão sempre sendo mostrados por outros autores. Vale ainda, nesta parte do trabalho, relatar os resultados para as questões elaboradas na introdução, agora, com comentários e interpretações – concorde-se ou não com os trabalhos publicados anteriormente. Outra informação importante, nesta parte do trabalho, é a de que não se devem citar referências – a menos que se façam comparações, mas isto deve ser feito de forma escrita, pois estas considerações são opiniões pessoais do autor e seu grupo de trabalho. Além do que, é muito bom lembrar que um grande problema do desfecho é o de achar que todos os problemas serão resolvidos com os resultados da pesquisa. Então, para evitar isso, as contribuições do trabalho devem ser evidenciadas, assim como, a sua sugestão para trabalhos futuros.

Referências

Nesta seção, devem estar presentes apenas as referências citadas no texto. Faça uma lista de trabalhos originais e não da literatura citada em outras obras para evitar a repetição de um erro. Use algum software que faça as referências ao longo do artigo e a listagem final; até mesmo o Word faz isso. 
Nas Referências devem constar somente as citações indicadas no texto. Portanto, nunca se incluem nesta lista, as literaturas não citadas no trabalho. Entre as normas aceitas estão a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), Vancouver, Chicago, e a IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), as quais são padrões na Engenharia. Por fim, a lista de referências é um documento de registro e que servirá para quem se interessar em saber como tudo começou com relação ao que foi tratado.

Artigos para revistas científicas: tópicos e arremate

Tenha sempre em mente que o objetivo é a publicação do artigo em uma boa revista, portanto, produza seu artigo com a mesma qualidade encontrada em outros artigo já publicados nela.
É essencial fornecer dados de alta qualidade e da melhor maneira possível, visto que cada vez mais os resultados estão sendo submetidos à revisão e avaliados de maneira pública no meio acadêmico. Por conta do aumento constante de órgãos e revistas científicas, o número de trabalhos recebidos para publicação também aumenta rapidamente, o que leva a altas taxas de rejeição na maioria das publicações de primeira linha exige do cientista grande rigor e habilidade.

Resumo

O resumo é geralmente a última seção da obra. Inicie um resumo da apresentação do contexto geral do trabalho, ou seja: O que é a motivação para a pesquisa? Por que o tema é importante? Você deve deixar o leitor interessado em ler todo o seu trabalho. Continue com uma breve descrição de seus métodos, resultados e conclusões. Complete o resumo com uma ou duas frases que indicam a importância de seu trabalho. Se a publicação inclui um resumo em língua estrangeira, é muito conveniente para fazer rascunho ou comentário por alguém cuja língua materna é que a linguagem e têm familiaridade com a sua área de pesquisa. Ambas as condições são necessárias uma vez que, além do idioma, é essencial conhecer a terminologia e estilo de escrita científica.
Descreva brevemente em uma ou duas frases, os seguintes pontos:
  • porque o tema geral do seu estudo é de importância mais ampla;
  • o estudo (questões, abordagens e resultados);
  • a importância da sua contribuição.
Não é necessário fornecer muitos pormenores neste ponto, que devem estar presentes no resumo do original será também lido pelo editor. No entanto, a carta pode adicionar algum destaque no seu trabalho não caindo para dentro do corpo dele. Termine a carta agradecendo ao editor pela consideração direcionada ao seu trabalho.

Revisão informal e profissional

Antes de enviar o original para a revisão da revista e possível publicação, você terá produzido várias versões. Produzir um trabalho de qualidade requer redação, edição e reescrita. Só quando você estiver convencido de que o trabalho está conforme tudo o que for exigido, solicite à um especialista da área que o releia e, após isso, envie o trabalho para um revisor de textos. A revisão deve ser vista como uma oportunidade para clarificar e melhorar uma obra de sua crítica. Colaboradores capacitados serão úteis para avaliar se a publicação selecionada e seu público habitual são apropriados e se a obra está pronta para ser encaminhada.

Enviando o original

Antes de enviar o original, certifique-se de que você seguiu todas as exigências do estilo de publicação. Verifique cada detalhe solicitado nas diretrizes para os autores também analisar o trabalho em edições recentes da publicação pode fornecer ideias sobre aspectos de formato não previstos no guia (por exemplo, estilo do subtítulo, tamanhos de fonte e as larguras de linha em números). O original deve estar em conformidade com as convenções da publicação e é essencial para alcançar o formato correto antes do embarque.
Uma vez pronto para enviar, siga as instruções do guia em relação ao suporte eletrônico, se necessário, número de cópias, carta de apresentação, destinatário e endereço. A carta deve ser breve, mas deve refletir a importância do seu trabalho. Este cartão pode influenciar a decisão do editor de saber se o trabalho é adequado para publicação (muitos trabalhos são rejeitados sem revisão) e ajudá-lo a selecionar os colaboradores mais adequados. No primeiro parágrafo da carta, apresente o título do original que você está enviando a avalie se incluiu todos os materiais e informações necessárias (por exemplo: três cópias do original estão incluídas, o original é composto por 4.860 palavras, nenhum material incluído está sendo considerado para publicação em outro lugar, etc.).

Postagens mais visitadas deste blog

Como escrever o resumo de sua tese ou dissertação

Melhore o resumo de sua tese ou dissertação.O resumo é parte necessária da apresentação final de uma tese, dissertação ou mesmo de um artigo.A versão final do resumo terá de ser escrita depois que você terminar de ler a sua tese para enviar ao revisor do texto.Um resumo prévio, escrito nas diferentes fases do seu trabalho vai ajudar você a ter uma versão curta de sua tese a cabeça. Isso vai conduzir seu pensamento sobre o que é que você está realmente sendo feito, vai ajudá-lo a ver a relevância do que você está trabalhando no momento dentro do quadro maior, e ajudar a manter os vínculos que acabarão por conferir unidade à tese (dissertação, TCC, artigo). O que é um resumo?O resumo é um componente importante da tese. Apresentado no início da tese, é provável que seja a primeira descrição substantiva do trabalho a ser lida por um examinador ou qualquer outro leitor externo. Você deve vê-lo como oportunidade de definir as expectativas precisas do leitor a que seu texto atenderá. O resumo …

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na KeimelionOs estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos, apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências. Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a quase totalidade dos autores brasileiros não faz uso de nenhum desses programas e nem sequer sabe que…

Quinze dicas para a hora de defender a tese

Defesa de tese ou dissertação: hora H!Depois de ter concluído a tese, é essencial que o aluno se prepare para a apresentação oral do trabalho.  Um excelente texto não garante que a exposição na etapa final seja boa e, se o aluno não apresentar a tese de forma satisfatória, os examinadores podem subestimá-la ou até mesmo duvidar da preparação científica do candidato.Geralmente a apresentação oral da tese é geralmente é feita por meio de slides em Powerpoint ® (ou software similar) contendo texto, figuras, tabelas, desenhos e fotografias. Bons slides não são tudo. O aluno deve estar preparado e conhecer ponta a ponta o conteúdo, coordenando bem a apresentação conforme explica os slides e se comportando de forma adequada durante essa etapa do trabalho. Abaixo apresentamos algumas dicas, tanto referentes à formatação e estilo da apresentação de slides, como à discussão da tese – aplicáveis a muitos contextos, como um concurso, entrevista de emprego ou uma apresentação de negócios. É necessá…

A tese: material e métodos, resultados e conclusão, estilo e referências

Tese e dissertação são textos logos do gênero acadêmicoAs partes das teses e dissertações pode constituir subgêneros específicosA escrita da tese segue parâmetros distintos nas seções específicas do texto, guardando unidade de estilo e coerência entre todos os segmentos do trabalho. Assim, a introdução pode ter, por exemplo, uma passagem mais pessoal, que relate a ligação do autor com a temática, e partes que analisem discursos de sujeitos entrevistados podem requerer transcrições literais - segmentos repletos de oralidade, o que não é admitido em outros trechos no gênero acadêmico. Já os resumos, são outro tópico, e merecem uma postagem só para eles. Material e métodos: descrever equipamentos e procedimentos Nesta seção o autor deve explicar claramente como o experimento foi realizado, e como foi realizada a análise estatística dos dados, podendo também utilizar as sugestões indicadas para escrever a introdução e buscando garantir que: Os leitores possam compreender e avaliar o experim…

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância?Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações?Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português?Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem, mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno, da UnB, John Robert Schmitz, da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco, da UFPR.  (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimologia e da ignorância…