Pular para o conteúdo principal

Narrativa imagética: a ciência como prazer

Existe prazer na ciência e no bom texto.

Construir uma nova estética do texto científico a partir de florações do imaginário em estado mais ou menos bruto, pulsante ainda. Parece uma tarefa fácil? Sim, se estamos no campo das técnicas profissionais da comunicação social, como é o caso do jornalismo.

Josimey Costa da Silva*

Sim, novamente, se apenas estamos lendo um texto de Gaston Bachelard, o mago teórico das imagens mentais. E não, se o que se deseja é tentar traduzir, em linguagem verbal, uma nova narrativa para a ciência.
Dissertação e tese merecem revisão e formatação profissionais.
O revisor acadêmico está atento a aspectos estéticos inclusive no texto científico.
Ao contrário do que é usual para as ciências ditas “humanas”, a narrativa imagética não está estruturada primordialmente no texto verbal. O tratamento verbal, nessa nova narrativa, é justaposto, complementar. O verbal, às vezes, chega a ser contrastante com os demais elementos expressivos do texto. Texto, evidentemente, num sentido muito amplo.
Às vezes, o verbal está até mesmo ausente do texto. Não se trata, aqui, da produção da um vídeo-documentário destinado à “divulgação científica”, o que é comum, ou de fotografias que comprovam uma teoria verbalmente expressa ou formulada matematicamente, muito menos de ilustrações que complementam uma experiência empírica descrita segundo todos os parâmetros metodológicos aceitos.
Trata-se de construir hipóteses com a imagem, de “escrever” a ciência através da metáfora e, o que é mais divertido, de deixar mudos os arguidores, não apenas porque não dominam o código, mas porque a imagem, num primeiro momento, suplanta mesmo a palavra.
Aí está: ciência não tem que ser algo sisudo, mal-humorado e compenetrado demais.
A seriedade não significa nem falta de humor, nem falta de prazer. Fazer ciência pode e deve ser muito divertido. Afinal, é o exercício adulto da curiosidade infantil, satisfeita, na criança, na extrema seriedade da brincadeira. A tradução do mundo em imagens é característica da primeira infância; há, na literatura e na arte, toda a riqueza cultural da humanidade, mas também a criatividade e a inovação de toda descoberta do mundo. Há emoção. Por que a ciência não pode ter tudo isso?

Josimey Costa da Silva fala sobre prazer no texto científico.

É preciso tentar quebrar as amarras que um texto científico objetivo, preponderantemente conceitual, impõe à expressão do pensamento. Como traduzir uma emoção, por mais tênue, por mais breve que ela possa ter sido? Por outro lado, como extirpar o mínimo traço das emoções que pontuam qualquer ação humana, inclusive a mais científica? E o que é realmente muito angustiante: como dar pelo menos um fio de vazão aos oceanos que inundam o imaginário e que fundamentam nosso ser no mundo?
Ciência e prazer estão associados.
Josimey Costa
Certamente, estas palavras não espelham toda a inquietação de quem se aventura por esse caminho frente tantas questões. Mas a metáfora dos oceanos que vazam por um fio muito provavelmente terá despertado, em você, imagens que se irmanam com as minhas próprias. E as palavras que eu usei ou que você possa usar para repetir a experiência certamente serão sempre demasiadamente pobres.
As imagens são a base da nova narrativa que está sendo proposta. Imagens metáforas nos textos verbais. Imagens óticas noutro tipo de elaboração. Imagens que se comunicam diretamente com imagens, que produzem outras imagens, puramente mentais.
Essa é uma narrativa que busca configurar a própria experiência da abertura que a imaginação representa para o espírito humano. Mas é preciso encher a imaginação de imagens para poder viver diretamente a imagem. Se você se interessou pelo que estou propondo, ouça agora uma música inspiradora. A música é sempre um bom começo.
*Jornalista, mestre em Ciências Sociais e professora de 
Telejornalismo e Comunicação Cinematográfica da 
Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN.

Postagens mais visitadas deste blog

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na Keimelion Os estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos , apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências . Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  As normas são muitas para as referências, mas o princípio é sempre o mesmo: a transparência. Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a qua

A escrita acadêmica como requisito principal para a boa formação

O texto acadêmico é um gênero muito específico. O suporte para formação acadêmica é, boa parte, o texto. São textos em que as informações são assimiladas e textos produzidos para demonstrar o conhecimento apreendido ou produzido. Quando se fala em produção científica , os primeiros critérios que vêm à cabeça são a quantidade e a qualidade de artigos produzidos. O conceito de qualidade, no entanto, geralmente leva em consideração apenas o fator de impacto dos trabalhos, a quantidade de vezes que são citados por outros cientistas. Mas outro tipo de qualidade vem sendo buscada pelos pesquisadores, inclusive para conquistar o fator de impacto: a qualidade textual, que depende do bom preparo e bagagem do aluno universitário, que permite a ele produzir trabalhos universitários com excelência, qualidade pode ser obtida mais facilmente ao se apoiar em uma minuciosa revisão do texto feita por um revisor profissional . A produção de textos é processo contínuo de realimentação e do qual a revis

Como escrever títulos atraentes em poucos passos: do artigo à tese

Como aumentar o número de leituras de seu artigo? Você gostaria que sua tese ou dissertação fosse muito lida e citada ao invés de ignorada? Claro, qualquer autor deseja isso! Acontece que, atualmente o número textos acadêmicos que encontramos em qualquer pesquisa é muito grande, enorme. A concorrência entre todos os autores, na busca pelo leitor, não tem tamanho. Claro que o mais importante sempre vai ser a qualidade do trabalho, e clareza das ideias e um texto bem limpo, mas o título tem que ser um ponto de destaque também! E existem técnicas para títulos atrativos , que fujam do enfadonho jargão acadêmico e que transmitam a mesma ideia com uma linguagem mais moderna e atraente; veja um exemplo de título à antiga – que eu jamais adotaria – para esta postagem: Questões de legibilidade, ergonomia visual e empatia em títulos de teses, dissertações e artigos acadêmicos: uma discussão propositiva de aplicação da técnica AIDA. Convenhamos, dá até preguiça de ler até o fim, mas você certame

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância? Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações ? Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português? Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem , mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno , da UnB , John Robert Schmitz , da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco , da UFPR .   (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimol

A seleção do título no artigo científico

Título de artigo pode ser pedra angular na carreira Um artigo científico cujo titulo foi bem escolhido tem mais leituras e mais citações! Poucos refletem sobre os títulos de seus artigos científicos e até mesmo sobre os das teses. O revisor do texto poderá oferecer alternativas, mas considere um pouco os princípios que apresentamos.  O título do artigo científico deve ser definido, se possível, com o menor número de palavras para descrever adequadamente seu conteúdo. Digamos que ele seja o "cartão de visita" do trabalho. A maioria das pessoas que acessam o artigo não o lê completamente, um dos motivos que desencadeiam essa situação é um título desinteressante que não reflita o conteúdo do artigo com precisão e clareza. O título é parte de um texto, e parte importante, sobre a qual é necessária alguma reflexão e para cuja elaboração existem técnicas. Nunca despreze a importância do título. Primeiramente, pense bem sobre o conteúdo de seu trabalho, identificando termos releva