Pular para o conteúdo principal

Ponto, vírgula, ponto e vírgula e mais pontuação

A pontuação deve ser usada segundo a necessidade imposta pelo texto, considerada a gramática e o objetivo comunicacional do produto!

Vírgula

Sinal gráfico (,) mais usado, por isso mesmo aquele que ocasiona a maior quantidade de erros de pontuação. Um dos mais comuns é separar sujeito de verbo, ou verbo do complemento – o que é também erro lógico, além de gramatical. Outro, usar apenas uma das vírgulas na intercalação – usam-se as duas, quando obrigatórias, ou nenhuma, quando dispensáveis: O empresário, preocupado com o ritmo da inflação, começou a comprar dólares; Terminou ontem[,] às 10h[,] o prazo para entregar declaração do Imposto de Renda.
Pontuação e considerações técnicas sobre revisão.
A pontuação faz parte do sentido,
do ritmo, da sintaxe e da estética
da frase. O revisor do texto
vai cuidar muito bem de pontos,
vírgulas e dos outros sinais.
Como todos sabem, a vírgula é um dos sinais de pontuação mais desprezados. Há mesmo escritores, jornalistas e colunistas que se especializam em não a usar ou em usá-la sempre nos locais errados. E tanta coisa pode depender de uma coisa tão discreta… É o que se aprende com este vídeo profundamente terapêutico. Vejam e leiam com atenção que logo perceberão a importância da vírgula.
Outros casos em que a vírgula deve ser usada:
  • nas enumerações de termos ou orações: “As formas de incorporação tecnológica na escola como mediadora entre o indivíduo e o conhecimento no ambiente educacional vêm sendo discutidas por filósofos, psicólogos, educadores, neurocientistas, linguistas, pesquisadores de Inteligência Artificial (IA) e tantos outros que…” (PINTO, 2001:10);
  • para isolar qualquer elemento explicativo (isto é, a saber, aliás – a serem evitados no texto científico), aposto, vocativo, orações intercaladas;
  • para isolar adjuntos, em especial quando deslocados e muito longos: No momento da volta ao palco para receber os aplausos, a atriz já estava sem maquiagem;
  • antes de conjunções adversativas como mas, porém, entretanto: “Não existe modelo perfeito, mas o modelo KS parece ser dentro do estado da arte atual aquele que proporciona os melhores resultados”;
  • para separar orações adjetivas explicativas, que funcionam como aposto e trazem informação secundária: “O QUIZSITE, que foi desenvolvido na Universidade de Indiana, em 1996, é um sistema de administração de testes, provas e exercícios pela Web”. Uma mesma frase, sem vírgulas, tem outro significado: foram entrevistados apenas os candidatos que forneceram declaração de rendimento – tornando-se adjetiva restritiva. Muito cuidado com essa sutileza. A frase – Gino Poli e sua mulher Amélia compareceram à cerimônia – significa, para o leitor atento, que Poli possui mais de uma mulher. Se assim não for, o nome Amélia é aposto (explicação) de Gino Poli e sua mulher e deve vir entre vírgulas: Gino Poli e sua mulher, Amélia, compareceram à cerimônia;
  • para indicar elipse de verbo: O reitor da USP votou contra a proposta e o da Unicamp, a favor.

Ponto e vírgula

Emprega-se nos seguintes casos:
  • para separar orações coordenadas assindéticas (sem conjunção) que guardem relação entre si: A represa está poluída; os peixes estão mortos;
  • para separar orações coordenadas, quando pelo menos uma delas já tem elementos separados por vírgula: O resultado final foi o seguinte: 20 deputados votaram a favor da emenda; 39, contra;
  • para separar os diversos itens de uma enumeração, principalmente quando há vírgulas em seu interior: Compareceram ao evento: Henrique Moraes, cientista social; Paulo Santos, historiador; Marcos Tavares, economista, e Antônio Rocha, cientista político.

Dois-pontos

O sinal dois-pontos tem uso bastante simplificado na Língua Portuguesa. É usado para:
  • anunciar citação ou enumeração: Disse Jesus: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida.” Separe apenas isto: meias, cuecas, sabonetes e creme dental.
  • arcar a omissão de conectivo estabelecendo ligação de síntese, esclarecimento com o enunciado anterior: Volte aqui: precisamos rever o acordo. Abram as janelas: o dia brilha lá fora.

Ponto de exclamação

Quase sempre desnecessário no texto acadêmico. É evitado em títulos. Em texto científico, só deve vir entre aspas na reprodução literal de declaração enfática. A força do fato decorre de sua própria intensidade, não de recursos de estilo de qualquer espécie.

Reticências

Use para indicar a interrupção da frase, com a finalidade de sugerir:
  • quebra de sequência na fala ou no pensamento do narrador ou da personagem: – Vá pra casa, menino!… aí vem temporal…;
  • supressão de trecho sem importância no texto: “Com os descobrimentos marítimos dos séculos XV e XVI, os portugueses ampliam enormemente o império de sua língua…”;
  • dúvida, hesitação, surpresa: Qualquer dia destes, embarco pra.… para… pra China.

Travessão

O travessão é utilizado:
  • para indicar a mudança de interlocutor nos diálogos;
  • para isolar a fala da personagem da fala do narrador;
  • para destacar ou isolar palavras ou expressões no interior de frases.

Postagens mais visitadas deste blog

Como escrever o resumo de sua tese ou dissertação

Melhore o resumo de sua tese ou dissertação.O resumo é parte necessária da apresentação final de uma tese, dissertação ou mesmo de um artigo.A versão final do resumo terá de ser escrita depois que você terminar de ler a sua tese para enviar ao revisor do texto.Um resumo prévio, escrito nas diferentes fases do seu trabalho vai ajudar você a ter uma versão curta de sua tese a cabeça. Isso vai conduzir seu pensamento sobre o que é que você está realmente sendo feito, vai ajudá-lo a ver a relevância do que você está trabalhando no momento dentro do quadro maior, e ajudar a manter os vínculos que acabarão por conferir unidade à tese (dissertação, TCC, artigo). O que é um resumo?O resumo é um componente importante da tese. Apresentado no início da tese, é provável que seja a primeira descrição substantiva do trabalho a ser lida por um examinador ou qualquer outro leitor externo. Você deve vê-lo como oportunidade de definir as expectativas precisas do leitor a que seu texto atenderá. O resumo …

Como escrever um texto acadêmico - as melhores dicas!

Aspectos gerais e específicos do texto acadêmicoUm texto científico ou acadêmico é um complexo trabalho dissertativo ou narrativo que tem características próprias sobre sua concepção, criação e apresentação.  Bons textos científicos acrescentam conhecimento mesmo quando levantam novas dúvidas, novos problemas ou novas abordagens sobre uma questão, permitindo que leitores encontrem realidade e humanidade em palavras que foram completamente estruturadas para apresentar ou discutir um enfoque específico de um tema. Não importa qual tipo de texto você queira ou necessite escrever – pode ser uma tese de livre-docência, de doutorado, uma dissertação, monografia, um artigo científico, relatório – você precisará de disciplina, energia criativa e de dedicação para a pesquisa, criação, revisão e edição do texto. Apresentamos algumas sugestões para contribuir na redação.
Antes de começar a escrever um texto acadêmico, considere: problema, tema, abordagem Tenha claro para si o tipo de texto que vai…

Normas básicas de digitação

Vale a pena digitar corretamente.A digitação correta é uma prática em desuso. Quase ninguém mais se preocupa com conceitos básicos da datilografia que foram transposto à digitação.Entretanto, formatar uma tese ou dissertação é infinitamente mais complexo que saber digitar num processador de textos. Nada dispensa a boa revisão. Aqui estão alguns problemas que sempre identificamos nas digitações problemáticas:A lacuna que separa os elementos gráficos (por exemplo, entre duas palavras) deve ser feita por um e apenas um espaço.O recuo do parágrafo, o alinhamento recuado das citações ou das tabelas etc. devem ser feitos por tabulação (ou então pelo recurso de estilo ou modelo, dos programas de edição de texto do computador).Não há espaço antes da pontuação (ponto, ponto-e-vírgula, vírgula, dois pontos).Há um espaço (e apenas um) depois da pontuação (ponto, ponto-e-vírgula, vírgula, dois pontos), a não ser na pontuação empregada nos numerais.Não há espaço depois do parêntese que abre nem ant…

Principais estilos de citações bibliográficas e referências

Formate sua tese ou dissertação na KeimelionOs estilos de citações são muitos, cada revista científica, cada programa de pós-graduação decide qual estilo vai adotar, como fazer as citações. Primeiramente, vale informar que "estilos científicos" não são estilos "literárias", mas a edição de estilos, ou seja, modos de apresentação de conteúdo estruturados, formas de escrever artigos científicos, apresentação, organização de conteúdo, formas fazer abreviações, anexos e fotos presentes nos textos e, além disso, formas de citações bibliográficas e de referências. Por isso as formas de citações dependem de cada estilo científico.  Para trabalhar com estilos de citações, é melhor usar um gerenciador de bibliografias como Refworks, Zotero, EndNote, Reference Manager, BibText e outros similares. Mesmo o Word que todo mundo tem faz esse serviço. O que impressiona muito é que a quase totalidade dos autores brasileiros não faz uso de nenhum desses programas e nem sequer sabe que…

Estrangeirismos e redação acadêmica

O que é estrangeirismo? Por que a implicância?Pode-se ou deve-se usar estrangeirismos em teses e dissertações?Existe linguagem científica sem estrangeirismos? Onde encontrar as palavras em português?Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem, mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno, da UnB, John Robert Schmitz, da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco, da UFPR.  (Wikipédia) Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimologia e da ignorância…