1 de março de 2017

Revisão de textos: ofício e prática

A revisão de textos profissional apresenta questões laborais específicas e compreende aspectos ligados à inovação tecnológica e científica.

Revisão de textos é o ofício ou exercício de interferir em um escrito para ampliar a legibilidade dele, favorecer a credibilidade e adequá-lo a normas, padrões ou expectativas linguísticas correspondentes ao gênero textual pretendido. O revisor de textos é um leitor privilegiado; ele é intermediário entre o autor e o público-alvo e, como tal, suas funções podem variar de acordo com as circunstâncias e as demandas.
A contribuição do revisor de textos nos trabalhos acadêmicos é cada vez mais importante.
O revisor de textos tem muito
a contribuir nos trabalhos
acadêmicos.
Era prática usual nos séculos XVII e XVIII os autores enviarem as provas de suas obras impressas a seus amigos para correção. Alguns autores de textos acadêmicos ainda são adeptos de práticas desse tipo, que podem ser úteis – mas nunca suprem a necessidade da colaboração do revisor profissional. Com o crescimento da imprensa, gradualmente, estabeleceu-se a demanda por revisão sistemática, e as principais editoras contrataram estudiosos e homens de letras para ler as provas por eles. Em cada editora, havia um revisor, ou mais de um – um funcionário discreto, conhecido pelos editores, autores e jornalistas, mas a maior parte deles desconhecida para o público geral; o revisor é um funcionário que ainda faz trabalho útil, frequentemente valioso e sempre indispensável. A influência da boa revisão sobre o livro, a tese, o artigo científico ou de jornal é muitas vezes subestimada. Com a ampliação exponencial da produção científica no século XX, processo ainda em curso, a demanda por revisores profissionais – inclusive pelos especializados em tais textos – cresceu muito, e segue crescendo. Por essa senda, instalaram-se diversas empresas especializadas em revisão acadêmica e surgiram, também e infelizmente, muitos aventureiros oferecendo serviços de baixa qualidade.

O revisor deve possuir um olhar rápido, alerta a notar cada erro, imperfeição ou ruído que dificulte a leitura e deve examinar atentamente cada letra de cada palavra, parágrafo e sentença, mantendo a compreensão do sentido da matéria com que está lidando. Quanto mais amplo seu conhecimento, melhor. Embora seu dever estrito fosse apenas ver que o original do autor estivesse correto, ele sempre dá ao autor o benefício da experiência e conhecimento que adquiriu e, como consequência, o revisor constantemente cruza a linha tênue que separa a revisão da coautoria.

Método tradicional de revisão

Chamamos de originais os textos como eles advém dos autores, quando os escritores dão sua tarefa por concluída. Os originais sempre contêm erros introduzidos pelas falhas humanas e até mesmo pelas falhas lógicas dos processadores de textos. Tradicionalmente, um revisor tipográfico tinha em mãos a prova de impressão para, então, compará-la ao original correspondente e, em seguida, assinalava os erros usando marcas de revisão convencionadas. O procedimento consistia em trabalhar diretamente com dois conjuntos de informações ao mesmo tempo – ambas em suporte físico: papel. As provas retornavam, então, ao tipógrafo ou gráfico para correção das matrizes.
Métodos alternativos para revisar textos
A leitura de exploração ou revisão de provas – ou cotejamento – emprega dois leitores por prova. O primeiro lê o texto em voz alta literalmente como aparece, geralmente a um ritmo relativamente rápido, mas uniforme. O segundo leitor segue e marca quaisquer diferenças relevantes entre o que é lido e o que foi composto. Esse método é apropriado para grandes quantidades de texto em que se supõe o número de erros ser comparativamente pequeno. Revisores de provas experientes empregam entre si vários códigos e atalhos verbais que acompanham a leitura. Uma pancada feita com o dedo sobre a mesa representa vírgula, período ou coisa semelhante. A compreensão mútua é o único princípio orientador e os códigos evoluem com a situação.
Na dupla leitura, um revisor único verifica uma prova na forma tradicional, mas passa depois para um segundo leitor que repete o processo. Com a leitura dupla, a responsabilidade sobre determinada prova é necessariamente compartilhada – e os resultados, melhores.
A digitalização, usada para verificar uma prova sem ler palavra por palavra, tornou-se comum com a informatização de composição tipográfica e a popularização de processamento de texto. Muitos editores têm seus próprios sistemas, enquanto seus clientes usam programas comerciais, como o Word. Antes de os dados em um arquivo do Word serem publicados, ele deve ser convertido em um formato usado pelo editor. O produto final é geralmente chamado de conversão. Se um cliente já tem revisado o conteúdo de um arquivo antes de submetê-lo à editora, não haverá nenhuma razão para outro revisor interferir (embora esse serviço adicional possa ser solicitado e pago). Em vez disso, a editora é responsável somente pela composição, o tipo de letra, largura da página e alinhamento de colunas e tabelas; e erros de produção, tais como texto excluído inadvertidamente. Para simplificar ainda mais, a determinada conversão será geralmente atribuído um modelo específico (máscara).

Listas de verificação e guias de estilo

Espera-se dos revisores que sejam consistentemente precisos de acordo com padrão editorial e o estilo (gênero) do texto, porque eles serão o último estágio da produção do texto antes da publicação – e agora se compreende “publicação” em sentido lato: pode ser o lançamento de um livro, um site ou a defesa de uma tese – dentre outros eventos.
Antes de ser composto, o original é muitas vezes marcado por um editor ou um cliente com várias instruções quanto à letra, arte e layout. Quando se trata de um trabalho científico, há indicações precisas de normas a serem seguidas (e.g. Vancouver, ABNT, APA, Chicago). Muitas vezes, os revisores vão consultar um manual de estilo de vários graus de complexidade e completude. Esses manuais são, normalmente, produzidos pela instituição a que o texto se destina, pela mídia pretendida, ou fornecido pelo cliente, e devem ser distinguidos de padrões de referências bibliográficas tão simplesmente. Quando apropriado, revisores podem marcar erros em conformidade com o manual indicado. Quando esse for o caso, o revisor pode ser considerado um editor de texto, pois o estará formatando. Quando o texto vai para impressão editorial, fala-se de composição, e o designer gráfico entra em cena: a formatação normativa é processo mais técnico e menos criativo, a composição tem tanta técnica quanto criatividade, mas o limite entre os dois procedimentos é tênue em algumas fronteiras.
Listas de verificação são comumente empregadas para conferir homogeneidade suficiente ao produto textual e para destilar alguns ou todos os componentes formais. Elas também podem funcionar como ferramenta de treinamento para novos profissionais. Listas de verificação nunca esgotam as possibilidades, os revisores e formatadores ainda têm que encontrar todos os problemas não mencionados ou descritos nelas, limitando assim sua utilidade.

Qualificações de um revisor de textos

Em geral, a formação educacional dos revisores é em pé de igualdade com a de seus colegas de trabalho – ou seus clientes. Tipógrafos, artistas gráficos e processadores de texto raramente precisam ter diploma universitário, ainda que já existam alguns cursos superiores voltados a essas áreas. A leitura de anúncios de emprego on-line para revisores vai mostrar que, embora as listagens especifiquem um grau para revisores, também irão mostrar a tendência para as posições de grau somente em empresas em áreas comerciais como varejo, medicina, ou seguro, onde os dados a serem lidos na documentação interna não são destinados ao consumo público. Em tais listas de empregos, especificando um revisor único para preencher uma posição única, é mais provável que requeiram a graduação como método de reduzir o grupo de candidatos. A experiência é contada desde o início, em detrimento de uma credencial formal, indicando um salário inicial relativamente baixo, apropriado para os candidatos mais jovens. Nesses tipos de ambientes, de multitarefa para editoração, departamentos de recursos humanos podem ainda classificar a revisão como habilidade genérica. Onde isso ocorre, não é incomum para revisores encontrar-se a garantir a precisão dos colegas de trabalho mais bem pagos.
Em contraste, editoras, editoras, agências de publicidade e escritórios de advocacia tendem a não especificamente exigirem um grau – e, muitas vezes, a função de revisão recai sobre a pessoa que secretaria o escritório. Nesses ambientes profissionalmente restritos, a execução de tarefas, a divisão de trabalho envolve o departamento de produção em vez da própria empresa. Promoção é rara para esses revisores, porque eles tendem a ser valorizadas mais por sua habilidade presente, definida, que para qualquer potencial capacidade de liderança.

Revisor de provas gráficas

Embora muitos revisores com formação universitária em cursos de revisão de qualidade variável possam ser encontrados on-line, o treinamento de trabalho prático para revisores diminuiu com seu status como ofício – notadamente com o esvaziamento do revisor tipográfico e jornalístico, supostamente supérfluos.
Os pretendentes revisores são testados principalmente em sua ortografia, velocidade e habilidade em encontrar erros no texto de exemplo. Para esse fim, pode ser dada uma lista de dez ou vinte palavras classicamente difíceis e um teste de revisão, ambos rigidamente cronometrado. O teste de revisão terá, frequentemente, um número máximo de erros por quantidade de texto e uma quantidade mínima de tempo para encontrá-los. O objetivo desta abordagem é identificar aqueles com o melhor conjunto de habilidades.
Uma abordagem contrastante para teste é identificar e premiar a persistência mais que um arbitrariamente alto nível de especialização. Para a parte de ortografia do teste, que pode ser realizada com o fornecimento de dicionário, alongando a lista palavra significativamente e deixando claro que o teste não é cronometrado. Para a parcela de correção, pode ser fornecido um manual de referência da linguagem de uso apropriada – um manual de estilo (por exemplo, The Chicago Manual of Style, ou o Manual de Redação da Folha de S. Paulo). Note que saber onde encontrar a informação necessária em tais livros especializados em si é um componente de eficácia no teste. Retira-se a pressão do que é essencialmente um prazo. Assim se identificarão os candidatos com potenciais marginalmente maiores de persistência, resistência e compromisso. Ao mesmo tempo, a necessidade de os candidatos possuírem uma lista memorizada de palavras difíceis e um conhecimento estudado das armadilhas gramaticais mais comuns diminui, os candidatos aprendem que seu sucesso depende principalmente da qualidade, pelo menos teoricamente, disponível a qualquer um a qualquer momento, sem treinamento específico.
A seleção para empregado formal geralmente é planejada e anunciada com antecedência e pode requerer títulos, diferentes níveis de testes, avaliação de habilidades. Eles são encontrados em ambientes corporativos ou governamentais com quadro de pessoal suficiente para requerer e administrar os concursos.
A aferição qualitativa para empregados informais (freelancer) ocorre sempre que um gestor sente a necessidade de tomar uma amostragem aleatória de trabalho do revisor. Geralmente, isso é feito sem aviso e, às vezes, será feito secretamente. Pode ser altamente eficaz e, certamente, haverá momentos em que tal releitura seja justificada, mas deve ser tomado cuidado – para não parecer falta de confiança ou excessivo patrulhamento.
Existem duas abordagens básicas. A primeira é de reler uma prova revisada dentro de seu prazo e no próprio departamento. Assim, o gerente lerá a mesma cópia que o primeiro leitor e estará ciente de qualquer volume e pressões de prazo sobre o primeiro leitor. Essa abordagem também pode ser seguida por uma questão de rotina. Então, o objetivo é não confirmar uma suspeita específica do desempenho do empregado, mas confirmar uma hipótese geral de que a revisão daquele profissional pessoal requer acompanhamento permanente.
A segunda abordagem consiste em esperar alguns dias ou semanas e, então, se o tempo o permite, selecionar aleatoriamente as revisões feitas e aferi-las fora do departamento. Tais provas podem ser acompanhadas por páginas da cópia em que o revisor trabalhou. Aqui o revisor é examinando do ponto de vista da digitação e formatação – por amostragem, ignorando quantas outras páginas ele tenha lido naquele dia, quantas ainda não tinha lido, e quantas páginas foram lidos com sucesso e quantos prazos foram cumpridos sob condições específicas em determinado dia.

Revisão e reescrita

A revisão é termo é por vezes utilizado para se referir à reescrita e vice-versa. Embora não haja necessariamente alguma sobreposição – ou contraposição formal entre os termos, revisores geralmente se referem à revisão como seu ofício e reescrita seria o trabalho do autor sobre seu próprio texto. Assim, revisão e a reescrita são fundamentalmente diferentes responsabilidades. Em contraste, revisores centram-se na análise de frase por frase do texto, para “limpar” e fazer tudo funcionar juntos. O revisor é, geralmente, o último a opinar e vai trabalhar consultando o autor. A revisão concentra-se intensamente em estilo, conteúdo, pontuação, gramática, legibilidade e consistência. A reescrita se concentra em conteúdo, estética, opinião, confiabilidade, argumentos e conclusão.

Revisão em suporte digital

A revisão de texto digital se tornou preponderante nos últimos anos, com o advento de softwares de apoio e ferramentas que possibilitam localizar e corrigir erros ortográficos e gramaticais, ferramentas muito convenientes para os escritores de todos os tipos, possibilitando ampla verificação de aspectos positivos e normativos. Também, a computação nas nuvens passou a possibilitar serviços de edição colaborativa em tempo real, a revisão que pode ser feita para os clientes enquanto eles acompanham o processo. Infelizmente, a maior para dos potenciais usuários desses recursos ainda enfrenta barreiras cognitivas, temporais ou mesmo psicológicas que se tornam empecilhos ao emprego mais amplo dos recursos mais recentes.
São Paulo: +55 (11) 3042-2403 Rio de Janeiro: +55 (21) 3942-2403 Belo Horizonte: +55 (31) 3889-2425
Brasília: +55 (61) 4042-2403 Porto Alegre: +55 (51) 4042-3889 Skype: keimelion
Atendemos em horário comercial.
Para solicitar orçamento, envie o texto.
Não elaboramos trabalhos de graduação ou pós. Não insista.