2 de abril de 2015

Planejamento e desenvolvimento da tese

Sabemos que a história das várias atividades experimentais, durante a elaboração da tese, não coincidem com a ordem final de apresentação das diferentes seções dela, podendo sobrepor-se umas às outras.

Assim, um erro frequente é começar a escrever a tese somente após a conclusão das atividades experimentais. Um trabalho gradual permite que você escreva os diferentes tópicos de forma lógica, quando eles ainda estão frescos na cabeça, o que também possibilita eventuais correções no decorrer do trabalho (incluindo ajustes de atividades experimentais).
Planejar é escolher previamente entre as direções possíveis.
Planejar a tese é condição para que
haja qualidade no produto e o
mínimo de estresse possível.
A seguir, foram listadas algumas dicas para o planejamento de estágios e desenvolvimento de teses, de forma a serem realizadas em uma ordem cronológica racional.
1. Uma vez definido o tema geral da tese – interessante, original, viável, é essencial efetuar uma pesquisa bibliográfica sobre o assunto, coletando tanto material disponível em bibliotecas, como também na internet. A revisão atualizada e crítica da literatura mais relevante sobre um determinado tópico são publicações que serão úteis para o planejamento e desenvolvimento da tese. Além disso, já que a maioria dos bancos de dados e publicações de qualidade é escrita na língua inglesa, o conhecimento desta língua é essencial tanto para a pesquisa e a recuperação de publicações científicas necessárias, quanto para interpretá-los de forma correta. Durante a pesquisa bibliográfica online, os principais elementos a se considerar são os seguintes:
  • O acesso a bancos de dados da rede da universidade se realiza a partir da Web. É possível pesquisar selecionando o banco de dados desejado (pelo título ou disciplina-campo), e após isso digitando as palavras-chave de interesse (palavra-chave, termos, frases ou autor), tudo isso em inglês geralmente. Assim, será apresentada uma lista de todas as publicações que contenham a palavra-chave pesquisada, na qual você poderá escolher as que parecem mais interessantes.
  • Geralmente, ao clicar sobre o título da obra, o pesquisador será direcionado somente ao seu resumo, podendo este ser salvo ou enviados para um endereço de e-mail pessoal, a fim de permitir uma leitura minuciosa mais tarde. Além disso, no decorrer da pesquisa online, se você não puder acessar o trabalho completo através do título-link, você deve usar o método de acesso a recursos eletrônicos, clicando no botão “SFX”, que normalmente aparece na mesma tela que contém o título ou o resumo do trabalho em que você está interessado, que lhe dá o acesso direto ao texto completo do documento ou a um formulário online para solicitá-lo. Paralelamente, a versão completa de um trabalho também pode ser encontrada acessando aos periódicos e inserindo o nome da revista que você deseja verificar ou ainda usando os motores de busca mais comuns, como os sites específicos das revistas científicas.

2. É primordial ler uma vasta gama de trabalhos sobre o tema escolhido, sendo de extrema importância para o planejamento e implantação do experimento. Portanto, a leitura do material bibliográfico coletado deve ser feita com cautela: é recomendado que você anote os materiais e métodos que foram utilizados, os principais resultados e conclusões. Deve ser lembrado, no entanto, que infelizmente nem todas as teses debatidas já foram escritas e formatadas seguindo os critérios mais razoáveis da escrita técnica e científica, por normalmente não estarem sujeitos à decisão do árbitro. Em contraste, os artigos científicos publicados em revistas internacionais têm a vantagem de terem sido submetidos a um julgamento mais especializado (por estudiosos da área, a pedido dos editores das revistas) e foram escritas respeitando os princípios científicos técnicos. Não significa que tais artigos menos rigorosos não podem ser incluídos em teses, mas que devem ser utilizados o mínimo possível.

3. Uma vez definido o objetivo da pesquisa (a hipótese experimental a ser testada) e como será a realização do experimento, é necessário fundamentar a tese para classificar os pensamentos em ordem, tanto para planejar bem as atividades experimentais, como para produzir um segmento lógico na elaboração do trabalho, especialmente os resultados e a discussão.

4. Para evitar demasiadas formatações no final do trabalho, é conveniente estabelecer já desde o início um padrão de formatação (tipo de fonte e tamanho, espaçamento entre linhas, margens, etc.), para que tudo o que você escreva siga no formato escolhido. É aconselhável para usar a fonte “Times New Roman”, pela sua ampla utilização na área e fácil legibilidade, especialmente em textos impressos há muito tempo. Muitos estudantes subestimam a importância da definição desse padrão logo no início da tese e cometem o erro de começar a escrevê-la sem observar as regras de formatação (e infelizmente nem mesmo a ortografia e gramática), problema que só é sanado caso contrate um bom revisor de textos, que deixará o texto limpo, claro e de acordo com as normas.

5. A redação do primeiro rascunho de “Introdução”, “Materiais e Métodos” e “Referências” da tese, pode começar imediatamente após a leitura do material bibliográfico coletado e a definição das hipóteses experimentais a serem verificadas. Obviamente, estas seções serão refinadas no decorrer da produção, uma vez que os resultados alcançados com a experiência podem vir a complementá-las.

6. Durante a realização da fase experimental, é crucial ter um diário para registrar todas as atividades e observações feitas, já que é praticamente impossível lembrar-se depois de todos os detalhes de um teste realizado meses antes. Este hábito é importante para produzir uma boa tese e relatar de forma mais fiel possível os dados coletados.

7. Todos os dados numéricos coletados deverão ser colocados progressivamente em uma folha de cálculo digital (por exemplo, o software Excel) ou outro programa apropriado, a fim de evitar erros de digitação, como o esquecimento de dígitos e vírgulas em posições incorretas. A fase de entrada dos dados é crucial e erros nesta operação irão reverberar sobre os resultados e interpretações da fase experimental. Além disso, é aconselhável manter uma cópia separada dos dados originais para utilizar caso os originais de trabalho sejam perdidos, o que poderia causar danos irreparáveis à tese.

8. Durante a coleta e a inclusão de dados experimentais, é também muito viável organizar tabelas e gráficos temporários para verificar o desempenho das variáveis estudadas. Esta análise de dados durante o andamento do trabalho pode detectar anormalidades no procedimento escolhido, que poderão ser corrigidos a tempo.

9. Depois de introduzir todos os dados variáveis que estão sob observação, você pode prosseguir para a fase de processamento de dados, em particular a sua análise estatística. Isto ajuda a compreender que as diferenças são realmente importantes, e então decidir como apresentar os dados (texto, tabelas ou figuras) tanto na seção “resultados”, como na posterior interpretação deles em “discussão”. É importante não subestimar a significância estatística das diferenças e estatísticas observadas, estatísticas que fornecer elementos para completar o contorno inicial da tese e a sua complementação.

10. Após escrever uma ou mais seções do primeiro esboço da tese e entregá-lo ao orientador, é fundamental que o autor:
  • Use a ortografia e gramática de acordo com a norma;
  • Verifique se a tese inteira está formatada corretamente (incluindo o índice);
  • Certifique-se de que a bibliografia está correta;
  • Certifique-se de que a citação numérica de cada figura e tabela está correta e se as tabelas e figuras estão numeradas consecutivamente, sem saltos ou dupla atribuição do mesmo número;
  • Faça um teste de impressão;
  • Leia a tese em formato físico com calma, cuidado, crítico senso e objetividade, verificando se os dados das seções “resultados” e “discussão” correspondem àqueles apresentados nas figuras e tabelas, a fim de evitar imprecisões científicas.
  • Finalmente, faça uma boa revisão do conteúdo e formatação da tese.

11. Em resumo, a elaboração de uma tese séria deve basear-se no esquema elaborado pelo aluno, sob os cuidados do seu orientador e deverá manter a seguinte ordem:
  • Capa;
  • Folha de rosto;
  • Folha de aprovação;
  • Epígrafe;
  • Dedicatória;
  • Agradecimentos;
  • Listas de ilustrações;
  • Sumário;
  • Introdução;
  • Materiais e métodos;
  • Resultados;
  • Discussão;
  • Conclusões;
  • Referências
  • Apêndices;
  • Índices (final).
12. O último passo é planejar a revisão do texto; procure um revisor profissional com antecedência, verifique as referências e o portfólio e se entenda com ele sobre revisão e formatação. É seguro que vale a pena se ater a isso!