Começando a fazer pesquisa: o mestrado

Para muitos alunos novos, a pós-graduação é diferente de tudo o que eles fizeram. Às vezes é difícil saber exatamente o deveria estar aprendendo. Sim, você tem que fazer uma dissertação, mas como se começa? Como empregar seu tempo?

A pós-graduação é um ambiente muito estruturado na maioria dos casos. Estudantes de pós-
O mestrado e a dissertação assustam,
a princípio, mas não é nada que não
possa ser resolvido com algum método.
graduação, geralmente levam nove horas ou menos de curso por semestre, especialmente após o segundo ano. Primeiro haverá alguns a serem cumpridos – é a fase “colegial”, aulas mesmo, principalmente no Brasil. Uma vez que você encontre um tópico o tema da dissertação, você pode não pode esperar dois ou mais anos até a conclusão, os tempos hoje para o mestrado são muito curtos.

A rotina diária é necessária

Ser um bom investigador envolve mais do que apenas esperar ideias e inspirações brilhantes e implementá-las. A maioria dos pesquisadores passam a maioria do seu tempo lendo jornais, discutindo ideias com os colegas, escrevendo e revisando documentos, olhando fixamente para o espaço e, claro, tendo ideias brilhantes e implementando-as.
Manter um diário de suas atividades de pesquisa é muito útil. Escreva especulações, problemas interessantes, possíveis soluções, ideias aleatórias, referências ao olhar para cima, notas sobre os papéis que leu, esboços de papéis para escrever e citações interessantes. Leia aquilo tudo de volta periodicamente, rabisque mais ideias – mas não apague nada: é só um rascunho mesmo. Você notará que os pensamentos aleatórios começam a se unir e formar um padrão, muitas vezes se transformando em um projeto de pesquisa ou mesmo de uma tese.
Você vai ter que ler um monte de artigos técnicos para se familiarizar com seu assunto de interesse e ficar atualizado, uma vez que você fez uma escola de tema. Você pode empregar mais de metade do seu tempo para ler, especialmente no início. Isso é normal. Também é normal ficar maravilhado com a quantidade de leitura que parece ser necessária. Tente lembrar-se de que é impossível ler tudo o que possa ser relevante: em vez disso, leia seletivamente. Quando você começar a ler sobre um novo campo, pergunte a seu orientador ou um estudante que revistas mais úteis e sobre os anais de conferências e faça uma lista de textos clássicos que você definitivamente deveria ler.
Antes de se preocupar em ler qualquer artigo, certifique-se de que vale a pena. Antes de tentar obter todos os detalhes essenciais do texto, passe por cima dele, leia de passagem, e forme uma impressão sobre a importância daquilo. Se ainda parece interessante e relevante, voltar e ler tudo. Muitas pessoas acham útil tomar notas enquanto leem. Mesmo se você não voltar mais tarde e reler as notas, ajuda a concentrar e força você a resumir o que você leu. Se você precisar refrescar sua memória, mais tarde, reler suas notas é muito mais fácil e mais rápido do que ler o artigo inteiro.

Alguns outros pontos a ter em mente como você ler e avaliar os artigos:

Verifique se as ideias descritas funcionaram (em vez de apenas serem teoricamente válidas, ou testadas).
Tente superar chavões: eles podem parecer boas, mas não significam muito. Existe realmente substância e ideia interessante escondida sob o jargão? Muitas palavras, principalmente palavras técnicas, podem esconder um grande buraco de conteúdo.
Para realmente entender um texto, você tem que entender as motivações do autor para o problema colocado, as escolhas feitas em busca da solução, os pressupostos atrás da solução, se as premissas são realistas e se elas podem ser removidas sem invalidar a abordagem; veja as direções futuras de investigação, o que na verdade foi realizado ou implementada, a validade (ou falta dela) das justificações teóricas ou manifestações empíricas e o potencial para estender e intensificação do raciocínio.
Manter os papéis que você leia arquivados então você pode encontrá-los novamente mais tarde e criado uma bibliografia eletrônica (BibTeX é um formato popular, mas o Word também ajuda nisso). Acho que é útil adicionar campos extras para palavras-chave, a origem do artigo (se você pegou a referência de biblioteca ou de amigo) e um breve resumo. Esta bibliografia será útil para referência posterior, para escrever sua dissertação e para compartilhar com outros estudantes de pós-graduação (e, eventualmente, talvez, orientandos).

Permanecer motivado é importante

Às vezes, particularmente depois dos períodos iniciais, pode ser muito difícil de manter uma atitude positiva e permanecer motivado. Muitos estudantes sofrem de insegurança, ansiedade e até mesmo tédio. Primeiro de tudo, perceba que estes são sentimentos normais. Tente encontrar um ombro amigo – outro estudante de pós-graduação, seu orientador ou amigo fora da escola – vale até seu psicanalista, mas é mais caro. Em seguida, tente identificar o motivo pelo qual você está tendo problemas e identificar medidas concretas que você pode tomar para melhorar a situação. Manter-se focado e motivado, muitas vezes, ajuda a organizar atividades para forçá-lo a gerenciar seu tempo e fazer algo todos os dias. Tenha reuniões regulares com seu orientador, frequentar seminários ou atividade extracurriculares como esportes ou música pode ajudá-lo a manter um horário regular.
Seja realista sobre o que você pode realizar e tente se concentrar em se dar feedback positivo para as tarefas que concluir, em vez de feedback negativo para aqueles que não forem concluidas.
Estabelecer de metas diárias, semanais e mensais é uma boa ideia e funciona ainda melhor se você usar um sistema em que você e outro estudante encontrem-se em intervalos regulares para rever seu progresso. Tente encontrar pessoas para trabalhar junto: fazer pesquisa é muito mais fácil se você tem alguém para trocar ideias e para trocar feedbacks.
Dividir o projeto em partes menores é sempre uma boa tática, quando as coisas parecem fora de controle. A estratégia de dividir e conquistar funciona no dia a dia também. Em vez de escrever uma dissertação ou tese inteira, foque o objetivo de escrever um capítulo, seção ou esboço. Identifique as tarefas que você pode fazer em uma hora ou menos; então você pode traçar uma programação diária realista. Lembre-se, a cada tarefa que você completa, você fica mais perto de terminar. Faça lita das etapas: listas são excelentes métodos de se fazer grandes conquistas; coloque no início: “fazer a lista de procedimentos” – quando terminar, volte lá no alto e risque o primeiro item! Pronto, uma etapa a menos.

Como enfrentar a dissertação?

A parte mais difícil de conseguir um mestrado é, claro, escrever a dissertação. O processo de encontrar um tema, fazer a pesquisa e escrever o trabalho é diferente de tudo o que a maioria dos estudantes tenha feito antes, mas que, hoje em dia, todos os estudantes escrevam uma monografia ou algum TCC na graduação: a dissertação é mais substancial, mais profunda – é diferente. Se você tem um bom orientador, você terá ajuda na configuração de sentidos e objetivos. Se não, você pode precisar de ser mais independente. Se esse for o caso, não apenas isole-se do mundo: tente sair e encontrar os recursos e apoio que você precisa de professores, outros alunos da graduação, listas de discussão, amigos, família e publicações como esta.

É preciso encontrar um orientador

Encontrar o conselheiro certo pode ajudar imensamente a concluir com sucesso a dissertação. Comece a procurar um tão cedo quanto possível. Claro, o orientador ideal vai estar na área que você está interessado em trabalhar e estará ativamente fazendo pesquisa de alta qualidade, além de ser respeitado pela comunidade de pesquisa.
Na hora de revisar os textos importantes, lembre da Keimelion.
Como escolher
 o orientador?
Outras coisas para descobrir sobre os orientadores potenciais:
O que é o tempo médio de que seus alunos de doutorado leve para terminar seus graus? Qual é a taxa de abandono para seus alunos?
Um bom orientador servirá como mentor, bem como fonte de assistência técnica. Um mentor deve fornecer, ou ajudá-lo a encontrar recursos (financeiros, equipamento e apoio psicológico); deve apresentá-lo ao mundo acadêmico e promover seu trabalho com pessoas importantes no seu campo; deve incentivar os interesses do orientando, em vez de promover seus próprios; deve estar disponível para lhe dar conselhos sobre a direção de sua dissertação e sua carreira; pode ajudá-lo a encontrar um emprego quando terminar. Eles devem ajudá-lo a definir e atingir objetivos de longo prazo e a curto prazo.
O mais importante é pedir (ou seja, exigir educadamente) o que você precisa.
Adaptado de desJardins.