12 de fevereiro de 2015

Como começar a escrever a tese ou dissertação

Aqui vão algumas dicas para escrever teses e dissertações, ideias simples e práticas, para ajudar em problemas de como começar e como organizar, subdividindo a enorme tarefa em partes menos árduas para, em seguida, trabalhar nas partes. 

Também vamos explicando, de maneira prática, como sobreviver à provação que a tese representa.
Escrever tese e dissertação depende principalmente de começar bem.
Não é para ninguém morrer
 escrevendo a dissertação ou tese.
Estamos incluindo uma estrutura sugerida e orientação sobre o que deve haver em cada seção. Originalmente escrito para estudantes de pós-graduação ciências duras (física, matemática, engenharia), boa parte dos exemplos específicos fornecidos são tirados dessas disciplinas. No entanto, pode utilizado e apreciado pelos alunos de pós-graduação em várias áreas de Ciências e Humanidades.

Para começar a escrever

Quando você vai começar, escrever uma tese ou dissertação parece uma operação longa e difícil. Isto é porque é demorado e difícil mesmo! Felizmente, agora vai parecer menos assustador, porque você já tem um par de capítulos prontos – tem mesmo? No final, você encontrará a satisfação do sucesso, e só restará mandar revisar o texto para melhorar a escrita e, claro, aperfeiçoar a apresentação gráfica – fazer uma formatação profissional. Tudo parece pior antes de começar, por isso, vamos orientá-lo sobre como você deve começar.

Uma escada: um degrau de cada vez

Primeiro, faça uma programação da dissertação ou tese, um roteiro ou um esquema geral: várias páginas contendo títulos de capítulo, legendas, alguns títulos de figuras (para indicar quais os resultados são inseridos) e, talvez, alguns esboços e chuvas de ideias. Pronto, já há uma ordem de capítulos e um resumo do que você tem em mente; não importa se mudar tudo muitas vezes. Uma vez que você tenha uma lista dos capítulos e cada capítulo ganhe um cabeçalho, faça uma lista razoavelmente abrangente das coisas que deverão ser anotadas para cada um e vá explicando, aos poucos, de que se trata: pronto, você já passou as barreiras mais difíceis. Quando você se senta para escrever, seu objetivo não é mais encontrar um argumento – uma meta assustadora – mas algo mais simples. Não precisará mais esperar inspiração: as ideias necessárias já estão listadas e, mesmo podendo ser mudadas mil vezes, não haverá mais perda de tempo na busca de rumo. Seu objetivo agora será escrever um parágrafo ou uma seção sobre cada um dos tópicos das listas. Isso ajuda você a começar com facilidade: permite que você incuta segurança em si mesmo. Muitas vezes, a seção materiais e métodos, ou descrição de procedimentos, é a mais fácil de escrever – só escreva o que você fez; cuidadosamente, formalmente e em uma ordem lógica – e vá escrevendo à medida que for fazendo!
Como fazer o esquema de um capítulo? Reúna todos os números e dados que você vai usar no capítulo e coloque lá, coloque também as citações diretas e indiretas que você for encontrando, de preferência na ordem em que você usaria se você fosse explicar para alguém o que eles significam (e é exatamente isso que você vai fazer depois!). Pode também preparar para explicar para alguém (o orientador, no mínimo) – depois que provavelmente fizer várias apresentações com base em seu projeto de tese. Após de ter encontrado a ordem mais lógica, escreva as palavras-chave de sua explicação. Essas palavras-chave fornecem um esqueleto para a maioria do texto de seu capítulo.
Uma vez que você tem o esqueleto, coloque um pouco de tecido sobre ele e está pronto o esquema geral da tese; pode apresentar ao orientador. Este ponto é importante: agora ele terá dicas úteis, mas vai ser também para ele poder alertá-lo sobre problemas e fornecer um fluxo constante de avaliação sobre seu trabalho. Uma vez que você e seu orientador estejam de acordo com a estrutura lógica apresentada, as modificações propostas poderão ser implementadas na hora. O texto escrito no computador e editado nele evolui imediatamente, nunca deixe nada para depois. Você pode ir salvando, paulatinamente, os arquivos em versões semanais ou a cada modificação importante, mudando o nome apenas em uma sequência final: Aa, Ab, Ac... Ba, Bb, Bc...

Organização do trabalho de redação

É conveniente e útil iniciar um sistema de ordenação, como o proposto acima. Não abra um arquivo para cada capítulo e outro para as referências: tudo cresce junto, será formatado junto e os sumários e índices vão evoluindo concomitantemente. Pode colocar as notas neste arquivo, também os comentários. Insira imediatamente as referências de qualquer obra consultada: nunca deixe para depois. Enquanto escreve alguma coisa no capítulo, você pode pensar: “eu poderia discutir isso no capítulo tal”, então coloque uma nota para fazer assim no o capítulo respectivo. Ou você pode pensar em algo interessante ou relevante para esse capítulo: anote. Quando você for trabalhar naquele capítulo, as notas que você acumulou, estarão lá e será mais fácil será escrevê-lo.
Faça um backup desses arquivos nas nuvens, sempre. Não confie em nada que possa ser perdido: seu HD pode queimar, seu pendrive pode ser extraviado, seu note pode ser roubado.
Se todos os seus dados existem apenas no papel, é bom copiá-los e manter a cópia em um local diferente. Estude a possibilidade de fazer uma cópia de seu livro de laboratório, se for o caso. Isto tem outro propósito além da segurança: o livro do laboratório geralmente permanece no laboratório, mas você pode querer uma cópia para seu próprio uso futuro. Além disso, a ética científica exige que você mantenha os livros de laboratório e dados originais pelo menos por dez anos. Enquanto você está planejando, você deve cuidar de todo o trabalho administrativo da pesquisa. Seja metódico. Guarde cópias de questionários e de planilhas que estiverem em suporte físico: essas coisas desaparecem também.

Um cronograma para escrever

Eu recomendo fortemente sentar-se com o orientador e estabelecer um calendário para escrever: uma lista de datas de quando você dará os primeiros e o segundo rascunhos de cada capítulo para leitura. Esta estrutura de tempo fornece objetivos intermédios. Se se você apenas visa alguma data distante para o conjunto, você vai se enganar e procrastinar mais facilmente. Se marcou com o orientador que traz um rascunho inicial do capítulo 3 na quarta-feira, isso focaliza sua atenção.
Você pode querer transformar seu tempo em uma lista com os tópicos, em seguida, você pode riscar cada um depois de ter terminado. Isto é particularmente útil no final de cada etapa, quando você achar que vai haver algumas questões pendentes aqui e ali.
Sempre que se sentar para escrever, é muito importante escrever algo. Então escreva algo, mesmo se for apenas uma coleção de notas ou alguns parágrafos de texto que não sejam definitivos ou ainda não estejam na linguagem acadêmica em que tudo deverá ficar.
Seria bom se a prosa fosse sempre clara, precisa, saindo facilmente do teclado, mas geralmente isso não acontece. A maioria de nós achar mais fácil, no entanto, melhorar algo que já foi escrito, ao invés de produzir um texto do zero, pronto e acabado. Então, escreva um rascunho para seus próprios fins e, em seguida, ou bem depois, poderá reescrever para apresentar ao orientador.

É preciso haver solução de continuidade no processo da escrita

Processadores de texto são maravilhosos a esse respeito: no primeiro rascunho não precisa começar do começo, você pode deixar lacunas, você pode colocar pequenas notas para si mesmo e depois pode removê-las ou ampliá-las. Quando tudo estiver escrito e aprovado pelo orientador, será a vez do revisor de textos entrar para melhorar de um modo geral: o papel dele é bem mais que corrigir ortografia e gramática! Ele vai melhorar a legibilidade e conferir mais credibilidade ao texto.
O orientador vai esperar para ler cada capítulo em versão preliminar. Ele vai interferir e colaborar com sugestões e comentários. Não fique chateado se um capítulo – especialmente o primeiro – voltar cheio de tinta vermelha. O orientador vai querer a sua tese o melhor possível, porque a reputação dele também está envolvida. A escrita científica é arte e técnica um pouco difícil de aprender. Como resultado, haverá muitas maneiras de seu primeiro rascunho ser melhorado. Então, receba com atitude positiva todos os enfeites com que o relator decorar seu texto: cada comentário é algo que você pode fazer para melhorar o argumento.
A medida que você escreve sua dissertação, sua escrita em ciência, é quase certo, vai melhorar. Até para quem escrevem muito bem em outros estilos, percebe-se grande melhoria em rascunhos do primeiro ao último capítulo escrito. O processo de escrita da dissertação e mesmo da tese, é como um curso prático de escrita científica e, nesse sentido, cada capítulo é como um trabalho onde você aprendeu, mas não foi avaliado. Lembre-se, somente o trabalho final é avaliado: as múltiplas observações de seu orientador acrescentam algo à primeira versão e mais à segunda, visando sempre o melhor.
Antes de apresentar um projeto ao seu orientador, use um corretor ortográfico, para que ele não perca tempo sobre este ponto. Se você tem algumas imperfeições gramaticais características, controle-as, preste atenção redobrada a suas falhas reincidentes. Informe ao orientador que você vai contratar um revisor profissional somente quando o texto final estiver pronto e aprovado por ele, não vale apenas pagar para revisar por partes: perde-se tempo e dinheiro.

O que é uma tese? Para quem você está escrevendo? Como deve ser escrita?

Revisão de textos e formatação são etapas da produção de uma tese.
Pensar e escrever não são processos
isolados; é necessário tomar notas
o tempo todo.
A tese é um relatório sobre a investigação. O relatório diz respeito a um problema ou uma série de problemas em seu campo de pesquisa e deve descrever o que anteriormente era conhecido sobre isso, o que se fez para resolver o problema, o que você acha que querem dizer seus resultados e onde ou como mais progressos nesse campo podem ser feitos. Não se detenha em suas ideias sobre a avaliação do estudante universitário: uma tese não é uma resposta a uma tarefa. A diferença importante é que o autor da dissertação é geralmente aquele que a define quanto ao assunto, abordagem, metodologia, hipóteses. O autor já sabe a resposta (ou respostas), para não mencionar o plano de fundo, literatura, as suposições e as teorias e as forças e fraquezas do argumento. Os leitores de tese não sabem qual é a resposta para suas questões – não se trata de acertar. Se o trabalho é para um doutorado, a universidade exige que ele dê uma contribuição original ao conhecimento humano: sua pesquisa deve descobrir alguma coisa até agora desconhecida, ou acrescentar algo relevante ao que se conhece – podendo ainda negar algum ponto tido como certo, ou apresentar uma visão original sobre o assunto.
O orientador vai ler a tese, obviamente. Ele deverá ser conhecedor do campo genérico da sua tese, mas sobre o tema da sua tese, especificamente, é você o especialista – ou deverá ser, ao fim do processo. Tenha isso em mente: você deve escrever claro para um leitor que não passou a maior parte dos últimos três anos refletindo sobre seu tópico.
Sua tese também será usada como relatório científico e consultada pelos futuros pesquisadores em seu laboratório e mesmo em outras instituições, eles estarão desejando saber, em detalhes, o que você fez. As teses são ocasionalmente consultadas por pessoas de outras instituições e as bibliotecas publicam tudo de forma totalmente digital. A vantagem é que sua tese será consultada mais facilmente pelos pesquisadores ao redor do mundo. Escreva com essas possibilidades em mente: você será lido por muita gente que pode não ter nenhuma noção sobre seu estudo e por alguém que também conheça a fundo o tema.
Muitas vezes, é útil que mais alguém da área, além do seu orientador, leia alguns trechos dos capítulos da tese, particularmente a introdução, a conclusão. Pode ser mesmo um colega da pós-graduação. Também pode ser apropriado pedir a outros colegas para ler alguns trechos da tese, eles podem dar contribuições importantes. Em qualquer caso, dê apenas as versões minimamente revisadas, para que a pessoa não perca tempo corrigindo sua gramática, ortografia, construção pobre e apresentação.

Como detalhar os assuntos?

A resposta curta é: detalhe um pouco mais do que em um artigo para uma revista científica. Uma vez que sua tese tenha sido avaliada e seus amigos tenham lido as primeiras páginas, os outros leitores são suscetíveis de ser as pessoas que estão fazendo suas pesquisas a sério nesse campo. Por exemplo, um futuro aluno seu poderia prosseguir a mesma busca e estar interessado em entender exatamente o que você fez. Você, certamente, já leu a tese dos estudantes que te precederam no departamento em que você está trabalhando agora, então, você conhece, provavelmente, as vantagens de uma tese claramente explicada ou desvantagens de um texto vago e mal escrito.
Sempre indique claramente o que é conteúdo seu
Se você usar um resultado, uma observação ou uma generalização que não são suas, você deve declarar onde na literatura científica o resultado é relatado. As únicas exceções são para casos onde cada pesquisador nesse campo já sabe sobre o tema: as equações da dinâmica não devem ser seguidas por uma citação de Newton, análise de circuito não precisa de uma referência de Kirchoff. Modo de produção não precisa de referência a Marx. Radiografias não precisam de referência a M. Curie. A importância deste procedimento na ciência é que ele permite ao leitor a verificar a sua posição inicial. Uma boa referência nos permite verificar os fundamentos das suas adições à estrutura de conhecimento na disciplina ou, pelo menos, segui-los até um nível que consideramos confiável. Uma boa referência também informa ao leitor que partes da tese são descrições de conhecimento prévio e quais partes são suas adições de conhecimento.
Em resumo, escreva para o leitor geral que não está familiarizado com a literatura do campo, isto deve ser especialmente claro. Pode ser uma tentação omitir uma referência na esperança de que um leitor vai pensar que uma boa ideia parte de sua análise. Não recomendamos esse jogo. Se você estiver escrevendo na voz passiva, precisa ter mais cuidado com a atribuição que se você estiver escrevendo na voz ativa.
São Paulo: +55 (11) 3042-2403 Rio de Janeiro: +55 (21) 3942-2403 Belo Horizonte: +55 (31) 3889-2425
Brasília: +55 (61) 4042-2403 Porto Alegre: +55 (51) 4042-3889 Skype: keimelion
Atendemos em horário comercial.
Para solicitar orçamento, envie o texto.
Não elaboramos trabalhos de graduação ou pós. Não insista.