16 de outubro de 2014

Estratégias de revisão de textos

Descrever de forma mais precisa e mais completamente a atividade contemporânea de revisores de textos é o objetivo da proposta que se estende além do processo de revisão tradicional.

O revisor é interveniente do processo de criação do texto de muitas formas.
A quantidade de detalhes e processos
abrangidos pela revisão de textos
nem sempre é alcançada pelos autores
e, infelizmente, mesmo por muitos
revisores à antiga.
Uma maneira comum de descrição da atividade de revisão inclui na análise a quantidade de alterações feitas e o nível de texto mais afetado por estas mudanças. Não se pode ignorar a dimensão dinâmica de produção de textos, do controle e da impressão atualmente envolvidos. A análise deve se centrar na sequência de transformações realizadas para verificar os níveis qualitativos de um texto autoral ou composto por um revisor sênior.

Níveis de texto e sequência controlada de revisões 

Para identificar sequências de revisões, aplica-se o método de quantificação e comparação, passo a passo, das sequências de ações, por meio dos controles das alterações durante a produção. Para melhorar uma narrativa experimental com problemas que afetam a nível lexical e de consistência, os revisores corrigem os erros em sua ordem de aparição na leitura e no nível do texto afetado, fazendo uma e outra coisa de forma independente. No entanto, na revisão de uma descrição, cabe sempre corrigir primeiro os erros lexicais antes de aquelas que afetam a consistência. Estas variações na articulação dos processos envolvidos no controle de diferentes níveis do texto dependem do nível de domínio do padrão textual do revisor no processo.
A sucessão de reescritas feitas durante uma tarefa de escrita é estudada a partir de dados coletados por meio de um dispositivo de computador inclui um módulo de codificação e localização das revisões no texto e produção. A análise refere-se episódios de reescrita durante os quais o autor para de escrever para reescrever antes de retomar a escrita mais tarde. É o nível de texto relevante (palavra, frase, parágrafo, texto) que é inferido a partir da diferença no texto entre alterações sucessivas. Duas estratégias de reescrita são identificadas. A estratégia linear é rever o texto à medida que avança. A estratégia não-linear transforma o texto em áreas remotas que podem ser alteradas várias vezes. A última estratégia assume o controle da estrutura e coerência textual. Ele é usado por autores ao compor um texto e verificadas pelos revisores ao cabo. No entanto, em uma narrativa escrita fácil, onde a atividade está prevista para o início de um padrão textual dominado, os autores utilizam a estratégia linear. Ao empregar a estratégia não-linear, primeiro se produz um resumo (ou esquema) curto, que é gradualmente preenchido e amplificado. Escrever segundo um plano (projeto, roteiros) indica a implementação do tipo de tratamentos descendentes. A estratégia de revisão permite mudança incremental de escrita linear para não-linear na estruturação dos textos. Ela incrementa tratamentos ascendentes de intervenção e contribui para a execução mais oportuna da tarefa de composição do texto.
Usando-se os controles de alteração no texto, analisa-se a realização progressiva de um artigo científico por pesquisadores, com conteúdos que podem ser copiados e colados no processador de texto. Nesta tarefa específica de escrita, autores mais ou menos experientes não têm propriamente que gerar o conteúdo do texto. Sabe-se que os autores mais experientes planejam seu texto mentalmente antes de iniciar a redação, usando o potencial de processamento de texto em seguida. Eles escrevem linearmente na medida que avançam o raciocínio, submetendo o produto à revisão mais completa, quando concluída a tarefa da composição.
O controle de texto sistemático e linear é observado tanto quanto as limitações das habilidades de tarefas e escrita do revisor permitirem. Durante esta verificação, diferentes tratamentos podem permitir o exame dos vários níveis do texto. Em tarefas difíceis, o controle parece focado e a reconsideração autoral do texto é repetida.

Sequência do processo de produção e revisão de texto

Outras estratégias de abordagem levam em conta o momento da participação do revisor no processo e seu impacto sobre a escrita e o controle do texto. Essa abordagem é usada principalmente em trabalhos em que o conteúdo incide sobre as estratégias de autorregularão e de redação. Essas estratégias, tanto em processos de alto nível, planejamento, gestão, avaliação e revisão textuais, bem como procedimentos rotineiros de baixa complexidade, permitem sua utilização eficaz e ajustes estratégicos determinados pelas transições entre as fases da produção.
Em termos de avaliação, as estratégias de regulação incluem a implementação, de acordo com uma sequência estritamente determinada de diferentes tratamentos, como a leitura e releitura do texto, identificando ideias principais, avaliando a sua clareza, rastreamento erros, e sua correção. O uso de rotinas de revisão é necessário, por exemplo, a estudantes universitários para avaliar cada frase produzida em função dos objetivos do texto a ser produzido e, em seguida, considerar a sua forma, antes de produzir a próxima frase. Esta sequência permite aos autores remover dificuldades impostas pelos bloqueios de produção e, ainda, rever e fazer reescritas mais frequentemente, com efeito benéfico sobre a qualidade da sua escrita.
Comparados a autores experientes em produção escrita, jovens escritores têm pouco controle, abrangendo apenas aspectos superficiais da produção escrita. Esta observação leva a algumas preocupações: a partir de uma perspectiva de desenvolvimento da capacidade de controlar a atividade redacional, cabe criar um modelo dos processos de desenvolvimento de produção escrita que se torne funcional; o processo de criação do conteúdo segundo o planejamento precede o uso da linguagem e antecede a revisão; o tratamento dos níveis lexicais e frasais precede o nível textual; os recursos humanos e técnicos devem estar de fato disponíveis para de assegurar uma operação criativa deliberada e menos onerosa do processo de planejamento e redação. Uma vez instalados, esses processos continuam a evoluir.
Inspirado em Roussey & Piolat
São Paulo: +55 (11) 3042-2403 Rio de Janeiro: +55 (21) 3942-2403 Belo Horizonte: +55 (31) 3889-2425
Brasília: +55 (61) 4042-2403 Porto Alegre: +55 (51) 4042-3889 Skype: keimelion
Atendemos em horário comercial.
Para solicitar orçamento, envie o texto.
Não elaboramos trabalhos de graduação ou pós. Não insista.