3 de setembro de 2014

Meio ou meia?

Questões simples da linguagem cotidiana podem perdurar gerando dúvida ou equívoco até mesmo em textos de pós-graduação. Você tem certeza de que emprega sempre certo as palavras meio e meia?

Dizem que o povo aqui em nosso país costuma ser bem expressivo, tanto ao falar como pelo hábito de gesticular enquanto fala. Assim, podemos dizer que o uso do advérbio aqui é muito frequente nos textos falados e escritos, a fim de intensificar a mensagem. Por isso, é comum o uso da palavra “meio” quando queremos intensificar um termo ou nos referir a uma ideia de fração. A palavra “meio”, então, pode se comportar como advérbio de intensidade e também como numeral fracionário.
Primeiramente, uma breve revisão:
Revisores de textos colaboram em teses e dissertações bem escritas.
Qualquer ilustração pode conter
meias imagens e elas pode estar
meio tortas.
  • Classe gramatical variável: são as palavras que permitem variação. O substantivo, adjetivo, numeral e pronome, por exemplo, admitem variação de gênero e número. Já nos verbos, ocorrem variações de modo, tempo, número e pessoa.
  • Classe gramatical invariável: Não permite variação. São exemplos dessa classe a preposição, a conjunção e a interjeição.

Portanto, o “meio”, quando se trata de advérbio, é invariável. Assim, se for advérbio, sempre será MEIO, pois não varia. No entanto, se usamos o termo buscando expressar um adjetivo numeral, é variável e passível de alterações conforme a concordância.
Veja só os exemplos:
Quando usado como advérbio de intensidade:
João está com problemas, por isso parecia meio irritado.
Eu estava meio entediado, então decidi mudar a minha rotina. 
Marina ficou meia triste com o cancelamento da sua festa de aniversário. 
Quando usado como numeral fracionário:
Bebi meio copo de suco de laranja antes de almoçar.
A dissertação do aluno ocupou apenas meia folha.
Pode parecer tudo “bem” à primeira vista, mas se você estiver um pouco mais atento perceberá que na terceira frase do primeiro bloco acima o advérbio é usado incorretamente. Marina, afinal, ficou meia triste ou meio triste? Podemos concordar o advérbio de intensidade ao adjetivo feminino, quando presente? Como vimos anteriormente, não.
Nesse caso, o advérbio de intensidade sempre deverá ser vinculado a um adjetivo e jamais sofrerá variação. No uso mencionado acima, meio será sempre meio, nunca meia. Só será permitida a variação indicar um numeral fracionário. Você pode dizer que comeu meia panqueca, que deu meia volta, mas nunca que está meia desconfiada ou meia triste. Ao menos, claro, que você tenha uma meia com sentimentos, aquela meia, de calçar nos pés. São equívocos inadmissíveis em uma tese e que algumas vezes passam despercebidas pelos autores, ficando a correção sob a responsabilidade do revisor, que fará uma leitura atenta e técnica, eliminando coisas desse tipo.
Uma boa maneira de eliminar a dúvida é substituindo a palavra em questão por outros advérbios, como “muito” ou “mais ou menos”. Se estes couberem na oração, o termo correto a se usar na frase é realmente o advérbio “meio”. Se não, trata-se de um numeral e pode sofrer variação de gênero.
1.  Catarina ficou meio triste com o cancelamento da viagem de férias. (adequado)
      Catarina ficou muito triste com o cancelamento da viagem de férias. (adequado)
2. Queria escrever apenas meio texto, mas acabei por escrevê-lo inteiro. (adequado)
       Queria escrever apenas mais ou menos texto, mas acabei por escrevê-lo inteiro. (inadequado)
Aplicando a substituição na frase 2, portanto, observamos que o “meio” citado trata-se de um numeral, e não de um advérbio. Assim, na frase 2, “meio” poderia ser substituído por “metade”, sem alteração de significado:
Queria escrever apenas metade do texto, mas acabei por escrevê-lo inteiro. (adequado)
A expressão “meio” ora se comporta como adjetivo, ora como advérbio. Quando assumem o papel de adjetivos, concordam com o substantivo a que se referem.
Há também muita confusão ao se empregar a palavra meio em sentenças que indicam período de tempo. Muitas vezes ouvimos a expressão “meio-dia e meio”, se tratando de hora. Porém, estamos querendo dizer que se trata de metade do dia mais meia hora, então o correto seria “meio-dia e meia”. Entretanto, por influência do gênero masculino de “meio-dia”, o erro é cometido frequentemente.  É comum ouvirmos “meio-dia e meio”. Contudo, isso significará, literalmente, “meio-dia mais metade de um dia”.
Quem redige um texto sério deve seguir a norma culta, utilizando concordando cada classe gramatical da forma correta para evitar um julgamento negativo da parte do leitor. Vão então mais alguns exemplos sobre o assunto:
As frases mais simples podem até não suscitar dúvida.
Mas quando a dúvida não surgir para o autor, ela será sanada pelo revisor.
Por Gustavo Mani.