Revisão de textos acadêmicos e literários: tipologia

Muitos serviços diferentes são chamados de revisão de textos. Quem contrata a revisão de uma tese, por exemplo, deve ter noção disso ao negociar o trabalho.

Não há uma tipologia definida para revisão de textos ou uma taxonomia estabelecida de forma muito definida e uniforme para as ações que compreendem essa atividade. Ao revisar textos, não nos restringimos nunca aos aspectos formais e linguísticos. Para melhorar o trabalho, mesmo que nem sempre se domine as áreas técnicas deles, procuramos sugerir alterações objetivas e explícitas. Se depois estas alterações são mantidas, será decisão do autor. Ele, melhor que ninguém, sabe o que diz.
Quem revisa a tese na Keimelion conta com nossa parceria.
Todo texto campeão
já passou por revisão.

Todavia, pode-se falar de alguns tipos de revisão:
  • Editorial: procura verificar situações estruturais, como notas de rodapé, referências, translineação, bem como proceder a algumas adaptações de linguagem;
  • Linguística: em que aspectos formais e comunicacionais do texto prevalece;
  • Literária, em que se procura aferir o rigor dos conteúdos. É neste tipo de revisão que ocorre o verdadeiro processo de releituras do texto e a reescrita dele. 
Um texto – literário ou científico – pode incorrer em qualquer uma destas tipologias de revisão. Dai que seja válido falar em duas abordagens:
  • Restritiva, que implica apenas correções de ordem linguísticas ou tipográfica;
  • E extensiva, que engloba o melhoramento linguístico e a correção de conteúdos (algumas vezes chamada "preparação de textos" - mas não usamos essa terminologia).
Livremente inspirado em S. Coelho.

Revisão de texto cooperativa

Sempre revise, sempre formate com profissional.
A cooperação é técnica de
 revisão de textos que
 leva a excelentes resultados.
A revisão cooperativa de texto é pautada um conjunto de quatro máximas: máxima de quantidade, máxima de qualidade, máxima de relevância e máxima de modo. Cada uma das máximas é observada durante o processo de revisão realizado pelo revisor e autor em conjunto, ou pelo colegiado de revisores - com ou sem a participação do autor.
  • Máxima de quantidade está relacionada à informação apresentada no texto para que se dê o processo de compreensão por parte do leitor. Implica quantidade necessária, suficiente e supressão de excessos.
  • Máxima de qualidade está relacionada à verdade, a credibilidade e plausibilidade. O texto deve fornecer informações em que o autor acredita e apresenta como verdadeiras e que tenha evidências para comprová-las.
  • Máxima de relevância sugere que o autor faça com que seu texto seja relevante e comunicativamente pertinente, a inclusão de uma informação alheia ao foco dificulta a compreensão da mensagem por parte do leitor.
  • Máxima de modo refere-se à clareza de expressão, é um princípio evidente de cooperação por parte do autor e do revisor. Ambos interagem para procurar organizar as ideias com palavras objetivas, expressões de sentido preciso e frases bem estruturadas, evitando: obscuridade, ambiguidade, prolixidade, desordem.
Claro que o revisor que trabalha sozinho, de forma resolutiva (tendo seu trabalho como versão definitiva), também vai considerar todas essas máximas, mas a condição ideal para melhor proveito nesse sentido advém do trabalho cooperativo e dele resulta.

Revisão de texto resolutiva

A revisão de texto é atividade complexa em que a função do revisor é intervir no texto do autor com o objetivo de apontar lacunas e inadequações na tessitura desse objeto cultural. Ao revisar, o profissional precisa levar em consideração o gênero textual estabelecido na proposta, cujo enunciado necessita cumprir as condições de produção de textos: o que dizer (tema); a quem dizer (leitor); como dizer (gênero); por que dizer? (objetivo); onde será veiculado? (suporte). Dessa maneira, a revisão varia conforme o gênero textual.
Temos orgulho de colaborar em dissertações excelentes.
Revisões de texto resolutivas
são as mais comuns.
Mas é possível afirmar que há maciça preferência dos revisores de língua materna (e certamente também das demais línguas) pela revisão resolutiva, caracterizada pela apresentação e solução dos problemas detectados nos textos. Trata-se da concepção de língua como código homogêneo e neutro  em que se estabelece a perspectiva normativa que considera o texto do cliente apenas para correção de regras gramaticais, ou de pressão de tempo para execução do trabalho.
Revisão resolutiva consiste em eliminar todos os erros, reescrevendo palavras, frases e períodos inteiros. Nela, o revisor faz uma delicada operação que requer tempo e empenho, isto é, procura separar tudo o que no texto é aceitável e interpretar as intenções do autor sobre trechos que exigem correção; reescreve depois tais partes fornecendo um texto depurado. Neste caso, o erro é eliminado pela solução que reflete a opinião do revisor.
Limita-se, assim, o processo reflexivo entre autor e revisor, pois aquele recebe  todas as alterações como consumadas, eliminando-se a possibilidade de refletir  conjuntamente sobre o texto, uma vez que o veredito já está dado; dessa forma, entende-se o texto como produto acabado e não como processo.
Revisão é um processo lento, dentro do qual se insere outro processo, o da chamada correção, que, por sua vez, também supõe e demanda etapas. Mas a realidade do mercado é que o fator tempo é premente, assim como os custos em que implica a revisão múltipla, interativa e cooperativa.