Revisar a dissertação ou reescrever?

A edição de dissertações, teses, artigos, pode ser parecer assustadora – mas não se impressione tanto. Primeiro, vamos estabelecer o que entendemos como reescrita e revisão – depois daremos sugestões.

Para nós, reescrever é o ato de o autor de um texto modificá-lo. Reescrever é ação distinta da revisão, pois esta exige alteridade: ser feita por outro – e externalidade: quem revisa não pode ter tido contato com o texto antes da revisão. Quando o autor reescreve, claro que ele vai reparar lapsos, melhorar a redação e, normalmente, aperfeiçoar o texto. Mas o próprio ato de reescrever e, muitas vezes, reescrever e reescrever novamente, vai criando barreiras à identificação de problemas no texto, a visão do autor fica saturada da informação e ele deixa de ver os problemas no escrito – por isso a necessidade de um revisor externo.
Reescrever a dissertação para depois ela ser revisada, essa é a lógica!
O autor é quem tem  a
palavra final depois da revisão.
Atenção: reescrever não significa escrever tudo de novo. Apenas é o retorno do autor ao texto, fazendo nele as modificações que julgar necessárias.
O autor pode, ao reescrever, alterar o conteúdo do texto: ele é o dono da criação, pode preferir outro argumento, outro exemplo ou outra ordem das ideias; o revisor não pode fazer isso, ele tem limitações, pois o texto não lhe pertence, ele não tem autoridade (nem autoria), quando muito uma coautoria (ou sub-autoria). Então, há mesmo diferenças substanciais entre reescrever e revisar, embora os pesquisadores do letramento usem um pelo outro.

Há muitos procedimentos, rotinas, da revisão que podem ser assimilados pelo autor e empregados em proveito de seu texto:
  • Olhar seus textos do passado e do presente. Identifique falhas e erros frequentes e classifique-os por gravidade. É bom aprender onde você costuma ter problemas na escrita.
  • Visitar sites de manuais de redação acadêmica e também de outros gêneros. Digitar as dúvidas em sites de busca.
  • Escrever normalmente, depois de terminar a primeira versão, aplicar as dicas e ideias encontradas online.
  • Fazer pausas do trabalho a cada tópico, antes de começar a editar. A reescrita é importante no processo e ter calma e constância possibilitará identificar muitos problemas no texto.
  • Ler e reler o texto à procura de erros em todos os domínios da gramática: ortografia, sintaxe, coerência, coesão…

Dividir as partes do texto em alta prioridade e baixa prioridade. Alta prioridade inclui:
  • Ideia ou foco: verificar se o texto tem uma ideia central clara e explícita.
  • Público e propósito: quem vai ler? Para quê? Por que o texto será lido?
  • Organização: a linguagem e a estrutura do texto são claras?
  • Desenvolvimento: acrescente mais detalhes, exemplos ou dados específicos onde couberem.

Baixa prioridade inclui: estrutura da frase, pontuação, escolha de palavras e ortografia. Mantenha uma lista de problemas que se repetem e verifique-os.
  • Ler o texto em voz alta, ouvindo tudo o que soa incorreto. As regras de pontuação fazem sentido e são necessárias.
  • Dicas para a dissertação ou tese
  • Solicite que outra pessoa leia o texto já escrito sempre que possível.
  • Escritas e reescritas constantes fazem você não identificar erros óbvios, pois você se acostumar com eles.
  • Ler em voz alta o seu trabalho ajuda a identificar erros de sintaxe, frases confusas e palavras repetidas.
  • Dê a si tempo suficiente para editar e reeditar, escrever e reescrever.
  • Controle sempre as anotações para citações, estatísticas e paráfrases. O plágio pode até mesmo ser involuntário, mas é trágico.

Não existe mesmo nenhum substituto para a prática. Escrever e reescrever são os melhores caminhos para se chegar a um bom texto; isso requer tempo, portanto controle seu cronograma.
Contrate um revisor tão bom quanto for sua dissertação ou tese. Os melhores textos merecem os melhores revisores.

Revisando parágrafos do texto acadêmico.

O revisor de texto está sempre atento à paragrafação do documento em que estiver trabalhando. Muito antes de os parágrafos serem elementos gráficos para composição estética do texto, são códigos para hierarquização das ideias, agrupando-as ou as segmentado como recurso ordenador, contribuindo também para a ergonomia visual que propiciando ganho em legibilidade e apreensão do texto.
Tamanho ou aparência não são fatores na caracterização de uma seção de uma dissertação ou tese como um parágrafo.
Não é o número de sentenças que determina a paragrafação, mas a unidade e coerência de ideias entre estas sentenças que torna a seção em um parágrafo. Por exemplo, em alguns estilos de escrita, particularmente o jornalístico, um parágrafo pode ser uma única sentença. Já no texto acadêmico, os parágrafos costumam ordenar informações mais complexas, portanto os mais longos são recorrentes. Desde que a sentença expresse a ideia central da do tópico, ela pode funcionar como parágrafo. Parágrafos fortes contêm uma sentença ou sentenças unificadas em torno da ideia central da seção do texto: capítulo ou subcapítulo. Quando o parágrafo é completado, ele deve conduzir o leitor pelo texto e guiá-lo ao entendimento do tópico que estiver lendo. Se o parágrafo se completar em uma sentença ou em vinte, o resultado final ainda será um parágrafo.
A decisão sobre o que o que o revisor manterá dos parágrafos, em última instância, começa pela observação do desenvolvimento das ideias do autor. Seja qual for o tema ou tamanho do texto, o revisor vai pensar em todas as questões que cercam o tema e os objetivos finais do que o autor deseja expressar. Este processo pode assumir diversas formas. A forma que escolher dependerá do estilo ou abordagem da escrita pelo autor. Para alguns escritores, a chave é escrever todas as questões relevantes em uma série de frases ou palavras que expressam alguma grande ideia. Para outros, este processo envolve um conjunto de informações em forma de sentenças. Seja qual for o método do autor, ele será identificado pelo revisor que procurará os desvios que a redação por etapas introduz no texto longo. Construir os parágrafos ou revisá-los pode ser tão complexo quanto qualquer outro elemento de coerência e coesão do texto. Quaisquer inconsistências ou outras imperfeições nas estruturas de parágrafos podem causar desvios interpretativos. Cada parágrafo em deve ser:
  • Unificado: todas as sentenças devem se referir à ideia principal (ou tese) do segmento de texto que ele integra;
  • Coerente: as sentenças devem ser organizadas de modo lógico e devem seguir um plano definido de desenvolvimento; 
  • Bem desenvolvido: cada ideia discutida no parágrafo deve ser explicada e apoiada adequadamente por evidências e detalhes que trabalhem junto para explicar a ideia central.

A revisão da estrutura parágrafos é mais que juntar ou separar poucas sentenças no mesmo segmento do texto. É um processo que reconsidera intrincadas ligações entre várias ideias. Estas ligações, em última instância, criam uma ideia única que reverbera pela dissertação, tese ou artigo inteiro.
Há muitos componentes diferentes no modelo de desenvolvimento de parágrafos apresentado aqui. Todos os seus parágrafos devem