28 de outubro de 2011

Dicas para revisores de textos acadêmicos

Os revisores de textos sempre dão dicas para os autores, a mais importante delas é que todo texto precisa passar pela revisão profissional. Mas existem as dicas para revisores, eles mesmos, às quais sempre estamos atentos e que podem servir de orientação para o autor compreender o trabalho do revisor e sua importância.
Os revisores de textos têm critérios de trabalho que
devem ser conhecidos pelos autores em benefício do
objeto de trabalho comum: o texto.
Os fragmentos que se seguem são originários do texto Doze dicas para revisores e foram livremente cortados e adaptados.
Muitas das habilidades críticas necessárias para tornar-se um revisor acadêmico de sucesso não são, em geral, ensinadas nas escolas de graduação, pelo menos não de modo formal. Uma destas é como revisar artigos acadêmicos profissionalmente, com foco no interesse do cliente.
Como as pessoas aprendem a revisar? A maioria dos revisores aprendem a revisar pela imitação.  “O trabalho de um revisor é desaprovar o texto. Procure quaisquer falhas que ele possa ter na grafia, sintaxe, lógica, coerência e nas conclusões e então as comunique ao autor.” Deste modo, o ciclo de revisões negativas se perpetua gerações afora, mas não é assim que deve ser; vejamos algumas diretrizes a que aderimos:
  1. Clareza na função. O trabalho do revisor é melhorar um artigo submetido, não (necessariamente) julgá-lo e certamente não desqualificá-lo. O autor espera seu trabalho para valorizar o texto, de forma que você deve aperfeiçoar a redação do artigo e apresentar sugestões.
  2. Agilidade no trabalho. Suas revisões precisam ser programadas. Não deixe para começá-las no último minuto. Se quer construir uma reputação como bom revisor, seja pontual e apronte sua revisão à frente do cronograma.
  3. Cuidado na leitura. Sim, você precisa ser ágil, mas não às custas da exatidão. Leia o artigo cuidadosamente e retorne aos trechos que não estejam claros tantas vezes quantas forem necessárias, em cada um das fases da revisão.
  4. Interferir sem hostilidade ou tendências maliciosas na revisão. Já houve revisões hostis em demasia, demonstrando superioridade no trato com a língua. Se houver alguma confusão mais comprometedora no texto, apresente-a abertamente mas sem ser rude a respeito.
  5. Concisão nas explicações. O autor é pessoa ocupada. Ele espera sua opinião, não tratado de linguística e teoria da comunicação justificando cada interferência.
  6. Não ser pedante. Não limite seu trabalho à procura de erros de grafia e infelicidades gramaticais. Mas não reconstrua todo o texto do autor. Os revisores de texto existem para melhorar o trabalho do autor, não para o substituir.
  7. Bom estilo de revisão. Não há consenso acerca de um estilo de revisão, de modo que você pode desenvolver um que lhe seja mais aprazível. Mas estilo de revisão não pode ser impor estilo autoral do revisor.
  8. Recomendação de reescrita. Melhor sempre reescrever, quando possível, e perguntar se era aquilo que o autor pretendia dizer.
  9. Cuidado com o egocentrismo. O trabalho do revisor é de assessoramento do autor, ele é a estrela do texto.
  10. Não opinar sobre o trabalho, emita seu parecer no máximo quanto à estrutura do texto e apenas se o autor solicitar expressamente.

25 de outubro de 2011

Para escrever bem

Um pouco de ironia pode ajudar a escrever bem, mas nada dispensa a interferência de um revisor de textos. A função do revisor, como leitor profissional, ultrapassa todas as dicas e recomendações de redação, pois ele vê o texto do ponto de vista externo e com conhecimento linguístico - nunca com os mesmos olhos do autor.
Todas as recomendações que
já foram feitas sobre a redação
fazem parte do repertório do
revisor de textos.
  1. Deve evitar ao máx. a utiliz. de abrev., etc.
  2. É desnecessário fazer-se empregar de um estilo de escrita demasiadamente rebuscado. Tal prática advém de esmero excessivo que raia o exibicionismo narcisístico.
  3. Anule aliterações altamente abusivas.
  4. não esqueça as maiúsculas no início das frases.
  5. Evite lugares-comuns como o diabo foge da cruz.
  6. O uso de parêntesis (mesmo quando for relevante) é desnecessário.
  7. Estrangeirismos estão out; palavras de origem portuguesa estão in.
  8. Evite o emprego de gíria, mesmo que pareça nice, sacou??... então valeu!
  9. Palavras de baixo calão, porra, podem transformar o seu texto numa merda.
  10. Nunca generalize: generalizar é um erro em todas as situações.
  11. Evite repetir a mesma palavra pois essa palavra vai ficar uma palavra repetitiva. A repetição da palavra vai fazer com que a palavra repetida desqualifique o texto onde a palavra se encontra repetida.
  12. Não abuse das citações. Como costuma dizer um amigo meu: "Quem cita os outros não tem idéias próprias".
  13. Frases incompletas podem causar
  14. Não seja redundante, não é preciso dizer a mesma coisa de formas diferentes; isto é, basta mencionar cada argumento uma só vez, ou por outras palavras, não repita a mesma idéia várias vezes.
  15. Seja mais ou menos específico.
  16. Frases com apenas uma palavra? Jamais!
  17. A voz passiva deve ser evitada.
  18. Utilize a pontuação corretamente o ponto e a vírgula pois a frase poderá ficar sem sentido especialmente será que ninguém mais sabe utilizar o ponto de interrogação
  19. Quem precisa de perguntas retóricas?
  20. Conforme recomenda a A.G.O.P, nunca use siglas desconhecidas.
  21. Exagerar é cem milhões de vezes pior do que a moderação.
  22. Evite mesóclises. Repita comigo: "mesóclises: evitá-las-ei!"
  23. Analogias na escrita são tão úteis quanto chifres numa galinha.
  24. Não abuse das exclamações! Nunca!!! O seu texto fica horrível!!!!!
  25. Evite frases exageradamente longas pois estas dificultam a compreensão da idéia nelas contida e, por conterem mais que uma idéia central, o que nem sempre torna o seu conteúdo acessível, forçam, desta forma, o pobre leitor a separá-la nos seus diversos componentes de forma a torná-las compreensíveis, o que não deveria ser, afinal de contas, parte do processo da leitura, hábito que devemos estimular através do uso de frases mais curtas.
  26. Cuidado com a hortografia, para não estrupar a língúa portuguêza.
  27. Seja incisivo e coerente, ou não.
  28. Não fique escrevendo (nem falando) no gerúndio. Você vai estar deixando seu texto pobre e estar causando ambiguidade, com certeza você vai estar deixando o conteúdo esquisito, vai estar ficando com a sensação de que as coisas ainda estão acontecendo. E como você vai estar lendo este texto, tenho certeza que você vai estar prestando atenção e vai estar repassando aos seus amigos, que vão estar entendendo e vão estar pensando em não estar falando desta maneira irritante.
  29. Outra barbaridade que tu deves evitar chê, é usar muitas expressões que acabem por denunciar a região onde tu moras, carajo!... nada de mandar esse trem... vixi... entendeu bichinho?
  30. Não permita que seu texto acabe por rimar, porque senão ninguém irá aguentar já que é insuportável o mesmo final escutar, o tempo todo sem parar.
  31. Não diga quem é o autor de algo que você encontrou na internet, assim com eu usei essas dicas do Professor João Pedro, UNICAMP, sem dizer antes que ele as escreveu.

Revisão e formatação de teses e dissertações há mais de quinze anos.

Informações de preços, serviços e condições.
São Paulo: +55 (11) 3042-2403 Rio de Janeiro: +55 (21) 3942-2403 Belo Horizonte: +55 (31) 3889-2425
Brasília: +55 (61) 4042-2403 Porto Alegre: +55 (51) 4042-3889 Skype: keimelion
Atendemos em horário comercial estendido.
Solicite orçamento sem compromisso, enviando o texto para nós.
Não elaboramos trabalhos de graduação ou pós. Não insista.